Print Friendly, PDF & Email

CANTO DE EXPOSIÇÃO DO SANTÍSSIMO

INTRODUÇÃO

Para São Paulo, a caridade reúne em si e exprime todo o que Cristo trouxe de novo ao mundo. Onde ela faltar, todos os carismas – mesmo os mais necessários à vida da Igreja e da comunidade – perdem a sua força e o seu significado. A caridade é a virtude teologal por excelência e não terá fim. Nós fazemos profissão de tender à caridade perfeita, consagrando-nos inteiramente ao amor de Deus e dos irmãos (cf. CST 14).

Escutai a Palavra de Deus, da Primeira Carta do Apóstolo São Paulo aos Coríntios
(1 Cor 13,1-10.13)

Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, sou como um bronze que soa ou um címbalo que retine. Ainda que eu tenha o dom da profecia e conheça todos os mistérios e toda a ciência, ainda que eu tenha tão grande fé que transporte montanhas, se não tiver amor, nada sou. Ainda que eu distribua todos os meus bens e entregue o meu corpo para ser queimado, se não tiver amor, de nada me aproveita. O amor é paciente, o amor é prestável, não é invejoso, não é arrogante nem orgulhoso, nada faz de inconveniente, não procura o seu próprio interesse, não se irrita nem guarda ressentimento. Não se alegra com a injustiça, mas rejubila com a verdade. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais passará. As profecias terão o seu fim, o dom das línguas terminará e a ciência vai ser inútil. Pois o nosso conhecimento é imperfeito e também imperfeita é a nossa profecia. Mas, quando vier o que é perfeito, o que é imperfeito desaparecerá. […] Agora permanecem estas três coisas: a fé, a esperança e o amor; mas a maior de todas é o amor.

Silêncio para reflexão pessoal e para adoração

PRECES

Irmãos e irmãs, o amor de Cristo nos impele, ao pensamento que Ele morreu por todos, para que nós não vivêssemos mais para nós mesmos, mas para Aquele que por nós morreu e ressuscitou.
Elevemos ao Senhor a nossa oração comum, para que a nossa vida, vivida no amor de Cristo e no serviço dos irmãos, seja fermento de uma nova humanidade e um novo cântico para glória do Pai.
Oremos e digamos: Senhor Jesus, escuta-nos.
Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver caridade, sou como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine. Senhor Jesus, faz com que a tua Igreja, espalhada pelo mundo, possa anunciar com renovada energia o Evangelho da caridade e transformar o mundo através de escolhas operativas e solidárias a favor dos mais pobres e fracos. Oremos ao Senhor.
Mesmo que eu tivesse o dom da profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência; mesmo que tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, se não tiver caridade, não sou nada: Senhor Jesus, faz com que as comunidades religiosas sejam comunidades proféticas, acolhendo os desafios da sociedade moderna; e sem separar-se do mundo, ofereçam um testemunho credível do primado de Deus e da força renovadora do teu mistério de morte e ressurreição. Oremos ao Senhor.
Ainda que distribuísse todos os meus bens em sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, se não tiver caridade, de nada valeria. Senhor Jesus, faz com que os governantes possam agir, não segundo os interesses pessoais, mas para o bem comum. Alegrando-se na verdade, cessem a arte da guerra dando lugar ao diálogo, da reconciliação e do encontro, para que surja uma era de paz, e de fraternidade entre os diferentes povos e culturas. Oremos ao Senhor.
A caridade é paciente, a caridade é bondosa. Não tem inveja. A caridade não é orgulhosa. Não é arrogante, não falta ao respeito, não procura o próprio interesse, não se satisfaz com a injustiça, mas compraz-se na verdade. Senhor Jesus, mostra-nos todas as exigências da caridade, para que nas relações pessoais e comunitárias circule o dom do amor. Faz com que testemunhemos o amor de Cristo num mundo à procura de uma unidade difícil e de novos relacionamentos entre pessoas e grupos. Ajuda-nos a olhar os outros com benevolência e confiança, de modo a podermos descobrir as suas qualidades e as suas necessidades que neles estão escondidos e a ajudá-los a crescer, favorecendo o progresso humano e espiritual de cada um. Oremos ao Senhor.
Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais passará. As profecias terão o seu fim, o dom das línguas terminará e a ciência vai ser inútil. Pois o nosso conhecimento é imperfeito e também imperfeita é a nossa profecia. Mas, quando vier o que é perfeito, o que é imperfeito desaparecerá. Senhor Jesus, escuta o grito dos pobres e acolhe o seu anseio de justiça, de libertação do jugo da opressão. Concede às pessoas mais simples e mais pobres a fé viva em ti. Vivifica a sua esperança de ver realizadas os seus anseios neste mundo, e na escatologia do teu Reino. Aumenta neles o amor fraterno e paciente que leva à solidariedade e à luta pacífica, e nunca cede à violência e à vingança. Oremos ao Senhor.
Senhor Jesus, torna o nosso coração fiel e aberto, para que vibre com cada moção da tua Palavra e a cada toque da tua graça. Inspira-nos sempre uma confiança nova e um renovado ardor missionário, para que não percamos a coragem, no nosso ministério apostólico, perante as dificuldades, os fracassos e as ingratidões. Dá-nos a liberdade dos mártires, corajosos imitadores e testemunhas da tua caridade, até ao dom total da própria vida. Tu que vives e reinas nos séculos dos séculos. Ámen.

CÂNONE DE TAIZÉ
Ubi caritas et amor; ubi caritas, Deus ibi est.