Como prometido e anunciado há muito tempo, iniciamos hoje o primeiro dia do II Encontro Dehoniano de Pastoral Social.

Vindos da Madeira, Porto e Lisboa, demos o pontapé de saída pelas 10h com a intervenção do Superior Provincial, Padre João Nélio, que nos apresentou a conclusão da última conferencia geral acerca do compromisso social Dehoniano.

De seguida, o Padre Tiago da Eira Pereira apresentou aos presentes uma grelha de leitura sobre a importância da Doutrina Social da Igreja para a ação da Igreja e das instituições sociais a si ligadas. Fez uma proposta de viagem aos princípios presentes nos principais documentos que sustentam o «estatuto de cidadania da Religião Cristã».

O Padre José Agostinho, antes do almoço, serviu-nos como aperitivo uma reflexão sobre a pertinência dos escritos do nosso fundador, Padre Dehon, acerca do compromissa social autêntico. Procurou atualizar aquelas que foram as intuições do nosso fundador para a ação social cristã.

Da parte da tarde os presentes foram convidados a escutar 4 testemunhos de projetos socias ligados à Província Portuguesa e levados a cabo por confrades dehonianos. O primeiro foi o do Centro Social e Paroquial S. Bento da Ribeira Brava sobre o projeto pioneiro para cuidar de doentes com Alzheimer; o segundo veio da Casa do Sagrado Coração (Aveiro), destacando o centro de acolhimento para as vítimas de violência doméstica; o terceiro veio do Porto com uma apresentação acerca da Obra ABC e o quarto foi do Centro Social e Paroquial S. Romão de Carnaxide sobre a escola de cuidadores.

Após estas excelentes apresentações os participantes foram divididos por grupos para procurarem dialogar sobre o que escutaram da parte da manhã e como podem, a partir dos projetos apresentados, otimizar melhor a proposta da sua instituição. No plenário foi notório a riqueza da partilha e a forma como as pessoas absorveram as reflexões apresentadas durante o dia.

Assim foi o primeiro dia deste encontro em torno da dimensão social que brota do coração do carisma Dehoniano. O Número de participantes não é muito grande, mas somos suficientes para um diálogo sereno sobre aquilo que nos une: construir uma cidade digna do Homem e Humanizar essa cidade.

A Comissão Provincial de Justiça e Paz e Integridade da Criação.