início início congregação congregação província província comunidades comunidades pessoas pessoas pastoral pastoral
bilbioteca biblioteca agenda agenda/efemérides opinião opinião ligações  ligações
arquivo
 
Ano 2014
Ano 2013
ano 2012
ano 2011
ano 2010
ano 2009
ano 2008
ano 2007
ano 2006
ano 2005
ano 2004
ano 2003
ano 2002
08/02/2008
sugestes para o tempo da quaresma imprimir

Desde a antiguidade que a Quaresma foi sempre vivida como tempo muito intenso de preparação para a Páscoa, tendo a Igreja em mente especialmente duas categorias de pessoas: os catecúmenos, na sua preparação para o baptismo, na Vigília Pascal; e os penitentes, aqueles cristãos que, por causa de pecados graves, especialmente públicos, deviam reparar o mal feito e dar sinais de arrependimento e de mudança de vida, que se preparavam para a reconciliação com a Igreja e para o perdão, em cerimónia que se realizava na Quinta-feira Santa.
Mas, em comunhão espiritual com eles, era toda a Igreja que se colocava em atitude de penitência, que se exprimia na oração, no jejum e na esmola, como forma de preparação para a Páscoa, onde o mistério da redenção, - que é a graça que o Senhor nos trouxe com a sua paixão, morte e ressurreição -, não dispensa, antes exige e pressupõe a colaboração do homem, portanto, uma disposição interior do coração que se manifesta exteriormente nesses exercícios quaresmais: a oração, o jejum, e a esmola.
Estes exercícios quaresmais são a tradução e o alargamento para todos os cristãos das mesmas atitudes de Jesus nos quarenta dias que Ele passou no deserto, em oração e em jejum, imediatamente a seguir ao seu baptismo e como preparação para a Sua vida pública, quando, com palavras e gestos cheios de autoridade, anunciou e mostrou já presente o Reino de Deus. Por isso, a Quaresma inspira-se nessa Quaresma de Jesus, a qual, por sua vez, recapitula a Quaresma (quarenta anos) do Povo de Deus peregrinando pelo deserto, e a Quaresma de Elias (quarenta dias) pelo deserto a caminho do Monte de Deus.
É muito importante que os católicos tomem consciência da importância deste tempo. Infelizmente hoje em dia, em que domina o que os antigos chamavam respeito humano, ou seja, aquela timidez ou acanhamento em manifestar publicamente a própria fé, o que hoje acontece sob uma outra etiqueta, do política e culturalmente correcto, do medo de ser acusado de fundamentalismo, no pressuposto da laicidade ou do laicismo do Estado e dos espaços públicos!... Ora é muito importante redescobrir e viver eu diria mesmo os rituais do tempo quaresmal, que nos convida ao jejum e à abstinência, à oração, à esmola, em suma, à penitência. Um sinal muito simples é respeitar a abstinência à sexta-feira (antigamente era mesmo jejum, às quartas, sextas e sábados, e até, durante todo o ano, antes de qualquer festa), quando não comer carne e optar por peixe significa uma atitude interior de quem procura viver não segundo a carne ou os critérios do mundo (segundo as belas expressões de S. Paulo e de S. João), mas segundo o pensamento de Deus e a sua lei.
Um dia, e isto fora da Quaresma, fui numa sexta-feira almoçar a um restaurante com amigos. Eu pedi evidentemente peixe; e verifiquei que um grupo relativamente numeroso tinha provocado um certo pânico na cozinha, porque, por ser sexta-feira, tinha pedido peixe, em vez de carne. São coisas simples, que da simplicidade consiste a nossa existência, que precisa de sinais.
O Santo Padre Bento XVI publicou no ano passado a sua obra Jesus de Nazaré, e ainda muito recentemente a sua segunda encíclica sobre a Esperança. Seria bom que, durante a Quaresma, lêssemos as suas meditações, que seria uma excelente companhia, para nos introduzirmos, com ele, no mistério de Jesus Cristo. S. Paulo tem uma frase que tudo sintetiza quando diz: Ele amou-me e entregou-se por mim (Gal 2, 20). E S. Francisco Xavier conta numa carta dirigida a Sto. Inácio o seu encontro com um nobre do Japão, do qual ficou amigo, o qual lhe perguntava: Mas tu deixaste o Colégio de Sta. Bárbara, em Paris, foste para Roma, de lá para Lisboa, de Lisboa para a Índia e até ao Japão, percorrendo milhares de milhas só para me dizeres que Deus me ama? Não há mais nada para me dizeres? Não há, respondeu o Santo!
Pois que a Quaresma, vivida no espírito que a Igreja nos recomenda, seja este tempo oportuno de graça e de verdade, para descobrirmos e sentirmos quanto Deus nos ama, sendo sinal disso o mistério de Cristo, cujos passos da Paixão seguimos e meditamos nestes dias.


José Jacinto Ferreira de Farias, scj
Joseffarias@netcabo.pt


comunidades últimas opinião
12/02/2014
O estilo de Deus
12/08/2013
Santos que estejam no mundo, sem ser mundanos
28/03/2013
Meditao em Sexta-feira Santa
14/03/2012
A permanente actualidade da parbola do filho prdigo
21/01/2012
Quando a pessoa degradada a objecto de troca ou de aluguer
11/10/2011
Um corao capaz de escutar
30/12/2010
Com Bento XVI, reaprender as coisas essenciais
03/01/2010
As quatro vindas do Senhor
15/11/2009
Os espaos pblicos so de todos
11/12/2008
o menino que se esconde no pobre

© Sacerdotes do Coração de Jesus - Dehonianos
R. Cidade de Tete, 10   .   1800-129 Lisboa - Portugal   .   Telefone: 218 540 900   .   E-mail: portugal@dehonianos.org