Print Friendly, PDF & Email

Tempo Comum – Anos Pares
XI Semana – Sexta-feira
Lectio

Primeira leitura: 2 Reis 11, 1.4.9-18.20ª

Naqueles dias, 1Atália, mãe de Acazias, ao ver seu filho morto, decidiu exterminar toda a descendência real. 2Joseba, porém, filha do rei Jorão e irmã de Acazias, tomou Joás, filho de Acazias, e livrou-o do massacre dos filhos do rei, escondendo-o, com a sua ama de leite, no quarto de dormir. Ocultaram-no, assim, de Atália, de modo que pôde escapar à morte. 3Esteve seis anos escondido com Joseba no templo do Senhor, no tempo em que Atália reinava no país. 4No sétimo ano, Joiadá convocou os centuriões dos cários e os guardas e introduziu-os no templo do Senhor. Fez com eles um pacto, e, depois de os fazer jurar no templo do Senhor, mostrou-lhes o filho do rei. 9Os centuriões executaram fielmente as ordens do sacerdote Joiadá. Tomaram cada um os seus homens, tanto os que começavam o serviço ao sábado, como os que terminavam, e foram ter com o sacerdote Joiadá. 10Este deu-lhes a lança e os escudos do rei David, que se encontravam no templo do Senhor. 11Os guardas postaram-se à volta do rei, todos de armas na mão, ao longo do altar e do templo, desde o lado sul até ao lado norte do templo. 12Então, Joiadá trouxe para fora o filho do rei, pôs-lhe o diadema na cabeça e entregou-lhe o documento da aliança. Proclamaram-no rei, ungiram-no e todos o aplaudiram, gritando: «Viva o rei!» 13Atália, ao ouvir a gritaria que faziam os guardas e o povo, entrou no templo do Senhor pelo meio da multidão. 14E viu surpreendida que o rei estava de pé sobre o estrado, segundo o costume, tendo ao seu lado os cantores e as trombetas, enquanto o povo se alegrava, tocando trombetas. Então, ela rasgou as vestes, gritando: «Conspiração! Conspiração!» 15Mas o sacerdote Joiadá ordenou aos centuriões que comandavam as tropas: «Levai-a para fora do recinto do templo e, se alguém a seguir, matai-o com a espada.» Pois o pontífice proibira que a matassem no templo do Senhor. 16Agarraram-na, por conseguinte, e ao chegarem ao palácio real, pelo caminho da entrada dos cavalos, ali a mataram. 17Joiadá fez uma aliança com o Senhor, o rei e o povo, segundo a qual o povo devia ser o povo do Senhor. Fez também uma aliança entre o rei e o povo. 18Todo o povo da terra entrou então no templo de Baal e destruiu-o; derrubaram os altares, partiram em bocados as imagens e assassinaram Matan, sacerdote de Baal, diante do altar. O sacerdote Joiadá colocou guardas no templo do Senhor. 20Todo o povo da terra se alegrou e a cidade ficou em paz. Atália tinha sido morta à espada no palácio real.

A liturgia, deixando para trás a secção de 2 Rs 3-10, onde se trata dos reinados de Jorão e de Jeú, que erradicou o culto de Baal de Israel (841-814), e cuja unção fora anunciada por Elias (1 Rs 19, 16), e onde se ilustra a actividade de Eliseu, propõe-nos alguns textos adequados a uma leitura teológica da história de Israel.
Atália, filha de Acab e Jezabel, quis continuar a política anti-javista e a promoção do culto de Baal, agora no Sul. Tendo morrido Acazias (841), legítimo herdeiro do trono, apoderou-se do reino de Judá, e eliminou a restante família real. Mas Joseba, filha do rei Jorão e mulher do sumo-sacerdote Jóiada (2 Cr 22, 11), tomou Joás, filho de Acazias, e livrou-o do massacre dos filhos do rei, escondendo-o no templo. Passados sete anos, e após uma bem preparada conjura, Joás é proclamado rei (835-796) e entronizado.
A linha baalista de Jezabel é destroçada pela reacção da casta sacerdotal, e o templo de Baal, erguido no centro de Jerusalém, é destruído. A própria rainha é morta e, finalmente, a aliança é renovada: «Joiadá fez uma aliança com o Senhor, o rei e o povo, segundo a qual o povo devia ser o povo do Senhor» (v. 17). A renovação da aliança repetia-se nos momentos cruciais da história de Israel (cf. 2 Rs 23).

Evangelho: Mateus 6, 19-23

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 19«Não acumuleis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem os corroem e os ladrões arrombam os muros, a fim de os roubar. 20Acumulai tesouros no Céu, onde a traça e a ferrugem não corroem e onde os ladrões não arrombam nem furtam. 21Pois, onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração. 22A lâmpada do corpo são os olhos; se os teus olhos estiverem sãos, todo o teu corpo andará iluminado. 23Se, porém, os teus olhos estiverem doentes, todo o teu corpo andará em trevas. Portanto, se a luz que há em ti são trevas, quão grandes serão essas trevas!

À primeira vista, Jesus condena a propriedade privada. Mas, observando o Evangelho, verificamos que Jesus permitia aos seus discípulos a propriedade de casa e campos (Mc 10, 29-30), as mulheres que Lhe prestavam assistência tinham os seus bens (Lc 8, 3; 10, 38) e os casos de Levi (Mc 2, 15) e de Zaqueu (Lc 19, 8) apontam na mesma direcção. O jovem rico é um caso à parte (Mc 10, 21).
As palavras de Jesus compreendem-se a partir da oposição tesouro na terra e tesouro no céu. Quem agir segundo a justiça, praticar o bem, der esmola … terá um tesouro no céu. Era a mentalidade comum no tempo de Jesus, e que devemos ter em conta. Mas a afirmação de Jesus tem uma profundidade maior: a propriedade terrena é passageira e incerta… Como é que se obtém o tesouro no céu? Orientando o coração, isto é, a afectividade, o homem todo, com os seus apetites e desejos mais íntimos e profundos, para Deus. Esse é o tesouro que permanece seguro.
Os olhos são a lâmpada do corpo porque nos permitem ver. Se estiverem sãos, isto é, postos em Deus, que é a luz fonte de toda a luz, será iluminado o mistério da escuridão humana. Se estiverem doentes, isto é, não postos em Deus, viveremos nas trevas, no mistério da nossa própria escuridão.

Meditatio

Apesar da tentativa de Atália para destruir todos os possíveis descendentes de David, Deus intervém e salva um rebento dessa estirpe, que leva em si a esperança do Messias. No Antigo Testamento, a promessa de Deus ao povo escolhido liga intimamente a vida religiosa e a vida política. No Novo Testamento, é a Igreja, novo povo de Deus, que acolhe todos os povos. As suas relações, também em campo político, visam o bem de todos os homens. A Igreja não procura o poder político: é chamada, por causa da missão que Deus lhe confiou, a trabalhar para o advento do seu Reino e, portanto, para que cresçam entre todos os povos relações de fraternidade, de respeito e estima, e pelo progresso da vida religiosa. Trata-se de uma proposta difícil, que comporta riscos de compromissos, de instrumentalização por parte das autoridades políticas, e mesmo de perseguições, como acontece ainda hoje em muitos países. Mas é inegável a ajuda, que o trabalho cansativo, paciente e clarividente da Igreja tem trazido ao bem e à
liberdade dos povos.
Jesus, no Sermão da Montanha, insistente repetidamente em referir-se ao Reino. Há que procurar o reino de Deus (Mt 6, 10.33), as coisas boas (Mt 7, 11), o «tesouro nos céus» (Mt 6, 20), que consiste nos bens eternos e incorruptíveis. Para discernir sobre esses bens, há que ter aquele «olho interior dotado de recta intenção que dirige as acções humanas», como dizia Nicolau de Lira. É indispensável um olhar simples, unificado e puro («unus et purus»), segundo a Glosa medieval. «A luzerna», que ilumina as trevas, «é a fé» (Cromácio de Aquileia).
O círio pascal, símbolo cristão da luz por excelência, ajuda-nos a aprofundar esta palavra.
O consagrado vê tudo e vê todos à luz de Cristo. E Cristo mostra como nos havemos de relacionar com a natureza, com as coisas, com os homens e as mulheres: Ele respeitou tudo e todos, amou tudo e todos com serenidade. A sua pobreza e a sua obediência manifestam esse respeito e esse amor profundamente livre e libertador. A castidade consagrada, mas também a pobreza e a obediência, profundamente vividas e amadas, são fonte de uma grande liberdade interior.

Oratio

Senhor, dá-me um coração semelhante ao teu. Dá-me um coração simples que saiba discernir o verdadeiro bem, e não se deixe sugestionar pelos bens aparentes, ilusórios e passageiros.
Dá-me, Senhor, um coração unificado, que não alimente aversões, não se dobre ao mal, não se torne escravo da sensualidade e do capricho. Faz-me compreender que só Tu és o tesouro do meu coração. Faz-me experimentar isso, quando te recebo na Eucaristia. Amen.

Contemplatio

«Não vos deixarei órfãos, diz Nosso Senhor, deixar-vos-ei outro director, o Espírito de verdade». – «Iluminados por ele, diz-nos Nosso Senhor, reconhecereis que estou no meu Pai, que somos um só na unidade da essência divina; e vós estareis em mim, estareis unidos a mim pela vida da graça, pela docilidade do espírito; e eu estarei em vós para vos iluminar, para vos dirigir, para vos santificar».
É o Espírito Santo que vos une ao coração de Jesus.
«Não vos podia dizer tudo por mim mesmo», diz-nos Nosso Senhor. A minha morte, a minha ressurreição, a minha ascensão deviam intervir para darem autoridade à minha palavra. Dou-vos o meu Espírito, para continuar o meu ensinamento. Tem de mim e de meu Pai toda a verdade. Ele há-de introduzir-vos depois de mim no santuário das verdades reveladas. Iluminará o vosso espírito, dar-vos-á a inteligência do que vos ensinei. Não vos há-de ensinar outra doutrina, porque recebe tudo de meu Pai e de mim. Nós somos um. Falo-vos pelo Espírito Santo, como meu Pai vos fala pela minha boca. Dará testemunho de mim. Ajudar-vos-á a compreender a minha divindade, os meus mistérios, a minha vida, o meu Coração, o meu amor por vós. (Leão Dehon, OSP3, p. 431.).

Actio

Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
«Se os teus olhos estiverem sãos, todo o teu corpo andará iluminado.» (Mt 6, 22).

| Fernando Fonseca, scj |