Print Friendly, PDF & Email

Tempo Comum – Anos Pares
XII Semana – Sexta-feira
Lectio

Primeira leitura: 2 Reis 25, 1-12

1No nono ano do reinado de Sedecias, no dia dez do décimo mês, Nabucodonosor marchou com todo o seu exército contra Jerusalém. Acampou diante da cidade e levantou trincheiras em redor dela. 2O cerco da cidade durou até ao décimo primeiro ano do reinado de Sedecias. 3No nono dia do quarto mês, como a cidade se visse apertada pela fome e a população não tivesse mantimentos, 4abriu-se uma brecha na muralha da cidade. Então o rei e todos os homens de guerra fugiram de noite pela porta que está entre os dois muros, junto do jardim do rei. Entretanto, os caldeus cercavam a cidade. Os fugitivos tomaram o caminho da planície do Jordão, 5mas o exército dos caldeus perseguiu o rei e alcançou-o na planície de Jericó. Então as tropas, que o acompanhavam, abandonaram-no e dispersaram-se. 6O rei Sedecias foi preso e conduzido a Ribla, diante do rei da Babilónia, que pronunciou a sentença contra ele. 7Degolou os filhos na presença de Sedecias, furou-lhe os olhos e levou-o para a Babilónia, ligado com duas cadeias de bronze. 8No sétimo dia do quinto mês, no décimo nono ano do reinado de Nabucodonosor, rei da Babilónia, Nebuzaradan, chefe da guarda e servo do rei da Babilónia entrou em Jerusalém. 9Incendiou o templo do Senhor, o palácio real e todas as casas da cidade, começando pelas casas dos mais importantes de Jerusalém. 10E as tropas que acompanhavam o chefe da guarda, destruíram o muro que cercava Jerusalém. 11Nebuzaradan, chefe da guarda, levou cativos para Babilónia, os que restavam da população da cidade, os que já se tinham rendido ao rei da Babilónia e o resto da população. 12O chefe da guarda só deixou ali alguns pobres para cultivarem as vinhas e os campos.

O rei Sedecias convenceu-se que afastaria a ameaça babilónia aliando-se ao Egipto. Jeremias opôs-se a essa política. E o tempo deu-lhe razão. Nabucodonosor mandou cercar Jerusalém. O cerco durou 18 meses. A cidade acabou por capitular (587) e foi saqueada e destruída, com o seu templo (cf. vv. 13-17, omitidos no texto litúrgico). Começou o exílio em Babilónia, e passará meio século, até que Ciro venha decretar o seu fim (538). Enquanto Ezequiel se juntou a Jeremias para predizer a ruína de Jerusalém, o deutero-Isaías juntar-se-á aos deportados para lhes incutir coragem e esperança. Os três profetas anunciam um novo êxodo, uma nova aliança e um novo templo para o «resto de Israel».
Depois da queda de Samaria (722) e da queda de Jerusalém (587), a nação israelita perdeu a sua independência, passando sucessivamente pela dominação dos babilónios, dos persas, dos gregos e dos romanos.

Evangelho: Mateus 8, 1-4

1Ao descer do monte, seguia-o uma enorme multidão. 2Foi, então, abordado por um leproso que se prostrou diante dele, dizendo-lhe: «Senhor, se quiseres, podes purificar-me.» 3Jesus estendeu a mão e tocou-o, dizendo: «Quero, fica purificado!» No mesmo instante, ficou purificado da lepra. 4Jesus, porém, disse-lhe: «Vê, não o digas a ninguém; mas vai mostrar-te ao sacerdote e apresenta a oferta que Moisés preceituou, para que lhes sirva de testemunho.»

Depois de apresentar Jesus como Messias da palavra, no Sermão da Montanha, Mateus dá início a uma nova secção, onde nos apresenta o Messias das obras, o taumaturgo que vai ao encontro daqueles que sofrem. Os milagres de Jesus são prova da verdade das suas palavras.
O evangelho de hoje apresenta-nos três milagres, que aconteceram em Cafarnaúm, onde Cristo teve a sua primeira casa, durante a missão pelas povoações das margens do mar de Tiberíades. Jesus actua em favor de pessoas atingidas pela desgraça, sem se importar com as normas de precaução e defesa previstas na Lei: toca o leproso, entra em casa de um pagão, aperta a mão de uma mulher doente, pessoas marginalizadas pela sociedade hebraica do tempo.
O leproso pede para ser «purificado», pois sabia que a sua doença era considerada fruto do pecado e expressão de impureza legal. É por isso que Jesus manda o leproso ao sacerdote, que tem de verificar a cura. O gesto do leproso, que chama a Jesus «Senhor» e se prostra diante dele, significa simultaneamente reconhecimento da divindade e beijo da sua imagem. Não esqueçamos que este texto foi escrito depois da ressurreição, e à luz do mistério pascal. Encontramo-lo noutras páginas de Mateus (2, 2.8; 9, 18; 15, 25; 20, 20; 28, 9.17).

Meditatio

A primeira leitura relata a queda de Jerusalém: matanças, destruições, incêndios. Nem o templo escapa às chamas. O povo é morto, ou deportado com o seu rei. E a Bíblia explica a razão de tudo isto: o povo, infiel a Deus, é por Ele rejeitado.
As atrocidades descritas talvez não mexam muito connosco. Pensamos: eram povos pouco evoluídos. E ficamos tranquilos. Mas, se abrirmos os olhos para o que, se passa no nosso mundo, verificamos que ainda há muito que mudar na humanidade. São tantos os episódios de crueldade humana, no mundo de hoje! É o que sai do coração dos homens, quando não são fiéis a Deus!
O evangelho mostra-nos que a lei é para cumprir. Por isso, Jesus manda o leproso mostrar-se aos sacerdotes. Mas o bem da pessoa e, sobretudo, a graça, vão mais além do que a lei. Por isso, Jesus não hesita em estender mão, e em tocar no leproso para lhe transmitir uma energia que o recria. O leproso, o centurião e a sogra de Pedro, de quem nos falará o evangelho de amanhã, representam as camadas sociais consideradas à margem pelo mundo judaico: os doentes incuráveis, os pagãos e as mulheres. Mas, para nós, hoje, além dos doentes incuráveis, podem representar todos os pobres e fracos das nossas sociedades, tantas vezes esquecidos, postos de parte, maltratados pelos poderes estabelecidos.
Admiramos a fé, a coragem e a extrema coerência de tantos homens e mulheres dos nossos dias que, animados pela sua fé, se dedicam a confortar e a ajudar tantos milhões de pessoas, vítimas de calamidades naturais, de guerras, de graves situações de pobreza e falta de desenvolvimento. Santos apóstolos, missionários, numerosos leigos cooperaram para o progresso de povos inteiros, não só como fundadores de escolas, hospitais, obras sociais, ensinando artes e ofícios, mas também dando Cristo como verdade, como amor, como perdão. É uma civilização do amor que se está a construir, e que vai transformando os homens «penetrados por aquele sopro de vida que provém de Cristo» (RH, 18).
A história humana, frequentemente tão esquálida, lenta e tortuosa, cheia de regressões, por vezes tão envolvente e tumultuosa nos seus cursos e biblioteca, é vivificada por um frémito secreto que a impele para metas que nos são propostas pelo Evangelho. São metas de verdade, de justiça, de bondade, de amor (cf. Cst 36-39): é a meta-Cristo, o ponto ómega do univ
erso, segundo Teilhard de Chardin. A própria “fronteira da morte”, perante a qual o homem não pode senão afastar-se aterrorizado, a gritar e a chorar, como aconteceu em relação à filha de Jairo (cf. Mc 5, 38-40), é ultrapassada e podemos apontar ao mundo uma esperança que mais ninguém, senão Cristo, pode dar: uma certeza de vida e de nobreza, não só para a alma, mas também para o corpo: todo o homem é imortal por causa das sementes de imortalidade em nós semeadas pela redenção operada por Cristo. É a fé de Paulo: como Cristo ressuscitou, também nós ressuscitaremos (cf. 1 Cor 15). Esta é «a mais alta afirmação do homem: a afirmação do corpo que o Espírito vivifica!… Esta é a resposta a todos os “materialismos” da nossa época. São eles que fazem nascer tantas formas de insaciabilidade no coração humano…» (RH, 18).

Oratio

Senhor, quão numerosas e grandes são as situações de injustiça, os escândalos, os conflitos que cobrem de sangue a face da terra. Os meios de comunicação social todos os dias me mostram alguns. Não posso alegar desconhecimento. Por isso, nada me resta senão tornar-me solidário, conforme as minhas possibilidades. Posso implorar-te misericórdia e paz, praticar a verdade no amor, e unir-me a todos os homens de boa vontade para criar uma nova mentalidade no mundo. Inspira-me, Senhor, e dá-me generosidade para fazer tudo o que esteja ao meu alcance em favor da justiça e da caridade no mundo. Amen.

Contemplatio

Nosso Senhor perdoa, Ele mesmo, muitas vezes, os pecados, antes de dar o poder aos seus apóstolos. O seu Coração é infinitamente misericordioso. Como não perdoaria ao arrependido? Será uma necessidade do seu Coração deixar-nos este sacramento do perdão.
Madalena arrependida aos pés de Jesus e Jesus perdoando à Madalena representam bem o sacramento da penitência: «Muitos pecados lhe são perdoados, diz o Salvador, porque muito amou», porque muito chorou, elevando o seu arrependimento à perfeição da caridade.
A mulher adúltera está confundida e arrependida ao mesmo tempo, Nosso Senhor diz-lhe: «Eu não te condeno, vai e não peques mais».
Zaqueu tem um profundo pesar por todas as suas exacções e pela sua avareza: «Darei, diz, a metade dos meus bens aos pobres; e àqueles que enganei, darei o quádruplo». Jesus perdoa-lhe: «Hoje, diz, esta casa recebeu a graça da salvação».
O mais tocante exemplo de perdão é o concedido por Nosso Senhor a S. Pedro. O apóstolo renegou o seu bom Mestre, nas circunstâncias mais penosas para Jesus. O Salvador lança-lhe, ao passar, um olhar de doce censura e de misericórdia, o apóstolo chora, Jesus perdoa-lhe e prepara-se para lhe dar todos os seus privilégios.
O bom ladrão faz um acto de contrição sobre a cruz: «Nós, diz, somos atingidos justamente, mas este Justo?…». Jesus diz-lhe: «Hoje estarás comigo no paraíso».
O paralítico simbolizava o pecador que já não sabe agir sobrenaturalmente. Jesus cura-o, perdoa-lhe e diz-lhe: «Vai e não peques mais».
O leproso também simboliza o pecador. Jesus cura-o e diz-lhe: «Vai, mostra-te ao sacerdote». Assim é na confissão, o pecador mostra-se ao padre e Jesus cura-o. (Leão Dehon, OSP4, p. 218).

Actio

Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
«Senhor, se quiseres, podes purificar-me» (Mt 8, 2).

| Fernando Fonseca, scj |