Print Friendly, PDF & Email

Tempo Comum – Anos Pares
IV Semana – Terça-feira
Lectio

Primeira leitura: 2 Samuel 18, 9-10.14b.24-25ª.30 – 19, 3

Naqueles dias, 9Absalão, montado numa mula, encontrou-se, de repente, em frente dos homens de David. A mula passou sob a ramagem espessa de um grande carvalho, e a cabeça de Absalão ficou presa nos ramos da árvore, de modo que ficou suspenso entre o céu e a terra enquanto a mula, em que ia montado, seguia em frente. 10Alguém viu isto e informou Joab: «Vi Absalão suspenso num carvalho.» 14Joab respondeu: «Não tenho tempo a perder contigo.» Tomou, pois, três dardos e cravou-os no coração de Absalão. 24David estava sentado entre duas portas. A sentinela que tinha subido ao terraço da muralha por cima da porta, levantou os olhos e viu um homem que corria sozinho. 25Gritou para dar a notícia ao rei, que disse: «Se vem só, traz boas notícias.» 1Então, o rei, muito triste, subiu ao quarto que estava por cima da porta e pôs-se a chorar. E dizia, caminhando de um lado para o outro: «Meu filho Absalão, meu filho, meu filho Absalão! Porque não morri eu em teu lugar? Absalão, meu filho, meu filho!» 2Disseram a Joab: «O rei chora e lamenta-se por causa de Absalão.» 3E naquele dia a vitória converteu-se em luto para todo o exército, porque o povo soube que o rei estava acabrunhado de dor por causa do filho. 4Por isso, o exército entrou na cidade em silêncio, como entra, coberto de vergonha, um exército derrotado.

Já na fase da decadência do reino, David enfrenta a revolta do seu filho Absalão. Desejando dominar a revolta, David pede que seja poupada a vida do filho. Mas o jovem, ao fugir, fica pendurado nos ramos de um carvalho e é morto por Joab que, com isso, pensa agradar ao rei.
A liturgia apenas nos faz escutar alguns versículos desta dramática narrativa. David espera novidades da frente de batalha. Os servos começam por lhe dar as boas notícias. O drama explode quando, a uma pergunta directa do rei, têm de lhe comunicar a morte do filho. David desata a chorar amargamente. O filho, morto em combate, já não é um inimigo, mas um simples rapaz. O júbilo da vitória transformou-se em luto intenso. David tinha perdoado a vida a Saul (1 Sam 24 e 26); como não havia de perdoar ao filho?
O mais específico, mas também o mais difícil do cristianismo, é o perdão dos inimigos: «Amai os vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, abençoai os que vos amaldiçoam, rezai pelos que vos caluniam… Se amais os que vos amam, que agradecimento mereceis? Os pecadores também amam aqueles que os amam…Também os pecadores fazem o mesmo». Neste sentido, David foi um cristão antes do cristianismo.

Evangelho: Mc 5, 21-43

21Naquele tempo, depois de Jesus ter atravessado, no barco, para a outra margem, reuniu-se uma grande multidão junto dele, que continuava à beira-mar. 22Chegou, então, um dos chefes da sinagoga, de nome Jairo, e, ao vê-lo, prostrou-se a seus pés 23e suplicou instantemente: «A minha filha está a morrer; vem impor-lhe as mãos para que se salve e viva.» 24Jesus partiu com ele, seguido por numerosa multidão, que o apertava. 25Certa mulher, vítima de um fluxo de sangue havia doze anos, 26que sofrera muito nas mãos de muitos médicos e gastara todos os seus bens sem encontrar nenhum alívio, antes piorava cada vez mais, 27tendo ouvido falar de Jesus, veio por entre a multidão e tocou-lhe, por detrás, nas vestes, 28pois dizia: «Se ao menos tocar nem que seja as suas vestes, ficarei curada.» 29De facto, no mesmo instante se estancou o fluxo de sangue, e sentiu no corpo que estava curada do seu mal. 30Imediatamente Jesus, sentindo que saíra dele uma força, voltou-se para a multidão e perguntou: «Quem tocou as minhas vestes?» 31Os discípulos responderam: «Vês que a multidão te comprime de todos os lados, e ainda perguntas: ‘Quem me tocou?’» 32Mas Ele continuava a olhar em volta, para ver aquela que tinha feito isso. 33Então, a mulher, cheia de medo e a tremer, sabendo o que lhe tinha acontecido, foi prostrar-se diante dele e disse toda a verdade. 34Disse-lhe Ele: «Filha, a tua fé salvou-te; vai em paz e sê curada do teu mal.» 35Ainda Ele estava a falar, quando, da casa do chefe da sinagoga, vieram dizer: «A tua filha morreu; de que serve agora incomodares o Mestre?» 36Mas Jesus, que surpreendera as palavras proferidas, disse ao chefe da sinagoga: «Não tenhas receio; crê somente.» 37E não deixou que ninguém o acompanhasse, a não ser Pedro, Tiago e João, irmão de Tiago. 38Ao chegar a casa do chefe da sinagoga, encontrou grande alvoroço e gente a chorar e a gritar. 39Entrando, disse-lhes: «Porquê todo este alarido e tantas lamentações? A menina não morreu, está a dormir.» 40Mas faziam troça dele. Jesus pôs fora aquela gente e, levando consigo apenas o pai, a mãe da menina e os que vinham com Ele, entrou onde ela jazia. 41Tomando-lhe a mão, disse: «Talitha qûm!», isto é, «Menina, sou Eu que te digo: levanta-te!» 42E logo a menina se ergueu e começou a andar, pois tinha doze anos. Todos ficaram assombrados. 43Recomendou-lhes vivamente que ninguém soubesse do sucedido e mandou dar de comer à menina.

Marcos apresenta-nos, hoje, dois gestos decisivos de Jesus contra a morte: a cura da mulher que sofria de um fluxo de sangue e a cura da filha de Jairo. A perda de sangue era, para a mulher hebreia, uma frustração vital, porque, não poder ter descendência, equivalia à morte prematura (cf. Gen 30, 1). A filha de Jairo estava mesmo morta e teve que ser «ressuscitada». Jesus livra ambas da morte mostrando que é o verdadeiro Messias, porque a sua palavra suscita vida.
Os dois episódios estão entrelaçados um no outro, revelando pontos de contacto e diferenças. No caso da filha de Jairo, a súplica do pai recebe uma resposta pronta de Jesus, que imediatamente se dirige para sua casa. Mas a caminhada é abruptamente interrompida com a intervenção da mulher que sofria do fluxo de sangue. Contrasta o comportamento de Jairo, homem influente, e o da hemorroíssa que se aproxima furtivamente de Jesus. Mas ambos têm a mesma confiança em Jesus e obtêm uma resposta pronta. A mulher, primeiro é secretamente curada da sua doença física; depois é curada da sua timidez, dos seus complexos: a mulher ganha coragem, fala com Jesus, estabelece uma relação com Ele. Foi curada e foi salva.
No caso da menina, Jesus tem uma reacção diferente: enquanto tinha incitado a mulher, que se apresentara em segredo, a mostrar-se diante de todos, aqui ordena a Jairo, que fizera publicamente o seu pedido, que não divulgasse o milagre.

Meditatio

O amor de David para com o seu filho Absalão dá-nos uma ideia, ainda que pálida do amor de Deus, nosso Pai, para com todos os seus filhos, ainda que pecadores. Ao receber a notícia da morte de Absalão, David não pensa na revolta, na ingratidão, na falta de amor do filho. Pensa no jovem Absalão, que já não é um inimigo, mas um pobre rapaz, um filho morto. Por isso, chora a
margamente e a vitória transforma-se em luto pesado.
É assim que Deus trata os seus filhos pecadores: «É assim que Deus demonstra o seu amor para connosco: quando ainda éramos pecadores é que Cristo morreu por nós» (Rom 5, 8). Diante dos filhos mortos pelo pecado, Deus como que Se esquece de Si e dos seus direitos para os fazer voltar à vida.
O evangelho está cheio de lições muito concretas para nós. Aqueles que se dirigem a Jesus, para obter graças, fazem-no de diversos modos. Jesus também responde de diferentes modos. Por vezes, parece não querer ouvir quem lhe faz a súplica. Outras vezes, antecipa-se a conceder a graça, ainda antes que alguém lha peça.
Jairo, um homem importante, não hesita em pedir, com humildade, a cura da filha. A hemorroíssa, pelo contrário, tem vergonha em pedir, porque a sua doença a excluía do contacto com os outros. Além disso, temia mais uma desilusão, depois de tantas que tivera com os médicos.
Jesus atende-os os dois, porque ambos revelam uma grande fé. Mas trato-os de modo diferente. Obriga a mulher a dar a cara, talvez para ensinar que nenhuma doença, nenhuma condição humana, são motivo de exclusão, e que basta a fé para ser curado por Ele. Jairo, pelo contrário, ocupando um lugar de prestígio na sociedade, é, por assim dizer, convidado à sobriedade e à reserva: poucos discípulos assistem à ressurreição da menina, e Jairo não deve fazer publicidade do facto. Estando em causa uma criança, era preciso respeitar-lhe os sentimentos, evitar os excessos da curiosidade pública, e fazê-la voltar rapidamente a uma vida normal: «mandou dar de comer à menina».
O evangelho dá-nos lições de respeito pela privacidade das pessoas…
Quanta felicidade sinto em ser filho do Pai que está no Céu. Mas sou ainda mais feliz quando penso que “Deus mostrou o Seu amor por nós porque, quando éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós” (Rm 5, 8). Amou-nos quando “éramos (Seus) inimigos!” (Rm 5, 10). Então sinto uma ilimitada gratidão no coração por Deus-Pai, por Cristo e sinto-me tão feliz que, como S. Paulo, exclamo: “Cristo veio ao mundo para salvar os pecadores e eu sou o primeiro” (Tm 1, 15).
A Igreja, Povo de Deus, é comunidade-comunhão, que não pode comportar qualquer tipo de exclusão. A sua lei fundamental, o amor, implica respeito pela dignidade de todo o ser humano, criado à imagem e semelhança de Deus. O amor, sobre o qual se funda a comunhão, é o amor-oblativo, idêntico ao do Pai e de Cristo, um amor criativo, gratuito, universal, que sabe compreender, perdoar, salvar, transformar…

Oratio

Senhor Jesus, dá-me a fé e a confiança da mulher doente, e a humildade de Jairo, para que, indo ao teu encontro e procurando tocar-te e falar-te, me deixe tocar por Ti e escute a tua palavra salvadora. Tu sabes bem do que eu preciso. Derrama sobre mim o amor e a misericórdia do Pai. O teu poder venceu a morte e deu-nos a vida. Cura em mim tudo quanto me impede de viver com a dignidade de um filho do Pai que está no Céu. Dá-me a vida, para que a tenha em abundância. Amen.

Contemplatio

A juventude com a sua franqueza, os seus ardores e a sua generosidade, com as esperanças que faz conceber, não é menos cara ao Coração do bom Mestre do que a infância. As graças de ressurreição que concede na sua vida mortal são para a juventude: Lázaro é ainda um jovem; a filha de Jairo é uma criança de doze anos; o terceiro é um adolescente, o filho único da pobre viúva de Naim.
Como Jesus se mostra solícito e dedicado em todas estas circunstâncias! A sua emoção trai o seu coração.
«Mestre, dizem as irmãs de Lázaro, aquele que amais está doente. – O nosso amigo Lázaro dorme, diz Jesus. Desde que Jesus vê Madalena e os amigos de Lázaro a chorar, estremece, perturba-se: «Onde o colocaram?», diz, e chora; e os Judeus diziam: «Vede como o amava». – E chegado junto do túmulo, Jesus chamou o seu amigo Lázaro com grandes gritos e Lázaro levantou-se (Jo 11).
Jesus dirige-se a casa de Jairo junto do cadáver de uma menina de doze anos. Toma-a pela mão gritando-lhe: «Menina, levanta-te, sou eu que o quero». E ordena que lhe dêem de comer (Mt 9, 18).
Para o filho da viúva de Naim, Jesus emociona-se de compaixão. Diz à mãe: «Não chore». Toca no caixão, diz em alta voz: «Jovem, eu te ordeno, levanta-te». Depois, entrega-o à sua mãe (Lc 7, 11).
Jesus ama os jovens, e quer ganhar o seu coração para o dar a seu Pai (Leão Dehon, OSP 4, p. 41).

Actio

Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
«Filha, a tua fé salvou-te; vai em paz e sê curada do teu mal» (Mc 5, 34).
 

| Fernando Fonseca, scj |