Print Friendly, PDF & Email

Tempo Comum – Anos Pares
V Semana – Terça-feira
Lectio

Primeira leitura: 1 Reis 8, 22-23.27-30

Naqueles dias, 22o rei Salomão colocou-se diante do altar do Senhor, perante toda a assembleia de Israel; levantou as mãos para o céu 23e disse:«Senhor, Deus de Israel, não há Deus semelhante a ti, nem no mais alto dos céus nem cá em baixo, na terra, para guardar a misericordiosa Aliança para com os servos, que andam na tua presença, de todo o coração. 27Será que Deus poderia mesmo habitar sobre a terra? Pois se nem os céus em os céus dos céus te conseguem conter! Quanto menos este templo que eu edifiquei?
28Mesmo assim, atende, Senhor, meu Deus, a oração e as súplicas do teu servo. Escuta o grito e a prece que o teu servo hoje te dirige. 29Estejam os teus olhos abertos dia e noite sobre este templo, sobre este lugar do qual disseste: ‘Aqui estará o meu nome.’ Ouve a oração que neste lugar te faz o teu servo. 30Escuta a súplica do teu servo e a do teu povo, Israel, quando aqui orarem. Ouve-os do alto da tua mansão, no céu; ouve-os e perdoa!

Salomão, pelo carácter sagrado que lhe vem da unção, e como rei de um povo teocrático, preside à cerimónia da dedicação do templo. O centro da sua oração, onde brota o louvor e a invocação, é o espanto do homem diante de Deus-presente, diante de um Deus que quer habitar no meio dos homens: «Será que Deus poderia mesmo habitar sobre a terra?» (v. 27). Estas palavras revelam-nos a eterna tensão entre transcendência e imanência. Como é possível habitar num templo Aquele que nem os céus podem conter? Para Salomão, mais importante que o ouro que reveste o altar e as portas do templo, mais importante que as colunas de bronze e as alfaias sagradas, é a presença de Deus, no templo por ele edificado, é a Aliança com que Deus quis ligar-se ao seu povo. O templo é memória estável e silenciosa da Aliança. Não é uma morada para encerrar a Deus. Nenhuma morada construída pelos homens O pode conter. E está presente onde quer que se viva a Aliança.

Evangelho: Marcos 7, 1-13

Naquele tempo, 1reuniram-se à volta de Jesus os fariseus e alguns doutores da Lei vindos de Jerusalém, 2e viram que vários dos seus discípulos comiam pão com as mãos impuras, isto é, por lavar. 3É que os fariseus e todos os judeus em geral não comem sem ter lavado e esfregado bem as mãos, conforme a tradição dos antigos; 4ao voltar da praça pública, não comem sem se lavar; e há muitos outros costumes que seguem, por tradição: lavagem das taças, dos jarros e das vasilhas de cobre. 5Perguntaram-lhe, pois, os fariseus e doutores da Lei: «Porque é que os teus discípulos não obedecem à tradição dos antigos e tomam alimento com as mãos impuras?» 6Respondeu: «Bem profetizou Isaías a vosso respeito, hipócritas, quando escreveu:Este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. 7Vazio é o culto que me prestam e as doutrinas que ensinam não passam de preceitos humanos. 8Descurais o mandamento de Deus, para vos prenderdes à tradição dos homens.» 9E acrescentou: «Anulais a vosso bel-prazer o mandamento de Deus, para observardes a vossa tradição. 10Pois Moisés disse: Honra teu pai e tua mãe; e ainda: Quem amaldiçoar o pai ou a mãe seja punido de morte. 11Vós, porém, dizeis: "Se alguém afirmar ao pai ou à mãe: ‘Declaro Qorban’ – isto é, oferta ao Senhor – aquilo que poderias receber de mim…", 12nada mais lhe deixais fazer por seu pai ou por sua mãe, 13anulando a palavra de Deus com a tradição que tendes transmitido. E fazeis muitas outras coisas do mesmo género.»

O texto que hoje escutamos parece dar-nos a perceber que Marcos escreve para uma comunidade judeo-cristã que procurava ultrapassar certos dados da sua origem. Provavelmente tratava-se de judeo-cristãos de cultura helenista, isto é, de judeus da dispersão, cujas formas e costumes tinham sido influenciados pela cultura grega. Marcos procura mostrar-lhes que a nova relação entre os discípulos e Jesus de Nazaré também implicava uma nova relação entre os eles e as regras estabelecidas pelos homens para o encontro com Deus, nomeadamente no que se refere à pureza ritual: «Porque é que os teus discípulos não obedecem à tradição dos antigos e tomam alimento com as mãos impuras?» (v. 5). Mais do que nas suas palavras, é na sua Pessoa que encontramos a resposta à questão que Lhe é posta. Ao revelar-se como o Filho de Deus, o Mediador entre Deus e os homens, Jesus relativiza as regras e preceitos humanos. Não os anula, mas mostra que são válidos se estiverem relacionados com Ele. Ele é a norma, Ele é a incarnação do mandamento de Deus, a Palavra viva.

Meditatio

Salomão está consciente da imensa distância que existe entre Deus e o homem. Por isso assume uma atitude de grande humildade e de sentido religioso diante de Deus. Não há proporção entre Deus e o homem. Por isso, havemos de fazer tudo para glorificar a Deus, e não a nós mesmos. Por muito que tenhamos feito por Deus, sempre havemos de recorrer à sua misericórdia, e contar com a sua bondade, e não com os nossos méritos. A nossa oração há-de assumir sempre a atitude do publicano e não a do fariseu convencido dos seus méritos.
O que mais nos pode espantar na vida é dar-nos conta de que Deus, o totalmente Outro, o inacessível, está connosco, entrou na nossa história, que, por isso, decorre no quadro da Aliança, se desenrola na sua casa. O que dá sentido e dignidade à minha vida, não são as minhas obras, mais ou menos espectaculares, mas a Aliança, isto é, a ligação que Deus quis estabelecer connosco e realizou definitivamente em Jesus Cristo, quando ainda éramos pecadores (cf. Rm 5, 8). A oração nasce do espanto que nos causa saber que Deus nos amou por primeiro e, por isso, gratuitamente. Mas também nasce da experiência de liberdade que a redenção nos alcançou, uma liberdade que nos permite entreter-nos com Deus, num clima de amizade. Como acontece esta ligação? Como se vive a Aliança? Acolhendo a Palavra que desce ao coração e desmascara as poses de fachada, tornando-nos autênticos, verdadeiros. Esta relação nova dá vida à nossa vida. Os esquemas rígidos, não só não atraem a Deus, mas afastam-no. Não vale, pois, a pena agarrar-nos a esquemas, a praxes, a cerimónias, a tradições antigas… O importante é abrir-se a novas relações com Deus e com os homens inspiradas na sua Palavra sempre viva e actual.
Jesus não quis mudar o homem a partir de fora. Quis mudá-lo a partir de dentro, transformando-lhe o coração, entendido biblicamente, como o eu profundo do homem, onde se dão as s
uas decisões pelo bem ou pelo mal, por Deus ou contra Deus. Diz Jesus: «Do coração procedem os maus pensamentos, os assassínios, os adultérios, as prostituições, os roubos, os falsos testemunhos e as blasfémias. Eis o que torna o homem impuro; mas comer com as mãos por lavar não torna o homem impuro» (Mt 15, 19-20). Por essa razão é que Jesus manda aprender d´Ele a mansidão e a humildade do “coração” (Mt 11, 29). «Bem-aventurados os puros de coração…» (Mt 5, 8), isto é, os homens genuínos, sinceros, coerentes com as convicções da sua consciência. Todos os cristãos, e particularmente os religiosos, «pelo seu estado» deveriam testemunhar «de modo esplêndido e singular que não se pode transfigurar o mundo e oferecê-lo a Deus sem o espírito das bem-aventuranças», isto é, sem a autenticidade, sem a coerência, sem a pureza de coração (LG 31; Cst 29).

Oratio

Senhor, liberta-nos do formalismo, do legalismo mesquinho, que dá grande importância ao que a não tem, para que não transformemos a religião em algo de externo, sem valor diante de Ti. Ajuda-nos a pôr cada coisa no seu lugar, a dar-lhe apenas a importância que merece. Tu não queres que, diante de qualquer preceito, nos diminuamos a nós mesmos, mas permaneçamos conscientes, livres e amigos do bem. As tradições humanas podem mudar com os tempos. Mas o amor ao pai, à mãe, ao filho, ao próximo, está acima de todos os preceitos e tradições humanas. O que realmente nos pedes, e queres de nós, é a fidelidade à tua Palavra e à nossa vocação de homens. Que jamais o esqueçamos. Amen.

Contemplatio

Há orações de regra ou de costume geral. As orações da manhã e da tarde e alguns exercícios cada dia estavam já nos hábitos do povo de Deus. «Louvo a Deus sete vezes por dia», dizia David. Iam à sinagoga no dia de sábado e a Jerusalém nas grandes festas, pelo menos na Páscoa.
A Sagrada Família observava todos os bons costumes e todas as regras do culto, não somente por rotina, como tantos outros, mas com um fervor sempre crescente. «Cumprem tudo segundo o costume e a lei», diz o Evangelho. Vão todos os anos a Jerusalém (Lc 2, 27). Nós vemos Nosso Senhor revelar o costume da Sagrada Família rezando antes e depois da refeição, indo à sinagoga, prolongando a sua oração durante a noite.
No Templo, que recolhimento! Maria e José não olham para a multidão. Prostram-se, adoram, rezam, saem sem notar mesmo que Jesus ficou. Só pensam em Deus, não escutam senão Deus. Oh! Que contraste com o meu naturalismo!…
Rezar exactamente, fielmente e rezar bem, tal deve ser a minha resolução (Leão Dehon, OSP3, p. 177).

Actio

Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
“Bem-aventurados os puros de coração…” (Mt 5, 8),

| Fernando Fonseca, scj |