Print Friendly, PDF & Email

Tempo Comum – Anos Pares
VI Semana – Segunda-feira
Lectio

Primeira leitura: Tiago 1, 1-11

1Tiago, servo de Deus e do Senhor Jesus Cristo, saúda as doze tribos da Dispersão. 2Meus irmãos, considerai como uma enorme alegria o estardes rodeados de provações de toda a ordem, 3tendo em conta que a prova a que é submetida a vossa fé produz a constância. 4Mas a constância tem de se exercitar até ao fim, de modo a serdes perfeitos e irrepreensíveis, sem falhar em nada. 5Se algum de vós tem falta de sabedoria, que a peça a Deus, que a todos dá generosamente e sem recriminações, e ser-lhe-á dada. 6Mas peça-a com fé e sem hesitar, porque aquele que hesita assemelha-se às ondas do mar sacudidas e agitadas pelo vento. 7Não pense, pois, tal homem que receberá qualquer coisa do Senhor, 8sendo de espírito indeciso e inconstante em tudo. 9Que o irmão de condição humilde se glorie na sua exaltação, 10e o rico na sua humilhação, pois ele passará como a flor da erva. 11Com efeito, ao despontar o Sol com ardor, a erva seca e a sua flor cai, perdendo toda a beleza; assim murchará também o rico nos seus empreendimentos.

A carta que hoje começamos a ler, atribuía a Tiago, irmão do Senhor e bispo de Jerusalém, é dirigida às Doze tribos da diáspora, tal como a Primeira Carta de Pedro. A diáspora era formada pelos judeus que viviam fora da Palestina. Aqui o termo é usado metaforicamente, para indicar a Igreja, novo Israel, dispersa entre os povos.
A carta de Tiago, para além da introdução, apresenta-se como uma homilia onde o seu autor oferece normas práticas de vida cristã. É uma carta «católica» porque contém verdades universalmente válidas, isto é, aplicáveis à vida de todos os crentes. Resumidamente, podemos indicar algumas: a devoção e a piedade só são verdadeiras quando se reflectem na vida dos crentes. As aparências de devoção não agradam a Deus. A verdadeira devoção não é simples aspiração da alma, nem palavreado fácil. São as obras que revelam a autenticidade da fé proclamada.
Para além de alertar a todos para a necessidade de uma fé que se traduza em obras, a carta de Tiago quer também responder a duas preocupações: por um lado, revelar aos pobres o valor da provação, das suas angústias; por outro lado, revelar aos ricos o perigo que as riquezas encerram. O clima de sabedoria vetero-testamentária é iluminado, ainda que não muito directamente, pela luz de Cristo.
Hoje escutamos a introdução e parte da exortação inicial, cujos temas serão retomados ao longo da carta: a providencialidade da provação, a necessidade de rezar para adquirir a sabedoria e saber orientar-se no meio das dificuldades da vida, o carácter ilusório das riquezas.

Evangelho: Marcos 8, 11-13

Naquele tempo, 11apareceram alguns fariseus e começaram a discutir com Ele, pedindo-lhe um sinal do céu para o pôr à prova. 12Jesus, suspirando profundamente, disse: «Porque pede esta geração um sinal? Em verdade vos digo: sinal algum será concedido a esta geração.» 13E, deixando-os, embarcou de novo e foi para a outra margem.

A perícopa que hoje escutamos situa-se na no contexto da «secção dos pães» (Mc 6, 30-8,26) e mais precisamente na reacção dos fariseus (8, 11-13) e dos discípulos (8, 14-21) à revelação cristológica. Os fariseus não reconhecem o valor do milagre da multiplicação dos pães realizado por Jesus. Daí a provocação: dá-nos «um sinal do céu» (v. 11). Jesus apercebe-se imediatamente da intenção dos fariseus e responde-lhes categoricamente: «sinal algum será concedido a esta geração» (v. 12). Não há prodígio (dýnamis) nem sinal (semêion), – aqui Marcos usa o termo sinal -, capaz de convencer quem não quer deixar-se convencer.
A expressão «esta geração» (v. 12), na literatura profética, indica o povo de Israel infiel à Aliança, que exige sempre de Deus novas manifestações do seu poder. A expressão aparece por vezes seguida de adjectivos como «adúltera e pecadora» (8, 38; Mt 12, 39.45;16,4) ou «infiel e perversa» (9, 19; cf. Mt 17, 17). Nesta perícopa a expressão «esta geração» parece indicar, não só os fariseus, mas também todos aqueles que procuram sempre novos sinais para acreditar.

Meditatio

Bento XVI, na encíclica Spe salvi, lembra-nos que o sofrimento é um lugar para aprender a esperança. Devemos certamente fazer tudo para diminuir o sofrimento; todavia «não é a fuga diante da dor que cura o homem, mas a capacidade de aceitar a tribulação e amadurecer nela, e encontrar sentido para ela na união com Cristo, que sofreu com infinito amor». O Papa refere os exemplos de Santa Josefina Bakhita e o do mártir vietnamita Paulo Le-Bao-Thin, verdadeiras testemunhas da esperança no meio dos seus sofrimentos (cf. nn. 36-39).
A primeira leitura lembra-nos que as dificuldades e sofrimentos, põem à prova a nossa fé e revelam em quem pomos a nossa esperança: se em Deus ou em nós mesmos. O mesmo texto afirma que só a sabedoria, que vem de Deus, permite considerar as provações como perfeita alegria. A sabedoria do mundo considera-a loucura. Há que pedir a sabedoria da cruz, na certeza de que no-la dará. E essa certeza vem-nos da fé que não hesita e se manifesta nas obras.
O evangelho mostra-nos os fariseus que, em tom polémico, se dirigem a Jesus que tinha acabado de multiplicar os pães, «pedindo-lhe um sinal do céu» (v. 11). Trata-se de uma provocação. Jesus apercebe-se das suas intenções e recusa-lhes o sinal, porque não há sinal que convença quem está dominado por preconceitos, quem não se quer deixar convencer. Os fariseus dão continuidade à incredulidade e à dureza de coração do Povo de Deus tantas vezes verberada pelos profetas. Não há sinais nem provas do amor de Deus que os satisfaçam.
Qual é a nossa posição? Talvez também nós sejamos vítimas da miopia religiosa que afectava os fariseus. Jesus é o sinal dado aos homens para que acreditem. Como é a nossa fé, a nossa adesão, a nossa confiança em Jesus? Como reagimos perante os sofrimentos da vida? Somos homens e mulheres de esperança?
Para o Pe. Dehon, o Lado aberto e o Coração trespassado do Salvador, são o sinal por excelência do amor de Deus por nós e do amor do Filho de Deus, que aceita a morte para nos salvar. Contemplando esse sinal, chega à fé-adesão e à confiança inabalável que as provações não fazem esmorecer. Consegue até lê-las de modo positivo: são ocasiões para se unir à Paixão do Senhor, em espírito de am
or e de reparação, na esperança segura de igualmente participar na glória da Ressurreição.

Oratio

Senhor Jesus, ensina-me a considerar perfeita alegria toda a provação, todo o sofrimento. Tu sabes que prefiro a tranquilidade, e que vejo as dificuldades como tropeços no caminho para Ti. Mas também elas são perfeita alegria porque, como ensina teu apóstolo Paulo, as provações da fé produzem a paciência e a paciência completa em nós a obra, para nos tornarmos perfeitos e íntegros, sem qualquer falta.
Senhor, faz-me compreender que é nas provações que produzes em mim a virtude, que não é derrota, mas progresso no amor; faz-me compreender que é nas provações que me unes à tua Paixão gloriosa e à tua vitória sobre o mal e sobre a morte. Amen.

Contemplatio

A cruz devia ser o sinal do cristão. Devia ser honrada sobre todos os nossos altares e marcar com o seu sinal salutar todas as cerimónias do culto. Nosso Senhor conduz-nos como quer pela sua doce providência. A cruz mal aparece nas catacumbas, torna-se o sinal universal de todo o acto cristão no tempo de Constantino. É ela que nos pregará o amor de Nosso Senhor, aguardando a revelação do Sagrado Coração (Leão Dehon, OSP3, p. 511).

Actio

Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
«A provação produz a constância» (Tg 1, 3).

| Fernando Fonseca, scj |