Print Friendly, PDF & Email

Tempo Comum – Anos Pares
VI Semana – Sexta-feira
Lectio

Primeira leitura: Tiago 2, 14-24.26

14Meus irmãos, de que aproveita, irmãos, que alguém diga que tem fé, se não tiver obras de fé? Acaso essa fé poderá salvá-lo? 15Se um irmão ou uma irmã estiverem nus e precisarem de alimento quotidiano, 16e um de vós lhes disser: «Ide em paz, tratai de vos aquecer e de matar a fome», mas não lhes dais o que é necessário ao corpo, de que lhes aproveitará? 17Assim também a fé: se ela não tiver obras, está completamente morta. 18Mais ainda: poderá alguém alegar sensatamente: «Tu tens a fé, e eu tenho as obras; mostra-me então a tua fé sem obras, que eu, pelas minhas obras, te mostrarei a minha fé. 19Tu crês que há um só Deus? Fazes bem. Também o crêem os demónios, mas enchem-se de terror.» 20Queres tu saber, ó homem insensato, como é que a fé sem obras é estéril? 21Não foi porventura pelas obras que Abraão, nosso pai, foi justificado, quando ofereceu sobre o altar o seu filho Isaac? 22Repara que a fé cooperava com as suas obras e que, pelas obras, a sua fé se tornou perfeita. 23E assim se cumpriu a Escritura que diz: Abraão acreditou em Deus e isso foi-lhe contado como justiça, e foi chamado amigo de Deus. 24Vedes, pois, como o homem fica justificado pelas obras e não somente pela fé. 26Assim como o corpo sem alma está morto, assim também a fé sem obras está morta.

Tiago continua a sua reflexão sobre a relação fé e obras. A fé sem obras é morta, afirma, parecendo responder a alguém que afirmava o contrário. De facto, no tempo de Tiago havia pessoas que, sob a influência de várias filosofias de origem grega, centravam toda a sua atenção e interesse no «conhecimento de Deus», descuidando absolutamente a moral e as boas obras. Provavelmente também havia quem interpretava mal as afirmações de Paulo sobre a justificação pela fé, sem as obras da lei (cf. Gal 3). Recorrendo à diatribe, Tiago responde a estas questões envolvendo os seus ouvintes. Não é um absurdo despedir os irmãos necessitados sem lhes dar o que precisam? Também a fé sem obras é um absurdo, é um cadáver. A fé e as obras são inseparáveis. Não é suficiente proclamar a fé com palavras. Para ser cristãos, não é suficiente acreditar. Também os demónios acreditam… por conhecimento intelectual. Uma fé unicamente intelectual é «diabólica». O verdadeiro crente, tal como Abraão, confirma nas obras aquilo que conhece. A fé sem obras é morta, é um corpo sem alma.
Sabemos as controvérsias que este texto suscitou a partir da leitura que dele fez Lutero e que contrapunha o pensamento de Tiago ao de Paulo. Os exegetas actuais vêem nestes textos formulações complementares, que nascem de mentalidades e de posições diferentes. Paulo tinha diante de si judeo-cristãos que procuravam a salvação nas «obras da lei», contrapondo-lhes a salvação realizada por Cristo e acolhida na fé (cf. Rm 4, 2ss. E 3, 28). Tiago sublinha a necessidade de que a fé não permaneça apenas teórica, mas se manifeste de modo activo e em obras. É esta a mensagem que a Palavra hoje nos traz.

Evangelho: Marcos 8, 34 – 9, 1

Naquele tempo, 34Jesus, chamando a si a multidão, juntamente com os discípulos, disse-lhes: «Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. 35Na verdade, quem quiser salvar a sua vida, há-de perdê-la; mas, quem perder a sua vida por causa de mim e do Evangelho, há-de salvá-la. 36Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua vida? 37Ou que pode o homem dar em troca da sua vida? 38Pois quem se envergonhar de mim e das minhas palavras entre esta geração adúltera e pecadora, também o Filho do Homem se envergonhará dele, quando vier na glória de seu Pai, com os santos anjos.» 1Disse-lhes também: «Em verdade vos digo que alguns dos aqui presentes não experimentarão a morte sem terem visto o Reino de Deus chegar em todo o seu poder.»

Jesus quer afastar definitivamente a tentação de uma cristologia e de uma eclesiologia «satânicas», isto é, de uma cristologia e de uma eclesiologia que não aceitassem Jesus como filho do homem, que pretendessem «salvar a vida» por outros caminhos que não o da cruz. Por isso, chama, não só os «discípulos», mas também «a multidão» (v. 34). Estando Jesus nas imediações de Cesareia de Filipe, esta multidão era formada sobretudo por pagãos. Parece, pois, que Jesus queria deixar bem claro, para todos, o futuro que os esperava como discípulos. Quem quiser seguir Jesus não pode pretender para si o lugar central, mas há-de cedê-lo a Jesus, dando-Lhe o primado em tudo, também sobre a própria vida. Há que tomar a cruz e, seguindo os passos de Jesus, sair com Ele da cidade, rumo ao suplício. Só ganha a Vida – que é Jesus – quem estiver disposto a renunciar a si mesmo. E para que serve ter tudo, se não se ganha a Vida?
É agora, durante a nossa vida terrena, «entre esta geração adúltera e pecadora» (v. 37), que somos chamados a dar testemunho de Cristo. Se não nos envergonharmos dele, nem das suas palavras, também Ele não se envergonhará de nós e nos reconhecerá como seus.

Meditatio

Na primeira leitura encontramos o célebre texto em que Tiago parece contradizer a Paulo, que afirmava a justificação só pela fé: «De que aproveita, irmãos, que alguém diga que tem fé, se não tiver obras de fé? Acaso essa fé poderá salvá-lo?» (v. 14). Mas a contradição é só aparente. Paulo fala da fé como base da vida divina em nós, da justificação que Cristo nos alcançou ao morrer por nós pecadores e que nos comunica no Baptismo. É um absurdo pensar que nos salvamos pelas nossas obras. É Deus que, pelo seu amor, nos salva, e não as nossas obras. No Evangelho, Jesus exige sempre a fé em quem se dirige a Ele: «Credes que tenho poder para fazer isso?» (Mt 9, 27); «A tua fé te salvou!» (Mc 10, 40). Mas não podemos ficar por aqui. Tiago, tal como Paulo, afirma noutro lugar que a base é a fé, uma fé que transforma a vida; Paulo, por sua vez, também fala de obras, as obras de quem é dócil ao Senhor, da fé que actua na caridade. E apresenta-se, ele mesmo, como exemplo de uma fé operante: «São ministros de Cristo? – Falo a delirar – eu ainda mais: muito mais pelos trabalhos, muito mais pelas prisões, imensamente mais pelos açoites, muitas vezes em perigo de morte… Viagens a pé sem conta… trabalhos e duras fadigas…» (2 Cor 11, 23ss.). É esta a fé, que nos põem ao serviço de Deus e dos irm&a
tilde;os, que também nos justifica e salva.
No evangelho, Jesus ensina que não podemos viver como discípulos tímidos e descomprometidos. A fé é viva quando se concretiza em obras. Quem não sabe amar a Deus e aos irmãos, mais do que a si mesmo, quem não é capaz de tomar a cruz e de seguir a Cristo, passando, como Ele, pelo Calvário, acabará por se dar conta de que atravessou a vida sem a saborear, de que não conseguiu salvar os seus dias neste mundo. As palavras do Senhor são muito duras, mas dizem-nos claramente quais as obras de fé a realizar durante a nossa vida: «Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me» (v. 34). Há, pois, que carregar a cruz e segui-lo, para que se realize em nós o seu mistério até à morte e à ressurreição. Só assim a fé nos salvará e nos fará salvadores com Ele.
A fé operante une-nos a Cristo missionário, a Cristo benfeitor da Humanidade, a Cristo sacerdote e vítima, para completarmos o que falta aos seus sofrimentos pelo Seu Corpo que é a Igreja (cf. Col 1, 24).

Oratio

Senhor, ensina-nos o que tem valor para a eternidade. Dá-nos uma fé viva, uma fé sincera, que se traduza em generosidade, em serviço incansável e humilde em prol da tua glória, e em favor dos irmãos. Dá-nos uma fé corajosa diante dos sofrimentos desta vida, uma fé que seja luz, uma fé que nos permita seguir a Cristo, teu Filho, carregando a nossa cruz de cada dia. Faz que, desde já, pela graça do teu Espírito, saboreemos a alegria do teu reino de amor. Amen.

Contemplatio

A cruz tornou-se na linguagem cristã sinónimo de sacrifício, de penitência, de reparação.
Se a cruz nos grita que Nosso Senhor nos amou, ela diz-nos também que sofreu por nós, que expiou cruelmente os nossos pecados. Amou a cruz porque ela reparava a glória de seu Pai e porque pagava as nossas dívidas. Ele carregou-se com os nossos pecados, mas quis reservar-nos a honra de o seguirmos neste caminho. Não nos aplica os frutos das suas reparações, a não ser que neles tomemos alguma parte. Quer que partilhemos as suas disposições, os seus sentimentos. É preciso que tenhamos também o desejo, a vontade de reparar a glória do seu Pai e de pagar as nossas dívidas. É preciso, portanto, que, atrás da sua grande e dolorosa cruz, levemos a nossa pequena cruz: a cruz do trabalho quotidiano, da penitência, da obediência, do desapego; a cruz da paciência nas provações da vida. «Aquele que quiser vir atrás de mim e partilhar do meu reino, deve tomar a sua cruz e seguir-me». Aqui está o resumo do Evangelho. Nosso Senhor pregou a penitência e enviou os seus apóstolos a pregá-la em toda a terra. Não há outro caminho para ir ao céu. É preciso alguma coragem e boa vontade. O reino dos céus exige alguma força de alma e algum vigor da parte daqueles que o querem conquistar: O Reino dos céus sofre violência. (Leão Dehon, OSP3, p. 512s.)

Actio

Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
«Se alguém quiser vir após mim, tome a sua cruz e siga-me» (Mc 8, 34).

 

| Fernando Fonseca, scj |