Print Friendly, PDF & Email

Lectio

Primeira leitura: Romanos 8, 26-30

Irmãos: é o Espírito que vem em auxílio da nossa fraqueza, pois não sabemos o que havemos de pedir, para rezarmos como deve ser; mas o próprio Espírito intercede por nós com gemidos inefáveis. 27E aquele que examina os corações conhece as intenções do Espírito, porque é de acordo com Deus que o Espírito intercede pelos santos. 28Sabemos que tudo contribui para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados, de acordo com o seu desígnio. 29Porque àqueles que Ele de antemão conheceu, também os predestinou para serem uma imagem idêntica à do seu Filho, de tal modo que Ele é o primogénito de muitos irmãos. 30E àqueles que predestinou, também os chamou; e àqueles que chamou, também os justificou; e àqueles que justificou, também os glorificou.

Paulo recomenda a oração, sem a qual não há vida verdadeiramente cristã. Para o cristão, a oração, mais do que um dever a cumprir, é uma necessidade que vem do dom recebido de Deus, da vida nova que decorre do baptismo, é um acto de abandono e de confiança n´Aquele que podemos chamar Abbá, Pai! O próprio Espírito, derramado em nossos corações, no baptismo, não só «vem em auxílio da nossa fraqueza» (v. 26) para rezarmos, e rezarmos convenientemente, Ele próprio «intercede por nós com gemidos inefáveis» (v. 26). A oração é fruto do Espírito Santo em nós, é oração do Espírito Santo em nós: «é de acordo com Deus que o Espírito intercede pelos santos» (v. 27). Temos, pois, dois intercessores diante do Pai: Jesus, o único mediador, e o Espírito, o outro consolador. Por isso, nunca estamos sozinhos na oração. A presença e a assistência de Jesus e do Espírito tornam eficaz a nossa oração. A oração permite-nos tomar consciência dos dons recebidos e dos que havemos de receber, progredindo na fé, conforme o itinerário resumido pelo Apóstolo no v. 30: «Àqueles que predestinou, também os chamou; e àqueles que chamou, também os justificou; e àqueles que justificou, também os glorificou».

Evangelho: Lucas 13,22-30

Naquele tempo: Jesus percorria cidades e aldeias, ensinando e caminhando para Jerusalém. 23Disse-lhe alguém: «Senhor, são poucos os que se salvam?» Ele respondeu-lhes: 24«Esforçai-vos por entrar pela porta estreita, porque Eu vos digo que muitos tentarão entrar sem o conseguir. 25Uma vez que o dono da casa se levante e feche a porta, ficareis fora e batereis, dizendo: ‘Abre-nos, Senhor!’ Mas ele há-de responder-vos: ‘Não sei de onde sois.’ 26Começareis, então, a dizer: ‘Comemos e bebemos contigo e Tu ensinaste nas nossas praças.’ 27Responder-vos-á: ‘Repito-vos que não sei de onde sois. Apartai-vos de mim, todos os que praticais a iniquidade.’ 28Lá haverá pranto e ranger de dentes, quando virdes Abraão, Isaac, Jacob e todos os profetas no Reino de Deus, e vós a serdes postos fora. 29Hão-de vir do Oriente, do Ocidente, do Norte e do Sul, sentar-se à mesa no Reino de Deus. 30E há últimos que serão dos primeiros e primeiros que serão dos últimos.»

O sumário lucano do v. 22 introduz uma nova etapa da viagem de Jesus para Jerusalém. Jesus não responde directamente à pergunta com que abre a nova secção (v. 23), indicando o número dos que se salvam. Mas exorta a estar prontos e solícitos para acolher o Reino que vem. É urgente um compromisso total de todo o nosso ser e forças, como faríamos, se tivéssemos de entrar por uma porta estreita (v. 24). «Hoje» é o momento para esse compromisso: a salvação é o dom de Deus a que se adere fazendo o bem, e não simplesmente reclamando laços familiares com Jesus (vv. 25s.).
A imagem do banquete escatológico, em que participam todos os povos da terra (v. 29), manifesta a salvação oferecida a todos os homens e acolhida por muitos pagãos. Estes, os «últimos» a receber o anúncio do Evangelho, serão os «primeiros» a entrar no reino de Deus, enquanto Israel, o primeiro a ouvi-lo, se verá excluído dele, se não o acolher (v. 30). A salvação não é questão de pertença étnica, mas de fé em Jesus. Não é o ser filhos de Abraão que assegura a salvação, mas o realizar as obras de Abraão (cf. Jo 8, 39) que, na esperança da redenção futura, acreditou e, pela fé foi reconhecido como justo (cf. Tg 2, 23).

Meditatio

A primeira leitura leva-nos a contemplar o projecto de Deus acerca do homem: «Àqueles que Ele de antemão conheceu, também os predestinou para serem uma imagem idêntica à do seu Filho» (v. 29). Somos, pois, chamados a tornar-nos semelhantes ao Filho predilecto de Deus, para que nos possa amar com Cristo e n´Ele. Tudo está ordenado para a realização deste projecto: «tudo contribui para o bem daqueles que amam a Deus» (v. 28), que foram chamados de acordo com o seu projecto de amor. É um pensamento de Deus estabelecido desde sempre: Ele «predestinou-nos». Isto significa que, desde o princípio, fomos destinados a tornar-nos semelhantes ao Filho: «Àqueles que predestinou, também os chamou; e àqueles que chamou, também os justificou; e àqueles que justificou, também os glorificou.» (v. 30). Este projecto de Deus deve suscitar a nossa admiração e tornar-se, em nós, uma fonte de confiança e de generosidade constantes. Deus ama-nos, quer que sejamos perfeitos, santos, unidos a Ele em estreitíssima comunhão. É quanto basta para que o seu projecto se torne realidade. Deus pensa sempre nesse projecto e inspira-nos o que havemos de fazer para progredir nesse caminho, dá-nos a força necessária, dá-nos a luz e dá-nos o desejo de corresponder aos seus dons.
Um projecto tão grandioso não está ao alcance das possibilidades humanas. Por nós mesmos, nunca seríamos capazes de nos tornar semelhantes a Jesus. Mas Deus dá-nos esse desejo, e o Espírito vem em ajuda da nossa fraqueza, para manifestarmos esse anseio: «o próprio Espírito intercede por nós com gemidos inefáveis» (v. 26). Assim quando nos damos conta de que a santidade está para além das nossas capacidades, e deixamos que o Espírito Santo gema em nós, porque somos fracos, porque somos pobres, começa a realizar-se a nossa santidade. E podemos progredir com grande confiança em Deus, que nos predestinou para nos tornarmos semelhantes ao Filho, que quer trabalhar em nós por meio do sofrimento do desejo e, depois, na generosidade da realização.
No evangelho, alguém pergunta a Jesus: «Senhor, são poucos os que se salvam?» (v. 23) Jesus não responde à pergunta, mas acrescenta: «Esforçai-vos por entrar pela porta e
streita» (v. 24). O Senhor queria que essa pessoa não ficasse apenas pela especulação, mas assumisse uma atitude de vida. O desejo do Coração de Jesus é que todos se empenhem em entrar no projecto de amor e salvação idealizado por Deus em favor dos homens, projecto tão maravilhosamente descrito por Paulo.

Oratio

Bendito sejas, Pai Santo, pelo teu projecto de amor para cada um de nós, realizado no teu Filho Jesus Cristo, morto e ressuscitado para nossa salvação. Bendito sejas pela alegria e pela confiança que esse projecto suscita em nós, pois estamos certos de que o completarás em nós. Abandonamo-nos ao teu Espírito Santo. Que Ele aperfeiçoe em nós a imagem de Jesus, resplendor da tua glória, para Te darmos plena alegria, e glorificarmos no meio dos irmãos. Amen.

Contemplatio

Não estamos na terra senão para aqui continuarmos a vida santa que Jesus aqui levou. No baptismo, fizemos profissão de vivermos da sua vida, isto é, de o formarmos em nós, segundo a expressão de S. Paulo: até que Cristo se forme entre vós! (Gl 4, 19). Devemos apropriar-nos das suas virtudes, dos seus sentimentos, do seu espírito, das suas disposições e inclinações totalmente divinas. A vida e o reino de Jesus nos nossos corações diviniza-nos. «Nosso Senhor, diz o P. Eudes, desce e habita em nós pela graça, a fim de nos transformar em si mesmo. Agarra-nos interiormente pelas mãos todo-poderosas do Espírito Santo, como uma pequena hóstia que quer consagrar, para a oferecer consigo à glória do seu Pai celeste: sacrifício admirável, consagração deificante, preciosa e inefável elevação! Faz de nós seres sobrenaturais; de terrestres, torna-nos celestes, e de pobres nadas, de pecadores indignos, faz cristãos, santos, filhos de Deus» (P. Eudes, A vida interior). Unidos ao Coração de Jesus, tornamo-nos membros vivos de Cristo. Participamos na luz do sol da Verdade. O amor do seu Coração abrasa o nosso. Há algo de mais nobre, de mais sublime do que esta vida? (Leão Dehon, OSP 3, p. 514)

Actio

Repete muitas vezes e vive a palavra:
«Tudo contribui para o bem daqueles que amam a Deus» (Rm 8, 28)