Print Friendly, PDF & Email

Tempo Comum – Anos Pares
VII Semana – Quinta-feira
Lectio

Primeira leitura: Tiago 5, 1-6

1Agora vós, ó ricos, chorai em altos gritos por causa das desgraças que virão sobre vós. 2As vossas riquezas estão podres e as vossas vestes comidas pela traça. 3O vosso ouro e a vossa prata enferrujaram-se e a sua ferrugem servirá de testemunho contra vós e devorará a vossa carne como o fogo. Entesourastes, afinal, para os vossos últimos dias! 4Olhai que o salário que não pagastes aos trabalhadores que ceifaram os vossos campos está a clamar; e os clamores dos ceifeiros chegaram aos ouvidos do Senhor do universo! 5Tendes vivido na terra, entregues ao luxo e aos prazeres, cevando assim os vossos apetites… para o dia da matança! 6Condenastes e destes a morte ao inocente, e Deus não vai opor-se.

Tiago dirige agora uma invectiva contra os ricos. É a mais forte e veemente que encontramos na Bíblia (cf. Is 5, 8-10; Jer 5, 26-30; Am 8, 4-8; Miq 2, 89). É um solene aviso, ao estilo dos profetas, à sociedade em que vive, onde os ricos são cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres.
O apóstolo, primeiro descreve a sorte dos ricos; depois fala da sua culpa. Para isso, retoma, com tons mais duros, o que já antes dissera (cf. Tg 2, 6s.) sobre a relação pobres e ricos. Fá-lo com verbos fortemente expressivos. Os ricos hão-de chorar compulsivamente, e com brados semelhantes ao ulular das feras porque as suas riquezas estão podres, as suas vestes comidas pela traça e o seu ouro e a sua prata enferrujados. As suas garantias de vida estão destruídas e, pior ainda, pesa sobre eles o juízo de Deus (v. 3b). O salário que não pagaram aos trabalhadores clama contra eles aos ouvidos do Senhor (v. 5). A vida frívola tornou-os semelhantes aos animais que engordam para a matança.
O pobre, pelo contrário, é amado por Deus, que não afasta dele o olhar e que está sempre atento aos seus clamores.

Evangelho: Marcos 9, 41-50

Naquele tempo, 41disse Jesus aos seus discípulos: «quem for que vos der a beber um copo de água por serdes de Cristo, em verdade vos digo que não perderá a sua recompensa.»
42«E se alguém escandalizar um destes pequeninos que crêem em mim, melhor seria para ele atarem-lhe ao pescoço uma dessas mós que são giradas pelos jumentos, e lançarem-no ao mar. 43Se a tua mão é para ti ocasião de queda, corta-a; mais vale entrares mutilado na vida, do que, com as duas mãos, ires para a Geena, para o fogo que não se apaga, 44onde o verme não morre e o fogo não se apaga. 45Se o teu pé é para ti ocasião de queda, corta-o; mais vale entrares coxo na vida, do que, com os dois pés, seres lançado à Geena, 46onde o verme não morre e o fogo não se apaga. 47E se um dos teus olhos é para ti ocasião de queda, arranca-o; mais vale entrares com um só no Reino de Deus, do que, com os dois olhos, seres lançado à Geena, 48onde o verme não morre e o fogo não se apaga. 49Todos serão salgados com fogo. 50O sal é coisa boa; mas, se o sal ficar insosso, com que haveis de o temperar? Tende sal em vós mesmos e vivei em paz uns com os outros.»

Jesus continua a sua caminhada para Jerusalém e chega a Cafarnaúm. Marcos insere aqui uma colecção de ensinamentos sobre o discipulado, aparentemente desligados entre si. Mas neles encontramos algumas palavras-chave que os ligam uns aos outros: a expressão «em nome» de Cristo, ou «por serdes de Cristo» (v. 41), já fora anunciada no v. 37; o termo «escândalo» (v. 42) antecipa a secção seguinte (vv. 43-48); a sentença conclusiva do «sal» (v. 50) apela para o versículo anterior.
No texto que escutamos, Jesus começa a tratar do acolhimento, apontando alguns gestos simples, feitos em seu nome, porque é Ele que dá significado às acções humanas, e lhes confere valor de eternidade (v. 41). Depois, fala do escândalo: quem põe obstáculos àqueles que ainda são frágeis na fé, merece uma pena severa. Nos vv. 43-47, Marcos adopta a linguagem paradoxal para indicar a radicalidade e a dureza do juízo: é melhor sacrificar os órgãos vitais do que aderir ao pecado e cair na condenação eterna.
As imagens do sal e do fogo servem para retomar o tema do sacrifício de si mesmo em vista da preservação ou da purificação do pecado. A sabedoria de Cristo deve dar sabor a todas as nossas acções; o fogo do amor deve arder sempre para pôr a nossa vida ao serviço da comunhão. É preciso dispor-se a perder… para tudo ganhar: «quem quiser salvar a sua vida, há-de perdê-la; mas, quem perder a sua vida por causa de mim e do Evangelho, há-de salvá-la» (Mc 8, 35).

Meditatio

Apoiados na Palavra recebida, os Profetas interpelam-nos e fazem-nos erguer dos sofás do nosso egoísmo. Deus suscita-os em todas as épocas para erguerem a chama da esperança na escuridão circundante, denunciar as injustiças, e ajudar os pobres e erguer o seu grito para os céus.
Também nós, cristãos e consagrados, precisamos de ser incomodados e acordados para olharmos a realidade, não com os nossos olhos, mas com os olhos de Deus.
Os desafios que, no nosso tempo, nos são postos pela globalização estão à vista de todos. Também o apóstolo Tiago via, no seu tempo, o desequilíbrio entre ricos e pobres, e se dava conta do pecado de uns e da grandeza dos outros. Observando a realidade, em perspectiva divina, vemos o que é invisível à simples lógica humana.
Também cada um de nós é chamado a ser profeta no nosso tempo. Há que devorar a Palavra, há que deixar-se queimar por ela, para que os nossos gestos, mesmo os mais simples, sejam realizados em nome de Deus, e deixem a sua marca. Possuídos pela Palavra, seremos verdadeiros Profetas, e não poremos obstáculos à verdade.
No evangelho, Jesus exige que resistamos às tentações e renunciemos decididamente às ocasiões de pecado. A sua linguagem, como geralmente acontece, é fortemente expressiva: «Se a tua mão é para ti ocasião de queda, corta-a… Se o teu pé é para ti ocasião de queda, corta-o… se um dos teus olhos é para ti ocasião de queda, arranca-o…» (cf. vv 43-47). É precisa coragem heróica para corresponder a este mandato do Senhor!
A palavra de Cristo faz-nos tomar consciência da nossa falta de coerência quando é preciso renunciar a pequenas coisas para progredirmos espiritualmente. A palavra de Cristo é semelhante ao bisturi de um cirurgião. O cirurgião usa o bisturi para salvar a vida, para curar o doente. A palavra de Deus, por vezes é mais cortante que um bisturi, quando actua em nós, para nos salvar a vida, para nos curar. E «mais vale entrares mutilado na vida, do que, com as duas mãos, ires para a Geena… mais vale entrares coxo na vida, do que, com os dois pés, seres lançado à Geena…mais vale entrares
com um só olho no Reino de Deus, do que, com os dois olhos, seres lançado à Geena…» (cf. vv. 45.48). A intenção de Jesus é positiva: quer dar-nos a vida em plenitude. Cada um de nós, inspirado por esta linguagem metafórica de Jesus, deve discernir o que deve efectivamente cortar para entrar na Vida. Para um, será uma certa relação ambígua, para outro será um determinado espectáculo ou leitura, para outro ainda, um certo modo de fazer carreira na política, de aumentar o volume de negócios e de rendimentos… A carta de Tiago pode ajudar ao discernimento.
«O Padre Dehon espera que os seus religiosos sejam profetas do amor». A nossa “vida religiosa” deve ser «um testemunho profético» (Cst 39). Ser “profetas” é, para nós, um “carisma” em vista da missão salvífica do Povo de Deus (cf. Cst 27).
O “profeta”, em sentido bíblico, é aquele que é chamado por Deus a falar “em nome de Deus” diante dos homens e a “falar em alta voz”. Geralmente o profeta do Antigo Testamento é alguém que tem uma profunda experiência pessoal de Deus. Por isso, não só anuncia em alta voz a palavra de Deus, mas testemunha com a sua vida a vontade de Deus e como deve ser a vida do homem segundo Deus.
Para nós, Oblatos-Sacerdotes do Coração de Jesus, o confronto deve acontecer especificamente com a “oblação reparadora de Cristo ao Pai pelos homens” (Cst 6). Sabendo como é exigente o carisma da oblação, é espontâneo o confronto com o Coração trespassado de Cristo e com todas as realidades expressas pelo mistério da transfixão do Seu Lado (Cst 21); é espontâneo o apelo para as profundas exigências da reparação (Cst 23) e da imolação (Cst 24), para as exigências da Eucaristia (Cst nn. 80-84) que devem tornar a nossa vida, tal como a do Pe. Dehon, “uma missa permanente” (Cst 5), “para Glória e Alegria de Deus” (Cst 25).

Oratio

Senhor, queremos, hoje, pedir-te a abundância do teu Espírito, porque estamos confusos, e já não sabemos distinguir o bem do mal. O pecado acumulou-se em nós, e tornou-se a nossa riqueza, o tesouro guardado nos cofres cerrados dos nossos corações. Que o teu Espírito, Senhor, volte a arder em nós e nos reconduza ao essencial, ao que verdadeiramente tem valor. Que Ele nos dê um olhar límpido, capaz de ver a criação e as criaturas; que nos dê braços abertos capazes de acolher os irmãos e partilhar com eles o que somos e temos; que nos dê pés seguros capazes de percorrer os caminhos da esperança. Então, seremos teus profetas, arautos da vida nova, que tem a marca e a sabedoria da tua cruz. Amen.

Contemplatio

Nosso Senhor, na sua bondade, quis acautelar-nos e premunir-nos contra a danação… Ora exprime simplesmente a danação, ora chama a nossa atenção para a pena do fogo e para a eternidade do castigo.
Percorramos estes textos… Nosso Senhor ensina-nos primeiro que podemos perder a nossa alma, se quisermos satisfazer as nossas inclinações naturais e as nossas paixões. A condição da salvação é vencer a natureza, imitar o Salvador e levar a cruz atrás d’ Ele (Mt 16).
E se perdermos a nossa alma, quais serão então as consequências? Nosso Senhor di-no-lo em diversos momentos… «Povos do Oriente e do Ocidente hão-de converter-se, diz-nos, e entrarão no reino de Deus, enquanto que os filhos de Israel serão lançados nas trevas exteriores, onde reinam os choros e os rangeres de dentes» (Mt 7) … Os condenados são submetidos ao suplício do fogo. O tormento deste suplício guarda em si algum mistério, mas Nosso Senhor chama-o sempre o suplício do fogo… Várias vezes, deu ao inferno, ou lugar dos condenados, o nome de Gehenna… Ora aqui está uma boa figura do inferno, um vale sinistro onde o fogo queima sempre. Ora Nosso Senhor tanto o chama simplesmente Gehenna, ou a Gehenna do fogo.
«Mais vale, diz, arrancar o membro que causa escândalo, do que ver-se lançado inteiro na Gehenna» (Mt 5). – Noutra vez, diz: na Gehenna do fogo (Mt 18; Mc 9, 44).
«Escribas e fariseus hipócritas, dizia ainda, fechais aos homens que vos escutam o reino dos céus; fazeis deles filhos da Gehenna… Como é que haveis vós mesmos de escapar ao juízo que condena à Gehenna?».
Numa outra vez tinha dito: «Do mesmo modo que o cultivador queima as ervas más depois da colheita, assim o Filho do homem há-de enviar os seus anjos para atirar os escandalosos para o braseiro: para a fornalha ardente» (Mt 3, 42) (Leão Dehon, OSP 4, p. 510s.).

Actio

Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
Quem perder a sua vida por causa de mim e do Evangelho, há-de salvá-la» (Mc
8, 35).

 

| Fernando Fonseca, scj |