Print Friendly, PDF & Email

Tempo Comum – Anos Pares
XXXIV Semana – Terça-feira
Lectio

Primeira leitura: Apocalipse 14, 14-19

14Eu, João, vi uma nuvem branca. Sobre a nuvem estava sentado alguém que se parecia com um homem. Tinha na cabeça uma coroa de ouro e na mão uma foice afiada. 15Depois saiu do santuário um outro anjo que gritava ao que estava sentado na nuvem: «Lança a tua foice e ceifa, porque chegou o tempo de ceifar. Está madura a seara da terra.» 16Então, o que estava sentado na nuvem lançou a foice à terra e a terra foi ceifada. 17Depois saiu outro anjo do santuário celeste que também trazia uma foice afiada. 18E, do altar, saiu ainda outro anjo, o que tem poder sobre o fogo. E gritou ao anjo que tinha a foice afiada: «Manda a tua foice afiada e vindima os cachos da vinha da terra; porque as uvas já estão maduras.» 19O anjo lançou a foice à terra, vindimou a vinha da terra e lançou as uvas no grande lagar da ira de Deus.

Mais uma vez, João utiliza símbolos cuja interpretação nos introduz na compreensão da mensagem. O primeiro símbolo é a nuvem (v.14): na tradição bíblica indica uma teofania, uma manifestação de Deus. Neste caso é o Filho do homem que aparece para julgar e oferecer a salvação. Este Filho do homem é Cristo. João conclui a sua mensagem sobre a pessoa e a missão de Cristo.
O símbolo da ceifa (v. 15s.) e o da vindima (v. 18-19) ilustram o juízo que Jesus veio e virá pronunciar sobre a humanidade. Trata-se de um juízo aberto à salvação, que é exactamente dom d´Aquele cujo nome é Salvador. Considerar esse juízo apenas pelo lado negativo, seria desconhecer o dom de Deus e subtrair-se à vontade salvífica universal do Senhor. É verdade que, os que tiveram recusado a salvação, serão afastados de Deus, e objecto da sua cólera (v. 19). Mas isso acontece porque livremente se subtraíram à divina misericórdia.
A página joânica oferece-nos outra mensagem: há uma íntima relação entre a vida presente e a vida futura. Tudo depende de Deus e da sua divina bondade, mas tudo depende também das nossas opções pessoais e das obras que fazemos.

Evangelho: Lucas 21, 5-11

5Naquele tempo, comentavam alguns que o templo estava adornado de belas pedras e de ofertas votivas. Jesus respondeu-lhes: 6«Virá o dia em que, de tudo isto que estais a contemplar, não ficará pedra sobre pedra. Tudo será destruído.» 7Perguntaram-lhe, então: «Mestre, quando sucederá isso? E qual será o sinal de que estas coisas estão para acontecer?» 8Ele respondeu: «Tende cuidado em não vos deixardes enganar, pois muitos virão em meu nome, dizendo: ‘Sou eu’; e ainda: ‘O tempo está próximo.’ Não os sigais. 9Quando ouvirdes falar de guerras e revoltas, não vos alarmeis; é necessário que estas coisas sucedam primeiro, mas não será logo o fim.» 10Disse-lhes depois: «Há-de erguer-se povo contra povo e reino contra reino. 11Haverá grandes terramotos e, em vários lugares, fomes e epidemias; haverá fenómenos apavorantes e grandes sinais no céu.»

O fim do mundo e a vida futura marcam a espiritualidade cristã. É o que Lucas nos indica ao referir mais um “Discurso escatológico” de Jesus (cf. Lc 17, 20-37). As perguntas que os ouvintes fazem a Jesus – «Mestre, quando sucederá isso? E qual será o sinal de que estas coisas estão para acontecer?» – são duas pistas para investigarmos a mensagem. O discurso de Jesus é pronunciado diante do templo, com as suas «belas pedras» e «ofertas votivas», o que cria contraste entre o presente, que ameaça fechar a religiosidade dos contemporâneos de Jesus, e o futuro para onde Jesus deseja orientar a fé dos seus ouvintes. Ao responder, Jesus anuncia o fim do templo e, de certo modo, de tudo aquilo que ele simboliza. Anuncia o fim do mundo que se concretizará nessa catástrofe e em tantas outras. Tudo o que é deste mundo terá certamente fim, mais tarde ou mais cedo. Por isso, o mais importante é acolhermos o ensinamento de Jesus e deixar-nos guiar por ele, enquanto aguardamos a sua vinda. A sua palavra ajudar-nos-á a discernir pessoas e acontecimentos, e a optar pelos valores que nos propõe. Há muita gente que anuncia a proximidade do fim do mundo, para nos aterrorizar, e nos oferece caminhos de salvação. Jesus não faz isso. Mesmo quando fala do fim do mundo, preocupa-se em iluminar-nos e em confortar-nos.

Meditatio

As leituras de hoje colocam-nos perante a realidade do fim do mundo e do juízo de Deus que não pode suportar o pecado e intervém com força terrível: «o Anjo vindimou os cachos da vinha da terra… e lançou as uvas no grande lagar da ira de Deus», diz-nos o Apocalipse (14, 18-19); «Não ficará pedra sobre pedra. Tudo será destruído», diz-nos Jesus, ao falar do templo de Jerusalém. Mas entre as duas leituras há um salmo de exultação, porque Deus vem julgar a terra: «Alegrem-se os céus, exulte a terra, ressoe o mar e tudo o que ele contém, exultem os campos e quanto neles existe, alegrem-se as árvores das florestas diante do Senhor que vem julgar a terra; julgará o mundo com justiça e os povos com fidelidade» (cf. Sl 95). Tudo neste mundo é efémero, menos o Reino de Deus que já está presente e actuante, e que Cristo, um dia, virá completar e conduzir ao Pai.
No “Discurso escatológico” de Jesus temos que distinguir três níveis: a destruição de Jerusalém o fim da vida terrena de cada um de nós, os acontecimentos finais da história de toda a humanidade. Tudo passa. Só Cristo e o seu reino de amor, de justiça e de paz, hão-de permanecer. E cada cristão, como templo de Deus, adornado com as belas pedras das virtudes cristãs, pode e deve perseverar no bem, resistindo às diversas provações.
Entretanto, individualmente e, sobretudo, em comunidade de fé, iluminados pela Palavra e fortalecidos pelo Espírito, os crentes devem ler os sinais dos tempos e fazer um verdadeiro discernimento do bem e do mal, do verdadeiro e do falso, para não se não se deixar enganar pelos falsos profetas e afastar do seguimento de Jesus Cristo, o único Salvador.
O Espírito impele-nos a ser entre os homens e no mundo testemunhas deste amor de Deus, derramado em nós no baptismo, um amor que regenera e salva. Impele-nos a apressar a recapitulação de todos os homens e de todo o universo em Cristo. Nós suspiramos pela “plenitude dos tempos”, quando se há-de realizar o “desígnio” do Pai «de recapitular em Cristo todas as coisas, as do céu e as da terra» (Ef 1, 10; cf. Rm 8, 19-25).
Para apressar esta recapitulação, devemos, antes de mais nada, ser, nós mesmos, recapitulados em Cristo: “Tudo é vosso…, vós sois de Cristo e Cristo é de Deus” (1 Cor 3, 22-23).
Concretamente, devemos viver cada dia sob o influxo do Espírito, deixand
o-nos guiar pelos Seus dons, irradiando os Seus frutos, exercendo os Seus carismas, vivendo as bem-aventuranças. É preciso que sejamos eucaristia do Senhor, que vivamos os nossos dias como “uma missa permanente” (Cst. 5).
Deste modo, a realidade escatológica dos “novos céus” e da “nova terra, onde habitarão a justiça (amor oblativo)” (2 Pe 3, 13), torna-se, em nós e, possivelmente, nas nossas comunidades, uma realidade diária.

Oratio

Senhor Jesus, quando voltares, será perfeita a nossa alegria; quando voltares, já não será a esperança que nos há-de sustentar, mas a realidade que nos há-de saciar. Mas, desde já, queremos alegrar-nos em Ti, porque nos enche de júbilo a esperança que precede a realidade. Agora, amamos na esperança, porque já temos as primícias do Espírito e mesmo algo mais. De facto, desde já, estamos perto daquele que amamos. Desde já experimentamos e saboreamos algo daquela comida e daquela bebida de que, um dia, seremos saciados.
Efectivamente, o Senhor não está longe, a não ser que O obriguemos a afastar-se de nós. Se amarmos, senti-l´O-emos próximo. Se amarmos, fará em nós sua morada, porque «Deus é amor» (1 Jo 4, 8). O amor é a virtude pela qual amamos. Amamos um bem inefável, um bem benéfico, o bem que cria todos os bens. Ele mesmo é a nossa delícia, porque dele recebemos tudo quanto nos deleita. Dele recebemos tudo quanto possuímos, excepto o pecado.
Senhor, era com palavras semelhantes a estas que Te rezava o teu servo Agostinho de Hipona. E é assim que, hoje, Te quero rezar. Que a expectativa da tua vinda gloriosa me encha de alegria. Amen.

Contemplatio

Antes de entrar na posse da bem-aventurança eterna, haverá um juízo que devemos temer. Nosso Senhor estava com os discípulos no Monte das Oliveiras, em frente de Jerusalém. Os apóstolos reflectiam sobre a beleza do Templo: «Que pedras magníficas! Que riqueza!» Sim, diz-lhes Nosso Senhor, é muito belo, mas dentro de poucos anos tudo será destruído. E mais tarde, toda a terra será arrasada. Tudo isto é passageiro. O repouso não está nisso, mas no vosso Jesus na eternidade. Mas será preciso passar primeiro pelo juízo, e esse juízo, é preciso prevê-lo, meditá-lo, prepará-lo… Esse juízo será terrível, assustador. Será precedido por uma confusão universal. Os vivos ficarão transidos de medo, os mortos sairão das sepulturas. Nosso Senhor virá no esplendor do poder e da majestade e pronunciará contra os pecadores a terrível sentença. Este juízo é temido mesmo por aqueles que receberam grandes graças e uma vocação de eleição. Os santos sempre temeram o juízo: «Castigo o meu corpo pela penitência – dizia S. Paulo – para me precaver da condenação» (1 Cor 9). Santo Agostinho: Temo o fogo eterno. S. Bernardo: Tremo ao pensar no inferno…
O temor não deve ser servil, mas filial e misturador com amor. Somos filhos do Sagrado Coração, e nunca devemos esquecer a parte do amor nas nossas disposições. O temor é um dom do Espírito Santo, do Espírito de amor. O amor deve ser sobrenatural e filial. Devemos temer perder Jesus, ser afastados dele eternamente, ser privados do seu amor e do seu coração (Leão Dehon, OSP 4, p. 489s. passim).

Actio

Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
«Lança a tua foice; chegou o tempo de ceifar» (Ap 14, 15).

| Fernando Fonseca, scj |