Print Friendly, PDF & Email

Tempo Comum – Anos Pares
V Semana – Sábado
Lectio

Primeira leitura: 1 Reis 12, 26-32; 13, 33-34

26Quando Jeroboão se tornou rei das dez tribos de Israel, pensou para consigo: «Como as coisas estão, pode muito bem o reino voltar para a casa David. 27Se este povo continua a subir à casa do Senhor que está em Jerusalém para aí oferecer sacrifícios, o coração deste povo é capaz de regressar a Roboão, seu senhor, rei de Judá! Hão-de trucidar-me e regressarão a Roboão, rei de Judá.» 28Então, o rei deliberou para consigo e mandou fazer dois bezerros de ouro e disse-lhes: «Vós tendes subido a Jerusalém com demasiada frequência. Aqui estão os vossos deuses, ó Israel, aqueles que vos fizeram sair da terra do Egipto.» 29E colocou um em Betel e o outro em Dan. 30Nisto consistiu o pecado: o povo pôs-se em marcha à frente de um dos bezerros até Dan. 31Jeroboão construiu templos nos lugares altos, nomeou sacerdotes de entre a massa do povo, que não eram filhos de Levi. 32Jeroboão instituiu ainda uma festa no oitavo mês, no décimo quinto dia do mês, como a festa que se celebrava em Judá; ele mesmo subiu ao altar. Assim fez também em Betel, para sacrificar aos bezerros que tinha mandado fazer. Estabeleceu em Betel sacerdotes dos lugares altos que tinha instituído. 33Não obstante estas palavras, Jeroboão não se converteu da sua conduta perversa. Mas continuou a fazer sacerdotes dos lugares altos a homens oriundos da massa do povo; a quem ele queria, consagrava-os e ficavam sacerdotes dos lugares altos. 34Nisto é que consistiu o pecado da casa de Jeroboão; por isso é que ela foi destruída e desapareceu da face da terra.

Consumado o cisma político, Jeroboão reina sobre as 10 tribos do norte, enquanto Roboão reina sobre as tribos de Judá e de Benjamim. Mas o fosso entre o Reino do Norte e o Reino do Sul agrava-se com o cisma religioso, idealizado por Jeroboão para evitar as peregrinações a Jerusalém. Essas peregrinaçõs podiam levar o povo a voltar-se novamente para a casa de David e a dar maior poder económico ao Reino do Sul. Assim Jeroboão revitaliza o templo de Betel, onde Abraão construíra um altar ao Senhor, e onde Jacob tivera o sonho da escada que subia da terra ao céu, e o templo de Dan, cidade santuário desde o tempo dos Juízes. Em cada um dos santuários, coloca um vitelo de ouro, inspirando-se numa antiga tradição segundo a qual essa imagem era pedestal da divindade invisível, do mesmo modo que a arca era o trono de Javé no templo de Jerusalém. Jeroboão coloca nesses santuários sacerdotes que não eram oriundos da tribo de Levi. Assim procura, não só congregar as tribos isoladas do Norte, mas também desviar os peregrinos de Jerusalém. Para completar a sua obra, Jeroboão institui uma «festa dos Tabernáculos» para satisfazer a possível saudade do povo, que costumava peregrinar ao templo de Salomão, em Jerusalém, para a celebrar. Revela uma grande habilidade política para contrariar a forte atracção que exercia sobre o povo a cidade de David e o seu sumptuoso santuário. Mas também revela aquele egoísmo cego, que vicia desde o princípio o seu reino, conduzindo-o à destruição.

Evangelho: Marcos 8, 1-10

Naqueles dias, 1havia outra vez uma grande multidão e não tinham que comer. Jesus chamou os discípulos e disse: 2«Tenho compaixão desta multidão. Há já três dias que permanecem junto de mim e não têm que comer. 3Se os mandar embora em jejum para suas casas, desfalecerão no caminho, e alguns vieram de longe.» 4Os discípulos responderam-lhe: «Como poderá alguém saciá-los de pão, aqui no deserto?» 5Mas Ele perguntou: «Quantos pães tendes?» Disseram: «Sete.» 6Ordenou que a multidão se sentasse no chão e, tomando os sete pães, deu graças, partiu-os e dava-os aos seus discípulos para eles os distribuírem à multidão. 7Havia também alguns peixinhos. Jesus abençoou-os e mandou que os distribuíssem igualmente. 8Comeram até ficarem satisfeitos, e houve sete cestos de sobras. 9Ora, eram cerca de quatro mil. Despediu-os 10e, subindo logo para o barco com os discípulos, foi para os lados de Dalmanuta.

A crítica interroga-se se esta multiplicação dos pães é, de facto, um novo milagre ou se é uma segunda versão do que foi narrado em Mc 6, 34-44. Mas, mais importante que saber se se trata de um ou de dois prodígios diferentes, é conhecer as intenções querigmáticas do evangelista.
Toda esta secção parece orientada para realçar a finalidade da evangelização, incluindo o seu aspecto taumatúrgico, a saber: libertar o homem da alienação e de tudo o que ameaça a sua existência, não só no limite extremo entre a vida e a morte, mas também na sua acção de cada dia. Nos dois relatos facilmente se pode ver uma alusão à refeição eucarística, tal como era celebrada pela comunidade judeo-helenista de Cesareia, em cujo seio nasceu o evangelho de Marcos. O evangelista parece querer realçar a multiplicação dos pães como prefiguração da eucaristia cristã e das suas implicações a favor dos pagãos. De facto, anota: «alguns vieram de longe» (v. 3b). Além disso, a compaixão de Jesus é suscitada pela miséria física daquela gente que andava com Ele havia três dias. É este sentimento de compaixão que provoca o milagre. É esse mesmo sentimento que há-de levar à partilha na comunidade, em favor dos carenciados.

Meditatio

Jeroboão, preocupado consigo mesmo, e temendo a precariedade da sua posição, imagina uma série de intervenções que visam pôr o povo a seu favor, sem se importar que caia num pecado que lhe trará a destruição. Jeroboão vê o povo como um meio para fortalecer o seu poder real, sem se importar com a sorte do mesmo povo, porque o seu coração é perverso. Dos corações perversos nascem as «estruturas de pecado».
Jesus, pelo contrário está preocupado com o homem e com o seu verdadeiro bem. O seu olhar de compaixão torna-se gesto em favor da multidão e da sua verdadeira vida. É este olhar de Jesus que inaugura «a civilização do amor», «a cidade de Deus». O milagre que Jesus faz não é apenas sinal da presença do Reino, mas é também um sinal do seu olhar e da sua atitude fundamental em relação à humanidade, a misericórdia. Jesus tem compaixão e alimenta abundantemente o povo: «Comeram até ficarem satisfeitos, e houve sete cestos de sobras. Ora, eram cerca de quatro mil» (vv. 8-9). Para além da fome física daquela gente, Jesus vê a fome da sua Palavra, a fome da verdadeira vida. E sacia duplamente a multidão: «Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não mais terá fome
e quem crê em mim jamais terá sede» (Jo 6, 35).
Cristo dá-Se a comer na Eucaristia, mas também se dá por meio do nosso amor, por meio do nosso serviço aos pequenos, àqueles que têm fome e sede, que estão doentes ou na prisão… É o mesmo Cristo que Se dá nestes dois “sacramentos” que reciprocamente se apelam (cf. Mt 25, 40).
Por isso, S. João Crisóstomo recordava aos cristãos do seu tempo a necessidade de prolongar a celebração eucarística na assistência aos pobres: «Queres honrar o Corpo de Cristo? Não permitas que seja objecto de desprezo nos Seus membros, isto é, nos pobres, privados de roupa para se vestirem… Aquele que disse “isto é o Meu Corpo” também disse “vistes-Me com fome e não Me destes de comer” e “todas as vezes que fizestes isto a um dos mais pequenos dos Meus irmãos, foi a Mim que o fizestes…» (S. João Crisóstomo, Homilias sobre S. Mateus 50, 2-4).
A nossa celebração eucarística abre-se às necessidades dos irmãos, abre-nos ao mundo que nos rodeia, leva-nos a olhar os outros com sentimentos semelhantes aos do Senhor e a agir como Ele agiu. O «Ide em paz» que o sacerdote nos dirige no fim da celebração eucarística equivale ao «Vai e faz tu também o mesmo», que o Senhor diz ao doutor da lei, depois de lhe contar parábola do Bom Samaritano (cf. Lc 10, 37). É assim que se colabora na construção da «civilização do amor».

Oratio

Senhora, Mãe de Jesus e minha Mãe, quero saudar-te especialmente neste dia de sábado. Tu és modelo de confiança e de abandono. Tu acolheste a palavra de Deus sem Te preocupar contigo mesma nem com os teus projectos. Aceitaste pacificamente que a tua vida fosse perturbada pela «invasão» de Deus… até ao Calvário. Por isso é que Deus Te encheu de alegria e todas as gerações Te proclamam bem-aventurada. Alcança-me de Jesus uma confiança e um abandono semelhantes aos teus em todas as situações. Que, mais do que olhar para mim mesmo, eu saiba olhar para Jesus, teu filho, e para o projecto em que Ele me quer como colaborador. Que eu saiba fazer da minha vida uma eucaristia para louvor do Pai e serviço dos irmãos, particularmente dos mais necessitados. Amen.

Contemplatio

A multiplicação dos pães é um acto de Providência, que tinha por finalidade encorajar-nos à confiança. Algum tempo depois deste milagre, Nosso Senhor retirava as suas consequências: Não vos deixeis cair na perturbação nem na inquietação, dizia; o vosso Pai celeste conhece as vossas necessidades. A sua providência estende-se a toda a natureza. Ele tem cuidado de quem seja muito mais pequeno do que vós. Vede as aves do céu, não semeiam nem colhem e, no entanto, nunca lhes falta alimento; e as flores dos campos? Não fiam nem tecem e, no entanto, estão mais brilhantemente vestidas do que Salomão no seu esplendor.
Bossuet desenvolve eloquentemente este pensamento. «Abri os olhos, ó mortais! Contemplai o céu e a terra e a sábia economia deste universo: não há nada de mais bem concebido do que este edifício, nada mais bem governado do que este império…
«Da maior das criaturas às mais pequenas, a Providência de Deus expande-se por toda a parte. Alimenta as avezinhas que a invocam desde a manhã com a melodia dos seus cânticos; e estas flores, cuja beleza tão depressa murcha, adorna-as tão soberbamente, durante este pequeno momento das suas vidas, que Salomão em toda a sua glória nada tem de comparável a este ornamento.
Se os seus cuidados tão longe se estendem, vós homens que Ele fez à sua imagem, que iluminou com o seu conhecimento, que chamou ao seu reino, podeis acreditar que Ele vos esquece? Será que o seu poder não é suficiente? Mas o seu fundo é infinito e inesgotável: com cinco pães e dois peixes, alimentou cinco mil almas. Será que a sua bondade não pensa nelas? Mas as criaturas mais pequenas sentem os seus efeitos…
Não vedes manifestamente que, não lhe faltando nem bondade nem poder, se Ele vos deixa algumas vezes sofrer, é por alguma razão mais elevada. É um pai que castiga os seus filhos, um capitão que exercita os seus soldados.
Procurai, portanto, a sua verdade e a sua justiça, procurai o reino que Ele vos prepara, e estai seguros sobre a sua palavra que todo os resto vos será dado, se for necessário; e se não vos for dado, então é porque não era necessário (Leão Dehon, OSP3, p. 304s.).

Actio

Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
«Tenho compaixão desta multidão» (Mc 8, 2).

| Fernando Fonseca, scj |