«Peço-vos licença para entrar e fazer parte da vossa comunidade», afirmou na primeira saudação aos diocesanos

Setúbal, 25 out 2015 (Ecclesia) – O bispo de Setúbal afirmou hoje na primeira saudação aos diocesanos que deseja ser acolhido “como irmão e como um dom”, numa nova comunidade que “não é nem quer ser” uma “organização fechada”.

“Peço, pois, que me aceiteis como irmão e como um dom. Esses são os sentimentos mais verdadeiros para convosco”, disse o novo bispo da Diocese de Setúbal no fim da celebração de ordenação episcopal.

“A vós, pois, caros irmãos e irmãs desta Igreja de Deus em Setúbal, peço licença! Peço-vos licença para entrar e fazer parte da vossa comunidade. E peço igualmente que me acolhais como irmão”, acrescentou.

Para D. José Ornelas, “Igreja não é nem quer ser uma organização fechada em si mesma”.

“Temos o gosto de ser parte da Igreja de Deus que se estende pelo mundo inteiro”, recordou o bispo de Setúbal.

Para o novo bispo da região sadina, a Igreja enfrenta o desafio de não pensar “apenas em si própria”, mas abrir “os olhos e o coração” e sair “ao encontro dos que mais precisam”.

D. José Ornelas recordou o encontro com o Papa Francisco em que lhe pediu para “ser missionário em Setúbal”.

“A partir desse encontro, eu aceitei, de coração inteiro, esta proposta, como um dom e um chamamento de Deus, confiando na presença do seu Espírito e na vossa oração, comunhão e oração”, lembrou.

D. José Ornelas foi nomeado pelo Papa Francisco com terceiro bispo da Diocese de Setúbal no dia 24 de agosto de 2015, sucedendo a D. Gilberto Reis, bispo desde 1998, e a D. Manuel Martins, responsável pela diocese deste o ano da criação, 1975, até 1998.

Superior geral dos Sacerdotes do Coração de Jesus (Dehonianos) entre 2013 e 2015, D. José Ornelas tem 61 anos, é natural da Madeira, foi ordenado sacerdote em 1981 e depois foi professor de Ciências Bíblicas na Universidade Católica Portuguesa, área em que se doutorou em 1997.

Agência Ecclesia