No passado Domingo, dia 15 de Maio, como vem sendo já tradição, realizou-se mais uma festa em honra dos nossos benfeitores. Um gesto da parte da comunidade do seminário que pretendeu mostrar o quanto estamos reconhecidos pela generosa ajuda que tantas vezes nos fazem chegar, graças à qual podemos levar por diante a nossa missão apostólica.

Foi um dia bem passado, na alegria de Cristo ressuscitado, em que cada um dos nossos benfeitores foi convidado a entrar de uma forma mais concreta na intimidade dos ambientes do seminário, a fim de sentirem o eco das palavras do Superior dacomunidade de que «a casa é de todos».

A chegada deu-se por volta das 13.00h e o encontro prolongou-se até perto das 19.00h. Iniciámos com uma visita guiada pela casa, o que permitiu às pessoas entrarem em contacto com os jovens religiosos e estes com elas. Foi uma altura em que se partilhou um pouco da vida e dos planos que começamos a fazer para a nossa vida.

Na Capela estava o Superior, Pe Manuel Barbosa, a aguardar a chegada de todos a fim de, em mês de Maria, rezar o terço em união com os milhares de pessoas que o fazem por todo o país. Além das meditações do Superior, também a sua arte de tocar guitarra clássica esteve presente ao longo do encontro.

Seguiu-se um dos momentos altos do dia em que, em comunhão eclesial, celebrámos a Eucaristia e pudemos entrar em contacto mais próximo e pessoal com o Senhor ressuscitado, em nome do qual estivemos reunidos. Presidiu o padre Superior e concelebraram outros sacerdotes membros da comunidade: Pe António Loureiro, Pe Constantino Tiago do Espírito Santo, e Pe Saturino Costa Gomes. Os jovens religiosos assumiram o canto da liturgia.

Seguiu-se uma encenação do grupo de jovens da paróquia de São José do Bairro da Boavista, tão expressiva e rica de conteúdo da riqueza espiritual herdada do nosso fundador, Pe Leão Dehon. Este momento festivo no auditório continuou com a apresentação de todos os membros da comunidade e, depois, um momento musical levado a cabo pelos jovens estudantes, acompanhados à guitarra pelo Superior.

O dia terminou com um lanche ajantarado onde não faltou a tradicional «feijoada do seminário», a qual é sempre requerida neste dia pelos benfeitores. Foi um momento de alegria e convívio entre todos, que certamente marcou todo o encontro.

Nuno Pacheco, scj