Print Friendly, PDF & Email

Tempo Comum – Anos Pares
IV Semana – Segunda-feira
Lectio

Primeira leitura: 2 Samuel 15, 13-14.30; 16, 5-13a

13Naqueles dias, alguém foi informar David: «O coração dos israelitas inclinou-se para Absalão!» 4David disse aos servos que estavam com ele em Jerusalém: «Fujamos depressa porque, de outro modo, não podemos escapar a Absalão! Apressemo-nos a sair, não suceda que ele se apresse, nos surpreenda e se lance sobre nós, passando a cidade ao fio da espada.» 30David, chorando, subia o monte das Oliveiras, com a cabeça coberta e descalço. Todo o povo que o acompanhava subia também, chorando, com a cabeça coberta.
5Chegou, pois, o rei a Baurim, e saía de lá um homem da parentela de Saul, chamado Chimei, filho de Guera, que, enquanto caminhava, ia proferindo maldições. 6Lançava pedras contra David e contra os servos do rei, apesar de todo o povo e todos os guerreiros seguirem o rei, agrupados à direita e à esquerda. 7E Chimei amaldiçoava-o, dizendo: «Vai, vai embora, homem sanguinário e criminoso. 😯 Senhor fez cair sobre ti todo o sangue da casa de Saul, cujo trono usurpaste, e entregou o reino a teu filho Absalão. Vês-te, agora, oprimido de males, por teres sido um homem sanguinário.» 9Então, Abisai, filho de Seruia, disse ao rei: «Porque há-de continuar este cão morto a insultar o rei, meu senhor? Deixa-me passar, para lhe cortar a cabeça.» 10Mas o rei respondeu-lhe: «Que te importa, filho de Seruia? Deixa-o amaldiçoar-me. Se o Senhor lhe ordenou que amaldiçoasse David, quem poderá dizer-lhe: ‘Porque fazes isto?’» 11David disse também a Abisai e aos seus homens: «Vede! Se o meu próprio filho, fruto das minhas entranhas, conspira contra a minha vida, quanto mais agora este filho de Benjamim? Deixai-o amaldiçoar-me, conforme a permissão do Senhor. 12Talvez o Senhor tenha em conta a minha miséria e me venha a dar bens em troca destes ultrajes.» 13David e os seus homens prosseguiram o seu caminho, mas Chimei seguia a par dele pelo flanco da montanha, amaldiçoando-o, atirando-lhe pedras e espalhando poeira no ar.

David sente-se responsável pela indisciplina e pela ambição dos seus filhos. A conjura de Absalão é um dos dramáticos episódios que acompanham o declínio do reino de David. O rei foge. Essa fuga, mais que uma retirada estratégica, parece uma tentativa de evitar o confronto directo com o filho. David sofre com paciência e humildade exemplares. A sua fuga é, sobretudo, uma caminhada penitencial, uma humilde aceitação do castigo divino. Para trás, fica Jerusalém, a cidade heroicamente conquistada, a capital das tribos, cheia de tantas recordações felizes. As lágrimas de David, ao subir o Monte das Oliveiras, evocam já as lágrimas de Jesus (Lc 19, 41-44).
O episódio da maldição de Chimei acentua a sensação de irreparabilidade da derrota, atribuída à vontade de Deus. Chimei pertencia à família de Saul (v. 5), que era um permanente perigo para David, devido à ameaça de secessão do Reino do norte. David tinha usurpado o reino de Saul; agora Absalão podia fazer o mesmo. David teme ter sido abandonado por Deus, como fora Saul (v. 11). Por isso, recusa ajuda para matar Chimei, e aceita a afronta como provação. David tem consciência dos seus próprios crimes, e espera que o sofrimento actual possa trazer-lhe bens no futuro (v. 12). David parece concentrar na sua pessoa toda a fé do povo eleito, provado por Deus e acostumado ao sofrimento e à humilhação.

Evangelho: Mc 5, 1-20

1Naquele tempo, Jesus e os seus discípulos chegaram à outra margem do mar, à região dos gerasenos. 2Logo que Jesus desceu do barco, veio ao seu encontro, saído dos túmulos, um homem possesso de um espírito maligno. 3Tinha nos túmulos a sua morada, e ninguém conseguia prendê-lo, nem mesmo com uma corrente, 4pois já fora preso muitas vezes com grilhões e correntes, e despedaçara os grilhões e quebrara as correntes; ninguém era capaz de o dominar. 5Andava sempre, dia e noite, entre os túmulos e pelos montes, a gritar e a ferir-se com pedras. 6Avistando Jesus ao longe, correu, prostrou-se diante dele 7e disse em alta voz: «Que tens a ver comigo, ó Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Conjuro-te, por Deus, que não me atormentes!» 8Efectivamente, Jesus dizia: «Sai desse homem, espírito maligno.» 9Em seguida, perguntou-lhe: «Qual é o teu nome?» Respondeu: «O meu nome é Legião, porque somos muitos.» 10E suplicava-lhe insistentemente que não o expulsasse daquela região. 11Ora, ali próximo do monte, andava a pastar uma grande vara de porcos. 12E os espíritos malignos suplicaram a Jesus: «Manda-nos para os porcos, para entrarmos neles.» 13Jesus consentiu. Então, os espíritos malignos saíram do homem e entraram nos porcos, e a vara, cerca de uns dois mil, precipitou-se do alto no mar e ali se afogou. 14Os guardas dos porcos fugiram e levaram a notícia à cidade e aos campos.As pessoas foram ver o que se passara.
15Ao chegarem junto de Jesus, viram o possesso sentado, vestido e em perfeito juízo, ele que estivera possuído de uma legião; e ficaram cheias de temor. 16As testemunhas do acontecimento narraram-lhes o que tinha sucedido ao possesso e o que se passara com os porcos. 17Então, pediram a Jesus que se retirasse do seu território. 18Jesus voltou para o barco e o homem que fora possesso suplicou-lhe que o deixasse andar com Ele. 19Não lho permitiu. Disse-lhe antes: «Vai para tua casa, para junto dos teus, e conta-lhes tudo o que o Senhor fez por ti e como teve misericórdia de ti.» 20Ele retirou-se, começou a apregoar na Decápole o que Jesus fizera por ele, e todos se maravilhavam.

Escutamos, hoje, um relato popular, de estilo burlesco, com que as primeiras comunidades cristãs acentuavam o poder benéfico do «kerygma» de Jesus. O episódio passa-se a oriente do lago de Tiberíades, em terra pagã, como se vê pela existência da vara de porcos, animais considerados impuros em Israel. É o caso do epiléptico, que não podia ser controlado pelos seus conterrâneos e, por isso, vivia no campo ou, pior ainda «entre os túmulos». A situação é grave e mesmo dramática. Ouvem-se os urros dos demónios, que reconhecem Jesus, proclamam a sua divindade e suplicam que não os expulse. Jesus mantém-se imperturbável: pergunta-lhes o nome, e concede-lhes refugiar-se nos porcos. A precipitação da vara no lago, sugere o seu regresso a Satanás, rei dos abismos. Os presentes continuam dominados pelo temor e pedem a Jesus que se afaste.
O anúncio do Evangelho deve ser preparado e exige a mediação da testemunha, do apóstolo. Ao contrário do silêncio que, em Marcos, Jesus geralmente impõe aos miraculados, aqui manda ao possesso libertado que vá levar a notícia aos seus. O homem não se contenta com isso e apregoa na Decápole a obra que Jesus nele realizou.

Meditatio

Os últimos anos de David são marcados pelo drama da guerra civil provocada pe
lo seu próprio filho e por vários episódios que o fazem sofrer. Hoje, a primeira leitura mostra-o a ser injuriado pelo assassínio de Saul que, na verdade, não matou. Abisai pede autorização para matar Chemei, o parente de Saul que proferia a calúnia e as maldições. Mas David opõe-se: «Se o Senhor lhe ordenou que amaldiçoasse David, quem poderá dizer-lhe: ‘Porque fazes isto?’» (2 Sam 16, 10). O rei sabia que não tinha matado Saul. Mas também sabia que tinha matado Urias. Aceitava, por isso, o castigo anunciado por Natan. E confiava em Deus: «Talvez o Senhor tenha em conta a minha miséria e me venha a dar bens em troca destes ultrajes» (v. 12). Também nós, quando nos sentimos injustamente acusados, havemos de aceitar a afronta para nos penitenciarmos de tantas faltas cometidas e de quem ninguém nos acusa, renovar a nossa confiança em Deus e até dar-lhe graças porque os nossos adversários, felizmente, não sabem tudo sobre nós.
O drama de David, amaldiçoado e apedrejado, que o servo pretende vingar cortando a cabeça a Chimei, aproxima-se do drama do endemoninhado de Gerasa, que vagueia entre sepulcros, quebrando correntes e grilhões, somando violências. Mas não é juntando violência à violência que o homem é libertado. David espera a libertação através da purificação do sofrimento. O geraseno alcança-o por uma intervenção gratuita de Jesus. Ninguém pediu esse milagre. O possesso nem tinha voz para falar. Era a legião dos demónios que gritava nele pedindo o afastamento de Jesus.
Espanta-nos a passividade dos que observam a cena. Essa passividade torna-se, depois, hostilidade. Um estrangeiro, Jesus, vem perturbar a ordem estabelecida, devolvendo à sociedade um homem considerado excluído e remetendo para os abismos da impureza, animais criados com todo o cuidado. Os gerasenos ficaram assustados com tais gestos revolucionários, e pediram a Jesus «que se retirasse do seu território» (Mc 5, 17). É difícil conviver com a liberdade.
Paulo VI, na Evangelii Nuntiandi, de Dezembro de 1975, acautela os cristãos para o perigo de indevidas “reduções”, isto é, de se interessarem apenas pela miséria material, “sacrificando toda a preocupação espiritual e religiosa a iniciativas de ordem política e social” (n. 32). A libertação evangélica “deve mirar ao homem todo, em todas as suas dimensões, incluindo a sua abertura para o Absoluto… que é Deus” (n. 33). Libertação também mental e psicológica da ignorância, do fatalismo, da apatia. De facto, na medida em que cada um não conhece e não usa a sua vontade, torna-se vítima de toda a espécie de injustiça. As Constituições incitam-nos a empenhar-nos na libertação total do homem: “o mundo de hoje agita-se num imenso esforço de libertação: libertação de tudo quanto lesa a dignidade do homem e ameaça a realização das suas mais profundas aspirações: a verdade, a justiça, o amor, a liberdade” (n. 36).
Os cristãos devem ser radicais, autênticos revolucionários, se quiserem ser verdadeiros. A sua revolução exclui a violência, mas não os meios enérgicos; é criativa e construtiva. Todos os homens têm direito à liberdade e, portanto, à justiça. “Pela fé, na fidelidade ao magistério da Igreja, relacionamos tais aspirações com a vinda do Reino, por Deus prometido e realizado em seu Filho” (n. 37). A Glória de Deus é o homem vivo. Como pode considerar-se vivo um homem sem liberdade?

Oratio

Senhor, dá-me a docilidade e a paciência de David, que se afasta sem combater, deixando que se cumpra a vontade de Deus. Quantas vezes, quis cortar cabeças, à maneira de Abisaí. Quantas vezes quis rebentar as correntes e grilhões que não me deixam ser livre. Mas a violência gera violência. Que eu saiba aceitar tudo, reconhecendo os meus pecados, e deixando-me purificar. Que eu saiba acolher as tuas intervenções maravilhosas, mesmo quando forem surpresas para mim. Que, iluminado pela fé, receba tudo das tuas mãos. E, então, experimentarei a paz, como uma criança nos braços do seu pai. Amen.

Contemplatio

E enquanto Jesus está no pretório com uma coroa, um ceptro e um manto ridículos, os seus carrascos insultam-no e ultrajam-no.
Dão-lhe bofetadas com as suas mãos grosseiras, escarram-lhe na cara. Oprimem-no com zombarias, grosserias, injúrias: fizerem pouco delei. A prova é longa, é toda uma coorte: congregaverunt ad eum omnem cohortem. Rivalizam em grosseria e crueldade. No fim, está no mais triste estado onde jamais algum homem se encontrou; está coberto de escarros e de sangue. Já não tinha o aspecto de um homem: vimo-lo sem figura atraente.
Antes era o mais belo, o mais nobre, o mais majestoso dos filhos dos homens; já não havia traço da sua beleza: sem aspecto atraente. Parecia desprezível e o último dos homens. O seu rosto desaparece sob as manchas; quem lhe atribuiria ainda alguma estima (cf. Is 53, 2). Mas não, enganai-vos, cruéis carrascos. Julgais humilhá-lo e exaltai-o. Glorificais a sua bondade, a sua paciência, a sua generosidade. Tornai-as manifestas. Mais o fazeis sofrer, mais manifestais a bondade do seu coração, mais o tornais amável aos nossos olhos e glorioso aos olhos do nosso Pai. Ah! As vossas vistas são curtas. Sabei somente dele aproveitar, pecadores de todos os séculos. Jesus é humilhado para vos levantar (Leão Dehon, OSP 3, p. 205s.).

Actio

Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
«Vai e conta tudo o que o Senhor fez por ti e como teve misericórdia de ti» (cf. Mc 5, 19).
 

| Fernando Fonseca, scj |