Print Friendly, PDF & Email

 

Lectio

Primeira leitura: Esdras 6, 7-8.12b.14-20

Naqueles dias, Dario, rei da Pérsia, escreveu às autoridades da província ocidental do Eufrates, dizendo: 7«Deixai continuar os trabalhos do templo de Deus e que o governador dos judeus e seus anciãos o reconstruam no seu lugar. 8Também ordeno como se deve proceder para com esses anciãos dos judeus a fim de que seja reconstruído o templo de Deus: das receitas reais, provenientes dos impostos, pagos na outra margem do rio, pague-se integralmente a esses homens, para que a obra não sofra interrupção; 12bEu, Dario, dei esta ordem. Que ela seja pontualmente executada.» 14Os anciãos dos judeus prosseguiram com êxito a reconstrução do templo, segundo as profecias de Ageu, o profeta, e de Zacarias, filho de Ido. Terminaram a construção, segundo a ordem do Deus de Israel e segundo a ordem de Ciro, de Dario e de Artaxerxes, reis da Pérsia. 15Concluiu-se o edifício no terceiro dia do mês de Adar, no sexto ano do reinado de Dario. 16Os filhos de Israel, os sacerdotes, os levitas e os demais repatriados celebraram com júbilo a dedicação do templo de Deus. 17Ofereceram, para esta dedicação, cem touros, duzentos carneiros, quatrocentos cordeiros e doze bodes, como vítimas expiatórias pelos pecados de todo o Israel. 18Distribuíram os sacerdotes segundo as suas classes e os levitas segundo as suas divisões, para celebrarem o culto de Deus em Jerusalém, conforme as prescrições do livro de Moisés. 19Os repatriados celebraram a Páscoa no dia catorze do primeiro mês. 20Os sacerdotes e os levitas, sem excepção, purificaram-se e, assim, todos estavam puros. Imolaram a Páscoa por todos os repatriados, pelos seus irmãos sacerdotes e por eles mesmos.

Dario deu continuidade à política de Ciro, facilitando o regresso dos judeus a Jerusalém, e apoiando a reconstrução da cidade e do templo (6, 6-12). O terceiro dia do mês de Adar, no sexto ano do reinado de Dario, corresponde a 1 de Abril de 515 a.C. Foi o ano em que terminaram as obras do templo e também a sua dedicação.
O apoio das autoridades imperiais foi importante para a reconstrução da cidade e do templo de Jerusalém. Mas as palavras de Ageu e de Zacarias foram ainda mais importantes. O autor bíblico anota que, por detrás dos decretos de Dario e de Artaxerxes, estava a ordem de Deus, do «Deus de Israel», que queria dar novamente força, unidade e esperança ao seu povo. A dedicação do templo, o retomar do culto legítimo e a celebração de uma páscoa ecuménica (cf. v. 20) marcam a nova e decisiva etapa na vida do povo de Deus, que continua a beneficiar das maravilhas de Deus experimenta êxodo.

Evangelho: Lucas 8, 19-21

Naquele tempo, 19sua mãe e seus irmãos vieram ter com Ele, mas não podiam aproximar-se por causa da multidão. 20Anunciaram-lhe: «Tua mãe e teus irmãos estão lá fora e querem ver-te.» 21Mas Ele respondeu-lhes: «Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a Palavra de Deus e a põem em prática.»

Lucas apresenta-nos um quadro de rara finura e profundidade. Não denota polémica em relação à família de Jesus, como acontece nos textos paralelos de Mateus e de Marcos. A atenção de Lucas vai para aquilo que, de facto, interessa: a escuta e a prática da Palavra, que criam e definem o verdadeiro sentido de família de Jesus.
Um dia, «Sua mãe e seus irmãos vieram ter com Ele» (v. 19). Lucas usa um verbo que exprime o desejo de ver Jesus. A forma singular realça a figura da Mãe, que é o sujeito. Para o evangelista, a vinda dos familiares é uma ocasião que permite a Jesus pronunciar a sentença sobre os seus verdadeiros parentes: a escuta e a prática da Palavra cria laços mais fortes do que os do sangue. Esta possibilidade, todavia, não exclui os parentes que vieram visitá-l´O. Lucas exalta a família gerada pela Palavra. Mas não menospreza os laços com a família de sangue.

Meditatio

Uma das problemáticas mais prementes da sociedade actual é a relacionada com a família, onde emergem graves dificuldades, por causa da falta de valores e da clivagem das relações. As consultas sócio-psicológicas e as intervenções legislativas são insuficientes para ultrapassar o mal-estar. É preciso regressar à mensagem evangélica sobre a família.
Jesus reconhece o valor da família, enquanto radicada na intenção original do Criador. Mas também lhe relativiza a importância. O valor da família, como nos recorda o evangelho de hoje, é inferior e subordinado ao da nova família do Reino. A urgência do apelo à conversão e ao acolhimento do Reino explica certas exigências de Jesus.
A primeira leitura fala da «casa de Deus», e o evangelho fala da família de Jesus. Na Bíblia, o termo casa tanto significa edifício como família. Quando se fala da «casa de David», tanto se entende a habitação como a estirpe de David.
De acordo com as palavras de Jesus, se escutamos a Palavra de Deus, e a pusermos em prática, tornamo-nos seus irmãos, e até sua mãe. Formamos a família de Jesus. Tornamo-nos «casa de Deus», isto é, sua família e seu templo. Realiza-se, desse modo, o projecto de Deus em habitar com os homens. Não só no meio deles, mas neles, para os unir numa aliança que os faz um único edifício, uma única família e, até, um só corpo, o corpo de Cristo.
Todas as nossas acções devem tender para este fim: formar o templo de Deus, o corpo de Cristo. Para isso, é essencial escutar a Palavra de Deus, acolher a Palavra de Deus que nos transforma, fazendo de nós pedras vivas que podem entrar na construção da casa de Deus. A Palavra de Deus é poder de Deus e é capaz de nos assimilar ao seu projecto para que, de verdade, possamos «santificar o seu nome», sendo família do Senhor, corpo de Cristo.
Reencontramos, assim, o ideal que os profetas Ageu e Zacarias procuravam infundir no povo dos exilados regressados a Jerusalém, e incomodados com as dificuldades da empresa. Escutar, como Maria, a Palavra, pô-la em prática como Ela, e viver a consequente bem-aventurança, não significa entrar numa atmosfera de felicidade intimista, mas tornar-se activos colaboradores do sonho de Deus: formar uma família de filhos e filhas, grande como a humanidade inteira.

Oratio

Obrigado, Senhor, por me teres chamado a fazer parte da família do Reino, e a experimentar nela a ternura e a força do teu amor de Pai. Dá-me a tua graça, para que me torne, cada vez mais, semelhante a Maria, tua e nossa mãe, modelo de obediência inteligente e actuante à tua Palavra. Como Ela, quero entrar numa escuta silenciosa e adorante da tua Palavra, único caminho para compreender os teus desígnios sobre mim. Que o silêncio interior me separe de mim mesmo, e me conduza ao firmamento do teu Espírito. Então me sentirei “uno” com todos os outros irmãos e
irmãs em Cristo. Amen.

Contemplatio

S. Paulo contemplava sem dúvida este modelo ideal (da Família) de Nazaré, quando traçou o quadro de uma família santa. Revesti-vos, diz, com as virtudes de Jesus Cristo; a misericórdia, a bondade, a humildade, a modéstia, a paciência… Tudo o que fazeis, fazei-lo em nome de Jesus Cristo, dando graças a Deus Pai. Mulheres, sede submissas a vossos maridos como a Deus; esposos, amai as vossas esposas e não sejais duros para com elas; filhos, obedecei em tudo a vossos pais, assim Deus o quer; servos, obedecei aos vossos senhores por amor de Deus. É o quadro da família cristã. (Leão Dehon, OSP 3, p. 82).

Actio

Repete frequentemente e vive hoje a Palavra:
«Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a Palavra de Deus e a põem em prática» (Lc 8, 21).