Print Friendly, PDF & Email

1ª Semana – Sábado

Lectio

Primeira leitura: Actos 4, 13-21

Naqueles dias, os chefes do povo, os anciãos e os escribas, 13vendo o desassombro de Pedro e de João e percebendo que eram homens iletrados e plebeus, ficaram espantados. Reconheciam-nos por terem andado com Jesus, 14mas, ao mesmo tempo, vendo de pé, junto deles, o homem que fora curado, nada encontraram para replicar. 15Mandaram-nos, então, sair do Sinédrio e começaram sozinhos a deliberar:
16«Que havemos de fazer a estes homens? Que um milagre notável foi realizado por
eles é demasiado claro para todos os habitantes de Jerusalém e não podemos negá-lo.
17No entanto, para evitar que a notícia deste caso se espalhe ainda mais por entre o povo, proibamo-los, com ameaças, de falar, doravante, a quem quer que seja, nesse nome.» 18Chamaram-nos, então, e impuseram-lhes a proibição formal de falar ou ensinar em nome de Jesus. 19Mas Pedro e João retorquiram: «Julgai vós mesmos se é justo, diante de Deus, obedecer a vós primeiro do que a Deus. 20Quanto a nós, não podemos deixar de afirmar o que vimos e ouvimos.» 21Eles, então, com novas ameaças, mandaram-nos em liberdade, não encontrando maneira de os castigar, por causa do povo; pois todos glorificavam a Deus pelo que tinha acontecido.

Os apóstolos defenderam-se com valentia diante do tribunal. Essa valentia nasce da liberdade da fé. Os seus adversários encontraram-se em nítida dificuldade. Pretendiam ocultar factos cuja força se impunha: a cura do coxo, o que Pedro e João viram e ouviram. Estavam num beco sem saída. Os acusados eram discípulos de
Jesus, gente simples e sem cultura, mas homens seguros e valentes que, acusados, se tornam acusadores, intérpretes da Escritura e pregadores. Para maior complicação, tinham a seu lado aquele que fora curado pela invocação do nome de Jesus. Era preciso reflectir seriamente. Reflectiram e resolveram impor silêncio a Pedro e a João: «proibamo-los, com ameaças, de falar, doravante, a quem quer que seja,
nesse nome» (v. 17). Mas, como obedecer a uma ordem tão absurda? Por isso, Pedro responde: «Julgai vós mesmos se é justo, diante de Deus, obedecer a vós primeiro do que a Deus. Quanto a nós, não podemos deixar de afirmar o que vimos e ouvimos» (vv. 19.20). Os apóstolos estavam conscientes de que falar da morte e da
ressurreição de Jesus era vontade de Deus, era um mandato divino. Por isso, não era possível obedecer às autoridades judaicas. Não havia ordens nem ameaças capazes de os fazerem calar, porque a força irresistível de Deus estava com eles.

 

 

Evangelho: Marcos 16, 9-15

Tendo ressuscitado de manhã, no primeiro dia da semana, Jesus apareceu primeiramente a Maria de Magdala, da qual expulsara sete demónios. 10Ela foi anunciá-lo aos que tinham sido seus companheiros, que viviam em luto e em pranto.
11Mas eles, ouvindo dizer que Jesus estava vivo e fora visto por ela, não acreditaram.
12Depois disto, Jesus apareceu com um aspecto diferente a dois deles que iam a

caminho do campo. 13Eles voltaram para trás a fim de o anunciar aos restantes. E também não acreditaram neles. 14Apareceu, finalmente, aos próprios Onze quando estavam à mesa, e censurou-lhes a incredulidade e a dureza de coração em não acreditarem naqueles que o tinham visto ressuscitado. 15E disse-lhes: «Ide pelo mundo inteiro, proclamai o Evangelho a toda a criatura.

Este texto é um acrescento destinado a concluir o evangelho de Marcos, escrito ainda na época apostólica, e aceite pela Igreja. Mc 16, 7 aludia a um encontro na Galileia que não é descrito. Por isso, é aceite a hipótese de que o primitivo epílogo se tenha perdido, sendo substituído pelo que agora temos. De Mt 28, 16-20 e de Jo 21, 1-4, sabemos que Jesus apareceu aos discípulos na Galileia, onde confirmou o grupo dos discípulos, conferindo-lhes a missão universal. Poderia ser este também o conteúdo da folha que se perdeu.
Como em Lucas (24, 36-43) e nos Actos (10, 41), a aparição aos Onze acontece durante uma refeição comunitária. Uma vez mais, como é típico em Marcos, é sublinhada a incredulidade e a atitude refractária dos discípulos em se darem conta do que aconteceu. Só a presença directa de Jesus libertará os apóstolos da dureza de coração e os transformará em verdadeiros crentes. A Ressurreição não é fruto de imaginação ingénua ou da sugestão colectiva dos discípulos. É um dom do Pai Àquele que se fez obediente até à morte para salvar a Humanidade. A fé na Ressurreição é também um dom do Senhor aos discípulos. Ao conceder-lho também lhes dá o encargo de continuarem a Sua missão, para que a Boa Nova chegue a toda a terra (v. 15).

Meditatio

A Ressurreição é um mistério de fé que encontrou resistência nos Apóstolos.
«Não acreditaram» é o refrão que se repete no epílogo do evangelho de Marcos. Por isso, Jesus tem de lhes censurar a dureza de coração em não acreditarem naqueles que O tinham visto ressuscitado (Mc 16, 14). Também em nós podem surgir resistências à fé na Ressurreição: preferimos as nossas tristezas à alegria da Ressurreição. Isto pode parecer estranho, mas é assim porque a alegria divina nos eleva, enquanto nós preferimos permanecer nas nossas preocupações, nas nossas tristezas, nos nossos interesses humanos. A tristeza leva-nos a ver as coisas na obscuridade do nosso amor-próprio, das nossas ilusões, e não à luz divina da Ressurreição. Por isso é que um autor cristão do século II escrevia: «Desapega-te de ti mesmo, renuncia à tristeza, porque a tristeza é a mãe da dúvida e do erro».
Na primeira leitura, Pedro e João utilizam um argumento que precisamos de redescobrir hoje, diante das prepotências do mundo em que vivemos. Quantas vezes os meios de comunicação social, e outros meios omnipotentes, tentam nivelar o modo de pensar e de avaliar típico dos cristãos pelo baixo nível do consumismo e dos horizontes exclusivamente intramundanos. A identidade cristã sofre agressões cada vez mais claras, ainda que, muitas vezes, soft e dissimuladas, que querem fazer passar por normal e óbvio o que não passa de comportamentos detestáveis. Por isso, é em nome da superior vontade de Deus que havemos de travar um verdadeiro
«combate cultural» para desmascarar o perigo da homologação pagã. Mas o
«combate cultural» pressupõe o «combate espiritual», em nome de uma forte experiência de Cristo. Não se pode calar a experiência da salvação, a experiência de ser a
mados por Deus, a experiência de ser acompanhados na vida pelo amor de Deus. Trata-se de um testemunho aberto e corajoso, que nada quer impor, mas que também não aceita imposições para esconder o que tem de mais precioso: a experiência do Ressuscitado.
De acordo com os ensinamentos e o exemplo do Pe. Dehon, a fonte do nosso
“testemunho profético…” para o “advento da nova humanidade em Jesus Cristo”

(Cst. 39), iniciada com a Sua Ressurreição é o Coração de Cristo e a Eucaristia. O evangelho diz-nos que foi no encontro com o Senhor ressuscitado, e na celebração da Eucaristia, que eles, em primeiro lugar, encontraram a força para o testemunho, mesmo nas mais duras circunstâncias.

Oratio

Senhor, faz resplandecer sobre a minha mente e sobre o meu coração, a luz esplendorosa da tua santa Ressurreição, para que me dê conta de quanto obedeço mais aos homens do que a Deus, de quanto estou inquinado pela mentalidade dos homens, de quanto me deixo levar pelas seduções deste mundo, de quanto me deixo fascinar pelo canto das sereias. Ilumina as profundezas do meu ser, os recantos obscuros da minha personalidade, os pontos menos conscientes do meu sentir, para que possa revê-los e rever o modo como me coloco diante da mentalidade dominante.
Dá-me a coragem dos Apóstolos para que, vencendo todos os obstáculos, testemunhe o teu nome diante todos e em todas as circunstâncias. Amen.

Contemplatio

S. Marcos era hebreu de origem e da raça sacerdotal de Aarão. Era da
Galileia, pátria de S. Pedro, do qual foi o intérprete e o companheiro.
Fazia parte dos setenta e dois discípulos; mas, no dizer de Santo Epifânio, retirou-se com muitos outros, quando Nosso Senhor disse: «Se não comerdes a minha carne, não tereis a vida em vós». Mas S. Pedro converteu-o e reconduziu-o a Jesus depois da ressurreição. Ligou-se a S. Pedro e permaneceu sempre penitente como ele. S. Pedro chama-o seu filho na sua primeira epístola (5, 13).
Seguindo o chefe dos apóstolos nas suas viagens apostólicas, serviu-lhe de
intérprete, de secretário e de catequista. Acompanhou-o a Roma, e, depois das pregações do Apóstolo, a multidão perguntava a S. Marcos explicações e notas. Esta foi a origem do seu Evangelho. Serviu-se aliás do de S. Mateus ou de uma recolha primitiva de discursos do Salvador, na qual S. Mateus se teria também inspirado.
Escrevendo S. Marcos sob a direcção de S. Pedro, tem conta da humildade do seu mestre, relata longamente a tríplice negação do apóstolo e não cita o que Nosso Senhor diz em louvor do Príncipe dos apóstolos, quando este o reconheceu como Filho de Deus (Leão Dehon, OSP 3, p. 478).

Actio

Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
«Proclamai o Evangelho a toda a criatura» (Mc 16, 15).