Print Friendly, PDF & Email

  

No seguimento da dolorosa notícia enviada esta manhã (4 de Janeiro de 2009) sobre o falecimento do nosso querido Padre Mario Casagrande, recebemos palavras amigas e solidárias, vindas dos Confrades e das Comunidades, do Superior Geral, do Superior Provincial da Itália Setentrional (que também nos comunicou em primeira mão a notícia do falecimento do Padre Luigi Gasperetti), de Moçambique, de Madagáscar, de Angola, de D. Manuel Quintas e de D. António de Sousa Braga, Bispos do Algarve e dos Açores.

Continuemos em comunhão orante com o Padre Mario, para que o Coração de Deus o acolha no seu eterno Amor. Continuemos solidários com a sua família e com a comunidade do Colégio Infante D. Henrique, neste momento vivido com mais profunda dor e fecunda esperança.

 

Que as breves notas biográficas, recolhidas pelo nosso secretário provincial, nos ajudem a sintonizar com esta vida que se entrega em oblação plena ao Pai!

 

O Padre Mario Casagrande, filho de José Casagrande e de Angelina Biz, nasceu a 25 de Julho de 1930, em Santa Justina Serravalle, município de Vittorio Véneto e diocese de Treviso (Itália). Foi baptizado a 10 de Agosto do mesmo ano e crismado a 4 de Maio de 1938, sempre em Santa Justina de Serravalle.

Entrou na escola apostólica “Casa do Sagrado Coração” de Trento, em 1941, transferindo-se, dois anos mais tarde, por motivo da guerra, para a de Albino, regressando em 1945 à de Trento.

A 27 de Junho de 1946 ingressa no Postulantado, sempre em Trento, e entra no Noviciado de Albissola a 28 de Setembro de 1947. Faz a Primeira Profissão, sempre em Albissola, a 29 de Setembro de 1948. Do Noviciado passou para o Instituto Missionário Sagrado Coração de Monza, onde fez o quadriénio filosófico, de 1948 a 1952. Fez a Profissão Perpétua em Monza, a 29 de Setembro de 1952, no final desse curso filosófico, seguindo-se o estágio de vida religiosa, como perfeito, na Casa de Santa Maria de Pagliare, de 1952 a 1954. Nesse tempo, ainda havia uma só Província Italiana. Terminados os dois anos de estágio, passou, nos finais de 1954, para o Studentato delle Missioni de Bolonha (escolaticado), onde fez, de 1954 a 1959, os estudos de teologia e o ano de pastoral. Sempre em Bolonha, recebeu a Tonsura a 5 de Março de 1955, o Ostiariado e o Leitorado a 17 de Março de 1956, o Exorcistado e o Acolitado a 26 de Maio de 1956, o Subdiaconado a 16 de Março de 1957, o Diaconado a 6 de Abril de 1957 e o Presbiterado a 23 de Junho de 1957.

Terminado o ano pastoral, em 1959, veio para Portugal. De 1959 a 1961 esteve no Colégio Luís de Camões, em Coimbra; em 1961, foi para a Madeira, para o Colégio Infante D. Henrique, onde foi superior da comunidade de 1965 a 1971 e de 1974 a 1977. Em 1978, iniciavam-se as aulas do ciclo secundário na Escola da APEL, assumindo o Padre Mario Casagrande a função de Director da mesma.

Foi Conselheiro Provincial no primeiro Governo da Província (1967-1970).

Em 1980, o Padre Mario é transferido para a comunidade do Colégio Missionário, continuando a exercer a função de Director da APEL até 1984, altura em que interrompe as suas actividades de docente e director, para fazer um ano sabático em Roma, orientado para a recuperação de drogados.

Em 1985, está de novo na Madeira, para retomar a sua actividade docente na APEL e, em Setembro de 1987, também a de Director da mesma.

No ano 2000, deixa de ser Director da APEL e volta ao Colégio Infante, onde permanecerá até ao presente.

A 5 de Outubro de 1998, recebeu do Presidente da República, Dr. Jorge Sampaio, a condecoração da “Ordem da Instrução Pública” no grau de Comendador, “por serviços em prol da educação e do ensino”. E no corrente ano, recebeu um galardão da ADCM (Associação para o Desenvolvimento Cultural do Monte), por idêntica benemerência no campo da educação.

No campo pastoral, para além das benemerências no campo da educação e ensino, é de salientar a da assistência religiosa e moral aos presos dos estabelecimentos prisionais dos Viveiros e da Cancela, de que foi nomeado oficialmente capelão, bem como o seu serviço na igreja do Colégio, no Funchal, onde ia celebrar Missa aos Domingos, sendo muito apreciados o seu estilo pessoal e homilias.

 

Que o seu exemplo de vida, totalmente oferecida a Deus e às pessoas, em particular aos jovens no campo da educação e do ensino, seja incentivo para renovarmos a nossa entrega ao serviço do Reino, neste solene dia da Epifania, em que procuramos redescobrir a manifestação do Amor de Deus pela Humanidade.

Que o seu exemplo de vida, levada com simplicidade e humildade, com dedicação e competência, com humor e felicidade, com grande capacidade de trabalho e de sofrimento, nos motive a renovar atitudes tão fundamentais para o sentido da existência!

Que o seu exemplo de vida religiosa e sacerdotal, assumida na sua mais genuína essência como dehoniano, nos convide a sermos sempre fiéis na opção que fizemos em seguir Cristo segundo a proposta carismática do Padre Dehon.

Que a sua intercessão junto de Deus contribua para renovar na esperança o nosso terreno peregrinar!

Que o Padre Mario permaneça no Coração de Deus e na sua Paz! Ámen!

Unido no Coração de Cristo, fraternalmente,

P. Manuel Joaquim Gomes Barbosa, scj

Superior Provincial