Print Friendly, PDF & Email

Tempo Comum – Anos Pares
XXVIII Semana – Terça-feira
Lectio

Primeira leitura: Gálatas 5, 1-6

Irmãos: 1Foi para a liberdade que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes, e não vos sujeiteis outra vez ao jugo da escravidão. 2Reparai, sou eu, Paulo, que vo-lo digo: se vos circuncidardes, Cristo de nada vos servirá. 3Uma vez mais o atesto a todo o homem que se circuncida: fica obrigado a cumprir toda a Lei. 4Tornastes-vos uns estranhos para Cristo, vós os que pretendeis ser justificados pela Lei; abandonastes a graça. 5Porque nós, é em virtude da fé, pelo Espírito, que aguardamos a justiça que esperamos. 6Pois, em Cristo, nem a circuncisão vale alguma coisa, nem a incircuncisão, mas sim a fé que actua pelo amor.

Paulo acentua vivamente a liberdade oferecida por Cristo e alerta os Gálatas para o perigo de voltarem «ao jugo da escravidão» (v. 1) da Lei. Não propõe a transgressão da Lei ou a sua revogação. Também Jesus não veio para revogar a Lei ou a sua mais pequena expressão, uma vez que está inscrita no coração do homem e na lei de Moisés. O que Jesus e Paulo afirmam é que não devemos agarrar-nos à observância de prescrições meramente exteriores, nem absolutizar o que foi prescrito como simples preparação para as fortes exigências do Evangelho. «A Lei e os Profetas subsistiram até João; a partir de então, é anunciada a Boa-Nova do Reino de Deus, e cada qual esforça se por entrar nele» (Lc 16, 16).
A liberdade verdadeira consiste em se deixar conduzir pelo Espírito de Cristo, abrindo-se a uma vida nova, já não sujeita aos ritos judaicos, mas fundamentada na «fé que actua por meio da caridade» (Gl 5, 6). «Foi para a liberdade que Cristo nos libertou» (v. 1): só em Cristo a Lei encontra pleno significado; só a fé n´Ele nos dá segurança e nos permite perseverar na graça. Voltar à circuncisão é separar-se de Cristo, da sua graça e do seu amor. Para nós, hoje, o perigo é agarrar-nos a práticas exteriores ou procurar vãs seguranças que nos afastem da esperança na justificação que só a fé nos permite esperar.

Evangelho: Lucas 11, 37-41

Naquele tempo, 37depois de Jesus ter acabado de falar, um fariseu convidou-o para almoçar na sua casa; Ele entrou e pôs-se à mesa. 38O fariseu admirou-se de que Ele não se tivesse lavado antes da refeição. 39O Senhor disse-lhe: «Vós, os fariseus, limpais o exterior do copo e do prato, mas o vosso interior está cheio de rapina e de maldade. 40Insensatos! Aquele que fez o exterior não fez também o interior? 41Antes, dai esmola do que possuís, e para vós tudo ficará limpo.

Em casa de um fariseu, Jesus continua o discurso sobre a honestidade de pensamento e sobre a pureza das intenções. Jesus fala e comporta-se com total liberdade, parecendo mesmo provocar o espanto e o desprezo do fariseu. Atira-se contra o formalismo e a vaidade de quem se pensa justo só porque cumpre pontualmente os ritos.
A propósito da purificação do copo e do prato, Jesus fala da pureza do coração do homem. A higiene evangélica exige a exclusão da ganância e do egoísmo, que geram «rapina e maldade» (v. 39). O que garante a pureza do coração é a caridade. Da caridade vem a generosidade, que sabe dar esmolas, quando reconhece ter recebido tudo de Deus (v. 41). Confronte o texto paralelo de Mateus (7, 15.21-23), onde Jesus dá mais explicações sobre a pureza do coração.

Meditatio

Tanto a primeira leitura como o evangelho nos dizem que a única coisa verdadeiramente importante é apoiar-nos em Jesus pela fé. A fonte da caridade não está em nós, mas em Jesus, fonte da vida, do bem, da caridade que nos arranca do egoísmo e nos leva a dar-nos aos outros, “purificados” pelo amor. Os Mandamentos da Lei de Deus, e todas as leis e prescrições – incluindo as da Igreja – têm sentido e valor na medida em que nos chamam a atenção para as más inclinações e para os instintos perversos que se escondem dentro de nós. Mas não são eles que definem ou realizam o grau de pureza a que a santidade de Deus nos chama e deseja de nós. A raiz do pecado desenvolve-se dentro de nós, ainda que Deus nos tenha feito bons e nos queira tais. Por isso, não serve para nada, e é mesmo nocivo, confiar-nos a uma fiel observância fingida, a um perfeccionismo exterior. O mais importante é permanecermos unidos a Cristo, para sermos alimentados pelo seu Espírito, que em nós produz os seus frutos, a começar pela caridade. É o Espírito de Cristo que nos permite pôr em acção «a fé que actua por meio da caridade», para darmos «em esmola o que temos dentro», e queimarmos na caridade tudo quanto acabaria por apodrecer, se ficasse encerrado no egoísmo. Só então «tudo estará limpo». Só então poderemos receber «da fé a justificação que esperamos».
A verdadeira pureza de coração não vem de ritos exteriores, mas da união a Cristo e da vivência da fé e da caridade. S. João aponta essa regra na sua Primeira Carta, onde encontramos óptimo fundamento para uma verdadeira espiritualidade e mística da acção. “Conhecemos” verdadeiramente Deus, fazemos d´Ele experiência de vida e vivemos em comunhão com Ele, «se observarmos os Seus mandamentos…» Mas o seu mandamento é que acreditemos no nome do Seu Filho Jesus Cristo e nos amemos uns aos outros (cf. 1 Jo 3, 22-23). A vivência da fé torna consistente e autêntica a observância. A observância centra-se no mandamento do amor. Só se amarmos os irmãos (por meio do nosso apostolado e da acção social) o amor de Deus é perfeito em nós. «Ninguém jamais viu a Deus; se nos amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós e o Seu amor é perfeito em nós» (1 Jo 4, 12). A circularidade do amor é completa. Como podes dizer que amas a Deus que não vês, se não amas o irmão que vês? (cf. 1 Jo 4, 20). Assim realizamos, com autenticidade, toda a Lei e os Profetas, o amor de Deus e o amor do próximo.

Oratio

Senhor, faz-me compreender que, o que verdadeiramente conta, é «a fé que actua por meio da caridade», é estar unido a Ti, apoiar-me em Ti. Faz-me compreender que a nascente da caridade não está em mim, mas em Ti, no teu Coração aberto. Livra-me da ilusão de pretender amar só por mim, porque, só Tu és a fonte da vida, do bem, do amor. Só Tu me arrancas ao egoísmo, para me dar aos outros, «puro» pelo amor.
Peço-te para mim, e para todos os meus irmãos, o grande dom da fé, que faz de Ti o grande fundamento da nossa vida e a transforma pela caridade, que já nos foi dada e que o Espírito torna operante em nós. Amen.

Contemplatio

Se amais Nosso Senhor, os pen
samentos e as intenções do vosso espírito terão principalmente por objecto tudo o que lhe concerne. Ocupar-vos-eis de boamente d’ Ele, d’ Ele falareis com prazer. Haveis de alimentar em vós a sua santa presença. Afastareis todo o pensamento inútil, e considerareis como tais os que vos dissipam e vos desviam d’ Ele, seja que vos afectem vivamente, seja que mais não façam senão divertir-vos.
Se O amais sinceramente, os desejos e os sentimentos do vosso coração ser-lhe-ão consagrados; não consentireis nada no vosso coração que o partilhe; não vos agarrareis a nada contra a vontade de Nosso Senhor, a nada que enfraqueça ou que mantenha desocupado em vós o hábito da santa caridade, a nada que não contribua para afirmá-lo e aumentá-lo. Observai estes três graus: o primeiro inspira-vos aversão por todo o apego mau ou perigoso; o segundo afasta-vos de todo o apego frívolo e inútil; o terceiro eleva-vos até a santificar pela caridade todo o apego legítimo e permitido.
Se amais sinceramente a Nosso Senhor, não formareis nenhum projecto que não tenda directa ou indirectamente ao seu reino e à sua glória. Não fareis nenhuma acção que possa desagradar-lhe; pelo contrário, procurareis não fazer nenhuma que não tenha por objecto senão agradar-lhe. Pode o amor divino estar em vós, se não for senhor de tudo, se não regular e governar tudo, se tudo não partir dele como do seu princípio e a ele não regressar como o seu fim? Diz o Salvador: não posso de facto ter por amor sincero o simples hábito da caridade, que não é senão uma disposição para amar. A criança tem-na pelo baptismo e não ama por isso. Aguardo o exercício desta caridade. Se a não exercerdes, não amais; se a exerceis pouco, amais pouco. Quando começais a exercê-la muitas vezes, desejando sempre exercê-la mais, e não estando nunca contentes neste ponto, amais muito; e se continuais, havereis de amar sempre mais. (Leão Dehon, OSP 2, p. 60)

Actio

Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
«A fé actua por meio da caridade» (cf. Gl 5, 6).

| Fernando Fonseca, scj |