Print Friendly, PDF & Email

Lectio

Primeira leitura: Daniel 7, 2-14

Considerava eu, na minha visão nocturna, os quatro ventos do céu precipitarem-se sobre o grande mar. 3Surgiram do mar quatro grandes animais, diferentes uns dos outros. 4O primeiro era semelhante a um leão, mas tinha asas de águia. Enquanto o contemplava, foram-lhe arrancadas as asas. Levantavam-no da terra e endireitavam-no sobre os pés como um homem. Depois, deram-lhe um coração de homem. 5Em seguida, apareceu um segundo animal semelhante a um urso; erguia-se sobre um dos lados e segurava na goela, entre os dentes, três costelas. Diziam-lhe: ‘Vamos! Devora muita carne! ‘ 6Depois disto, vi um terceiro animal parecido com uma pantera, que tinha sobre o dorso quatro asas de ave e também quatro cabeças. Foi-lhe entregue a soberania. 7Enfim, quando contemplava estas visões nocturnas, divisei um quarto animal, horroroso, aterrador, e de uma força excepcional. Tinha enormes dentes de ferro; devorava, depois fazia em pedaços e o resto calcava-o aos pés. Era diferente dos animais anteriores, pois tinha dez chifres. 8Quando eu contemplava os chifres, eis que surgiu do meio deles um outro chifre mais pequeno. Para dar lugar a este chifre, três dos primeiros foram arrancados. Este chifre tinha olhos como um homem e uma boca que proferia palavras arrogantes. 9«Continuava eu a olhar, até que foram preparados uns tronos, e um Ancião sentou-se. Branco como a neve era o seu vestuário, e os cabelos da cabeça eram como de lã pura; o trono era feito de chamas, com rodas de fogo flamejante. 10Corria um rio de fogo que jorrava da parte da frente dele. Mil milhares o serviam, dez mil miríades lhe assistiam. O tribunal reuniu-se em sessão e foram abertos os livros. 11Eu olhava. Por causa do ruído das palavras arrogantes que o chifre proferia, esse animal foi morto e o seu corpo desfeito e atirado às chamas do fogo. 12Quanto aos outros animais, também lhes foi tirado o poderio; no entanto, a duração da sua vida foi-lhes fixada a um tempo e uma data. 13Contemplando sempre a visão nocturna, vi aproximar-se, sobre as nuvens do céu, um ser semelhante a um filho de homem. Avançou até ao Ancião, diante do qual o conduziram. 14Foram-lhe dadas as soberanias, a glória e a realeza. Todos os povos, todas as nações e as gentes de todas as línguas o serviram. O seu império é um império eterno que não passará jamais, e o seu reino nunca será destruído.»

O texto que acabamos de escutar pertence ao género literário apocalíptico. As revelações por meio de sonhos são frequentes tanto no Antigo como no Novo Testamento. No nosso texto, Daniel descreve uma visão nocturna do mar revolto, donde emergem quatro grandes e terríveis animais. O mar simboliza aqui o caos primordial, ou o conjunto das forças que se opõem a Deus e aos seus fiéis. Os animais (quatro significa a totalidade) representam as forças inimigas ou reinos pagãos. Apesar da sua arrogância, não passam de simples instrumentos por meio dos quais Deus realiza os seus juízos. Nos animais podem identificar-se os sinais de Babilónia, dos Medos, dos Persas, e, sobretudo, os Selêucidas da Síria, os mais terríveis. A Síria era antigamente identificada com a Assíria, e aqui na visão dos dez chifres (símbolo de poder) e do chifre mais pequeno e mais arrogante sobrepõe-se ao de Antíoco IV a imagem de Assur. A visão torna-se uma teofania. Aparece uma espécie de tribunal celeste presidido por um Ancião vestido de branco e sentado num trono de fogo com rodas flamejantes. A multidão dos que servem o Ancião é incontável. São abertos os livros do juízo e o quarto animal é morto, enquanto aos outros é concedido um tempo limitado de vida. O mal continua a ameaçar os fiéis. Mas o seu fim está perto. A teofania culmina com a aparição do Filho de homem, figura messiânica, a quem é entregue a senhoria eterna sobre todos os povos e nações.

Evangelho: Lucas 21, 29-33

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos a seguinte parábola: 29«Reparai na figueira e nas restantes árvores. 30Quando começam a deitar rebentos, ao vê-los, ficais a saber que o Verão está próximo. 31Assim também, quando virdes essas coisas, conhecereis que o Reino de Deus está próximo. 32Em verdade vos digo: Não passará esta geração sem que tudo se cumpra. 33O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão-de passar.»

Jesus, ao terminar o “Discurso escatológico”, responde à pergunta inicial: «Mestre, quando sucederá isso? E qual será o sinal de que estas coisas estão para acontecer?» (21, 7). A parábola da figueira é a resposta. Já no versículo 28 fora introduzido o tema da vigilância: «cobrai ânimo e levantai a cabeça!» que agora é retomado e desenvolvido. Lucas aproveita todas as ocasiões para exortar os destinatários do seu evangelho a tirar as devidas consequências da mensagem que lhes entrega.
O pormenor das «restan¬tes árvores» (v. 29) visa tornar inteligível a parábola fora da Palestina. Mas não é preciso aplicar a realidade do Reino de Deus ao ritmo das estações. Portanto o regresso do Senhor não deve ser entendido como é o Verão, tempo das colheitas. Apenas se quer afirmar que, quando se verificarem os sinais premonitórios (cf. vv 20-28), então se manifestará definitivamente o poder de Deus que salva. Para Lucas, como sabemos, o reino de Deus já está no meio de nós (cf. 12, 20; 17, 21). O regresso do Senhor não será o início do Reino, mas a realização da sua última fase. «A vossa redenção está próxima» (v. 28): Cristo, o libertador, que já deu início ao reino do Pai no meio de nós, há-de vir aperfeiçoar a sua missão.

Meditatio

«Os quatro grandes animais» do sonho de Daniel não conseguem fixar os olhos no trono resplandecente em que está sentado o Ancião. Consegue-o Daniel, com os olhos puros da fé, a quem é dado contemplar o fim da visão. O poder das forças do mal é limitado no tempo e no espaço, apesar de incutir terror. Os crentes escolheram outro poder, que não tem limites. A multidão dos que servem o Ancião é inumerável. O reino entregue ao Filho do homem é eterno. O poder humano «não é humano»; o único reino “humano” é o reino de Deus.
Mas, voltemos à visão de Daniel. O profeta vê quatro grandes animais: um leão monstruoso, que se endireitava sobre os pés como se fosse um homem e tem coração de homem; um urso, ao qual é dito: «Vamos! Devora muita carne!» (v. 5); uma espécie de pantera à qual foi entregue a soberania; finalmente, «um quarto animal, horroroso, aterrador, e de uma força excepciona» (v. 7). Estes animais representam o poder humano não submetido a Deus. É um poder cruel, desumano, que parece nunca acabar, mas que é miserável e inconsisten
te. A este poder, Daniel opõe o poder de Deus, na visão de «um ser semelhante a um filho de homem» (v. 13), que recebe poder, glória e reino do próprio Deus. É o rei que preferiu sofrer a fazer sofrer, que se fez homem para melhor compreender os homens e guiá-los de modo humano, com mansidão e humildade.
O profeta Daniel antecipa a grande revelação do Novo Testamento, onde é recordada em momentos decisivos. O Filho do homem a quem Deus dá glória, poder e reino é evocado por Cristo na resposta ao Sumo-sacerdote: «És o Messias, o Filho de Deus?» Jesus respondeu-lhe: «Sim: Vereis um dia o Filho do Homem sentado à direita do Todo-Poderoso e vindo sobre as nuvens do céu.» (Mt 26, 63-64). Os cristãos exultaram ao reler a profecia, e contemplam Cristo à direita de Deus. No último encontro de Jesus com os seus, Ele proclama que esta profecia está realizada: «Foi-me dado todo o poder no Céu e na Terra» (Mt 28, 18).
Como discípulos do Senhor somos chamados a viver a bem-aventurança dos pobres e a renunciar a tantos meios de segurança humana: dinheiro, estado social influente, cargos, poder… Jesus é tudo na nossa vida. De modo particular, como religiosos, queremos assumir o Seu estilo de vida e cooperar, segundo a nossa vocação pessoal e comunitária, para a difusão do Seu Reino.

Oratio

Senhor, obrigado pela ironia com que nos disseste quando será o fim do mundo: “quando virdes a figueira lançar os primeiros rebentos, dizeis que o Verão está perto”. É um fenómeno natural, que o camponês bem sabe interpretar. Também não passará a nossa geração sem que venha o reino de Deus. Não se trata de nos abandonarmos a fantasias milenaristas, mas de viver plenamente a nossa vida cristã, que para isso recebemos. Não é preciso esperar pelo fim do mundo para nos convencermos que a tua Palavra dura eternamente e para decidirmos, de uma vez por todas, confiar-nos a Ti, e não aos poderes deste mundo, que, entretanto, parecem levar a melhor. Obrigado, Senhor, por assim me esclareceres. Amen.

Contemplatio

O silêncio acusador de Jesus, mais eloquente do que tudo o que teria podido dizer, perturbava e inquietava a consciência dos juízes. Caifás quis rompê-lo a todo o custo. As acusações das testemunhas confirmavam-no no pensamento de que Jesus se dava por Messias. Quis obrigá-lo a confessar. Por isso disse-lhe solenemente: «Eu te conjuro, em nome do Deus vivo, a que nos digas se és o Cristo, o Filho de Deus». Jesus sabe que a sua resposta afirmativa terá como consequência uma declaração de morte; mas não quer subtrair-se a uma notificação jurídica. Responde dignamente: «Tu o disseste, sou». É como se dissesse: «Sou o Messias esperado, aquele que os profetas vos anunciaram. Deveríeis reconhecê-lo e proclamá-lo. Em vez disso, ides condenar-me à morte, mas esta morte mesma me fará entrar na glória, e julgar-vos-ei por minha vez». E acrescentava: «Vereis, então, um dia o Filho do homem, sentado à direita de Deus todo-poderoso, e vindo sobre as nuvens do céu, para julgar os vivos e os mortos». A estas palavras, o sumo-sacerdote, fingindo surpreender o Salvador em flagrante delito de blasfémia, rasgou as vestes e exclamou: «Blasfemou, que vos parece? Que necessidade temos ainda de testemunhas?». Todos se levantaram e gritaram, como possessos: «É digno de morte». Mas Jesus não provou a sua missão com milagres? Era isto que deviam examinar e nem pensam. Ó meu bom Mestre, sim, creio, vós sois o Cristo, Filho de Deus. Reconheço-o, adoro-vos, faço pública retractação por estes ultrajes que vos são feitos em casa de Caifás. Infelizmente, a minha vida tem sido muitas vezes uma negação da vossa autoridade. Perdoai-me, prostro-me aos vossos pés e abraço-os. (Leão Dehon, OSP 3, p. 292s.).

Actio

Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
«Vereis um dia o Filho do Homem sentado à direita do Todo-Poderoso
e vindo sobre as nuvens do céu» (Mt 26, 64