Print Friendly, PDF & Email

Na América Latina a Congregação possui seis entidades: Argentina, Brasil-Recife, Brasil-São Paulo, Brasil do Sul, Chile e Venezuela.

A estas entidades estão ligadas outras presenças no sul daquele continente: Distrito do Uruguai, dependente da Argentina; Distrito do Maranhão, dependente da Província de Brasil-São Paulo; Distrito do Equador, dependente da Província da Espanha e a Comunidade Internacional do Paraguai, sob a responsabilidade do Brasil do Sul. Prevê-se, para breve, a constituição do Distrito do Mato Grosso, no Brasil. Até finais dos anos 70, a presença Dehoniana na América Latina estava muito dependente das Províncias-mãe da Europa. Após o Concílio Vaticano II, as comunidades cristãs da América Latina conheceram especial dinamismo, e a nível da Congregação fortaleceu-se muito o empenho missionário e social. No Brasil verificou-se um grande aumento de vocações Dehonianas, que contrastou com a grande diminuição de missionários europeus. Nos restantes países (Argentina, Chile e Uruguai) a diminuição de missionários não foi acompanhada por um equivalente surgimento de vocações Dehonianas locais e, por isso, perdeu-se muita vitalidade. As presenças mais recentes (Venezuela, Equador e Paraguai) iniciaram-se com novas perspetivas e apresentam bons sinais de crescimento. Os vários bispos Dehonianos na América Latina são também um outro sinal da vitalidade da Congregação no serviço à Igreja e do seu empenhamento em áreas pastorais de proximidade com o povo, na educação, na comunicação social e na pastoral juvenil.

DehonianosAmerica

 

BRASIL

 

A presença Dehoniana no Brasil compreende diversas entidades, dada a vastidão de território e o correspondente número alargado de religiosos Dehonianos provenientes daquele país. A nível da organização o Brasil passou por diversas formas. Neste momento está organizado do seguinte modo:

 

Província do Brasil-Recife – Os primeiros Dehonianos chegaram ao Brasil em 1893 a convite do industrial brasileiro Carlos Alberto Menezes, que desejava implementar na sua grande fábrica têxtil o modelo de pastoral seguido por Leão Harmel, industrial francês muito amigo do Padre Dehon. Carlos Alberto Meneses foi à França e fez a proposta ao Padre Dehon, que aceitaram prontamente o desafio. Desde então, os Dehonianos deram vida a numerosas obras sociais, escolas, um círculo operário católico e uma cooperativa que foi a primeira do género na América Latina. A partir de 1920 foram enviados para o Brasil muitos missionários Dehonianos holandeses, que fundaram paróquias, escolas, seminários e também uma revista de formação cristã. Em 1938 foi criada a Província do Brasil do Norte, que recentemente tomou o nome de Brasil-Recife.

A Província do Brasil-Recife é formada por  40 membros. A missão consiste na vivência do carisma Dehoniano no trabalho paroquial (14 paróquias), na formação de sacerdotes e religiosos (2 seminários), no ensino da Teologia, no apostolado social e na educação.

 

Província do Brasil-São Paulo – A Província do Brasil-São Paulo nasceu em 2003, quando a Província do Brasil do Sul foi dividida em duas: a Província do Sul e a Província Central (agora Brasil-São Paulo). Porém as origens são comuns e remontam a 1903 com a chegada de dois padres alemães a Florianópolis (Santa Catarina) para dar assistência religiosa as famílias alemãs emigrantes no Brasil. Quando o Padre Dehon visitou o Brasil, em 1906, eram já 12 os missionários Dehonianos aí presentes. O desenvolvimento desta Província foi verdadeiramente extraordinário, ao ponto de se tornar a mais numerosa da Congregação. Os primeiros anos da história, além do trabalho de formação nos seminários de Taubaté, Brusque e Corupá, foram também marcados pelo trabalho de evangelização em vastas zonas paroquiais.

Atualmente a Província do Brasil-São Paulo conta com 231 membros. As principais atividades pastorais são: paróquias, ensino universitário, pastoral social, meios de comunicação social (revistas, rádios, televisão). A Província está também empenhada da Faculdade Dehoniana de Taubaté. Esta Faculdade, credenciada em 2001, oferece um Ensino Superior de qualidade reconhecida nas áreas da Teologia, Filosofia, Administração e Psicologia.

 

Província do Brasil do Sul – A 12 de agosto de 2003, da antiga Província do Brasil do Sul, criada em 1934, nasceu as Províncias do Brasil-São Paulo e do Brasil do Sul (Meridional). São como duas irmãs gémeas que caminharam juntas e agora formam das entidades da Congregação.

A Província do Brasil do Sul conta com 125 religiosos que se dedicam à pastoral paroquial, à educação, ao ensino universitário, à presença muito ativa nos meios de comunicação social e à formação. Possuem uma Escola de Marketing e Negócios (ESIC), em Curitiba, fundada em parceria com a Província de Espanha.

 

Distrito do Brasil-São Luís – A missão no Maranhão foi aceite a pedido da Santa Sé, através da Nunciatura Apostólica. Os primeiros missionários chegaram ao Maranhão a 18 de novembro de 1968. Inicialmente foram confiadas à Congregação três paróquias no Maranhão. Outras paróquias foram assumidas posteriormente.

Em 18 de novembro de 1991 foi criada a Região do Maranhão, com sede em S. Luís, dependente da Província do Brasil do Sul. A 1 outubro de 2005, tendo em conta as novas orientações da Congregação, a missão do Maranhão passou a Distrito, que hoje tem sete paróquias a seu cuidado. Possui 20 membros e duas casas de formação (seminários).

 

 

Província da Argentina

 

A guerra civil de Espanha fez com que alguns Dehonianos partissem para a Argentina. Chegaram a Santa Fé em 1936. Com eles ia também um Dehoniano holandês. Em 1938 outro missionários da Itália e assim começou a obra da Congregação na Argentina. Depois da II Guerra Mundial, a presença italiana tornou-se mais significativa. Fundam um colégio e uma escola-asilo e dedicam-se à pregação e às missões populares. O Concílio Vaticano II e a Conferência de Medellín fizeram com que a presença Dehoniana na Argentina se tornasse mais incisiva: criam-se escolas profissionais, colégios, um centro comunitário para famílias operárias, um lar para filhos de agricultores. Em 1978 começou a funcionar o noviciado de S. Miguel com noviços da Argentina, Chile e Venezuela. A Argentina foi reconhecida como Província em 1983. Ainda hoje, as atividades são aquelas típicas da evangelização: missões populares, paróquias, formação da juventude, assistência social aos indigentes e aos imigrantes. Atualmente a Província conta com 32 religiosos, entre os quais um bispo, distribuídos por 5 Comunidades. Para além das casas de formação dos candidatos, a Província desenvolve a sua missão nas 4 paróquias que lhe estão confiadas.

 

 

Distrito do Uruguai

 

Os Dehonianos estão presentes no Uruguai desde 1940. Trata-se de uma presença modesta devido às especificidades do país e à dificuldade em propor aos jovens a vocação à vida consagrada. O trabalho missionário é bastante árduo. A 12 de agosto de 2004 o Uruguai foi constituído Distrito, dependente da Província da Argentina. Neste momento o Distrito tem apenas 8 membros que desenvolvem a sua ação em paróquias situadas em zonas muito pobres e carenciadas. O ensino, a evangelização e o apoio social são as dimensões prioritárias da presença Dehoniana no Uruguai.

 

 

Distrito do Paraguai

 

A 14 de agosto de 2010 deu-se início à presença Dehoniana no Paraguai com a instalação da primeira comunidade religiosa na cidade de Límpio, próximo de Assunção. Pouco tempo depois, a presença Dehoniana estende-se a Alberdi, a 160 km de Assunção. Nesta cidade os missionários Dehonianos assumiram uma paróquia e o colégio paroquial. Em fevereiro de 2013 os missionários Dehonianos assumiram uma paróquia e respetivo colégio, em Assunção, capital do Paraguai.

A missão no Paraguai é uma missão internacional com a participação de várias Províncias: Brasil do Sul a quem cabe a coordenação da missão, Brasil-São Paulo, Argentina, Uruguai e Chile. Ao todo, trabalham no Paraguai 8 missionários que presentemente servem 7 paróquias, acompanham vários movimentos e desenvolvem um notável serviço de apoio social às populações carenciadas. O futuro abre-se com esperança, pois, num tão curto espaço de tempo, começam a surgir as primeiras vocações à vida consagrada Dehoniana.

 

 

Província do Chile

 

Os Dehonianos holandeses chegaram ao Chile em 1949. A primeira missão dos Dehonianos no Chile foi assistir espiritualmente uma paróquia e o respetivo colégio. Em 1953 os Dehonianos assumiram a responsabilidade direta de uma paróquia onde também construíram a igreja. Em 1958 abriram o seminário médio. O regime marxista de Salvador Allende transtornou toda a organização pastoral que se havia desenvolvido tão rapidamente. O golpe de estado de 11 de setembro de 1973 foi trágico para o povo chileno e também para os Dehonianos aí presentes: 5 são presos, 4 são expulsos e muitos viram-se forçados a regressar à Europa. A perda de obras e de pessoas obrigou os Dehonianos a reestruturar a sua atividade pastoral. Atualmente os Dehonianos ocupam-se de duas Paróquias, duas escolas e um centro de recuperação de toxicodependentes.  Trabalham no Chile 20 religiosos Dehonianos.

 

 

Distrito do Equador

 

O Equador foi a primeira missão da Congregação (1888-1898). A curta duração da nossa presença no Equador deveu-se ao facto de os missionários terem sido expulsos por um governo maçónico e claramente anti-clerical. Em 1998 foi possível retomar a presença Dehoniana no Equador, graças ao empenhamento da Província de Espanha que assumiu este território como campo privilegiado da missão ad gentes. Em 2013 o Equador foi elevado a Distrito dependente da Província de Espanha. Mais recentemente o Distrito do Equador tornou-se um bom exemplo de colaboração internacional ao nível da Congregação, pois, para além de Dehonianos de Espanha, trabalham no Distrito outros Dehonianos provindos do Brasil e da Venezuela. A missão desenvolve-se junto dos mais pobres, em paróquias dos subúrbios de Quito e Bahía de Caraquez, na pastoral juvenil e vocacional e na promoção social das populações.

 

 

Região da Venezuela

 

Em 1953, chegaram à Venezuela os primeiros Dehonianos espanhóis. Estabeleceram-se nos bairros pobres de Caracas, onde edificaram uma paróquia. Aos poucos a presença Dehoniana foi-se alargando a outras regiões do país e em 1979 a Venezuela tornou-se Região. A Província da Espanha mantém ainda na Venezuela vários dos seus religiosos a apoiar e a dar consistência à evangelização. A Venezuela tem 31 membros, sendo a média de idade de 41 anos. Há também um bom grupo de jovens a percorrer as diversas etapas formativas. A Comunidade de Caracas, onde está sediado o escolasticado, acolhe também jovens Dehonianos provindos de outros países (Brasil, Índia e Argentina) para fazerem ali a sua formação teológica.

A Venezuela conta com 8 comunidades: duas são comunidades de formação dos candidatos e as restantes estão ligadas ao apostolado paroquial, que inclui também centros médicos, casas de espiritualidade, escola técnica e refeitórios sociais para crianças. Os Dehonianos estão presentes em 4 dioceses.