Print Friendly, PDF & Email

Ao despedir-me de alguns jovens que partiam para férias, recomendei:
– Boas férias para todos e… lembrem-se que Deus não tem férias…
– Isso quer dizer que também nós não devíamos ter férias?
– Nada disso. Deus não tem férias… as nossas férias é que devem ter Deus.

É precisamente o que se passa no Evangelho deste domingo. Ao regressarem da sua missão, os discípulos foram obrigados por Jesus a descansar:
– Vinde, retiremo-nos para um lugar deserto e descansai um pouco.
De facto, Jesus não disse ‘retirai-vos’ mas ‘retiremo-nos’ porque ele está sempre presente, quer na actividade quer no descanso. Aliás, enquanto descansavam, veio uma multidão e Jesus, compadecido, começou a ensinar-lhes muitas coisas. Sempre que alguém descansa, parece que Jesus fica com mais trabalho.

E a propósito de trabalho, perguntaram, não há muito tempo, ao Papa João Paulo II, quando é que pensava ir descansar. A idade, as doenças, a debilidade física, as consequências dos atentados, a agenda sobrecarregada, tudo isto deve cansá-lo muito. Porque é que trabalha tanto? O Papa, sorrindo, respondeu:
– Eu tenho toda a eternidade para descansar. Enquanto estou aqui, tenho de trabalhar sem descanso…

Quem trabalha com Deus, descansará eternamente.

Pe. José David Quintal Vieira, scj
davidvieira@netmadeira.com