Print Friendly, PDF & Email

▬ O padre Angelo Caminati, filho de Primo Caminati e de Alice Verdelli, nasceu a 16 de Março de 1926, em Celleri (Piacenza) Itália. Foi baptizado a 17 de Março de 1926, em Celleri e crismado a 24 de Abril de 1935, em Ronco. Entrou no Seminário dehoniano de Albino a 1 de Outubro de 1936. Entre 1941 e 1942 fez o noviciado em Albisola, emitindo a Primeira Profissão a 29 de Setembro de 1942 e a Profissão Perpétua a 29 de Setembro de 1947. Foi ordenado presbítero a 23 de Setembro de 1950, em Bolonha.
Em 1951 vem para Portugal e desempenha as funções de Pároco em Santo António dos Olivais, Coimbra. De 1952 a 1957 faz o Curso de Filologia Românica na Universidade de Coimbra. A 4 de Outubro de 1957 assume a Direcção do Colégio Infante D. Henrique, no Funchal. Em 1966 vem novamente para Coimbra onde desempenha as funções de Director Escolar do Instituto Missionário Sagrado Coração. Regressa, em 1975, ao Colégio Infante D. Henrique para desempenhar de novo as funções de Director, até 1981. Nesse ano é transferido para o Seminário Missionário Padre Dehon (Rio Tinto, Porto), onde trabalha como professor de História e de Francês. Em 1984 volta ao Funchal para ser o Director da Escola da APEL. Passados quatro anos vem para Lisboa e é nomeado Reitor do Santuário da Rocha, em Carnaxide. Em 1998 é transferido para o Seminário Missionário Padre Dehon, colaborando nos vários serviços pastorais da comunidade.
O padre Angelo Caminati era possuidor de uma vastíssima cultura. Era um apaixonado pela leitura, sobretudo na área da História. Como grande hobby da sua vida destaca-se a riquíssima e completa colecção de selos que cuidou de modo muito meticuloso.
Viveu estes últimos meses sujeito aos sofrimentos das suas doenças, que tentou suportar com fé e confiança em Deus. Faleceu no Hospital S. João (Porto) ao final da manhã do dia 26 de Julho de 2009.

No dia 28 de Julho pelas 18h00 haverá Missa de Exéquias na capela do Seminário Missionário Padre Dehon. O padre Angelo será sepultado na sua terra natal, conforme era seu desejo.

» Zeferino Policarpo, scj
superior provincial