Print Friendly, PDF & Email

Lectio

Primeira leitura: Jonas 3, 1-10

A palavra do Senhor foi dirigida pela segunda vez a Jonas, nestes termos: 2«Levanta-te e vai a Nínive, à grande cidade e apregoa nela o que Eu te ordenar.» 3Jonas levantou-se e foi a Nínive, segundo a ordem do Senhor. Nínive era uma cidade imensamente grande, e eram precisos três dias para a percorrer. 4Jonas entrou na cidade e andou um dia inteiro a apregoar: «Dentro de quarenta dias Nínive será destruída.» 5Os habitantes de Nínive acreditaram em Deus, ordenaram um jejum e vestiram-se de saco, do maior ao menor. 6A notícia chegou ao conhecimento do rei de Nínive; ele levantou-se do seu trono, tirou o seu manto, cobriu-se de saco e sentou-se sobre a cinza. 7Em seguida, foi publicado na cidade, por ordem do rei e dos príncipes, este decreto: «Os homens e os animais, os bois e as ovelhas não comam nada, não sejam levados a pastar nem bebam água. 8Os homens e animais cubram-se de roupas grosseiras, e clamem a Deus com força; converta-se cada um do seu mau caminho e da violência que há nas suas mãos. 9Quem sabe se Deus não se arrependerá e acalmará o ardor da sua ira, de modo que não pereçamos?» 10Deus viu as suas obras, como se convertiam do seu mau caminho, e, arrependendo-se do mal que tinha resolvido fazer-lhes, não lho fez.

Reconduzido ao ponto de partida pelo peixe, Jonas escutou novamente a voz de Deus: «Levanta-te e vai a Nínive, à grande cidade e apregoa nela o que Eu te ordenar» (v. 2). Depois do sucedido, Jonas não ousa objectar e vai para onde o Senhor o envia e apregoa a destruição da grande cidade de Nínive. A descrição da cidade é certamente exagerada, como tudo no livro de Jonas. A palavra “grande” aparece 14 vezes na narrativa. A ordem do rei que impõe penitência aos próprios animais é também exagerada. Os próprios «quarenta dias» de pregação (v. 4) não têm valor matemático mas simbólico, significando o tempo necessário para completar uma acção ou uma obra.
Nínive, contra o que era de esperar, converte-se. E Deus também tem que mudar de opinião e não castigar a cidade. O Deus de Israel está disposto a mudar as suas decisões mesmo quando alguém, que está muito longe d´Ele pela fé e pela vida, decide converter-se, mudar de vida. Deus é misericordioso, não só para com Israel, mas também para com todos os povos. O Deus de Israel é o Deus de todos os povos. Se salvou Israel, é para, com ele, salvar a todos. Este discurso era sem dúvida dirigido aos grupos mais sectários de Israel. Um discurso sempre actual.

Evangelho: Lucas 10, 38-42

Naquele tempo, 38Continuando o seu caminho, Jesus entrou numa aldeia. E uma mulher, de nome Marta, recebeu-o em sua casa. 39Tinha ela uma irmã, chamada Maria, a qual, sentada aos pés do Senhor, escutava a sua palavra. 40Marta, porém, andava atarefada com muitos serviços; e, aproximando-se, disse: «Senhor, não te preocupa que a minha irmã me deixe sozinha a servir? Diz-lhe, pois, que me venha ajudar.» 41O Senhor respondeu-lhe: «Marta, Marta, andas inquieta e perturbada com muitas coisas; 42mas uma só é necessária. Maria escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada.»

Este texto foi usado ao longo dos séculos para “justificar” a vida activa, figurada em Marta, e a vida contemplativa, figurada em Maria. Mas, mais importante que os dois estados de vida, são as duas atitudes interiores.
Jesus vai a caminho de Jerusalém, rumo à consumação do mistério pascal da nossa salvação: «continuando o seu cami­nho, Jesus entrou» (v. 38). Em Betânia, entra em casa de Lázaro, onde Marta, irmã de Maria e de Lázaro, faz as honras da casa. Mas parece que estavam só as duas irmãs. Por isso, a entrada de Jesus na casa é um gesto audacioso. Na verdade, para Ele, «já não conta ser judeu ou grego, homem ou mulher»; o que conta é ser «nova criatura» que, na relação com Ele, se afirma (cfr. Gal 6, 15).
Marta acolhe Jesus; Maria senta-se a seus pés e escuta a palavra. Aqui, a atenção não está centrada em Jesus que fala, mas na “mulher-verdadeira-discípula” acocorada a seus pés e esquecida de tudo quanto não seja Ele e a sua palavra. Marta, pelo contrário, «andava atare­fada» (v. 40), em grande tensão, quase diríamos, alienação, com o que havia para fazer. Então, com alguma petulância, como se pode entrever numa tradução literal do v. 40: «adiantando-se» ou, mais rigorosamente, «pondo-se por cima», Marta perturba a quieta contemplação das palavras de Jesus e da escuta de Maria. Marta quase acusa Jesus de não ligar atenção e interesse aos seus serviços.
É então que Jesus aproveita a ocasião para repreender, não o útil serviço que Marta está a prestar, mas a excessiva inquietação e preocupação que lhe marcam negativamente o agir. Já noutra ocasião Jesus dissera: não vos preocupeis com o que haveis de vestir, ou comer, ou com qualquer outra coisa (cfr. Mt 6, 25-34). Mas a escolha de Maria foi acertada, porque deu atenção à única coisa que interessa, isto é, à escuta da Palavra. É a melhor parte que não será tirada a quem ama.

Meditatio

O encontro com Deus e com a sua Palavra permite-nos compreender a sua misericórdia e a sua compaixão. Jonas não obedeceu a Deus, não acolheu a sua vontade de misericórdia e de salvação em relação a Nínive porque, em vez de frequentar a Deus e escutar a sua Palavra, se deixou envolver pelo ambiente em que vivia e pelas opiniões dominantes no mesmo. Um contacto superficial com a Palavra de Deus permite-nos reestruturá-la à medida dos nossos gostos e dos nossos critérios. Mas um contacto profundo com a Palavra de Deus desestrutura-nos, faz-nos entrar nos critérios de Deus. Por isso, é necessário fazer-nos discípulos, desarmados e devotos, dispostos a render-nos à Palavra e não a domesticá-la.
Como Jonas se esforça por encontrar as suas próprias soluções, também nós queremos procurar as nossas, quando não recebemos Jesus como hóspede e Senhor da nossa vida. Ao escutarmos o evangelho de hoje, provavelmente sentimos uma certa pena por não sermos como Maria, sentados aos pés de Jesus, dando-Lhe toda a nossa atenção, escutando a sua palavra. Mas certamente já nos demos conta de que, quando temos ocasião para isso, por exemplo durante um retiro, preferimos assumir a atitude de Marta, ou até arranjamos mil pretextos para nos distrairmos … Por outro lado, quando andamos agitados como Marta, desejamos ocasiões para assumirmos o papel de Maria. Isso quer dizer que procuramos satisfazer o nosso egoísmo, e que o papel de Maria, mais do que para escutar Jesus, só nos agrada pelo sossego que proporciona…
Quem quer ser fiel ao Senhor aproveita todos os momentos para estar com Ele,
escutando a sua Palavra, mesmo no meio de muito trabalho. Há pessoas muito activas, permanentemente a correr de um trabalho para outro, mas interiormente em paz, em secreta contemplação, porque têm o coração junto do Senhor. Pensemos no Papa João Paulo II… Por isso, fazem o que têm a fazer com total tranquilidade, servindo serenamente a Deus e ao próximo.

Oratio

Senhor Jesus, ajuda-me a ser fiel à tua Palavra. Que jamais me deixe sufocar pelo rumor do ambiente e pelas opiniões dominantes, mas obedeça docilmente à tua voz e realize todas as missões que me quiseres confiar. Que jamais caia na tentação de me buscar a mim mesmo, seja no repouso seja na actividade, para poder usufruir da tranquilidade da união Contigo em todas as acções, em todas as circunstâncias. Amen.

Contemplatio

Santa Madalena é o modelo de um amor sincero e verdadeiro, saído do mais perfeito arrependimento. Desde o momento da sua conversão, Madalena é generosa. Ela lança-se aos pés de Nosso Senhor, derrama abundantes lágrimas, afronta o respeito humano, consagra a Nosso Senhor perfumes de um grande preço. É já uma alma amante. Dá-se sem reservas a Nosso Senhor, e doravante o seguirá, fielmente o servirá. Nosso Senhor é tudo para ela. Mantém-se aos seus pés e é tudo. Em Betânia, não se agita para servir Nosso Senhor, contempla-o, escuta-o. Quem tem Jesus tem tudo. Quando Lázaro morre, que fé e que confiança ela testemunha! Marta agita-se ainda e Maria diz somente: «Mestre, se aqui tivésseis estado, ele não estaria morto». Marta e Maria são ambas amantes, mas testemunham o seu amor de um modo diferente: Marta é activa e Maria é contemplativa. Ambas são nossos modelos, devemos todos unir a contemplação à acção. (Leão Dehon, OSP 4, p. 81).

Actio

Repete muitas vezes e vive hoje a palavra:
«Jesus amava Marta e Maria!» E ama-me a mim!