Print Friendly, PDF & Email

Lectio

Primeira leitura: Romanos 9, 1-5

Irmãos: é verdade o que vou dizer em Cristo; não minto, pois é a minha consciência que, pelo Espírito Santo, disto me dá testemunho: 2tenho uma grande tristeza e uma dor contínua no meu coração. 3Desejaria ser amaldiçoado, ser eu próprio separado de Cristo, pelo bem dos meus irmãos, os da minha raça, segundo a carne. 4Eles são os israelitas, a quem pertence a adopção filial, a glória, as alianças, a lei, o culto, as promessas. 5A eles pertencem os patriarcas e é deles que descende Cristo, segundo a carne. Deus que está acima de todas as coisas, bendito seja Ele pelos séculos! Ámen.

Os capítulos 9 a 11 da carta aos Romanos são considerados por alguns exegetas um parêntesis entre a parte dogmática da carta (capítulos 1 a 8) e a parte parenética (capítulos 12 a 16). Mas talvez seja preferível vê-los como uma variação sobre o tema de Israel, já introduzido no começo da carta. De facto, Paulo começa o capítulo 9 com um desabafo significativo: «tenho uma grande tristeza e uma dor contínua no meu coração» (v. 2). O significado destas palavras parece mais claro se lermos Fl 3, 4-6: «Se qualquer outro julga poder confiar nesses méritos, eu posso muito mais: circuncidado ao oitavo dia, sou da raça de Israel, da tribo de Benjamim, um hebreu descendente de hebreus; no que toca à Lei, fui fariseu; no que toca ao zelo, perseguidor da Igreja; no que toca à justiça – a que se procura na lei – irrepreensível». O Apóstolo não esquece as suas origens, a sua tradição religiosa. O seu desejo paradoxal ajuda-nos a compreender a sua personalidade e a sua espiritualidade: «Desejaria ser amaldiçoado, ser eu próprio separado de Cristo, pelo bem dos meus irmãos, os da minha raça, segundo a carne» (v. 3). Estas palavras revelam o amor de Paulo pelo seu povo. Por causa dele, desejaria ser completamente destruído (cf. Dt 7, 26) ser anátema, isto é, maldito. O nosso texto termina com o máximo elogio que se pode fazer do povo hebreu: «é deles que descende Cristo, segundo a carne» (v. 5).

Evangelho: Lucas 14, 1-6

Naquele tempo: 1Tendo entrado, a um sábado, em casa de um dos principais fariseus para comer uma refeição, todos o observavam. 2Achava-se ali, diante dele, um hidrópico. 3Jesus, dirigindo a palavra aos doutores da Lei e fariseus, disse-lhes: «É permitido ou não curar ao sábado?» 4Mas eles ficaram calados. Tomando-o, então, pela mão, curou-o e mandou-o embora. 5Depois, disse-lhes: «Qual de vós, se o seu filho ou o seu boi cair a um poço, 6não o irá logo retirar em dia de sábado?» E a isto não puderam replicar.

Jesus aproveita a refeição em casa de um chefe dos fariseus para reafirmar a subordinação da lei do sábado à lei do amor (cf. Lc 6, 1-11; 13, 10-17) e evidenciar a redução hipócrita que dela fazem os doutores da lei e os fariseus. Lucas sublinha como a atenção de todos está centrada em Jesus: «todos o observavam» (v. 1b). É, mais uma vez Jesus que, como no caso da cura da mulher curvada, toma a iniciativa. E levanta, Ele mesmo, a controvérsia sobre a observância do preceito sabático, perguntando: «É permitido ou não curar ao sábado?» (v. 3).
Realizada a cura, Jesus interpela, mais uma vez os seus interlocutores com uma questão retórica que tem subentendida a não observância escrupulosa da lei pelos seus adversários, quando nisso há interesse pessoal (v. 5). O silêncio (vv. 4ª.6), com que reagem às perguntas de Jesus, torna clara a incapacidade de impugnar os argumentos do Mestre e as insuficientes razões com que eles defendem a sua interpretação da Lei.

Meditatio

O amor de Deus, de que Paulo tanto fala na carta aos Romanos, não exclui ninguém. É um amor oferecido a todos. A caridade do Apóstolo também se dirige a todos, incluindo os seus irmãos de raça, que tanto o fizeram sofrer. Os seus compatriotas fizeram-lhe oposição violenta, perseguiram-no, como vemos no livro dos Actos dos Apóstolos e nas próprias cartas de Paulo. Mas o Apóstolo não alimenta sentimentos de rancor ou de ódio contra eles. Apenas deseja conduzi-los à salvação: «tenho uma grande tristeza e uma dor contínua no meu coração», escreve, porque não crêem em Cristo, estão separados dele. E chega ao extremo: «Desejaria ser amaldiçoado, ser eu próprio separado de Cristo, pelo bem dos meus irmãos» (v. 3). Se estas palavras não estivessem escritas no Novo Testamento, o sentimento que manifestam seria semelhante a um grave pecado. Paulo não diz “desejo”, mas “desejaria”. Desejaria ser amaldiçoado, separado de Cristo, ser anátema, se tal servisse para facilitar a salvação dos seus irmãos. Na verdade, um desejo tão profundo não separa de Cristo, mas une ainda mais a Ele, e aumenta a semelhança com Ele, que aceitou sentir-se abandonado pelo Pai para salvar os seus irmãos pecadores.
No evangelho, Jesus expõe-se à crítica e à condenação para fazer o bem a um homem que sofre. A sua caridade não Lhe permite esperar pelo primeiro dia da semana. Actua, não como se tivesse caído um burro num poço, mas como se tivesse caído um filho. Este e outros actos de bondade e de misericórdia, realizados em favor dos que sofriam, serão a causa da sua condenação.
Encontramos, assim, nas leituras de hoje, dois exemplos de caridade muito profunda: o de Paulo, em favor do seu povo, e o de Cristo em favor de todos nós, que inspira o Apóstolo. A caridade de Cristo não tem limites. A caridade de Paulo, derramada pelo Espírito no seu coração, é idêntica à de Cristo.
Aprendamos a abrir o nosso coração ao amor de Deus, mas também ao amor do próximo. Peçamos ao Senhor que infunda em nós um contínuo sofrimento por causa da sorte de tantos homens, próximos ou longínquos de nós, que não crêem n´Ele, que não percorrem o caminho da salvação. Estamos no mês de Outubro, mês missionário!

Oratio

Senhor Jesus, que a dor de Paulo seja também a minha. Não só em relação ao povo judeu, mas também em relação a todos aqueles que não Te acolhem, ou ainda Te desconhecem. Ensina-me também a ver nos cristãos separados o meu próximo mais próximo. Que todos sejamos um em Ti! Tu, que por todos morreste e ressuscitaste, ensina-nos a afastar preconceitos e a amar a todos como Tu amaste. Que todos escutemos as mensagens de salvação, de fraternidade e de paz, que ecoam por todo o mundo. Amen.

Contemplatio

O Sagrado Coração é todo amor. Ele é somente amor e misericórdia, dizia Margarida Maria. Revelou-se para nos testemunhar o seu amor e para ganhar o nosso. «Nosso Senhor não tinha desejo mais viv
o, diz o decreto de beatificação de Margarida Maria, do que acender de todas as maneiras nas almas dos homens, a chama desta caridade, pela a qual o seu Coração é devorado: Vim lançar fogo à terra, tinha dito no Evangelho, e qual é a minha vontade senão que ele se acenda? – Ora para tornar este fogo da caridade mais activo quis que fosse estabelecido e que se propagasse na Igreja o culto e a adoração do seu Coração santíssimo…». Manifestou o seu coração para reinar sobre os corações dos homens ganhando-os ao seu amor. Desde a sua primeira aparição a Margarida Maria, deu-lhe a conhecer que «o grande desejo que tem de ser perfeitamente amado pelos homens tinha-o levado a formar o desígnio de lhes manifestar o seu Coração». «O meu divino Coração está tão apaixonado de amor pelos homens, diz, e por ti em particular, que não podendo mais conter em si mesmo as chamas da sua ardente caridade, é preciso que as expande por meio de ti». «Noutra vez, escreve a Bem-aventurada, estando diante do Santíssimo Sacramento, num dia da sua oitava, o meu Deus, descobrindo-me o seu divino Coração, disse-me: ‘Eis o Coração que tanto amou os homens que nada poupou, até se esgotar e consumir para lhes testemunhar o seu amor’». Uma vez o divino Salvador disse-lhe para olhar para a abertura do seu sagrado lado que era um abismo sem fundo cavado por uma flecha sem medida, a do amor. Oh! Sim! Podemos mergulhar neste abismo, e não encontraremos o fundo. Os santos sondaram-no de todas as partes nas suas meditações. Consideraram o amor de Jesus na Incarnação, na vida escondida, na Paixão, na Eucaristia, não encontraram limites. (Leão Dehon, OSP 3, p. 53s.).

Actio

Repete muitas vezes e vive a palavra:
«Bendito seja Deus pelos séculos!» (Rm 9, 5).