15 Rex Israel Dominus in medio tui non timebis malum ultra 16 in die illa dicetur Hierusalem noli timere Sion non dissolvantur manus tuae 17 Dominus Deus tuus in medio tui Fortis ipse salvabit gaudebit super te in laetitia silebit in dilectione tua exultabit super te in laude (Sof 3,15-17).

15 O Rei de Israel, o Senhor, está no meio de ti; tu já não verás mal algum. 16 Naquele dia, se dirá a Jerusalém: Não temas, ó Sião, não se afrouxem os teus braços. 17 O Senhor, teu Deus, está no meio de ti, poderoso para te salvar; ele se deleitará em ti com alegria; renovar-te-á no seu amor, regozijar-se-á em ti com júbilo (Sof 3, 15-17).
 

Primeiro Prelúdio. O profeta Sofonias predisse a habitação de Nosso Senhor entre nós e entreviu a sua vida de silêncio, cheia do seu amor por nós e pelo seu reconhecimento pelo seu Pai.

Segundo Prelúdio. Como gostaria também eu de saber calar-me frente às criaturas e viver na adoração e no amor do meu Deus!

PRIMEIRO PONTO: A solidão do Coração de Jesus no tabernáculo. – Não saberíamos descrever melhor a vida eucarística do Coração de Jesus, do que o fez a irmã Maria Verónica, a santa fundadora das religiosas vítimas do Coração de Jesus. Tomar-lhe-emos alguns pensamentos nesta meditação e nas três que seguem (Ver a Sua Vida pelo P. Prévost).
Há uma dupla solidão de Nosso Senhor no tabernáculo, a que lhe impõem os homens, e aquela que ele escolheu.
Entrai nos santuários: muitas vezes, infelizmente, a indiferença e a ingratidão dos homens fazem deles um deserto. Aqui está uma solidão que custa a Nosso Senhor. Aceitou-a pela nossa salvação.
Mas mesmo que uma multidão piedosa se comprimisse nos nossos templos, não pode aí interromper a solidão do tabernáculo. O Verbo de Deus condenou-se na Eucaristia a um eterno silêncio. Que lição para nós! Quer significar-nos que é bom calar-se muitas vezes, subtrair-se à agitação e ao barulho para cultivar a vida interior. Devemos esquecer as criaturas, se o dever não nos obriga a delas nos ocuparmos. Se devemos tratar com elas, que seja unicamente para a glória e o amor do Coração de Jesus. «A nossa conversa deve estar nos céus» (Fil 8, 7).

SEGUNDO PONTO: A vida interior do Coração de Jesus no tabernáculo. – O divino Mestre na Eucaristia está inteiramente desprendido da vida exterior. «Contempla, ama, adora as perfeições de Deus; imola-se à glória de seu Pai, fora de todo o criado, como numa vasta solidão onde os objectos da terra não o podem atingir.
«É preciso tudo perder de vista, tudo esquecer e esquecer-se de si mesmo para imitar esta vida divina.
Peçamos ao Sagrado Coração como um favor sermos por vezes retirados nesta solidão perfeita, somente sob o olhar de Deus, na companhia do nosso bem-amado Jesus, não tendo liberdade nem acção senão para amar e adorar o nosso Deus, para nos sacrificarmos e perdermos nele.
Do seu tabernáculo, Jesus não fala a nenhuma criatura. Nenhum barulho, nenhum movimento não se faz aí ouvir, mas, diante do seu Pai, o seu silêncio é bem mais profundo e mais sublime. Dir-se-ia que toda a sua ocupação seja calar-se. É todo amor, aniquilamento, imolação, prece; mas tudo se passa no silêncio, nas profundidades de si mesmo e da sua divindade. Como este silêncio é uma linguagem poderosa e forte! Presta homenagem à grandeza de Deus, às suas perfeições infinitas, ao seu domínio soberano, a todos os seus atributos que Jesus louva com um hino eterno e sem fim e num misterioso silêncio».
Quereria nas minhas adorações fazer calar em mim as criaturas para me unir à adoração de Jesus para com o seu Pai.

TERCEIRO PONTO: A solidão e o silêncio preparam-nos para a conversa com Nosso Senhor. – «Uma alma que quer dispor-se a uma conversa íntima com Nosso Senhor deve amar a solidão e o silêncio. Isto deve ser um ponto essencial do seu regulamento de vida. Deve encontrar aí a sua felicidade, o seu repouso e a sua vida. Deve ser então para ela uma pena quando é obrigada a entregar-se a ocupações profanas. Sem o silêncio, de facto, não há recolhimento, união com Deus, correspondência aos seus desejos.
«O silêncio exterior estende-se ainda às mágoas, às contradições, às observações que nos são feitas. Ó meu Deus, comunicai às almas devotadas ao divino Coração de Jesus o gosto deste silêncio divino e a prática do silêncio exterior!
Jesus no santo tabernáculo expia pelo seu silêncio tantas conversas frívolas, palavras inúteis e más de que as suas criaturas se tornam culpadas. É vítima pelos pecados da língua. Sofre particularmente pelas faltas das almas que lhe são consagradas e pelas quais tem uma ternura especial.
Depois disto, será que posso hesitar em amar o silêncio? Não devo ser vítima com Jesus e como Jesus?».
Nas minhas adorações e na minha acção de graças sobretudo farei calar em mim as criaturas para me unir a Nosso Senhor. Não posso escutar Jesus senão no silêncio do meu coração.
Resoluções. – Renovo todas as minhas resoluções de silêncio e de recolhimento. Compreendo que a união com Jesus é a este preço. Vinde, ó meu bem-amado, o vosso servo escuta-vos. Falai ao meu coração, tenho sede de escutar as vossas doces conversas.

Colóquio com o coração eucarístico de Jesus.