Events in Janeiro 2023

  • São Basílio Magno e São Gregório Nanzianzeno

    Categoria: Santoral São Basílio Magno e São Gregório Nanzianzeno


    2 de Janeiro, 2023

    Basílio de Cesareia (329-379) nasceu duma família profundamente cristã, na Capadócia, região da atual Turquia. Com o seu irmão, Gregório de Nissa e o amigo Gregório de Nazianzo, forma o grupo dos chamados "Padres Capadócios", que tiveram importante papel na divulgação da doutrina do Concílio de Niceia sobre a Santíssima Trindade.

    Basílio e o seu irmão receberam esmerada educação. Durante a sua formação humanista, em Atenas, estabeleceram uma grande amizade com Gregório de Nazianzo. Juntos iniciaram uma nova forma de vida monástica, o chamado monaquismo basiliano, que continua a ser vivido sobretudo no Oriente.

    Basílio, ordenado sacerdote e bispo, distinguiu-se pelas suas obras caritativas e pelo esplendor que deu ao culto divino. Deixou-nos preciosas obras teológicas, espirituais e homiléticas.

    Gregório de Nazianzo (330-390) nasceu igualmente de uma família cristã piedosa. A sua mãe ofereceu-o ao Senhor, tendo-lhe proporcionado uma boa educação, que o levou a ser reitor e a ser proposto para altos cargos civis. Com os seus amigos, Basílio e Gregório de Nissa, abandonou o mundo para se tornar monge. Já sacerdote, foi nomeado bispo de Constantinopla (381), permanecendo sobretudo um místico, cantor apaixonado da SS. Trindade. Os seus escritos revelam a sua experiência e inteligência do mistério de Cristo. Foi chamado "o teólogo".

    Lectio

    Primeira leitura: 1 Coríntios 2, 10b-16

    Irmãos: o Espírito tudo penetra, até as profundidades de Deus. 11Quem, de entre os homens, conhece o que há no homem, senão o espírito do homem que nele habita? Assim também, as coisas que são de Deus, ninguém as conhece, a não ser o Espírito de Deus. 12Quanto a nós, não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito que vem de Deus, para podermos conhecer os dons da graça de Deus. 13E deles não falamos com palavras que a sabedoria humana ensina, mas com as que o Espírito inspira, falando de realidades espirituais em termos espirituais. 14O homem terreno não aceita o que vem do Espírito de Deus, pois é uma loucura para ele. Não o pode compreender, pois só de modo espiritual pode ser avaliado. 15Pelo contrário, o homem espiritual julga todas as coisas e a ele ninguém o pode julgar. 16Pois quem conheceu o pensamento do Senhor, para poder instruí-lo? Mas nós temos o pensamento de Cristo.
    Paulo justifica o seu ministério afirmando que recebeu o Espírito que vem de Deus (cf. v. 12). Só o Espírito de Deus nos torna "homens espirituais", capazes de conhecer os mistérios divinos e nos dá uma mentalidade conforme ao "pensamento do Senhor" (v. 16). O homem terreno, isto é, aquele que apenas possui o espírito do mundo e se deixa conduzir por ele, não pode compreender as coisas do Espírito e aceitar a "loucura" da mensagem evangélica, que culmina na Cruz. S. Basílio e S. Gregório, como todos os santos, deixaram-se fascinar por Cristo, assumiram o seu modo de pensar e viveram em conformidade com ele. Tornaram-se, assim, verdadeiros homens espirituais, capazes de julgar todas as coisas.

    Evangelho: Mateus 5, 13-16

    Naquele tempo, Jesus disse aos seus discípulos: «Vós sois o sal da terra. Ora, se o sal se corromper, com que se há-de salgar? Não serve para mais nada, senão para ser lançado fora e ser pisado pelos homens. 14Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre um monte; 15nem se acende a candeia para a colocar debaixo do alqueire, mas sim em cima do candelabro, e assim alumia a todos os que estão em casa. 16Assim brilhe a vossa luz diante dos homens, de modo que, vendo as vossas boas obras, glorifiquem o vosso Pai, que está no Céu.»

    Depois de proclamar as Bem-aventuranças, Mateus apresenta dois provérbios em forma de parábola que definem a missão dos discípulos: ser sal e luz. Tal como o sal e a luz influem sobre os alimentos e sobre as realidades terrenas, assim os discípulos de Cristo devem influir sobre o mundo, ajudando-o a descobrir o sentido da vida, para que não seja enganado pelas suas tendências e aspirações rasteiras. Como o sal, os discípulos hão-de dar sabor à humanidade e preservá-la da corrupção. Como a luz, hão-de ser para o mundo um raio do esplendor da glória de Deus. Tudo isso acontece quando os discípulos vivem à maneira de Cristo, guiados pela fé e atuando a caridade. A vida cristã é um compromisso com Deus, que tem implicações sociais e universais. Por isso, não deve ser escondida, mas brilhar no mundo, para glória de Deus.

    Meditatio

    Basílio de Cesareia e Gregório de Nissa são exemplos de cristãos cujas vidas refletem o Evangelho, verdadeiros luminares da fidelidade e da beleza do ideal cristão.

    Basílio, dotado de forte personalidade, foi um homem de pensamento e de ação. Escreveu e pregou, especulou e socorreu. Gregório é o filósofo elegante, o poeta delicado, o contemplativo irrequieto. Ambos nos revelam o que significa tornar-se discípulos da verdadeira sabedoria e receber o dom do Espírito, que perscruta as profundezas de Deus. Estes dois amigos, que hoje celebramos foram génios e santos. Por isso, a Igreja os venera como santos e doutores. A caridade de Deus fê-los operadores de bem e servidores dos irmãos, como monges, como padres e como bispos. Ambos cantaram a beleza de Deus. Como amigos e companheiros, compreenderam que o seu ideal mais profundo era o amor da sabedoria. Movia-os a ânsia de saber. Escreve Gregório: "Uma só tarefa e um só objetivo havia para ambos: aspirar à virtude, viver para as esperanças futuras e comportar-nos de tal modo que, mesmo antes de ter partido desta vida, tivéssemos emigrado dela. Esse foi o ideal que nos propusemos, e assim tratávamos de orientar a nossa vida e as nossas ações, em atitude de docilidade aos mandamentos divinos, entusiasmando-nos mutuamente à prática do bem: e, se não parecer demasiada arrogância, direi que éramos um para o outro a norma e a regra para discernir o bem do mal".

    Oratio

    Vem Espírito Santo, eleva o meu coração, ampara a minha fraqueza, conduz-me à perfeição da caridade. Purifica-me de todo o mal e, pela união contigo, faz-me homem espiritual. Penetra-me e enche-me com a tua luz divina de modo que eu mesmo me torne luminoso e reflita ao meu redor a tua luz, a tua graça. Ámen.

    Contemplatio

    Jesus viera para operar a grande obra da reconciliação. Tudo estava preparado e, no entanto, leva uma longa vida de trinta anos, desconhecida, escondida, em aparência inativa e inútil. O Redentor tinha sido prometido ao género humano e anunciado pelos profetas. Os sinais da sua vinda estavam marcados. Era esperado pelos justos com um ardente desejo. Prodígios foram realizados na altura do seu nascimento. A própria natureza manifestou a sua alegria pela vinda do Criador. Uma estrela maravilhosa surpreendeu os sábios do Oriente e conduziu-os ao presépio. Mas logo a seguir, que silêncio! Tudo retorna à obscuridade e à calma. Os que acreditavam verdadeiramente que seguiam a atração da graça, a voz dos anjos e as inspirações do Espírito Santo conservavam no seu coração a recordação dos mistérios, que tinham tido um brilho tão curto. Adoravam no silêncio, na esperança e no abandono, os decretos da sabedoria, do amor e da misericórdia de Deus. E esta vida obscura, vida de submissão, de trabalho e da misericórdia de Deus vai durar trinta anos! Quem é que está em condição de aprofundar as vias da sabedoria, do amor e da bondade de Deus? Quem pode conceber e contar os atos de virtude destes anos de obscuridade? E então porquê tudo isto? Porquê esta viagem penosa e longa ao país pagão e idólatra? Porque Jesus era vítima, porque era libertador e redentor; porque isto correspondia aos desígnios de misericórdia que os homens não podiam compreender perfeitamente. (L. Dehon, OSP 3, p. 41).

    Actio

    Repete muitas vezes e vive hoje a palavra:

    "Para nós o maior título de glória era sermos cristãos
    e como tal reconhecidos" (S. Gregório Nazianzeno).

    ----

    S. Basílio Magno e s. Gregório Nanzianzeno (2 Janeiro)
    Se utilizar estes subsídios para publicação, por favor indique sempre a fonte e a propriedade. Obrigado

    Segunda-feira do tempo de Natal

    Categoria: Semanal Segunda-feira do tempo de Natal


    2 de Janeiro, 2023

    Segunda-feira do tempo de Natal

    Lectio

    Primeira leitura: 1 João 2, 22-28

    Caríssimos, 22 quem é, então, o mentiroso? Quem é, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? Esse é o Anticristo, aquele que nega o Pai e igualmente o Filho. 23Todo aquele que nega o Filho, fica sem o Pai; aquele que confessa o Filho, tem também o Pai. 24*Quanto a vós, procurai que em vós permaneça o que ouvistes desde o princípio. Se em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, também vós permanecereis no Filho e no Pai. 25*E esta é a promessa que Ele nos fez: a vida eterna.

    26Escrevo-vos isto a propósito dos que procuram enganar-vos. 27Quanto a vós, a unção que dele recebestes permanece em vós, e não tendes necessidade de que ninguém vos ensine; mas, tal como a sua unção vos ensina acerca de todas as coisas .e ela é verdadeira e não engana. permanecei nele, de acordo com o que Ele vos ensinou.

    28*E agora, filhinhos, permanecei nele, para que, quando Ele se manifestar, tenhamos plena confiança e não fiquemos cheios de vergonha, longe dele, por ocasião da sua vinda. 29*Se sabeis que Ele é justo, sabei também que todo aquele que pratica a justiça nasceu dele.

    Em finais do século I, a Igreja viveu uma fase de grandes tribulações: os "anticristos" negavam que Jesus fosse o Messias, o Filho de Deus. A mentalidade gnóstica não podia admitir que o Verbo tivesse verdadeiramente incarnado. Mas negar essas verdades era, para João, excluir-se da comunhão com Deus e da vida. Era ser "anticristo".

    O verdadeiro cristão deve permanecer fiel à Palavra escutada desde o princípio, isto é, ao mistério pascal na sua totalidade (morte e ressurreição) ensinado pelos apóstolos. É essa a fé que permite estar em comunhão com o Filho e com o Pai (v. 24). Viver em comunhão com Deus é possuir a promessa da «vida eterna» feita por Cristo (v. 25). O crente recebeu a «unção» do Espírito no Baptismo (v. 27). Por isso pode resistir às falsidades dos "anticristos", viver o Evangelho e aguardar a vinda de Cristo. O Espírito dá-nos a força interior da sabedoria, torna-nos discípulos invencíveis e dá-nos confiança em relação ao dia do Senhor (v. 28).

    Evangelho: João 1, 19-28

    19Este foi o testemunho de João, quando as autoridades judaicas lhe enviaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para lhe perguntarem: «Tu quem és?» 20Então ele confessou a verdade e não a negou, afirmando: «Eu não sou o Messias.» 21E perguntaram-lhe: «Quem és, então? És tu Elias?» Ele disse: «Não sou.» «És tu o profeta?» Respondeu: «Não.» 22Disseram-lhe, por fim: «Quem és tu, para podermos dar uma resposta aos que nos enviaram? Que dizes de ti mesmo?» 23*Ele declarou: «Eu sou a voz de quem grita no deserto: 'Rectificai o caminho do Senhor', como disse o profeta Isaías.»

    24Ora, havia enviados dos fariseus, que lhe perguntaram: 25«Então por que baptizas, se tu não és o Messias, nem Elias, nem o Profeta?» 26João respondeu-lhes: «Eu baptizo com água, mas no meio de vós está quem vós não conheceis. 27É aquele que vem depois de mim, a quem eu não sou digno de desatar a correia das sandálias.» 28*Isto passou-se em Betânia, na margem além do Jordão, onde João estava a baptizar.

    João Baptista, que se encontra em Betânia, além do Jordão, dá testemunho de Jesus perante a delegação enviada pelas autoridades de Jerusalém. À pergunta: «Tu quem és?», João afasta todo e qualquer mal-entendido sobre a sua pessoa e a sua missão declarando não ser o Messias esperado. Declara também não ser Elias, nem qualquer profeta, personagens aguardadas para o tempo messiânico, provocando desorientação nos seus interlocutores. Depois apresenta-lhes a sua verdadeira identidade: «Eu sou a voz de quem grita no deserto» (v. 23) e prepara o caminho a Cristo (cf. Is 40, 3). Ele não é a luz, mas apenas uma lâmpada que arde e dá testemunho da luz verdadeira. Ele não é a Palavra incarnada, mas apenas a voz que prepara o caminho pela purificação dos pecados e a conversão do coração. Finalmente declara: «Eu baptizo com água, mas no meio de vós está quem vós não conheceis» (v. 26).

    O baptismo de João é apenas um rito para dispor ao acolhimento do Messias; não é ainda o baptismo dos tempos da salvação. João aproxima a sua pessoa da de Cristo para realçar a dignidade e a grandeza de Jesus, cuja vida tem dimensões de eternidade: João não é digno de lhe desatar a correia das sandálias, de lhe prestar os mais humildes serviços... João quer suscitar a fé em Jesus nos seus ouvintes, porque só Ele é o Salvador. O Baptista é apenas o precursor, aquele que vai à frente a preparar os caminhos.

    Meditatio

    João convida a que permaneçamos no Filho e no Pai. A relação com o Pai e o Filho é comparada a uma «unção». A unção permeia, penetra nos tecidos, nos corpos. Assim, quem crê no Filho, possui-O e possui também o Pai, não precisando de mais nada, porque tem o Mestre interior que não mente.

    Para acreditar, é preciso ser humildes como João Baptista. O homem temperado na solidão do deserto esconde-se e desaparece à sombra d´Aquele que Se apresenta ao mundo. A sua missão foi exactamente dar testemunho. João não negou a Cristo; negou a si mesmo.

    Dificilmente negamos a Cristo directamente; mas podemos negá-Lo afirmando-nos a nós mesmos.

    O Cristão de hoje é chamado a ser anunciador do Evangelho e da palavra de Jesus, a voz que grita com a sua vida a verdade de Cristo, apesar da pobreza e da fraqueza que experimenta em si mesmo, nas suas palavras e métodos pastorais.

    O cristão é aquele que se define em função de Cristo. Dá testemunho d´Ele, prepara- Lhe a missão. Não procura centrar as atenções em si, mas em Cristo e no Evangelho.

    A humildade é o caminho da caridade e a condição para um testemunho apostólico abençoado por Deus. Para vir até nós, Deus percorreu o caminho da humildade (cf. Fil 2, 6-11). Não temos um caminho diferente para irmos até Ele. A humildade permite-nos permanecer em Deus.

    A humildade é condição para um apostolado verdadeiro, que põe Cristo no centro das atenções. Não foi sem razão que Jesus nos mandou aprender d'Ele, não a pregar ou a fazer milagres, mas a ser "mansos e humildes de coração" (Mt 11, 29). A mansidão e a humildade de coração hão-de caracterizar, de modo particular, aqueles que se intitulam Sacerdotes do Coração de Jesus, ou querem viver a espiritualidade dehoniana.

    Oratio

    Senhor, ensina-nos a sermos como João Baptista, verdadeiras testemunhas de Ti e do teu amor no meio dos nossos irmãos. Como João, queremos empenhar a nossa voz, as nossas forças, toda a nossa vida para que a humanidade inteira Te reconheça presente e activo no meio de nós, se decida em teu favor e tenha comunhão contigo e com o Pai.

    Senhor, reforça a nossa fé em Ti, único Salvador da humanidade. Faz-nos experimentar o poder do teu Espírito, que é a nossa força e o nosso apoio no apostolado. Ensina-nos a não presumirmos das nossas forças e métodos apostólicos, sabendo que só Tu, pelo teu Espírito, podes tornar fecundo o nosso trabalho e as nossas estratégias pastorais.

    Senhor, dá-nos consciência de que somos instrumentos simples e pobres nas tuas mãos, que só a tua graça torna capazes de ser úteis na construção do Reino da justiça e da paz. Amen.

    Contemplatio

    A igreja apresenta-nos o exemplo do Precursor, para nos preparar a receber o nosso Deus que vem curar o nosso orgulho e salvar-nos pela humildade do presépio. É efectivamente grande a humildade do Precursor e ela brilha nas respostas aos Fariseus. Ele conquistou os corações, para o devolver a Deus, com as suas austeras virtudes e a sua heróica penitência. A sua santidade lembra e ultrapassa a dos maiores profetas. O próprio Nosso Senhor haveria de proclamar a grandeza dos seus méritos e da sua missão que muito tinham pressagiado o seu nascimento. Apesar de tudo, deu a mais humilde resposta aos Fariseus que lhe vêm perguntar se é Elias ou um dos profetas. Ele centra as atenções no Salvador: «Sou a voz que clama no deserto: endireitai o caminho do Senhor» E quando insistiram, pôs-se aos pés do seu Salvador: «Aquele que deve vir depois de mim, era antes de mim e eu não sou digno de lhe desatar as correias das sandálias».

    Não procura estima para si, não procura louvores, não pensa em si mesmo senão para se humilhar (Leão Dehon, OSP 2, p. 555).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «No meio de vós está quem vós não conheceis» (Jo 1, 26)

  • Terça-feira do tempo de Natal

    Categoria: Semanal Terça-feira do tempo de Natal


    3 de Janeiro, 2023

    06ª Semana do Advento - Terça-feira - Anos ímpares

    Lectio

    Primeira leitura: 1 João 2, 29-3,6

    Caríssimos, 29*se sabeis que Ele é justo, sabei também que todo aquele que pratica a justiça nasceu dele. 1*Vede que amor tão grande o Pai nos concedeu, ao ponto de nos podermos chamar filhos de Deus; e, realmente, o somos! É por isso que o mundo não nos conhece, uma vez que O não conheceu a Ele. 2*Caríssimos, agora já somos filhos de Deus, mas não se manifestou ainda o que havemos de ser. O que sabemos é que, quando Ele se manifestar, seremos semelhantes a Ele, porque o veremos tal como Ele é. 3*Todo o que tem esta esperança em Deus, torna-se puro, para ser como Ele, que é puro. 4Todo o que comete o pecado comete a iniquidade, pois o pecado é, de facto, a iniquidade. 5*E bem sabeis que Ele se manifestou para tirar os pecados, e nele não há pecado. 6*Todo aquele que permanece em Deus não se entrega ao pecado; e todo aquele que se entrega ao pecado não o viu nem o conheceu.

    Jesus é modelo para todo o cristão. Ele é o justo, Aquele que não tem pecado, o obediente por excelência ao Pai. O cristão, que vive na justiça, também é filho de Deus e não comete pecado. O fiel é um homem novo, chamado a uma vida nova: é filho de Deus (cf. vv. 1- 2), nasceu de Deus (v. 29). É chamado a, imitando a Cristo, identificar-se cada vez mais com o Pai e a viver em comunhão com Ele.

    O mundo que recusa Deus, aliando-se ao anticristo, despreza e não compreende Jesus, não ama os seus discípulos e actua contra a lei de Deus; pertence à esfera do Maligno e opõe-se ao reino messiânico. Quem, pelo contrário, adere ao Senhor, que se fez pecado por nós, é imune ao pecado e obtém de Cristo a força para ultrapassar o mal e vencer (v. 6). Mas só pode fazer experiência do amor de Deus aquele que não comete pecado, pratica a justiça e se mantém puro, percorrendo o caminho percorrido por Cristo: o caminho da cruz.

    Evangelho: João 1, 29-34

    29*No dia seguinte, ao ver Jesus, que se dirigia para ele, exclamou: «Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! 30*É aquele de quem eu disse: 'Depois de mim vem um homem que me passou à frente, porque existia antes de mim.' 31*Eu não o conhecia; mas foi para Ele se manifestar a Israel que eu vim baptizar com água.» 32E João testemunhou: «Vi o Espírito que descia do céu como uma pomba e permanecia sobre Ele. 33E eu não o conhecia, mas quem me enviou a baptizar com água é que me disse: 'Aquele sobre quem virdes descer o Espírito e poisar sobre Ele, é o que baptiza com o Espírito Santo'. 34Pois bem: eu vi e dou testemunho de que este é o Filho de Deus.»

    João Baptista encontra-se com Jesus e dá o seu testemunho solene, num contexto de revelação messiânica: «Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!» (v. 20). É o homem de Deus que reconhece, por primeiro, a identidade de Jesus: «vê» Jesus. O símbolo do cordeiro lembra vários textos: o cordeiro pascal (cf. Ex 12, 1-28; 29, 38-46), o Servo Sofredor (cf. Is 42, 1-4; 52, 13-53, 12). Jesus é o Cordeiro-Servo obediente ao Pai. É Ele que, pela sua Paixão, Morte e Ressurreição tira o pecado do mundo e lhe dá a vida. O próprio Baptista vê o Espírito descer sobre o Messias (v. 32).

    A imagem da pomba, no ambiente judaico antigo, indicava Israel: o Espírito que desce em forma de pomba anuncia o novo Israel de Deus, que começa com Jesus e é o fruto maduro da vinda do Espírito. Chegou a época da purificação e do verdadeiro conhecimento de Deus, por meio do Espírito. O Espírito desce sobre Jesus, permanecendo n´Ele e transformando-O no novo templo, fonte perene do Espírito no meio dos homens. É na teofania do baptismo que João reconhece o Messias, podendo agora dar testemunho de Jesus como Filho de Deus (v. 34), aquele que baptiza no Espírito (v. 33) e nos enche desse dom de salvação.

    Meditatio

    O testemunho de João Baptista tem por objectivo suscitar a fé dos discípulos na pessoa de Jesus. João viu o Espírito «permanecer» sobre Jesus. Esta certeza leva-o a anunciar que Jesus é verdadeiramente o Messias, o eleito de Deus (cf. Is 42, 1). O testemunho de Jesus "Filho de Deus" torna-se eco das palavras do Pai no baptismo: «Este é o meu Filho muito amado».

    Se procurarmos uma ligação entre o evangelho de hoje e a primeira leitura, podemos encontrá-la: «Ele se manifestou para tirar os pecados» (v. 5), diz a primeira leitura; «Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!», diz o evangelho (v. 20).

    É esta a mensagem da liturgia, ao começar o novo ano. E dá-nos ricos ensinamentos sobre a luta contra o pecado. No evangelho vemos que o Cordeiro de Deus tira o pecado do mundo, baptizando no Espírito Santo. O baptismo na água, de João, manifestava o desejo de purificação, mas era impotente contra o pecado. Só o baptismo no Espírito nos pode purificar e libertar do mal. E Jesus deu-nos o baptismo no Espírito por meio da sua morte e ressurreição.

    A diz-nos Primeira Carta de João que, tendo sido libertados do pecado, havemos de viver na pureza a realizar a justiça. Tendo sido purificados gratuitamente, havemos de viver como puros. A exigência é precedida pelo dom. Porque Deus nos amou e nos transformou, não podemos pactuar com o pecado.

    Mais ainda: este maravilhoso dom de Deus há-de desenvolver-se: «agora já somos filhos de Deus, mas não se manifestou ainda o que havemos de ser. O que sabemos é que, quando Ele se manifestar, seremos semelhantes a Ele, porque o veremos tal como Ele é». O baptismo no Espírito inclui uma maravilhosa esperança que nos encoraja na difícil caminhada da
    vida. É pela esperança que nos tornamos puros, como Cristo: «Todo o que tem esta esperança em Deus, torna-se puro, para ser como Ele, que é puro» (v.3).

    Seguindo o Pe. Dehon, "por graça especial (carisma) de Deus, somos chamados na Igreja a procurar e realizar, como único necessário, uma vida de união à oblação de Cristo (cf. Cst n. 26).

    Por causa da nossa participação, em Cristo e com Cristo, na oblação reparadora em favor dos homens, deveria poder dizer-se de cada um de nós o que João Baptista disse de Jesus: "Eis o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo" (Jo 1, 29). Deste modo, viveremos a nossa vocação oblativa-reparadora: por meio da santidade da nossa vida e por meio do nosso apostolado, realiza-se a nossa missão de Oblatos-Sacerdotes do Sagrado Coração de Jesus" (Cst 6) na "missão da Igreja".

    Oratio

    Nós Te glorificamos, Senhor, nós Te bendizemos. Ao enviar-nos o teu Filho como Salvador, tornaste possível a nossa libertação do pecado e da morte e restabeleceste a nossa comunhão Contigo. Fizeste descer o teu Espírito sobre Jesus para que pudesse iniciar a sua missão no mundo e tirar todos os nossos pecados.

    Dá-nos a graça de compreendermos cada vez mais o imenso dom do nosso baptismo, em que nos tornámos teus filhos. Dá-nos força para empreendermos um caminho espiritual que nos torne adultos na fé, generosos no amor e testemunhas do teu Evangelho no meio daqueles que ainda não acolheram o dom da salvação. Que todos, mesmo aqueles que se proclamam ateus ou indiferentes, sejam sacudidos na sua aparente tranquilidade, reconheçam em Jesus o verdadeiro sentido para a vida e experimentem a tua ternura de Pai. Amen.

    Contemplatio

    Há duas coisas a considerar no baptismo de Nosso Senhor: a purificação, e a descida do Espírito Santo sob a forma de uma pomba.

    1º A purificação foi para Nosso Senhor um acto de humildade profunda à qual se submeteu para nos dar o exemplo, para nos merecer graças de pureza. Nosso Senhor não tinha necessidade de purificação, mas quanto a nós, é uma necessidade urgente. Aquele que trabalha pela salvação das almas deve: 1º não ter nenhum pecado mortal na consciência, 2º não ter o hábito de nenhum pecado venial, 3º ter uma grande pureza de intenção. Sem estas condições, o ministério não leva nenhum fruto sério às almas.

    Ora qual será o Jordão onde nós podemos receber o baptismo do apostolado, senão o Sagrado Coração de Jesus? Pela contemplação habitual do Sagrado Coração, nós impedimos em nós o reino do pecado mortal, destruímos as raízes do pecado venial, e como nós vemos em toda a parte e sempre o Sagrado Coração, as nossas intenções serão necessariamente puras.

    2º O Espírito Santo, depois do baptismo de Nosso Senhor, desce sobre Ele em forma de pomba, e o Pai eterno faz escutar estas palavras: «Eis o meu Filho bem amado no qual pus as minhas complacências». Se nós queremos santificar o nosso ministério, não basta que nós tenhamos a consciência pura, é preciso que o Espírito Santo desça a nós, é preciso que o Espírito do Coração de Jesus se torne o nosso. «Induimini Dominum Jesum-Christum (Ad Rom). «Revesti-vos de Jesus Cristo», isto é, reproduzi a sua vida, as suas intenções, o seu zelo.

    O espírito apostólico é um espírito de zelo unido a uma grande doçura e a uma humildade profunda. A pomba é o símbolo destas virtudes. Se este espírito nos anima, havemos de reproduzir em nós a vida dos grandes apóstolos dos tempos passados, dos Paulos, dos Domingos, dos Franciscos Xavier, etc.. O verdadeiro apóstolo deve ser como S. Paulo: «Já não sou eu que vivo, é Jesus, é o Coração de Jesus quem vive em mim» (Leão Dehon, OSP 2, p. 252).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo,
    tende piedade de nós (Liturgia).

  • Quarta feira do tempo de Natal

    Categoria: Semanal Quarta feira do tempo de Natal


    4 de Janeiro, 2023

    Quarta feira do tempo de Natal

    Lectio

    Primeira leitura: 1 João 3, 7-10

    7Filhinhos meus, que ninguém vos engane. Quem pratica a justiça é justo, sendo como Ele, que é justo. 8*Quem comete o pecado é do diabo, porque o diabo peca desde a origem. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo. 9*Todo aquele que nasceu de Deus não comete pecado, porque um germe divino permanece nele; e não pode pecar, porque nasceu de Deus. 10*Nisto é que se distinguem os filhos de Deus e os filhos do diabo: todo aquele que não pratica a justiça não é de Deus, nem aquele que não ama o seu irmão.

    O que distingue um cristão é a conduta recta e justa, afirma João contra os gnósticos (cf. V. 7). Praticar a justiça é aceitar a vontade de Deus. Pelo contrário, «quem comete o pecado é do diabo» (v. 8). Quem peca está contra o mundo de Deus, não pode ser filho de Deus. É filho do diabo. Cristo venceu o mal e instaurou os tempos da salvação. Os seus discípulos são chamados a lutar contra o pecado e a praticar a justiça. João distingue duas formas de ser filho: a filiação divina e a filiação humana. Quem se abre à acção do Espírito, torna-se filho de Deus; quem se fecha ao Espírito e rejeita a Deus entrega-se ao diabo: «Todo aquele que nasceu de Deus não comete pecado, porque um germe divino permanece nele» (v. 9); «Quem comete o pecado é do diabo» (v. 8).

    O filho de Deus deixa crescer nele e dar frutos a semente da Palavra. Por isso não pode pecar. Deu espaço a Deus e permanece em Cristo que actua na sua vida. Há pois que permanecer abertos ao Espírito e em atitude de permanente conversão.

    Evangelho: João 1, 35-42

    35*No dia seguinte, João encontrava-se de novo ali com dois dos seus discípulos. 36*Então, pondo o olhar em Jesus, que passava, disse: «Eis o Cordeiro de Deus!» 37Ouvindo- o falar desta maneira, os dois discípulos seguiram Jesus. 38Jesus voltou-se e, notando que eles o seguiam, perguntou-lhes: «Que pretendeis?» Eles disseram-lhe: «Rabi .que quer dizer Mestre. onde moras?» 39Ele respondeu-lhes: «Vinde e vereis.» Foram, pois, e viram onde morava e ficaram com Ele nesse dia. Era ao cair da tarde.

    40*André, o irmão de Simão Pedro, era um dos dois que ouviram João e seguiram Jesus. 41*Encontrou primeiro o seu irmão Simão, e disse-lhe: «Encontrámos o Messias!» .que quer dizer Cristo. 42*E levou-o até Jesus. Fixando nele o olhar, Jesus disse-lhe: «Tu és Simão, o filho de João. Hás-de chamar-te Cefas» .que significa Pedra.

    Mais uma vez, João Baptista dá testemunho de Jesus e leva alguns dos seus discípulos a seguirem Jesus. O texto apresenta-nos, por um lado, o facto histórico do chamamento dos primeiros discípulos descrito como descoberta do mistério de Cristo e, por outro lado, a mensagem teológica sobre a fé e o seguimento de Jesus. O caminho para alguém se tornar discípulo tem alguns traços característicos: tudo começa com o testemunho e o anúncio de uma testemunha qualificada, João Baptista, neste caso: «Eis o Cordeiro de Deus!»; segue-se o caminho do discipulado: «seguiram Jesus»; encontro pessoal e de comunhão com o Mestre: «Foram... viram onde morava... ficaram com Ele». O encontro compreende um colóquio em que Jesus fala da sua identidade e convida a uma experiência de vida com Ele. Esta experiência termina com uma profissão de fé: «Encontrámos o Messias!», que depois se torna apostolado e missão. De facto, André, um dos que fez a experiência, levou o irmão a Jesus, que lhe muda o nome de Simão para Pedro, isto é, Cefas para indicar a missão que haverá de realizar na Igreja.

    Meditatio

    Gostaríamos de saber muito mais sobre este primeiro encontro dos discípulos com Jesus. Mas o evangelista limita-se a referir o essencial.

    João Baptista indica o Cordeiro de Deus e... cala-se. Não retém os discípulos. Entrega- os a Jesus. Eles ficam encantados com a pessoa de Jesus, com a sua grande humanidade, que lhes enche as medidas.

    O caminho para chegarmos ao conhecimento de Jesus é observar o comportamento das pessoas que se encontraram com Ele. Penetrar no mistério de Jesus é observar o mundo que O rodeia e dar-nos conta do modo como Ele se relaciona com as pessoas.

    O chamamento dos discípulos ao seguimento do Mestre é um evento que se repete na Igreja. Jesus chama-nos pessoalmente ao discipulado. E também nos pode chamar a uma particular experiência de vida e de missão com Ele, tal como chamou os apóstolos. Esse chamamento faz-se ouvir na vida de cada um de nós. É importante que saibamos ler os acontecimentos da nossa vida e, penetrando no Coração de Jesus, saibamos indicá-Lo também aos outros.

    Na vida de cada um de nós há um dia, um encontro com Ele, que marca uma mudança radical de vida: o chamamento pessoal e imprevisível de Deus em vista da missão. Muitas vezes, serve-Se de outros para nos chamar: podem ser os pais, um sacerdote, um livro, um retiro espiritual, mas é sempre Ele que chama ao seguimento para a construção de um mundo novo. O importante é que estejamos atentos para que não passe em vão.

    Quando Jesus se apresentou a João, junto ao rio Jordão, a missão do Baptista estava a acabar: o amigo do esposo deve saber retirar-se quando chega o esposo. Um ensinamento importante para quem se dedica ao apostolado, à orientação espiritual dos irmãos...

    A nossa vocação dehoniana exige muita generosidade para ser vivida. Somos chamados a oferecer-nos com Cristo sacerdote e vítima pela salvação do mundo, dos pecadores (Cf. Heb 13, 12-15). Não se trata de um chamamento para seres excepcionais e extraordinários; é um chamamento a viver Cristo em profundidade, generosamente, com simplicidade, modéstia e humildade, no escondimento, sem erguer bandeiras e sem vitimismos, mas com confiança, não nas nossas forças, mas na "consolação", que também é força do Espírito Santo (cf. 2 Cor 1, 3ss; Act 9, 13). Para nós, Oblatos-SCJ é "um dom particular" (Cst. 13), "uma graça especial" (Cst. 26) de testemunho, para recordar a todos os nossos irmãos cristãos (leigos, sacerdotes, religiosos), com a nossa vida, com escritos e com a palavra, a sua vocação baptismal, participação no sacerdócio de Cristo.

    A "vida de união à oblação de Cristo como o único necessário" (Cst. 26) ou, como se dizia no tempo do Pe. Dehon, a vida de vítima, é, em si mesma, a vocação do cristão consciente e coerente no seguimento de Cristo (cf. Lc 9, 23-24).

    Oratio

    Senhor Jesus, ensina-me a ser teu discípulo, a procurar onde moras a permanecer aí Contigo. Os teus apóstolos mostram-me quão importante é estar Contigo, permanecer em Ti. Tu mesmo ensinas ao rezar: «Tu em Mim e Eu neles...» (cf. Jo 17). Essa é a tua habitação! Mas para habitar Contigo é preciso seguir-Te. Seguir-Te é já habitar Contigo, é o caminho para a habitação definitiva. Habitar Contigo na pobreza e na humildade, habitar Contigo na justiça, habitar Contigo na misericórdia... Senhor Jesus, quero habitar Contigo, permanecer em Ti, não só na oração, mas também em todas as outras actividades do meu dia. Quero permanecer em Ti onde quer que te encontres: na alegria ou no sofrimento, no trabalho ou na inactividade. Quero permanecer em ti em cada momento, porque em Ti encontro o amor, a alegria e a paz. Amen.

    Contemplatio

    S. João, filho de Salomé, era parente de Jesus. Pensa-se que foi educado em Cana, não longe de Nazaré e que viu alguma vez Jesus durante a sua infância e a sua juventude.
    É o primeiro a juntar-se a Jesus na sua vida pública. Mal escutou a voz profética de S. João Baptista, «Ecce Agnus Dei», seguiu Jesus com Santo André, escuta-o longamente, passa o dia junto dele.
    Pouco depois, é chamado ao apostolado. Deixa tudo generosamente: o seu pai, os seus barcos de pesca, os criados. Nada custa àquele que ama.
    Mas Jesus ama-o por sua vez. Toma-o com os seus íntimos no milagre da filha de Jairo, na transfiguração, na agonia.
    É sobretudo no Cenáculo que é preciso considerar este amor recíproco do Mestre e do discípulo. João repousa sobre o Coração de Jesus! (Leão Dehon, OSP 3, p. 403).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Mestre, onde moras?» (Jo 1, 28)

  • Quinta feira do tempo de Natal

    Categoria: Semanal Quinta feira do tempo de Natal


    5 de Janeiro, 2023

    Lectio

    Primeira leitura: 1 João 3, 11-21

    Caríssimos 11*Porque a mensagem que ouvistes desde o princípio é esta: que nos amemos uns aos outros. 12*Não como Caim que, sendo do Maligno, assassinou o seu irmão. E por que o assassinou? Porque as suas obras eram más, ao passo que as do irmão eram boas. 13*Não vos admireis, irmãos, se o mundo vos odeia. 14*Nós sabemos que passámos da morte para a vida, porque amamos os irmãos. Quem não ama, permanece na morte. 15*Todo aquele que tem ódio a seu irmão é um homicida; e vós bem sabeis que nenhum homicida mantém dentro de si a vida eterna. 16*Foi com isto que ficámos a conhecer o amor: Ele, Jesus, deu a sua vida por nós; assim também nós devemos dar a vida pelos nossos irmãos. 17*Se alguém possuir bens deste mundo e, vendo o seu irmão com necessidade, lhe fechar o seu coração, como é que o amor de Deus pode permanecer nele? 18*Meus filhinhos, não amemos com palavras nem com a boca, mas com obras e com verdade.

    l9*Por isto conheceremos que somos da verdade e, na sua presença, sentir-se-á tranquilo o nosso coração, 20mesmo quando o coração nos acuse; pois Deus é maior que o nosso coração e conhece tudo. 21*Caríssimos, se o coração não nos acusa, então temos plena confiança diante de Deus.

    Só o amor aos irmãos salva e comunica a vida, depois de ter destruído a morte (v. 14). O contrário do amor é o ódio, que levou Caim a matar Abel, os inimigos de Jesus a matá-Lo e a matar os seus discípulos (cf. Jo 15, 20). O ódio é sinal da morte em que jaz o mundo. É também causa de ruína porque leva à mentira e à recusa da verdade. O amor fraterno, pelo contrário, insere o homem no reino da vida e permite gestos concretos de amor diante das necessidades do próximo (vv. 17-18).

    Jesus praticou verdadeiramente o amor, porque deu a vida como suprema prova desse amor. Todo o cristão, e toda a comunidade cristã, devem orientar-se para este supremo ideal. Como Cristo, o fiel há-de estar disponível para viver o amor até às últimas consequências, porque, sem amor, as obras estão mortas. Partilhar os próprios bens é sempre uma obrigação para os discípulos (vv. 17-18; 19-21). O amor activo leva-nos a viver na paz e no amor do Pai.

    Evangelho: João 1, 43-51

    43No dia seguinte, Jesus resolveu sair para a Galileia. Encontrou Filipe, e disse-lhe: «Segue-me!» 44*Filipe era de Betsaida, a cidade de André e de Pedro. 45*Filipe encontrou Natanael e disse-lhe: «Encontrámos aquele sobre quem escreveram Moisés, na Lei, e os Profetas: Jesus, filho de José de Nazaré.» 46Então disse-lhe Natanael: «De Nazaré pode vir alguma coisa boa?» Filipe respondeu-lhe: «Vem e verás!» 47Jesus viu Natanael, que vinha ao seu encontro, e disse dele: «Aí vem um verdadeiro israelita, em quem não há fingimento». 48Disse-lhe Natanael: «Donde me conheces?» Respondeu-lhe Jesus: «Antes de Filipe te chamar, vi-te Eu, quando estavas debaixo da figueira!» 49*Respondeu Natanael: «Rabi, Tu és o Filho de Deus! Tu és o Rei de Israel!» 50Retorquiu-lhe Jesus: «Tu crês por Eu te ter dito: 'Vi- te debaixo da figueira'? Maiores coisas do que estas hás-de ver!» 51*E acrescentou: «Em verdade, em verdade vos digo: vereis o Céu aberto e os Anjos de Deus subindo e descendo pelo Filho do Homem.»

    As vocações de Filipe e de Natanael têm analogias com outras narrativas de chamamento que encontramos nos evangelhos (cf. Mc 2, 14; Mt 8, 22; 9,9; 19, 21; Lc 9, 59). São modelo de discipulado e de seguimento.

    Enquanto Jesus se dirige para a Galileia, sucedem-se encontros e cruzam-se olhares. O primeiro encontro é com Filipe. Num contexto absolutamente normal, Jesus chama Filipe a segui-Lo. Depois, Filipe chama Natanael: «Vem e verás!». Filipe não tenta esclarecer as dúvidas iniciais do companheiro, mas convida-o a uma experiência pessoal com o Mestre, uma experiência idêntica à dele. Só a fé pode ultrapassar os motivos de escândalo, de auto- suficiência. Natanael foi provocado por Jesus e aceitou acolher o mistério do Filho do homem. Jesus revela os seus conhecimentos a Natanael, porque nele não há fingimento. É um homem piedoso e recto.

    Natanael rende-se à evidência, reconhece Jesus como Messias e confessa: «Rabi, Tu és o Filho de Deus! Tu és o Rei de Israel!» (v. 49).

    Meditatio

    S. João revela-nos o amor de Jesus e a sua vontade em relação a nós: «Ele deu a sua vida por nós», afirma o discípulo amado do Senhor. E continua afirmando: «assim também nós devemos dar a vida pelos nossos irmãos». Trata-se de uma lógica que não esperaríamos, que não é a nossa lógica, mas é a de Deus:

    O Novo Testamento tem esta característica: insiste no movimento do amor. Não podemos limitá-lo ou fechá-lo em nós numa espécie de íntimo comprazimento. Deus dá-nos o seu amor para que o partilhemos com os outros, para que nos insiramos no dinamismo do seu amor oblativo. Quem fecha o coração aos outros não entra nessa dinâmica.

    Jesus, o humilde filho de José, tem força e autoridade para dizer a quem entende: «Segue-me» (Jo 1, 43). E só o encontra quem se decide a procurá-Lo. As experiências dos discípulos permitem-nos penetrar no mistério de Jesus. Essas experiências começam por «ficar com» Jesus e concluem-se com a jubilosa confissão de fé no Messias, sobre quem sobem e descem os anjos de Deus (cf. Jo 1, 51).

    O céu associa-se ao testemunho de fé dos discípulos: Jesus é, na verdade, o único revelador de Deus e o elo que liga o homem ao céu. O cristão descobre em Jesus a «casa de Deus» e a «porta do céu». O homem Jesus é o «Filho de homem» (cf Dan 7, 13), é o Verbo encarnado e o homem glorificado pela ressurreição, que revela, com autoridade, o Pai. Jesus é a glória de Deus, o ponto de união entre o céu e a terra, o mediador entre Deus e os homens, é nova escada de Jacob, de que Deus se serve para dialogar com o homem. Em Jesus o homem encontra o espaço ideal para dialogar com Deus.

    Como dehonianos, estamos "ao serviço da Igreja", por isso, estamos inseridos no "movimento do amor redentor, doando-nos aos irmãos, com e como Cristo" (Cst. 21), isto é, somos "participantes na missão da Igreja"; "estamos ao serviço da missão salvífica do Povo de Deus no mundo de hoje (cf. LG 12)" (Cst. 27).

    Contemplar o Trespassado (cf. Jo 19, 37), como é nossa particular vocação, é um olhar amoroso de fé. Nesse olhar contemplamos o caminho do amor de Deus até nós e o nosso caminho de amor até Ele, na interioridade de Cristo, expressa pelo Seu Coração. Esta contemplação leva-nos a experiência do mistério de Cristo, na profundidade do seu amor, e leva-nos a inserir-nos na dinâmica com que actuou a nossa redenção e quer redimir todos os homens. A experiência de Cristo insere-nos na dinâmica do seu amor salvífico em favor dos irmãos.

    Oratio

    Senhor Jesus, por meio do teu apóstolo João, ensinaste-nos o caminho do amor fraterno feito, não só de palavras, mas também «de obras e em verdade» (cf. 1 Jo 3, 18). É o movimento de amor levado até ao dar a vida pelos outros. É o movimento de amor sincero e desinteressado que envolve os próprios inimigos.

    Não é fácil, Senhor, percorrer um tal caminho, envolver-se num tal amor. Mas Tu mesmo nos ensinaste como chegar a percorrê-lo: começar a procurar-Te e a responder aos teus chamamentos de cada dia para, pouco a pouco, vivermos as realidades mais exigentes do evangelho. Ajuda-nos e guia-nos nesse caminho. Faz-nos tomar consciência dos desvios. Assim havemos de descobrir que és o único Senhor da nossa vida e, por meio de Ti, chegar ao teu Pai e nosso Pai cujo amor jamais deixa de nos surpreender. Amen.

    Contemplatio

    Ninguém melhor do que S. João explicou esta fonte da caridade. Uma parte da sua primeira epístola é sobre este tema: «Deus amou-nos até nos dar o seu Filho por nós. Cristo amou-nos até morrer por nós. Se, portanto, nós amamos Deus e Cristo, devemos amar os homens que lhes são tão caros: Carissimi si sic Deus dilexit nos, et nos debemus alterutrum diligere» (Jo 4, 11).

    Deus poderia dizer-nos: Como? Eu amo todos os homens até lhes dar o meu Filho por eles e vós não os amais? Então não sois meus filhos, não tendes o meu espírito.

    «Se alguém diz que ama a Deus e não ama o seu irmão, mente. Não ama verdadeiramente a Deus, quem não ama o seu próximo».

    «Aliás, acrescenta S. João, Deus deu-nos um mandamento. Se o amamos, quer que amemos também o nosso próximo... e como é que havemos de amar o nosso próximo? Não somente em palavras, mas em obras e em verdade» (Leão Dehon, OSP 3, p. 199).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Jesus deu a sua vida por nós; também nós devemos dar a vida pelos nossos irmãos». (1 Jo 3, 16):

  • Sexta-feira do tempo de Natal

    Categoria: Semanal Sexta-feira do tempo de Natal


    6 de Janeiro, 2023

    Lectio

    Primeira leitura: 1 João 5, 5-13

    Quem é que vence o mundo senão aquele que crê que Jesus é Filho de Deus? 6*Este, Jesus Cristo, é aquele que veio com água e com sangue; e não só com a água, mas com a água e com o sangue. E é o Espírito quem dá testemunho, porque o Espírito é a verdade.

    7pois são três os que dão testemunho: Bo Espírito, a água e o sangue; e os três coincidem no mesmo testemunho. 9*Se aceitamos o testemunho dos homens, maior é o testemunho de Deus; e o testemunho de Deus está em que foi Ele a dar testemunho a respeito do seu Filho.

    10* Quem crê no Filho de Deus tem esse testemunho consigo. Quem não crê em Deus faz de Deus mentiroso, uma vez que não crê no testemunho que Deus deixou a favor do seu Filho.

    11*E este é o testemunho: Deus deu-nos a vida eterna, e esta vida está no seu Filho. 12*Quem tem o Filho de Deus tem a vida; quem não tem o Filho também não tem a vida. 13*Escrevi-vos estas coisas, a vós que credes no nome do Filho de Deus, para que tenhais a certeza de ter convosco a vida eterna.

    o cristão vence o mundo pela fé. Mas, para isso, precisa de enfrentar uma luta interior e exterior contra tudo o que é mundano, e precisa realizar a vontade de Deus. A certeza da vitória vem da força da vida divina, que se obtém na união com Deus. Portanto, o único meio para vencer o mundo (v. 5; cf. Jo 20, 30-31) é a fé em Cristo, Filho de Deus.

    Jesus veio para dar a vida e, quem acredita nele, tem a vida eterna (cf. v. 21). Esta vida eterna, que Jesus trouxe à humanidade é certa, porque Ele a ofereceu no começo da sua vida pública pelo baptismo (<<água») (cf. Jo 1, 31), e no fim da sua existência terrena pela morte na cruz (<<sangue») (cf. Jo 6,51; 19,34), e sempre actualizada na Eucaristia.

    É sobre este testemunho tríplice e concorde que se funda a manifestação de Deus em Cristo, seu Filho ( vv. 7-8). Há aqui reflexos da polémica do Apóstolo contra os gnósticos que afirmavam que a divindade de Jesus se uniu à humanidade no baptismo, mas na morte se separou da humanidade, de tal modo que apenas morreu o homem Jesus. Quem refuta este testemunho do Espírito de Deus, recusa a fé em Cristo, que é esta união de vida e de morte. A acção do Espírito entretece a vida sacramental (baptismo, confirmação, eucaristia), por meio da qual o crente é inserido no mistério de Cristo e é capaz de dar testemunho dEle e viver em comunhão com Deus (vv. 11-13).

    Evangelho: Marcos 1, 7-11

    João Baptista pregava assim: «Depois de mim vai chegar outro que é mais forte do que eu, diante do qual não sou digno de me inclinar para lhe desatar as correias das sandálias. BTenho-vos baptizado em água, mas Ele há-de baptizar-vos no Espírito Santo.» 9Por aqueles dias, Jesus veio de Nazaré da Galileia e foi baptizado por João no Jordão. 10*Quando saía da água, viu os céus abertos e o Espírito descer sobre Ele como uma pomba. 11 E do céu veio uma voz: «Tu és o meu Filho muito amado, em ti pus todo o meu encanto.»

    João apresenta as características de um verdadeiro profeta: é pobre e austero, proclama a Palavra de Deus, é independente da mentalidade do mundo que o rodeia. Jesus apresenta-se a ele como o último dos pecadores. Mas João reconhece-O a apresenta-o ao povo como alguém superior a ele: «Depois de mim vai chegar outro que é mais forte do que eu, diante do qual não sou digno de me inclinar para lhe desatar as correias das sandálias» (v. 7).

    Jesus partilha a condição do homem pecador. Por isso Se apresenta ao baptismo de penitência. Mas o Pai proclama-O inocente e realça a sua condição divina: «Tu és o meu Filho muito amado, em ti pus todo o meu encanto» (v. 11).

    Jesus é verdadeiro Deus e verdadeiro homem. N'Ele harmonizam-se a divindade e a humanidade. Por isso, enquanto o baptismo de João é realizada «na água», o de Jesus é realizado «no Espírito Santo». Jesus recebe o baptismo de João mas, ao sair da água, é investido com o poder e a força do Espírito, em vista da missão que há-de realizar. Jesus é o «Servo» em quem repousa o Espírito (cf. Is 42, 1). Não sai das águas do Nilo, como Moisés, mas das águas do Jordão (cf. Is 63, 11). Guiará o povo às pastagens verdejantes de paz, de salvação e de justiça.

    Meditatio

    O baptismo de Jesus, que o evangelho hoje nos recorda, foi uma etapa decisiva na Sua manifestação ao mundo como Deus, uma espécie de segunda epifania. Os acontecimentos do nascimento já estavam longe. Trinta anos de silêncio e de escondimento tinham feito de Jesus um homem entre os homens. Militão de Sardes diz que esses anos demonstram a humanidade de Cristo em tudo semelhante à nossa.

    O baptismo de Jesus encerra essa fase da vida de Jesus, em que se fez homem semelhante a nós, em que imitou o homem. Confundido entre a multidão, Jesus vem submeter¬se a um rito que o põe ao nível dos pecadores, daqueles que precisam de ser purificados. Mas é nesse momento que se manifesta a vinda do Messias prometido e há tanto tempo esperado por Israel. É também nesse momento que se revela a sua divindade: «Tu és o meu Filho muito amado, em ti pus todo o meu encanto» (v. 11). O Inocente faz-se pecado para salvar o homem pecador. Mas é oficialmente apresentado ao mundo pelo Pai, como o Messias que fala e actua em Seu nome. Começa a vida pública de Jesus. A partir desse momento ouvimo-Lo afirmar: «ouvistes o que foi ditotsnes eu vos digo ». Jesus começa a falar com uma autoridade que espanta os escribas e fariseus.

    Jesus é verdadeiro Deus e verdadeiro homem. É essa fé da Igreja. É essa a fé que leva à vida: «Quem tem o Filho de Deus tem a vida»(1 Jo 5, 12).

    S. Pedro diz-nos que Deus que, depois do baptismo que João pregou, «Deus ungiu com o Espírito Santo e com o poder a Jesus de Nazaré» (Act 10, 37). João Baptista tinha dito: «Tenho-vos baptizado em água, mas Ele há-de baptizar-vos no Espírito Santo» (v. 8). A descida do Espírito Santo é o ponto de partida da redenção. Começou a nova criação porque o Espírito reapareceu sobre as águas como no princípio (cf. Gn 1,2).

    O Espírito estava em Jesus desde o seu nascimento, de modo silencioso e escondido.

    Agora, essa realidade manifesta-se ao mundo. Revela-se a unção profética e messiânica de Jesus. Ao mesmo tempo ecoa a voz do Pai: «Tu és o meu Filho muito amado, em ti pus todo o meu encanto» (v. 11). Aquele que se fizera servo é proclamado como Filho (cf. Is 40, 2). Por isso, o Pai acrescenta: «Escutai-O!» (Mc 9, 7).

    Havemos de escutar Jesus que ainda hoje nos fala no Evangelho, porque nos fala em nome de Deus. Escutar não é só ouvir e fazer o que manda. É, sobretudo, acreditar n'Ele, aderir a Ele na fé, acolhê-Lo. Deus vem até nós na revelação; nós havemos de ir até Ele na fé.

    Jesus Cristo fez-Se solidário com os homens pecadores para os salvar. Também nós, salvos pelo sua solidariedade misericordiosa, havemos de ser solidários com todos os homens nossos irmãos, especialmente com os que andam mais afastados de Deus. "Longe de nos alhear dos homens, a nossa profissão dos conselhos evangélicos torna-nos mais solidários com a sua vida" (Cst. 38). A consagração religiosa coloca-nos «ao serviço da missão salvífica do Povo de Deus no mundo de hoje (Cst. 27).

    Oratio

    Senhor Jesus, Tu convidas-nos a acreditar em Ti, mas também afirmas que será o Espírito Santo a fecundar o nosso coração de crentes e discípulos. Por isso, quero hoje pedir-Te, com insistência, o teu Espírito Santo e a graça de ser dócil às suas inspirações para crescer na fé, para a interiorizar e para Te conhecer cada vez mais e melhor. Só Tu é o Messias. Só Tu és a Verdade. A tua Palavra é a Lei que conduz à salvação. Torna-me testemunha da Verdade, que és Tu. Torna-me participante da tua missão de Messias, pela prática animada pelo teu Espírito, das obras de misericórdia espirituais e corporais. Amen.

    Contemplatio

    o baptismo do Salvador é o último acto da sua longa preparação de trinta anos. Já é publicamente oferecido ao seu Pai na Circuncisão e na Apresentação no Templo, vem ainda oferecer-se nas margens do Jordão. João Baptista, como profeta autorizado de Deus, chama os Israelitas para o baptismo de penitência, para os preparar para o reino do Messias. Jesus não tem necessidade do baptismo, tal como não tinha necessidade da Circuncisão nem da Apresentação nem do resgate no Templo. Mas vem como vítima e como reparador. Assume sobre si a responsabilidade dos nossos pecados. Quer cumprir toda a lei antiga, que era uma lei de purificação e de preparação. Recebeu o baptismo, não para si, mas pelos homens seus irmãos. É mergulhado na água como símbolo de morte e de ressurreição. O seu baptismo simboliza e anuncia a sua morte real e a sua ressurreição, enquanto que o nosso exprime somente uma morte espiritual para o pecado e a ressurreição para a vida sobrenatural.

    S. João queria opor-se ao baptismo de Jesus, que nada tem a purificar, mas Jesus responde-lhe que deve cumprir toda a justiça, e entende com isto a justa expiação das nossas faltas.

    Que viva impressão de sofrimento, mas também de amor pelo seu Pai e por nós o Coração de Jesus deve ter sentido nesta morte simbólica! (Leão Dehon, OSP 3, p. 219).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Ele há-de baptizar-vos no Espírito Santo» (Mc 1, 8).

  • Tempo Comum - Anos Ímpares - I Semana - Terça-feira

    Categoria: Semanal Tempo Comum - Anos Ímpares - I Semana - Terça-feira


    10 de Janeiro, 2023

    Tempo Comum - Anos Ímpares - I Semana - Terça-feira

    Lectio

    Primeira leitura: Hebreus 2, 5-12

    Deus não submeteu aos anjos o mundo futuro de que falamos. 6Mas alguém, em certo lugar, atesta, dizendo: Que é o homem, para que te recordes dele, ou o filho do homem para que cuides dele? 7Fizeste-o por um pouco inferior aos anjos, coroaste-o de honra e de glória, 8submeteste tudo aos seus pés.Ora, ao submeter-lhe tudo, nada deixou que não lhe estivesse sujeito. Contudo, ainda não vemos que tudo lhe esteja sujeito. 9Vemos, porém, Jesus, que foi feito por um pouco inferior aos anjos, coroado de glória e de honra, por causa da morte que sofreu, a fim de que, pela graça de Deus, experimentasse a morte em favor de todos. 10Convinha, com efeito, que aquele por quem e para quem existem todas as coisas, querendo levar muitos filhos à glória, levasse à perfeição, por meio dos sofrimentos, o autor da sua salvação. 11De facto, tanto o que santifica, como os que são santificados, provêm todos de um só; razão pela qual não se envergonha de lhes chamar irmãos, 12dizendo: Anunciarei o teu nome aos meus irmãos, no meio da assembleia te louvarei.

    O autor da Carta aos Hebreus, depois de mostrar a superioridade de Cristo relativamente aos anjos e a todos os poderes inferiores a Deus, realça, nesta perícopa, a sua condição humana. Cristo é o Filho de Deus, superior aos anjos, mas é também o Jesus da história, Aquele que sofreu e morreu. O autor contempla a união entre os dois aspectos à luz do Sl 8, 46, e aproveita para anunciar o desígnio redentor de Deus. Esse desígnio passa pelo esvaziamento do Filho, que por amor se torna participante da natureza humana - inferior à dos anjos, mas também objecto das bênçãos divinas (cf. vv. 5-8) - até às extremas consequências do sofrimento e da morte, em favor de todos.
    Assim se revela a maravilhosa «justiça de Deus» (v. 10): o Criador e Fim de todas as coisas julgou tão importante o homem que o quis atrair à comunhão filial Consigo. Para isso, tornou-se solidário connosco no Filho Unigénito, enviado para nos levar à «glória», ao «mundo futuro» (vv. 5-10). Deus realiza a nossa santificação através do amor humilde de Jesus, que se entrega para nos poder chamar «irmãos» e anunciar-nos o Pai.

    Evangelho: Marcos 1, 21-28

    Jesus e os discípulos entraram em Cafarnaúm. Chegado o sábado, Jesus veio à sinagoga e começou a ensinar. 22E maravilhavam-se com o seu ensinamento, pois os ensinava como quem tem autoridade e não como os doutores da Lei. 23Na sinagoga deles encontrava-se um homem com um espírito maligno, que começou a gritar: 24«Que tens a ver connosco, Jesus de Nazaré? Vieste para nos arruinar? Sei quem Tu és: o Santo de Deus.» 25Jesus repreendeu-o, dizendo: «Cala-te e sai desse homem.» 26Então, o espírito maligno, depois de o sacudir com força, saiu dele dando um grande grito. 27Tão assombrados ficaram que perguntavam uns aos outros: «Que é isto? Eis um novo ensinamento, e feito com tal autoridade que até manda aos espíritos malignos e eles obedecem-lhe!» 28E a sua fama logo se espalhou por toda a parte, em toda a região da Galileia.

    A pessoa de Jesus causava impacto no meio do povo, que se dava conta de que Ele não se limitava a explicar os profetas anteriores, mas que se apresentava, também Ele, como profeta, investido de um poder que lhe vinha de Deus: ensinava com autoridade e curava os doentes. O ensino de Jesus era verdadeiramente eficaz.
    Marcos gosta de apresentar Jesus como Mestre: desde o começo do seu evangelho, Jesus é Aquele que ensina. Depois vêm os encontros com o «espírito maligno» (v. 23). Qual é a postura de Jesus diante da crença popular nos demónios? Sabemos quanto horror causavam no homem primitivo as doenças mentais, e sobretudo a epilepsia. O comportamento desses doentes dava a entender que estavam «possessos», que tinha entrado neles outra pessoa, o «espírito maligno». Por isso, o doente mental ou epiléptico, era um ser execrável, que devia ser afastado a golpes e com torturas de toda a espécie.
    Jesus tem o poder do Reino de Deus e usa-o desde o princípio para evangelizar e para libertar o homem a todos os níveis, também corporal, e de tudo quanto o «possui» e oprime, sem a preocupação de o interpretar.Com duas breves ordens liberta do demónio o possesso: é o seu primeiro milagre e tem um valor programático. Para Marcos, Jesus veio trazer o Reino de Deus, vencendo o poder de Satanás. A missão de Cristo é um confronto, até à morte e até à ressurreição, com o mal. Os exorcistas hebreus usavam longos ritos e complicadas fórmulas para expulsar os demónios. Jesus, com uma só palavra, cala o demónio e devolve ao homem a sua dignidade. Por isso, cresce o espanto das multidões, que se interrogam: «Que é isto?» v. 27)

    Meditatio

    Jesus é verdadeiro Deus e verdadeiro homem, como nos ensinam as Escrituras. Nos primeiros tempos da Igreja, insistia-se em que era verdadeiro Deus. Depois da heresia de Ário, realçou-se que era verdadeiro homem. Mas a Igreja sempre insistiu sobre as duas naturezas, a divina e a humana, numa só pessoa, a do Filho único de Deus. A carta aos Hebreus sublinha os dois aspectos. O texto que escutamos hoje insiste no humano: «Que é o homem, para que te recordes dele, ou o filho do homem para que cuides dele? Fizeste-o por um pouco inferior aos anjos, coroaste-o de honra e de glória, submeteste tudo aos seus pés» (vv. 6-8).
    Jesus é o homem ideal. N´Ele, a vocação do homem ao domínio do universo, realiza-se perfeitamente. O Génesis diz-nos que Deus constituiu o homem senhor de todas as criaturas. Mas, no estado actual das coisas, não é possível realizar perfeitamente essa vocação. Só Cristo, pela sua morte e ressurreição, alcançou uma humanidade renovada e pode ter autoridade sobre toda a criação. «Autoridade» significa capacidade de fazer «crescer» (do latim: augere) os outros. Essa autoridade vem-lhe, não por ser superior ao anjos, mas por ter aceitado o desígnio de Deus, obedecendo até à morte e morte de cruz: «Vemos Jesus, que foi feito por um pouco inferior aos anjos, coroado de glória e de honra, por causa da morte que sofreu» (v. 9), escreve o autor da Carta aos Hebreus. Jesus é amor que deu a vida para nos libertar e unir a Si. Assumiu a fragilidade da nossa natureza porque, só carregando sobre Si o peso esmagador do nosso mal, Deus podia salvar-nos. Jesus usou para connosco uma com-paixão sem reservas. Foi com uma luta de morte que venceu o autor do pecado, causa do sofrimento e da morte. A sua vitória apresenta-se como uma completa derrota. Mas foi assim que nos santificou e nos reconduziu à sua própria origem, ao Pai.
    O aniquilamento de Jesus confunde-nos e interroga-nos. A indiferença não é possível. Jesus vem iluminar as nossas trevas, e introduzir-nos na verdade. Podemos rebelar-nos e tentar sufocar a sua voz com o ruído que levamos dentro de nós. Mas tamb&ea
    cute;m podemos fazer silêncio, acolher a Palavra que tem autoridade para nos libertar da nossa maldade e da nossa preguiça, porque desceu a resgatar-nos pagando as respectivas consequências. Deus tornou-se companheiro do sofrimento e da morte do homem para o conduzir, livre, à salvação, à glória, ao abraço do amor.
    A obediência ao Pai explica toda a vida de Jesus: «Pai..., Eu Te glorifiquei..., realizando a obra que Me confiaste... Consagro-Me (sacrifico-Me) por eles...» (Jo 17, 1.4.19). Faz tudo de modo tão completo e perfeito que a última palavra na cruz será: «Tudo está consumado. E, inclinando a cabeça, rendeu o espírito» (Jo 19, 30).
    Por isso é que Paulo pode elevar o seu hino a Cristo: «Ele que era de condição divina não reivindicou o direito de ser equiparado a Deus. Mas despojou-Se a Si mesmo tomando a condição de servo, tornando-Se semelhante aos homens. Tido pelo aspecto como homem, humilhou-Se a Si mesmo, feito obediente até à morte e morte de cruz. Por isso é que Deus O exaltou...» (Fil 2, 6-9).
    Na obediência de Jesus, observamos os seguintes aspectos fundamentais: reconhecimento de Deus-Pai como o Absoluto; comunhão profunda com o Pai de Quem tudo recebeu e a Quem tudo entrega, por amor; esta oferta, por amor, ao Pai, é também oferta por amor aos homens; é despojamento amoroso que O leva à máxima glorificação (cf. Fl 2, 9-11).
    Assim, também nós, seguindo a Cristo, e permitindo ao Espírito despojar-nos, esvaziar-nos de tudo aquilo que não é Cristo, para o transformar n´Ele, tornamo-nos participantes da perfeição de Cristo e da Sua glorificação.

    Oratio

    Senhor Jesus, manifesta em nós a tua «autoridade» a tua capacidade de nos fazer crescer. Revela-nos a tua doutrina e abre-nos o coração às Escrituras, como fizeste com os discípulos de Emaús. Desmascara o mal que ainda existe em nós. É certo que o Baptismo nos libertou do demónio. Mas ainda há em nós muita coisa má: espírito de discórdia, espírito de vã complacência, espírito de egoísmo... Que a tua presença em nós desmascare estas situações e as expulse. Que saibamos seguir-te no caminho da obediência humilde e amorosa até à Cruz, e assim participarmos também da tua glória. Amen.

    Contemplatio

    A vocação ao apostolado é um acto do beneplácito divino (Heb 5, 4). É o Pai quem separa do mundo aqueles que destina ao sacerdócio e que os dá ao Filho (Jo 17, 6). Não é o padre que escolhe Jesus; mas é Jesus Cristo quem escolhe o padre e o coloca na sua Igreja, para que aí cresça em ciência, em santidade, em zelo, e que aí produza um fruto duradouro (Jo 15, 16). Nosso Senhor reza longamente antes de chamar os seus apóstolos. Rezemos a Deus como Ele, para que envie dignos operários para a sua vinha. A vocação impõe sacrifícios. É preciso deixar tudo e tomar a sua cruz para seguir Jesus. Acontece mesmo que a vocação encontra na família oposições que é preciso vencer (Lc 14, 26). Os apóstolos deixaram tudo imediatamente para seguirem Jesus. A sua generosidade é uma garantia de salvação e de glória (2Pd 1,10). Deve fortalecer-se a própria vocação pela oração, pelo estudo da boa doutrina e pelas obras santas (2Tes 2). Estejamos nas mãos de Deus para toda a boa obra segundo a sua vontade e o seu apelo. (Leão Dehon, OSP 4, p. 147).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Jesus foi coroado de glória e de honra,
    por causa da morte que sofreu» (Heb 2, 9).

  • Tempo Comum - Anos Ímpares - I Semana - Quarta-feira

    Categoria: Semanal Tempo Comum - Anos Ímpares - I Semana - Quarta-feira


    11 de Janeiro, 2023

    Tempo Comum - Anos Ímpares - I Semana - Quarta-feira

    Lectio

    Primeira leitura: Hebreus 2, 14-18

    Uma vez que os filhos dos homens têm a mesma carne e o mesmo sangue, também Jesus partilhou a condição deles, a fim de destruir, pela sua morte, aquele que tinha o poder da morte, isto é, o diabo, 15e libertar aqueles que, por medo da morte, passavam toda a vida dominados pela escravidão. 16Ele, de facto, não veio em auxílio dos anjos, mas veio em auxílio da descendência de Abraão. 17Por isso, Ele teve de assemelhar-se em tudo aos seus irmãos, para se tornar um Sumo Sacerdote misericordioso e fiel em relação a Deus, a fim de expiar os pecados do povo. 18É precisamente porque Ele mesmo sofreu e foi posto à prova, que pode socorrer os que são postos à prova.

    O autor da Carta aos Hebreus aprofunda o significado da solidariedade de Cristo connosco, explorando o âmbito da misericórdia divina. Jesus assumiu plenamente a realidade humana, marcada pela fragilidade e pela morte, por causa do pecado. Embora não tenha conhecido pecado (cf. 4, 5), Jesus tomou sobre si as consequências dele. Assim libertou a humanidade - sujeita ao domínio do demónio, artífice do pecado e da morte - não a partir de fora dela, ou do alto, mas a partir de dentro dela: uma libertação "imposta" não seria verdadeira e eficaz. O Filho, pelo contrário, tornou-se participante da nossa condição, para que pudéssemos participar da sua! Bom samaritano, inclinou-se sobre quem precisava dos seus cuidados: não os anjos, mas a raça de Abraão (v. 16), isto é, todos quantos peregrinam na fé por este vale de lágrimas.
    Uma vez que esta semelhança de Cristo connosco nos resgata do pecado, Ele cumpre perfeitamente a função sacerdotal: Ele é o verdadeiro sumo sacerdote, «misericordioso» para com os homens - de quem conhece por experiência pessoal o sofrimento - e «fiel» nas coisas que se referem a Deus, porque foi enviado pelo Pai para nossa salvação.

    Evangelho: Marcos 1, 29-39

    Naquele tempo, 29Jesus saiu da sinagoga e foi para casa de Simão e André, com Tiago e João. 30A sogra de Simão estava de cama com febre, e logo lhe falaram dela. 31Aproximando-se, tomou-a pela mão e levantou-a. A febre deixou-a e ela começou a servi-los. 32À noitinha, depois do sol-pôr, trouxeram-lhe todos os enfermos e possessos, 33e a cidade inteira estava reunida junto à porta. 34Curou muitos enfermos atormentados por toda a espécie de males e expulsou muitos demónios; mas não deixava falar os demónios, porque sabiam quem Ele era. 35De madrugada, ainda escuro, levantou-se e saiu; foi para um lugar solitário e ali se pôs em oração. 36Simão e os que estavam com Ele seguiram-no. 37E, tendo-o encontrado, disseram-lhe: «Todos te procuram.» 38Mas Ele respondeu-lhes: «Vamos para outra parte, para as aldeias vizinhas, a fim de pregar aí, pois foi para isso que Eu vim.» 39E foi por toda a Galileia, pregando nas sinagogas deles e expulsando os demónios.

    A vida pública de Jesus é extremamente ocupada. Mas o Senhor não deixa de dar atenção às pessoas concretas que encontra. Para Ele, cada pessoa é única. É o que vemos no primeiro milagre, depois do primeiro exorcismo (vv. 30ss.). Rompendo com o estilo dos rabinos, na sua relação com as mulheres, o Senhor aproxima-se da sogra de Pedro, toma-a pela mão, cura-a e, maior novidade ainda, deixa-se servir por ela. A Misericórdia inverte todos os parâmetros das relações sociais. Ao aproximar-se da sogra de Pedro, «levanta-a», tomando-a pela mão. Com a ternura desse gesto, Jesus restitui-lhe a saúde, mas também a capacidade de servir, isto é, de amar com humildade. A notícia espalha-se e Jesus vê-se sobrecarregado de trabalho. Concluído o repouso sabático, rodeia-o uma multidão de carenciados. E a Misericórdia chega a todos como braço do rio de graça que Deus suscitou no mundo.
    Depois de um dia cheio de trabalho e de êxitos apostólicos, Jesus não se deixa levar pelo entusiasmo do povo, mas refugia-se no deserto para se encontrar a sós com o Pai e orar, isto é, beber, também Ele, no rio da graça do Pai, para a poder derramar sobre todos. A sua oração, solitária e prolongada, é o segredo que anima o seu ministério, porque O mantém em relação com o Pai e na fidelidade ao seu projecto. Saiu do seio do Pai para manifestar o seu rosto aos homens. Por isso, continua a sua peregrinação no meio de nós, alargando os confins do Reino e vencendo as forças do mal.

    Meditatio

    A Carta aos Hebreus afirma que Jesus é «um Sumo Sacerdote misericordioso e fiel em relação a Deus» (v. 17). É «fiel» pela relação única que existe entre Ele e Deus. É «misericordioso» para com os homens, particularmente para com os pecadores, porque veio tirar os pecados, veio dar aos homens a vitória nas provações, «porque Ele mesmo sofreu e foi posto à prova» e,por isso «pode socorrer os que são postos à prova» (v. 18). Segundo a carta aos Hebreus, o objectivo da vida de Jesus na terra é levar à perfeição, no seu coração, a abertura aos outros, a misericórdia, a união com Deus, que o torna «fiel».
    A carta aos Hebreus apresenta-nos uma nova concepção do sacerdócio. Enquanto, no Antigo Testamento, se acentuava a separação - o sacerdote era separado dos homens para estar da parte de Deus -, Jesus, Sumo Sacerdote, pôs-Se ao nosso lado, assumindo a nossa carne e o nosso sangue, com os nossos sofrimentos, as nossas provações, a nossa morte, para nos poder ajudar como somos e estamos. Ele alcança misericórdia pela sua união com Deus. É a grande revelação da Encarnação.
    O evangelho que escutamos evidencia estas duas dimensões da vida de Jesus na terra: a sua misericórdia e a sua união com Deus. Revela-se primeiro a sua misericórdia. O Senhor aproxima-se de todas as misérias, de todos os sofrimentos, para lhes levar remédio. Esse remédio começa por ser a compaixão e o interesse. Jesus deixa que os doentes lhe tomem todo o tempo: «À noitinha, depois do sol-pôr, trouxeram-lhe todos os enfermos e possessos, e a cidade inteira estava reunida junto à porta» (v. 32). Toma os doentes pela mão: é o seu corpo que comunica a cura de Deus.
    Mas Jesus também se retira do meio das multidões. Logo de madrugada, vai para «um lugar solitário» (v. 35), a fim de rezar. É a outra dimensão da sua existência humana, a busca do Pai. Ele deve tratar das coisas do Pai, deve estar unido a Deus e, por isso, reza demoradamente. Todavia, o desejo da união com Deus não Lhe impede de Se entregar aos outros. Quando vêm procurá-l´O, não diz: «deixem-me em paz, porque devo rezar». Pelo contrário ordena: «Vamos para outra parte, para as aldeias vizinhas, a fim de pregar aí, pois foi para isso que Eu vim» (v. 38). A oração aumenta-Lhe a
    misericórdia e a bondade, porque vai procurá-las no coração do Pai, fonte do amor que deve transmitir aos homens.
    Tudo isto nos conforta: o Senhor está sempre perto de nós no sofrimento e nas dificuldades. Com Ele, estas situações não são obstáculo mas meios para nos unirmos cada vez mais a Ele e ao Pai, e para irmos ao encontro dos irmãos que sofrem.
    A nossa comunidade-comunhão está reunida à volta do Sumo Sacerdote, que também é vítima, Cristo Jesus. Em força do Baptismo, participamos do sacerdócio de Cristo e do Seu estado de vítima (cf. Heb 10, 14). Nós, oblatos-Sacerdotes do Coração de Jesus, participamos de modo especial, como testemunhas do sacerdócio e do sacrifício de Cristo na Igreja e no mundo, pelo nosso carisma e pela nossa profissão religiosa (cf. Cst 22.24).
    Cristo, sacerdote e vítima é o centro da nossa comunidade-comunhão, que nos faz sentir, segundo o desejo e a oração de Cristo uma só coisa: «que sejam uma só coisa» (Jo 17, 21), é o Espírito de amor, o Espírito Santo, que realiza a promessa de Jesus: «Ele há-de ensinar-vos todas as coisas e há-de recordar-vos tudo aquilo que eu vos disse» (Jo 14, 26); «Há-de guiar-vos para a verdade perfeita... Ele há-de glorificar-me, porque tomará do que é Meu e vo-lo anunciará» (Jo 16, 13-14).

    Oratio

    Ó Jesus, Sumo Sacerdote fiel e misericordioso, dá-me a graça de compreender que as dificuldades, que tantas vezes me fazem desanimar, são excelentes ocasiões para renovar a minha confiança, porque Tu as acompanhas com uma graça, que me permite unir-me à tua gloriosa Paixão, e me torna atento e sensível ao sofrimento dos irmãos. Faz-me compreender que, unindo-me à tua Paixão, posso ajudar os que sofrem, e ser solidário com quem está no sofrimento, e unir-me verdadeiramente a Ti, que quiseste sofrer com todos os que sofrem e com os pecadores. Amen.

    Contemplatio

    Observai também o tempo e o lugar da oração. Reza-se melhor de manhã, na calma e no silêncio. Ninguém reza com fruto senão fazendo valer os méritos de Nosso Senhor. Rezamos utilmente se nos dirigirmos ao Coração de Jesus. Apresentar o Coração de Jesus ao seu Pai, é fazer valer um talismã que é todo-poderoso. «Tudo o que pedirdes ao meu Pai em meu nome, disse Nosso Senhor, ser-vos-á concedido». Em meu nome, quer dizer «pelos meus méritos, pelo amor que meu Pai tem por mim, pela consideração que tem pelo meu Coração, pela minha oração, pelo meu amor, pelos meus sofrimentos...» Se as vossas orações concordarem com os desejos do Coração de Jesus serão vitoriosas. Marta dizia a Jesus: «Sei que tudo o que pedirdes a Deus Ele vo-lo concede». Vamos ter com Deus pelo Coração de Jesus e ao Coração de Jesus por Maria, ser-nos-ão todo-poderosos. (Leão Dehon, OSP 4, p. 70s.)

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Jesus pode socorrer os que são postos à prova» (cf. Heb 2, 18).

  • Tempo Comum - Anos Ímpares - I Semana - Quinta-feira

    Categoria: Semanal Tempo Comum - Anos Ímpares - I Semana - Quinta-feira


    12 de Janeiro, 2023

    Tempo Comum - Anos Ímpares - I Semana - Quinta-feira

    Primeira leitura: Hebreus 3, 7-14

    Irmãos, 7como diz o Espírito Santo: Hoje, se escutardes a sua voz, 8não endureçais os vossos corações, como no tempo da revolta, no dia da tentação no deserto, 9quando os vossos pais me tentaram, pondo-me à prova, depois de verem as minhas obras, 10durante quarenta anos. Por isso me indignei contra esta geração e disse: 'Erram sempre no seu coração; não conheceram os meus caminhos.' 11Assim, jurei na minha ira: 'Não entrarão no meu repouso.' 12Tende cuidado, irmãos, que não haja em nenhum de vós um coração mau, a ponto de a incredulidade o afastar do Deus vivo. 13Exortai-vos, antes, uns aos outros, cada dia, enquanto dura a proclamação do «hoje», a fim de que não se endureça nenhum de vós, enganado pelo pecado. 14De facto, tornamo-nos companheiros de Cristo, desde que mantenhamos firme até ao fim a confiança inicial.

    No texto que hoje escutamos, o autor da Carta aos Hebreus, aborda o tema da fidelidade. Cristo é fiel, é a personificação da fidelidade de Deus. Os cristãos, discípulos de Cristo, devem ser fiéis. Efectivamente, o Espírito Santo continua a falar «hoje» para nos ajudar a viver de acordo com a vontade de Deus. Mas, tal como o antigo povo de Deus, no deserto, podemos «endurecer os corações» (v. 8) e seguir caminhos errados, excluindo-nos da comunhão com Deus, isto é, do seu «repouso» (v. 11). O autor previne os destinatários da sua carta contra uma tal atitude interior. Efectivamente, «os pais» do antigo Israel, caíram na obstinação e na incredulidade, mesmo depois de terem visto as obras de Deus (cf. v. 9). Se Deus ficou desgostoso com o povo, que recebera a Lei das mãos de Moisés, quanto mais o ficará com aqueles que endurecem o coração depois de terem encontrado a Cristo, muito superior a Moisés, uma vez que é Filho de Deus. Nos últimos dias, que começaram com a vinda de Cristo, notavam-se sinais de desobediência e de incredulidade, que podiam levar à privação dos bens últimos vinculados à pessoa de Cristo. Daí a frequência do tema na catequese dos primeiros cristãos (cf. 1 Cor 10, 1s.). Os cristãos devem renovar, cada dia, a sua fidelidade, e ajudar-se uns aos outros nessa renovação.

    Evangelho: Marcos 1, 40-45

    Naquele tempo, 40um leproso veio ter com Ele, caiu de joelhos e suplicou: «Se quiseres, podes purificar-me.» 41Compadecido, Jesus estendeu a mão, tocou-o e disse: «Quero, fica purificado.» 42Imediatamente a lepra deixou-o, e ficou purificado. 43E logo o despediu, dizendo-lhe em tom severo: 44«Livra-te de falar disto a alguém; vai, antes, mostrar-te ao sacerdote e oferece pela tua purificação o que foi estabelecido por Moisés, a fim de lhes servir de testemunho.» 45Ele, porém, assim que se retirou, começou a proclamar e a divulgar o sucedido, a ponto de Jesus não poder entrar abertamente numa cidade; ficava fora, em lugares despovoados. E de todas as partes iam ter com Ele.

    Marcos ajuda-nos a perceber, cada vez melhor, a personalidade de Jesus. Depois de O apresentar como Aquele que anuncia e inaugura o Reino da Vida (v. 39), oferece-nos o episódio do leproso, considerado um «morto vivo», segundo a Lei, por causa do apodrecimento antecipado da sua carne. Como o contacto com os mortos tornava o homem impuro, os leprosos deviam ser afastados das povoações, excluídos da comunhão com o povo de Deus: «Impuro! Impuro!» gritava o leproso, à distância, para que ninguém dele se aproximasse (cf. Lev 13, 45).
    Mas o nosso leproso sabe que existe algo de mais sagrado que a própria Lei, e que pode confiar. Por isso, atreve-se a aproximar-se de Jesus. E Jesus, indo mais além do que a Lei, acolhe-o e toca-o com a mão (v. 41), restituindo-o à sua dignidade. As leis só obrigam na medida em que concorrem para o bem do homem. É um tema que irá repetir-se ao longo do segundo evangelho e em Paulo.
    Operada a cura, Jesus manda ao leproso que não faça publicidade dela, mas se apresente aos sacerdotes para que o reintegrem na comunidade. O objectivo da cura não era fazer publicidade apologética, mas reintegrar o marginalizado. A salvação já não se encontra na separação e na marginalização, mas na reintegração porque, com Jesus, entrou no mundo o próprio poder salvífico de Deus, que se põe do lado dos pobres e dos últimos da sociedade dos homens. A nova sociedade inaugurada por Jesus não marginaliza ninguém, não separa, não exclui, porque Jesus aboliu o sistema que separava o puro do impuro tal como o entendia o mundo judaico. O cristão é um homem livre para Deus e para os outros. A Igreja deve estar na linha da frente para que a liberdade se torne real para todos os homens.

    Meditatio

    «Hoje, se escutardes a sua voz, não endureçais os vossos corações» (v. 7-8). Tal como Israel, tal como os primeiros judeo-cristãos, também nós contemplámos as maravilhas de Deus, e também nós corremos o risco de «endurecer» os nossos corações, preferindo escutar outras vozes, que não a voz de Deus. A voz do Senhor não é, em primeiro lugar, uma voz que ordena, mas uma voz que promete. Não podemos fechar o coração às promessas de Deus, como fizeram os Israelitas quando estavam às portas de Terra prometida. Os exploradores trazem notícias sobre a prosperidade da Terra, sobre os seus habitantes e as suas cidades. Deus diz-lhe «É vossa, Eu vo-la dou!» Mas os Israelitas não quiseram escutar a voz de Deus, preferindo a voz da incredulidade: «É demasiadamente belo para ser verdade; Deus não no-la dá; não conseguiremos tomar posse dela», pensavam. Os exploradores, depois de terem descrito as maravilhas da terra, ajudaram à incredulidade do povo, afirmando: «Não podemos atacar esse povo, porque é mais forte do que nós... a terra que atravessámos para a explorar é terra que devora os seus habitantes e todo o povo que nela vimos é gente de grande estatura. Até lá vimos os gigantes, filhos de Anac, da raça dos gigantes; parecíamos gafanhotos diante deles e eles assim nos consideravam.»(Nm 13, 31ss.). O povo fiou-se mais nos exploradores do que em Deus e revoltou-se: «Antes tivéssemos morrido na terra do Egipto ou mesmo neste deserto. Porque nos fez sair o Senhor para esta terra a fim de nos matar à espada? As nossas mulheres e as nossas crianças serão humilhadas. Não nos seria melhor voltar para o Egipto?» (Nm 14, 2ss.). Deste modo, os Israelitas tentaram a Deus, irritaram-n´O com a sua incredulidade, afastaram-se d´Ele, não acreditaram na promessa.
    O autor da Carta aos Hebreus evoca estes acontecimento para nos exortar: «Tende cuidado, irmãos, que não haja em nenhum de vós um coração mau, a ponto de a incredulidade o afastar do Deus vivo. Exortai-vos, antes, uns aos outros, cada dia, enquanto dura a proclamação do «hoje», a fim de que não se endure
    ça nenhum de vós, enganado pelo pecado»(v. 12-13), isto é, por esta outra voz que sempre insinua em nós que não é possível acreditar na promessa de Deus, que é uma promessa irreal, demasiadamente difícil de realizar, que Deus não está realmente disposto a dar-nos o que está escrito no Evangelho. Efectivamente, nós somos «participantes da mesma promessa, em Cristo Jesus, por meio do Evangelho» (Ef 3, 6). Já não é Moisés que vai à nossa frente, mas Cristo. Com Ele realizamos o nosso êxodo, atravessamos o deserto e avistamos a Terra Prometida. Há que permanecer firmes na fé, para não incorrermos na ira divina e ouvirmos o terrível juramento: «Não entrarão no meu repouso» (v. 11). Esta ameaça divina é, afinal, um gesto de amor com que pretende libertar-nos de tudo aquilo que em nós é medo. As reais dificuldades da vida não devem induzir-nos à incredulidade. Pelo contrário, permaneçamos cheios de alegria e, nas dificuldades, façamos como o leproso do evangelho: aproximemo-nos do Senhor e digamos-Lhe: «Se queres, podes curar-me!» (v. 40).
    A esperança de sermos firmes na fé e na fidelidade ao Senhor e às suas promessas, baseia-se na própria fidelidade do Senhor para connosco. Toda a história da salvação está centrada na fidelidade de Deus ao Seu amor pelos homens. Em Jesus, nós contemplamos esta fidelidade encarnada, que se dá a nós até à morte de cruz (cf. Fl 2, 6-8), que se faz nosso alimento e nossa bebida na Eucaristia (cf. 1 Cor 11, 23-29) e pede a resposta da nossa fidelidade. Devemos converter-nos continuamente a esta fidelidade de amor. Deste modo, testemunhamos que Jesus é para nós «o caminho, a verdade e a vida» (Jo 14, 6), é a «Pedra angular» (1 Pe 2, 6) da nossa fé, é a razão de ser da nossa existência: «Para mim viver é Cristo» (Fl 1, 21), especialmente para nós Oblatos-Sacerdotes do Coração de Jesus, «porque, com um só sacrifício (oblação), (Cristo) tornou perfeitos (como sacerdotes e vítimas) para sempre os que foram santificados» (Heb 10, 14).

    Oratio

    Senhor Jesus, venho a Ti, leproso como tantos leprosos, que, antes de mais nada, precisam de reencontrar a vontade de ser curados, a vontade de redescobrir a beleza da vida, ainda que marcada por tantos sofrimentos e provações. Vem, Salvador do mundo, suprir, com a tua firme vontade de salvação, a minha crónica indecisão. Se quiseres, podes curar-me. Toca-me apenas com a tua mão, com a tua santíssima humanidade, pronuncia a tua palavra: Quero! Sê curado! Suscita no meu coração, e em todo o meu ser, a gratidão, a alegria, o cântico da vida nova, o hino da salvação. Amen.

    Contemplatio

    O bom Salvador quis aceitar este suplício dos escravos. É a humilhação suprema. Isaías tem razão ao dizer: Já não tem beleza, é desprezado e o último dos homens; semelhante a um leproso, a um homem maldito por Deus e ferido pela Providência (Is 53,2). Como Job, está coberto de chagas dos pés à cabeça. Que mais podia fazer para se humilhar, para reparar a glória ultrajada de seu Pai? No meio de tão cruéis tormentos, que paciência! Não abre a boca, a não ser para emitir alguns gemidos queixosos. É como um carneiro que se leva ao matadouro, diz Isaías, ou como um cordeiro que se tosquia. É a paciência mesma. Muito mais, aceita o seu suplício com alegria, por causa dos efeitos que deles espera. É a glória do seu Pai que será restaurada, é a salvação dos homens, que todos pecaram pela sensualidade e pela idolatria dos seus corpos. Este suplício tinha nos desígnios de Deus uma importância particular. Era a cena da sua Paixão que deveria ser voluntariamente reproduzida pelas almas fervorosas ao longo dos séculos. Nosso Senhor entregava-se à flagelação, para que mais tarde, a seu exemplo, os fiéis se impusessem a flagelação em espírito de penitência. Não somente sofria a flagelação pela nossa salvação, mas santificava-a, fazia dela como que um acumulador de graças, que agiria até ao fim do mundo. O seu divino Coração amava este suplício reparador. Tomava a maior parte dos sofrimentos para si e merecia-nos a graça de o imitarmos um pouco. Não deixemos perder estas graças, ofereçamos a Nosso Senhor algumas penitências voluntárias em união com a sua flagelação. (Leão Dehon, OSP 3, p. 337s.).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Senhor, se quiseres, podes purificar-me» (Mc 1, 40).

  • Tempo Comum - Anos Ímpares - I Semana - Sexta-feira

    Categoria: Semanal Tempo Comum - Anos Ímpares - I Semana - Sexta-feira


    13 de Janeiro, 2023

    Tempo Comum - Anos Ímpares - I Semana - Sexta-feira

    Primeira leitura: Hebreus 4, 1-5.11

    Irmãos, 1embora permanecendo a promessa de entrar no seu repouso, temamos que algum de vós seja considerado excluído. 2Porque, a nós como a eles, foi anunciada a Boa-Nova; porém, a eles, a palavra escutada não valeu de nada, pois não permaneceram unidos na fé aos que a tinham escutado. 3Quanto a nós, os que acreditámos, entraremos no descanso, como Ele disse: Tal como jurei na minha ira, não entrarão no meu repouso.No entanto, as suas obras estavam realizadas desde a fundação do mundo, 4pois diz-se em qualquer parte, a propósito do sétimo dia: Deus repousou no sétimo dia, de todas as suas obras; 5e ainda, neste passo: Não entrarão no meu repouso. 11Apressemo-nos, então, a entrar nesse repouso para que ninguém caia no mesmo tipo de desobediência.

    O nosso texto continua a tratar o tema da fidelidade. Enquanto dura o «hoje», há que não deixar endurecer o coração, afastando-se de Deus pela incredulidade. Este afastamento era uma tentação permanente, não só para os cristãos que tinham vindo do judaísmo, mas para todos os que tinham recebido a revelação final e a luz em Cristo e através de Cristo. Voltar à incredulidade equivalia a quebrar relações com Deus, a pecar contra a luz (cf. 6, 4-6), a recusar percorrer o único caminho que pode levar à luz e à vida, ao «repouso» de Deus (v. 5). A promessa feita a Israel continua válida para os crentes em Cristo, mas a «boa nova» anunciada por Deus deve ser acolhida na fé. Este acolhimento é uma opção dinâmica que exige compromisso perseverante, a nível pessoal, uma vez que a fé na Palavra é sempre inovada e traduzida na vivência pessoal (v. 3), mas também a nível eclesial, porque é na comunidade dos crentes que a Palavra é transmitida. Se assim for, o povo de Deus pode caminhar na unidade rumo à meta indicada pelo Senhor.

    Evangelho: Marcos 2, 1-12

    Dias depois, tendo Jesus voltado a Cafarnaúm, ouviu-se dizer que estava em casa. 2Juntou-se tanta gente que nem mesmo à volta da porta havia lugar, e anunciava-lhes a Palavra. 3Vieram, então, trazer-lhe um paralítico, transportado por quatro homens. 4Como não podiam aproximar-se por causa da multidão, descobriram o tecto no sítio onde Ele estava, fizeram uma abertura e desceram o catre em que jazia o paralítico. 5Vendo Jesus a fé daqueles homens, disse ao paralítico: «Filho, os teus pecados estão perdoados.» 6Ora estavam lá sentados alguns doutores da Lei que discorriam em seus corações: 7«Porque fala este assim? Blasfema! Quem pode perdoar pecados senão Deus?» 8Jesus percebeu logo, em seu íntimo, que eles assim discorriam; e disse-lhes: «Porque discorreis assim em vossos corações? 9Que é mais fácil? Dizer ao paralítico: 'Os teus pecados estão perdoados', ou dizer: 'Levanta-te, pega no teu catre e anda'? 10Pois bem, para que saibais que o Filho do Homem tem na terra poder para perdoar os pecados, 11Eu te ordeno - disse ao paralítico: levanta-te, pega no teu catre e vai para tua casa.» 12Ele levantou-se e, pegando logo no catre, saiu à vista de todos, de modo que todos se maravilhavam e glorificavam a Deus, dizendo: «Nunca vimos coisa assim!»

    A «palavra», em Jesus, consiste em «falar» e em «fazer». As curas que realiza são «palavra». Marcos, depois de nos dizer que Jesus «anunciava a palavra» (v. 2), oferece-nos um exemplo concreto da sua «palavra actuante».
    Quatro homens conduzem a Jesus um paralítico. Esta iniciativa contrasta com o imobilismo dos escribas «sentados», a tentarem surpreender Jesus em alguma palavra ou gesto contra a Lei. O foco da narrativa que ouvimos está nas palavras: «para que saibais que o Filho do Homem tem na terra poder para perdoar os pecados...». O milagre confirma a palavra de Jesus, o seu poder de reconciliação dos homens com Deus. A atenção é deslocada de um mal físico para um mal mais profundo, o pecado, que paralisa o homem, impedindo-o de avançar segundo o projecto de Deus. Os escribas compreendem o alcance das palavras de Jesus. Mas não estão dispostos a aceitar uma tal «blasfémia», porque só Deus pode perdoar os pecados. Jesus reage reforçando a sua afirmação: «Pois bem, para que saibais que o Filho do Homem tem na terra poder para perdoar os pecados, Eu te ordeno: levanta-te» (vv. 10-11). O milagre é sinal do poder de Jesus.
    A cura do paralítico é uma síntese da palavra pregada por Jesus. O reino de Deus está próximo, porque Deus decidiu oferecer o seu perdão aos homens, em Jesus. Esse perdão introduz o homem todo, corpo e espírito, na salvação. Mas, como pode aproximar-se de Jesus quem está amarrado por «laços de morte» (Sl 114, 3)? Só com a ajuda de outros que, salvos pela misericórdia de Deus, se dispõem a ajudar os irmãos.

    Meditatio

    A fé é um caminho para o repouso de Deus. É talvez um caminho difícil. Percorremo-lo no deserto. Mas a Terra Prometida está diante de nós. Há que enfrentar o cansaço e o sofrimento, sem desanimar. Espera-nos o Coração de Deus, onde encontrará repouso o nosso próprio coração.
    Mas tudo isto não é só futuro. Os que acreditamos, podemos entrar, desde já, no repouso de Deus (cf. v. 3): «Nessa esperança temos como que uma âncora segura e firme da alma, que penetra até ao interior do véu», diz ainda o autor da Carta aos Hebreus (6, 19). A «âncora segura» é a fé. Temos a esperança de que havemos de ser recompensados pelos nossos esforços de fidelidade, mas, na fé, vemos, já agora, os dons de Deus. O cristão sabe que, no meio das dificuldades, das preocupações, dos sofrimentos da vida, Deus nos convida a «entrar no seu repouso», a estar com Ele em paz, tranquilos e alegres.
    O evangelho mostra-nos a eficácia imediata da fé: «Vendo Jesus a fé daqueles homens, disse ao paralítico: «Filho, os teus pecados estão perdoados» (v. 5). O Senhor não disse: «serão perdoados», mas «estão perdoados», por causa da fé daqueles homens. A fé alcança o dom de Deus, mesmo que as circunstâncias pareçam contrárias. A fé é posse antecipada das coisas que se esperam.
    Também nós, tantas vezes, paralíticos do espírito, inertes aos estímulos da graça ou amarrados por compromissos stressantes, talvez assumidos para encher, pelo activismo, o nosso vazio interior, nos sentimos incapazes de dar um passo em frente. Mas a Palavra de Deus encoraja-nos a permanecer unidos às testemunhas da fé, e a deixar-nos conduzir na obediência. A confiança na comunhão eclesial é já um passo, muito importante, no caminho da fé. Ainda que nos sintamos impotentes, amarrados pelos laços do pecado, a Palavra de Deus mostra-nos como é decisivo de
    ixar-nos conduzir a Cristo pela fé dos irmãos. A experiência do perdão vai repor-nos em marcha.
    Quando celebramos a Eucaristia, escutamos as palavras: «Felizes os convidados para a ceia do Senhor». A ceia do Senhor, em certo sentido, está no futuro, é o banquete celeste. Mas noutro sentido, em cada eucaristia, já participamos na fé nesse banquete celeste, no amor de Deus, na paz de Deus. Em cada momento e em cada situação do nosso dia, podemos escutar o convite do Senhor: «Entra no meu repouso». E é sempre possível entrar nesse repouso. No episódio dos três jovens lançados à fornalha ardente (Dn 3, 1ss), diz-se que, por entre as chamas, soprava «uma brisa matinal» (Dn 3, 50) e que, no martírio, estavam como que no céu. Por isso, cantavam: «Bendito e louvado sejas, Senhor, Deus dos nossos pais! Que o teu nome seja glorificado pelos séculos!» (Dn 3, 28).

    Oratio

    Senhor Jesus, obrigado por teres sido solidário com a minha miséria. Obrigado pelo olhar misericordioso que lançaste sobre mim, paralisado no meu pecado. Obrigado pela palavra que eu não procurava, mas me quiseste dirigir para me reconduzires à vida: «Filho, os teus pecados estão perdoados» (v. 5). Obrigado pela liberdade nova, que desfez as cadeias que mantinham inerte o meu coração e me deu um impulso antes desconhecido. Obrigado pela alegria da fé que suscitaste em mim. Obrigado pela solidariedade dos irmãos que me conduziram até junto de Ti. Ensina-me a ser também solidário com todos os pecadores, para que Te cheguem a Ti e encontrem a misericórdia, o amor, a vida em abundância e em paz. Amen.

    Contemplatio

    «Se alguém me ama e guarda a minha palavra, diz ainda Nosso Senhor, meu Pai amá-lo-á e faremos nele a nossa morada... Aquele que me ama e que o prova observando os meus mandamentos, será amado por meu Pai, e eu amá-lo-ei e manifestar-me-ei a ele... E então compreendereis que estou em meu Pai, e sentireis que estou em vós e vós em mim». Ó admirável união! «Estareis unidos a mim, diz Nosso Senhor, pela vida da graça, pelos sentimentos do coração e pelo acordo das vontades... Estarei unido a vós pela influência das minhas luzes e das minhas direcções, pela consolação da minha presença sensível e do meu amor». Posso, portanto, viver no Coração de Jesus e Jesus quer viver no meu coração: «Vós em mim e eu em vós», diz-nos. Ó divino Coração de Jesus, sede daqui em diante a minha morada. Em vós rezarei eficazmente, em vós pedirei conselho sem medo de me enganar, em vós contemplarei o modelo de todas as virtudes. Sei o meio de habitar em vós, é conformar-me à minha regra e a todas as vossas vontades. Agora, posso dizer com David: «Como são amáveis os vossos tabernáculos, ó meu Deus!... Um dia de repouso e de vida sobrenatural na vossa casa, isto é, no vosso Coração, vale mais que mil anos passados entre os pecadores». (Leão Dehon, OSP 3, p. 452).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Os que acreditámos, entraremos no descanso» (Heb 4, 3).

  • Tempo Comum - Anos Ímpares - II Semana - Segunda-feira

    Categoria: Semanal Tempo Comum - Anos Ímpares - II Semana - Segunda-feira


    16 de Janeiro, 2023

    Tempo Comum - Anos Ímpares - II Semana - Segunda-feira

    Lectio

    Primeira leitura: Hebreus 5, 1-10

    1Todo o Sumo Sacerdote tomado de entre os homens é constituído em favor dos homens, nas coisas respeitantes a Deus, para oferecer dons e sacrifícios pelos pecados. 2Pode compadecer-se dos ignorantes e dos que erram, pois também ele está cercado de fraqueza; 3por isso, deve oferecer sacrifícios, tanto pelos seus pecados, como pelos do povo. 4E ninguém tome esta honra para si mesmo, mas somente quem é chamado por Deus, tal como Aarão. 5Assim também Cristo não se atribuiu a glória de se tornar Sumo Sacerdote, mas concedeu-lha aquele que lhe disse: Tu és meu Filho, Eu hoje te gerei. 6E, como diz noutro passo: Tu és sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedec. 7Nos dias da sua vida terrena, apresentou orações e súplicas àquele que o podia salvar da morte, com grande clamor e lágrimas, e foi atendido por causa da sua piedade. 8Apesar de ser Filho de Deus, aprendeu a obediência por aquilo que sofreu 9e, tornado perfeito, tornou-se para todos os que lhe obedecem fonte de salvação eterna, 10tendo sido proclamado por Deus Sumo Sacerdote segundo a ordem de Melquisedec.

    O cristão pode manter-se firme nas provações porque Cristo exerce em seu favor a função de Sumo sacerdote diante de Deus. O autor começa por apresentar as características do Sumo sacerdote do Antigo Testamento: chamado de entre os outros homens para intervir em favor deles diante de Deus (v.1); capaz de compreender os homens, porque, Ele mesmo, é homem (v. 2); recebeu essa missão do próprio Deus. Depois, a começar pela última característica, demonstra que Jesus é o único e o Sumo sacerdote da Nova Aliança: escolhido por Deus, de Quem também é Filho, possui um sacerdócio eterno; a sua misericórdia para com os homens leva-O a oferecer-se a Si mesmo, apesar de não ter pecado, abrindo o caminho da salvação eterna para todos os homens. Assim chegamos ao centro da Carta aos Hebreus, onde o autor nos apresenta Cristo no momento em que oferece ao Pai a sua vontade de partilhar o sofrimento humano até à morte de cruz. Com «orações e súplicas», com «grande clamor e lágrimas» (v. 7), realiza a oferta de Si mesmo e agrada ao Pai pela respeitosa submissão à sua divina vontade. Então, o Pai torna-O «perfeito» (v. 9), isto é, capaz de obter a salvação para todos aqueles que acolhem a sua Palavra. É emocionante o modo como o autor da carta aos Hebreus fala da humanidade de Cristo e da sua fraqueza. A sua experiência de sofrimento ensinou-Lhe o que significa para o homem a obediência a Deus enquanto dura a vida terrena, o sacrifício e a dor que a fidelidade a Deus lhe acarretam . Por isso, está à altura de comprender os homens, seus irmãos, e é capaz de solidarizar-se com eles.

    Evangelho: Marcos 2, 18-22

    Naquele tempo, 18os discípulos de João e os fariseus guardavam o jejum. Vieram dizer-lhe: «Porque é que os discípulos de João e os dos fariseus guardam jejum, e os teus discípulos não jejuam?» 19Jesus respondeu: «Poderão os convidados para a boda jejuar enquanto o esposo está com eles? Enquanto têm consigo o esposo, não podem jejuar. 20Dias virão em que o esposo lhes será tirado; e então, nesses dias, hão-de jejuar.»
    21«Ninguém deita remendo de pano novo em roupa velha, pois o pano novo puxa o tecido velho e o rasgão fica maior. 22E ninguém deita vinho novo em odres velhos; se o fizer, o vinho romperá os odres e perde-se o vinho, tal como os odres. Mas vinho novo, em odres novos.»

    O comportamento dos discípulos dá azo a uma polémica dos escribas contra Jesus. Ao contrário dos grupos religiosos do seu tempo, incluindo o de João Baptista, os discípulos do Galileu não praticavam o jejum. Porquê? Porque Jesus tinha introduzido no mundo o tempo gozoso das núpcias entre Deus, o esposo, e o seu povo, a esposa. Não fazia sentido reiterar um sinal que indicava luto. Além disso, não havia que precipitar os acontecimentos: tempos viriam em que a adesão dos discípulos a Jesus havia de lhes custar momentos difíceis em que, para fazer penitência, não seria preciso estabelecer o jejum.
    As palavras sobre o «pano novo em roupa velha» e sobre «vinho novo em odres velhos» convidam-nos a compreender a novidade introduzida pelo Evangelho, confirmando a suspensão do sinal do jejum. A roupa velha da lei não consegue tolerar o pano novo representado por Jesus. No banquete de Deus com a humanidade, de que Jesus nos torna participantes, está presente o vinho novo do Espírito que rebenta os odres velhos dos corações endurecidos.

    Meditatio

    A palavra de Deus alerta-nos para a tentação de gerirmos a vida «religiosa» em vista da nossa segurança pessoal, de interpretarmos as Escrituras com critérios de racionalidade para nos protegermos das suas propostas radicais, por vezes incómodas, e de «usarmos» o culto como escudo protector para uma santidade construída à nossa medida. A única relação com Deus, que realmente nos dá segurança, é a modulada pela obediência. Obedecer a Deus é viver em união com Cristo, abertos ao Espírito, deixando-nos guiar por Ele, mais do que pelo nosso «bom senso», sempre dispostos a verificar a consistência das nossas habituais formas exteriores de manifestar a fé, convertendo-nos a uma maior autenticidade, e comprometendo com ela a nossa existência. É a novidade de vida proclamada pelo evangelho. O próprio Senhor inaugura essa novidade, oferecendo a Deus, não já coisas convencionais, mas a sua existência, como escutamos na primeira leitura. Os discípulos de João e os fariseus preocupavam-se, não com a forma de vida que levavam, mas com acrescentos a essa vida, tais como penitências para honrar a Deus. Para Jesus, o mais importante é a vida que se leva, e não o que se lhe acrescenta, tal como certas cerimónias ou penitências suplementares. Cristo sacerdote oferece a sua vida e não sacrifícios convencionais: «Nos dias da sua vida terrena, apresentou orações e súplicas àquele que o podia salvar da morte, com grande clamor e lágrimas, e foi atendido por causa da sua piedade» (v. 7). Jesus Cristo transformou em oferta a Deus o drama da sua vida.
    Esta transformação requer oração intensa e luta. É o que contemplamos na agonia de Jesus. O Senhor luta, com orações e súplicas, contra as dificuldades da vida e contra a necessidade da paixão. Assim transforma tudo em oferta digna de Deus, cheia do Espírito de Deus.
    Jesus também espera de nós, não coisas sobrepostas à nossa vida, mas sim a nossa própria vida transformada em sacrifício. São certamente necessárias orações e mortificações, que ajudam a transformar a vida. Mas o mais importante é essa transformação, é fazer da nossa existência uma oferta a Deus (cf. Rm 12, 1s).
    Na eucaristia, unidos a Cristo, oferecemos ao Pai o seu sacrifício. Mas havemos de acr
    escentar-lhe a oferta de nós mesmos e da nossa vida, com as suas alegrias, dificuldades, tentações, desejos e esperanças. É este o sacrifício que agrada ao Senhor, o sacrifício da transformação da nossa vida, que o próprio Espírito de Jesus realiza em nós, se formos dóceis à sua acção.
    Esta espiritualidade, tão claramente expressa como oração na Prece Eucarística III, é comum a todos os cristãos. Os dehonianos procuram vivê-la com particulares acentuações e tonalidades, de acordo com o seu carisma.

    Oratio

    Senhor Jesus, dá-me o teu Espírito Santo para que, na docilidade às suas inspirações e à sua acção, viva este dia como sacerdote e oferenda agradável ao Pai. Reveste-me de santidade, cinge-me de castidade, protege-nos com a tua Cruz santa e gloriosa. Que o meu coração seja altar donde suba constantemente o perfume da oração. Que o meu corpo e a minha mente, que a minha vida e a minha vontade, sejam a oferenda viva e agradável, unida à tua, para glória e alegria do Pai. Amen.

    Contemplatio

    Entre os patriarcas, três sobretudo são louvados pelo Espírito Santo nas Escrituras e pela Igreja no cânon da missa, por causa da santidade dos seus sacrifícios, e também por causa das relações dos seus sacrifícios com o do Salvador. As oblações de Abel foram agradáveis ao Senhor por causa da sua fé em Deus, mas sobretudo por causa da sua fé no Redentor prometido. Abel foi vítima ele mesmo como o Salvador... Melquisedec figurava o Salvador, como sacerdote do sacrifício do altar. S. Paulo sublinhou os seus traços de semelhança. Melquisedec é o rei da paz. Oferece o seu sacrifício em Jerusalém. Apresenta a Deus o pão e o vinho, e recebe a homenagem de Abraão. O sacrifício oferecido por Abraão tem as relações mais surpreendentes com o sacrifício do Calvário. Como Deus Pai, Abraão oferece o seu filho Isaac, e prepara-se para o atingir no coração. O altar é o mesmo, é a colina de Sião. Isaac submete-se generosamente à vontade do seu pai. Leva ele mesmo a madeira do seu sacrifício. Isaac sobrevive à sua imolação e torna-se o pai de um povo numeroso. Também o novo Isaac sairá do túmulo e o seu sacrifício dará ao seu Pai uma família inumerável. Abel, Melquisedec, Isaac não representam admiravelmente a santidade, a justiça e a doçura do Coração de Jesus? Mas quando Deus tomou como parte os filhos de Israel e se fez o seu legislador, manifestou mais claramente os seus desígnios. Deu-lhes todo um código litúrgico. Regulou todo o culto e especialmente a oferenda dos sacrifícios em vista do Messias que estes sacrifícios preparavam e anunciavam. Havia hóstias para o holocausto, vítimas pelo pecado, sacrifícios de acção de graças e orações. Todas as vítimas deviam ser puras e sem manchas. Os cordeiros imolados em grande número simbolizavam particularmente o Cordeiro divino. Assim o sacrifício do Homem-Deus é de todas as idades. Constituía desde o começo o fundo do culto e da religião verdadeira. O Cordeiro divino era imolado nestas figuras e na fé implícita dos patriarcas e dos Israelitas. S. João mostra-nos no apocalipse uma multidão imensa de todas as idades e de todas as nações em adoração diante do Cordeiro ferido no coração e cantando o seu cântico a Deus e ao Cordeiro. Não foi somente nos desígnios divinos que o Cordeiro de Deus foi imolado e que o seu Coração foi ferido desde toda a eternidade; mas também sobre a terra, no altar do verdadeiro Deus e na fé dos verdadeiros crentes; imolação figurativa e profética na antiga lei; real e sangrenta no Calvário; real ainda, mas não sangrenta na Eucaristia. (Leão Dehon, OSP 4, p. 250ss.)

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Jesus aprendeu a obediência por aquilo que sofreu» (Hebr 5, 8).

  • Santo Antão, Abade

    Categoria: Santoral Santo Antão, Abade


    17 de Janeiro, 2023

    S. Antão nasceu em 252, no Egipto Médio. Os seus pais eram ricos proprietários rurais. Quando tinha 20 anos, ao entrar numa igreja, ouviu proclamar Mt 10, 21: "Se queres ser perfeito, vai, vende o que tens..." Fulminado pelo convite de Jesus, vendeu os campos recebidos em herança, reservando uma parte deles para a sua irmã, e iniciou a vida ascética. Primeiro juntou-se a um velho monge, perto da sua aldeia. Depois, encerrou-se num sepulcro cerca de 13 anos. Submetido a fortes tentações do demónio, empenhou-se ainda mais na luta ascética, fixando-se num fortim abandonado, onde permaneceu vinte anos. Em 306, deixou o seu retiro aceitando receber discípulos. Para escapar aos malefícios da fama, que começava a rodeá-lo, refugiou-se no monte Kolzum. Aí morreu a 17 de Janeiro de 356, com a idade de cento e cinco anos, muitos dos quais passados a ensinar os anacoretas, a curar os enfermos, e a refutar os hereges. Embora rigorosamente não tenha sido o primeiro monge o seu ministério carismático e autorizado fez dele, para sempre, o pai dos monges. A sua vida, escrita pelo seu contemporâneo e amigo, S. Atanásio, tornou-se a "primeira regra" para quem optava pela vida ascética nos ermos.
    Primeira Leitura: Miqueias, 6, 6-8

    Com que me apresentarei ao Senhor, e me prostrarei diante do Deus excelso? Irei à sua presença com holocaustos, com novilhos de um ano? 7Porventura o Senhor receberá com agrado milhares de carneiros ou miríades de torrentes de azeite? Hei-de sacrificar-lhe o meu primogénito pelo meu crime, o fruto das minhas entranhas pelo meu próprio pecado? 8Já te foi revelado, ó homem, o que é bom, o que o Senhor requer de ti: nada mais do que praticares a justiça, amares a lealdade e andares humildemente diante do teu Deus.

    Recorrendo ao género literário chamado "requisitório judicial", o profeta procura levar o povo a ser fiel à Aliança. Tocado no seu íntimo, por reconhecer não ter correspondido ao amor do Senhor, o fiel pergunta: "Com que me apresentarei ao Senhor, e me prostrarei diante do Deus excelso?" (v. 6). O profeta recusa a oferta de sacrifícios exteriores, exigindo a conversão verdadeira, que leve a "praticar a justiça, amar a lealdade e andar humildemente diante do teu Deus" (cf. v. 8). É a essência da verdadeira religião interior, o compêndio da Lei e dos Profetas, o antecipado sumário religioso proposto por Jesus (cf. Mt 22,34-40). É a religião, não como objeto em si mesma, mas como veícolo de diálogo com Deus e com os homens. O amor como fundamento das relações humanas e divinas. E isto dito no século VIII a. C.
    Evangelho: Mateus 19, 16-21
    Naquele tempo, quando se punha a caminho, alguém correu para Jesus e ajoelhou-se, perguntando: «Bom Mestre, que devo fazer para alcançar a vida eterna?» 18Jesus disse: «Porque me chamas bom? Ninguém é bom senão um só: Deus. 19Sabes os mandamentos: Não mates, não cometas adultério, não roubes, não levantes falso testemunho, não defraudes, honra teu pai e tua mãe.» 20Ele respondeu: «Mestre, tenho cumprido tudo isso desde a minha juventude.» 21Jesus, fitando nele o olhar, sentiu afeição por ele e disse: «Falta-te apenas uma coisa: vai, vende tudo o que tens, dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro no Céu; depois, vem e segue-me.»

    O encontro de Jesus com o jovem rico é referido pelos três Sinópticos. Mas só Mateus fala de "um jovem", chamando a Jesus "Mestre". Marcos e Lucas acrescentam: "bom Mestre".
    Jesus propõe ao jovem as exigências do Reino, da "perfeição", isto é, a renúncia aos próprios bens em favor dos pobres e o seu seguimento incondicional. O jovem fica triste, porque punha a sua alegria exactamente nesses bens, e não queria deixá-los. Faltava-lhe, pois, a única coisa necessária: um coração livre e bem disposto para acolher aquela "vida eterna" que dizia desejar.
    Não se pode seguir Jesus sem estar dispostos a quebrar as amarras que impeçam a dociliddade e a obediência ao Mestre divino. Ele olha para todos com amor. Mas só se deixa atrair por aqueles que têm um coração humilde, pobre e livre.
    Meditatio

    Pensando em S. Antão, e no movimento monástico a que a sua vida e os seus ensinamentos deram um decisivo impulso, as leituras, que hoje escutamos, suscitam em nós uma verdadeira comoção. Antão escutou-as como Palavra do Senhor dirigida a ele. A sua resposta foi generosa, radical, iniciando um itinerário espiritual que nos pode inspirar. Antão desejava ardentemente agradar a Deus, e deixou-se conduzir pelo Espírito na busca do caminho adequado. A primeira resposta, quando se libertou os bens terrenos, abriu-o a um compromisso cada vez mais exigente e forte na busca humilde de Deus, longe dos olhares dos homens. Vencidas as paixões, Antão pôde servir serenamente os outros, tornando-se para todos um amigo, um irmão, um pai. Assim ensinou e cuidou daqueles que o procuraram como mestre de ascetismo, inventando, por assim dizer, um novo modelo de vida cristã, caracterizado pela liberdade, pela ascese, pela fidelidade à Palavra, pelo amor a Cristo e ao próximo. Reconhecido como "pai dos monges", S. Antão é, sobretudo, um modelo de vida cristã empenhada. Escreve S. Atanásio: "Antão trabalhava com as suas mãos, pois ouvira a palavra da Escritura: Quem não quiser trabalhar não coma". Do fruto do seu trabalho destinava parte para comprar o pão que comia; o resto distribui-o pelos pobres. Rezava constantemente, pois aprendera que é preciso rezar interiormente, sem cessar; era tão atento à leitura que nada lhe esquecia do que tinha lido na Escritura: tudo retinha de tal maneira que a sua memória acabou por substituir o livro".
    Oratio

    Senhor, dá-me ouvidos para escutar a tua Palavra e coração para a acolher. Que ela transforme a minha vida e me faça progredir decididamente pelo caminho que me chamas a percorrer e apoias com as tuas graças. Enche-me do teu Espírito, aquele grande Espírito de fogo que acendestes em S. Antão. Que esse mesmo Espírito me leve a viver no bulício do mundo, ou na paz da vida consagrada, aquela vida heroica que S. Antão viveu na solidão do deserto e, sobretudo, me leve a renunciar a mim mesmo para Te amar acima de todas as coisas. Ámen.
    Contemplatio

    Desde o sermão da montanha, Nosso Senhor tinha indicado os conselhos de perfeição: «Há, dizia, um caminho estreito, mas são raros os que o encontram». Propunha já a pobreza voluntária: «Não acumuleis tesouros sobre a terra, onde a traça e os vermes os corroem, onde os ladrões escavam e roubam. Vendei o que tendes e fazei esmolas. Preparai tesouros no céu... Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração» (Mt 6). Depois vem a aplicação. Um jovem de nobre família vem lançar-se aos pés de Jesus, perguntando-lhe qual é o melhor caminho a seguir. O Coração de Jesus é tocado, observa com afeto o jovem, ama-o, propõe-lhe os conselhos de perfeição. É uma vocação: «vai, diz-lhe, vende o que tens, dá-o aos pobres, e vem comigo. Que graça insigne! Ser chamado por Jesus a viver com ele, abandonando-se à sua providência! (L. Dehon, OSP 4, p. 105).
    Actio

    Repete muitas vezes e vive hoje a palavra:
    «Quem quer vencer as tentações, não confie em si mas em Deus» (Pensamento de S. Antão, citado por S. Atanásio).

     

    ----

    Santo Antão, Abade (17 Janeiro)

    Tempo Comum - Anos Ímpares - II Semana - Terça-feira

    Categoria: Semanal Tempo Comum - Anos Ímpares - II Semana - Terça-feira


    17 de Janeiro, 2023

    Tempo Comum - Anos Ímpares - II Semana - Terça-feira

    Lectio

    Primeira leitura: Hebreus 6, 10-20

    Irmãos, 10Deus não é injusto, para esquecer as vossas obras e o amor que mostrastes pelo seu nome, pondo-vos ao serviço dos santos e servindo-os ainda agora. 11Desejamos, porém, que cada um de vós mostre o mesmo zelo para a plena realização da sua esperança até ao fim, 12de modo que não vos torneis preguiçosos, mas imiteis aqueles que, pela fé e pela perseverança, se tornam herdeiros das promessas. 13Quando Deus fez a promessa a Abraão, como não tinha ninguém maior por quem jurar, jurou por si mesmo, 14dizendo: Na verdade, Eu te abençoarei e multiplicarei a tua descendência. 15E assim, Abraão, tendo esperado com paciência, alcançou a promessa. 16Ora, os homens juram por alguém maior do que eles, e o juramento é para eles uma garantia que põe fim a toda a controvérsia. 17Por isso, querendo Deus mostrar mais claramente aos herdeiros da promessa que a sua decisão era imutável, interveio com um juramento, 18para que, graças a duas acções imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, encontrássemos grande estímulo, nós os que procurámos refúgio nele, agarrando-nos à esperança proposta. 19Nessa esperança temos como que uma âncora segura e firme da alma, que penetra até ao interior do véu 20onde Jesus entrou como nosso precursor, tornando-se Sumo Sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedec.

    O autor da carta aos Hebreus fixa a sua atenção nos perigos que ameaçavam os seus leitores, talvez a perseguição durante a qual havia sempre alguém que acabava por cair na apostasia. Dai a exortação à fidelidade e o apontar do prémio e sua garantia. Foi-nos oferecida uma grande esperança, uma esperança segura e firme que nos faz penetrar nos céus com Jesus, que é para nós Caminho para o Pai. Jesus é o Sumo sacerdote - prefigurado em Melquisedec - que penetrou no santuário, isto é, nos céus, e está sentado à direita do Pai sempre a interceder por nós. «Nós os que procurámos refúgio em Deus, agarrando-nos à esperança proposta» (v. 18) vemos realizada em Jesus a nossa aspiração. Assim verificamos que Deus, que prometeu recompensar toda a obra de bem, como Jesus nos revelou, é verdadeiro e bom. Um simples copo de água, dado em seu nome, não ficará sem recompensa. Deus «não é injusto» (v. 10) e não esquece o que se faz aos irmãos na fé, por seu amor. Há que não ceder à preguiça e imitar os Patriarcas, especialmente Abraão, nosso pai na fé, e perseverar até à realização das promessas, particularmente a de alcançarmos o Senhor Jesus na sua glória. As promessas e o juramento feitos a Abraão são válidos também para nós. É esta a esperança segura, o princípio do optimismo e da coragem para permanecer na fé, âncora da alma.

    Evangelho: Marcos 2, 23-28

    Passeava Jesus através das searas num dia de sábado, os discípulos puseram-se a colher espigas pelo caminho. 24Os fariseus diziam-lhe: «Repara! Porque fazem eles ao sábado o que não é permitido?» 25Ele disse: «Nunca lestes o que fez David, quando teve necessidade e sentiu fome, ele e os que estavam com ele? 26Como entrou na casa de Deus, ao tempo do Sumo Sacerdote Abiatar, e comeu os pães da oferenda, que apenas aos sacerdotes era permitido comer, e também os deu aos que estavam com ele?» 27E disse-lhes: «O sábado foi feito para o homem e não o homem para o sábado. 28O Filho do Homem até do sábado é Senhor.»

    Este breve texto realça a autoridade definitiva de Jesus e um dos princípios centrais do Evangelho: a libertação da «alienação legal». Como dirá S. Paulo, Cristo veio libertar o homem da tirania da Lei (cf. Rom 3, 20; 4, 13; 6, 14; 8, 2; Gal 1, 4-5, etc). A autoridade do «filho do homem» é uma autoridade em favor do homem. Jesus não veio condenar o homem, mas salvá-lo de toda a alienação, em primeiro lugar da alienação legal. Toda a lei, mesmo a mais sagrada, é em função do homem e não vice-versa.
    Marcos não indica claramente o objecto da transgressão dos discípulos. Mas, mais do que eles, é Jesus que é posto em questão. O Senhor responde: «Nunca lestes o que fez David, quando teve necessidade e sentiu fome, ele e os que estavam com ele?» (v. 25). Se o velho rei, por motivos de força maior, podia passar sobre a lei, quanto mais Jesus o podia fazer! Mais ainda: a autoridade de Jesus permitia-lhe ab-rogar o sábado e substituí-lo por outro dia. O Evangelho transcende a «ordem estabelecida». O cristão relativiza a ordem legal quando ela não está «em função do homem».

    Meditatio

    A primeira leitura, bastante complicada, apresenta-nos um pensamento fundamental simples e muito importante: é preciso conservar a esperança: «cada um de vós mostre o mesmo zelo para a plena realização da sua esperança até ao fim» (v. 11). A esperança dá juventude, dá dinamismo. A falta de esperança provoca velhice precoce e leva a todo o tipo de desordens, como ensina Paulo aos Romanos. Para nos manter na esperança, Deus adaptou-se aos modelos humanos: fez um juramento a Abraão e deu-nos um sumo sacerdote perfeito, Jesus Cristo. Uma vez que Ele nos representa, a sua glorificação é também nossa e, por isso, a nossa esperança é como «uma âncora segura e firme da alma, que penetra até ao interior do véu onde Jesus entrou como nosso precursor» (vv. 19-20). Se Jesus penetrou no céu como nosso precursor, temos a certeza de lá O encontrar.
    Além destes grandes motivos de esperança, temos muitos outros que Jesus nos deixou durante a sua vida histórica. No evangelho de hoje, Ele apresenta-nos Deus como o Senhor do tempo e da história, como liberdade absoluta, que não é reduzível a qualquer medida humana ou religiosa. A liberdade soberana de Deus coincide com o seu amor, que se manifesta na predilecção pelos mais pequenos, na capacidade de ver para além das aparências, no reconhecer o primado da pessoa humana afirmada na criação e jamais desmentido.
    Pergunto-me: na minha vida, mostro-me realmente filho deste Deus? Acolho a sua liberdade escrava de amor e assumo-a como atitude de vida?
    As opções divinas desorientam-me quando infringem ou põem em crise o status quo. É mais fácil orientar-me por regras claras e exactas do que pôr no centro a pessoa, toda e qualquer pessoa, com as suas exigências e características, que por vezes me desagradam, e até posso julgar inadequadas. A palavra de Deus convida-me e provoca-me a saber discernir a verdade das coisas lembrando-me que Ele é senhor de tudo. O evangelho é claramente contrário à rigidez cega, ao fanatismo. Exige o sacrifício de si mesmo, mas sempre à luz da misericórdia de Deus. Paulo e
    screverá aos Coríntios: «Ainda que eu distribua todos os meus bens e entregue o meu corpo para ser queimado, se não tiver amor, de nada me aproveita» (1 Cor 13, 3).
    O nosso compromisso da pobreza, que significa a entrega de toda a nossa vida ao serviço do Evangelho, é também um testemunho de esperança. Lemos nas Constituições: vivendo a pobreza, «seremos discípulos do Padre Dehon, que teve sempre uma particular atenção para com os homens do seu tempo, sobretudo os mais pobres: aqueles a quem faltam biblioteca, razões de viver e esperança» (Cst 52).

    Oratio

    Senhor, meu Deus, é a Ti que pertence o tempo e a história. Tu és liberdade! Tu és amor, que se revela na predilecção pelos mais pequenos e fracos, no ver além das aparências, no reconhecer o primado da pessoa humana sobre toda as leis e instituições. Enche-me do teu Espírito para que me saiba movimentar nos teus espaços, onde os pequenos são os grandes, onde a atenção aos outros vale mais do que a lei escrita. Ensina-me a discernir o que realmente conta, para além das aparências, para além do imediato, para além do politicamente correcto.
    Enche-me do teu Espírito que me purifique da rigidez e do fanatismo, e acende em a fé firme, a caridade ardente e a esperança segura. Amen.

    Contemplatio

    O terceiro fruto da devoção à paixão é a esperança. Jesus Cristo está preso à cruz para nos esperar, as suas mãos querem-nos abraçar, o seu lado aberto deixa escaparem-se correntes de sangue de graça. Devemos portanto alegrar-nos, porque destas chagas santas saem a salvação, a vida e a ressurreição. S. Tomé, ao meter os dedos nestas chagas santas, delas retirou a fé e graças abundantes. Nós também, delas retiraremos todos os socorros de que temos necessidade.
    Tal é em poucas palavras a devoção às cinco chagas. Ela produziu e produzirá sempre um grande bem na Igreja. Não é preciso todavia crer que a devoção ao Sagrado Coração não seja mais do que uma parte desta devoção. Ao adorarmos, ao contemplarmos as chagas do Salvador, mesmo a do lado, não entramos ainda necessariamente na via do amor, se não subirmos até ao Coração de Jesus, fonte de todos os seus sacrifícios. É lá que devemos entrar, se quisermos imolar uma hóstia plena e inteiramente agradável a Deus.
    Para nós, o amor tudo abarca, domina e contém todas as outras devoções. Não as exclui, mas transforma-as todas em devoção de amor. (Leão Dehon, OSP 2, p. 353s.).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «A esperança é âncora segura e firme da alma » (Hebr 6, 19).

  • Tempo Comum - Anos Ímpares - II Semana - Quarta-feira

    Categoria: Semanal Tempo Comum - Anos Ímpares - II Semana - Quarta-feira


    18 de Janeiro, 2023

    Tempo Comum - Anos Ímpares - II Semana - Quarta-feira

    Lectio

    Primeira leitura: Hebreus 7, 1-3.15-17

    Irmãos: 1Melquisedec, rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, foi ao encontro de Abraão quando ele voltava da derrota infligida aos reis e abençoou-o; 2Abraão concedeu-lhe o dízimo de todas as coisas; o seu nome significa, em primeiro lugar, rei de justiça, e depois, «rei de Salém», que quer dizer «rei de paz». 3Sem pai, sem mãe, sem genealogia, sem princípio de dias nem fim de vida, assemelha-se ao Filho de Deus e permanece sacerdote para sempre. 15E isto é ainda mais evidente, quando aparece outro sacerdote à semelhança de Melquisedec, 16instituído, não segundo o mandamento de uma lei humana, mas segundo o poder de uma vida indestrutível. 17Na verdade, dele se testemunha:Tu és sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedec.

    No texto da Carta aos Hebreus, que hoje escutamos, entra em cena Melquisedec, figura misteriosa de que o autor sagrado se serve para provar e realçar, não só o sacerdócio de Cristo, mas também a superioridade deste relativamente ao sacerdócio levítico. Melquisedec significa «rei de justiça», qualificado pelo autor como «sacerdote do Deus Altíssimo». Enquanto as ascendências de outras figuras do Antigo Testamento são minuciosamente descritas, Melquisedec diz-se que é «Sem pai, sem mãe, sem genealogia, sem princípio de dias nem fim de vida» (v. 3). Este «rei de paz» (v. 2), superior ao próprio Abraão, que abençoe as oferendas de pão e de vinho, no Vale do Rei, e a quem Abraão paga os dízimos, é figura de Jesus, único sumo e santo sacerdote, não em virtude de uma descendência carnal, mas por ser Filho de Deus. O seu sacerdócio torna-O eterno e único mediador entre Deus e os homens. Verdadeiro Deus e verdadeiro homem, fala ao Pai usando palavras humanas e é aceite porque é o único santo e imaculado. O seu sacerdócio e o seu culto levam simultaneamente à plenitude a realeza de David - a cuja descendência Jesus pertence segundo a carne - e o sacerdócio do Antigo Testamento representado por Melquisedec. Agora, o povo de Deus pode aceder ao culto novo e perfeito inaugurado por Jesus no seu corpo imolado na cruz e à nova lei, o Evangelho.

    Evangelho: Marcos 3, 1-6

    Naquele tempo, 1Jesus entrou de novo na sinagoga, onde estava um homem que tinha uma das mãos paralisada. 2Ora eles observavam-no, para ver se iria curá-lo ao sábado, a fim de o poderem acusar. 3Jesus disse ao homem da mão paralisada: «Levanta-te e vem para o meio.» 4E a eles perguntou: «É permitido ao sábado fazer bem ou fazer mal, salvar uma vida ou matá-la?» Eles ficaram calados. 5Então, olhando-os com indignação e magoado com a dureza dos seus corações, disse ao homem: «Estende a mão.» Estendeu-a, e a mão ficou curada. 6Assim que saíram, os fariseus reuniram-se com os partidários de Herodes para deliberar como haviam de matar Jesus.

    Jesus entra na sinagoga em dia de sábado. Há um homem doente que O espera. Mas também há quem esteja atento para apanhar Jesus em qualquer falha contra a lei. Jesus dá-se conta da hostilidade mais ou menos disfarçada dos seus adversários e enfrenta-os decididamente. Põe no centro o homem que tinha a mão paralisada e interroga os adversários sobre a liceidade de fazer ou não fazer o bem em dia de sábado. Responde com um silêncio eloquente, que causa tristeza a Jesus. É a quinta e última polémica de Jesus com os seus adversários, em que acaba por reafirmar o Evangelho transcende toda a «ordem estabelecida», e que ela deve ser relativizada quando não concorrer para o bem do homem. O clima está cada vez mais carregado. Mas o Senhor não se deixa intimidar. Continua fielmente o seu serviço profético, insistindo numa instituição sabática que sirva o homem. É um drama que se irá repetir muitas vezes até ao fim. Fazer bem ao homem, exigirá a Deus o preço da eliminação do seu Filho.

    Meditatio

    O autor da Carta aos Hebreus, com admiração, vê na misteriosa figura de Melquisedec uma imagem de Cristo ressuscitado, que não tem pai nem mãe terrenos. A novidade de vida da ressurreição não tem origem terrestre. Jesus ressuscitado é Filho de Deus, também na sua natureza humana, e permanece assim sacerdote eterno. Esta descrição mostra a atitude dos primeiros cristãos na leitura do Antigo Testamento. Com alegria, por vezes com espanto, viam nele delinear-se a figura de Cristo, e enchiam-se de júbilo ao verificar que Deus tinha preparado a revelação de Cristo desde há muito tempo. «O Novo Testamento está escondido no Antigo», dirá Santo Agostinho, e Cristo, ao chegar, ilumina todo o Antigo Testamento. O que parecia misterioso e quase inexplicável torna-se claro porque se revela uma profecia de Cristo.
    Também nós somos chamados a ler o Antigo Testamento a esta luz cristã e a encontrar nele uma fonte de grande consolação espiritual, porque se aprofunda a nossa fé e nos damos conta com alegria que Deus, desde sempre, dispôs todas as coisas e todos os acontecimentos para glorificação do seu Filho. Ele veio para ser o santo e sumo sacerdote, e para nos dar a sua maravilhosa dignidade. Uma vez consumado na cruz o seu santo sacrifício, todo o homem pode oferecer ao Pai, por meio d´Ele e participando no seu sacerdócio, o único e perfeito sacrifício. Cada um reencontrou a inesperada dignidade de falar com Deus, de Lhe oferecer toda a Criação e, mais ainda, de ser aos seus olhos uma imagem viva do seu Filho muito amado no qual pôs todo o seu enlevo.
    No evangelho contemplamos a vitória do Filho de Deus feito homem sobre a paralisia de um homem e sobre a interpretação opressiva da Lei pelos fariseus. Os seus adversários, indiferentes ao significado transcendente do milagre, só queriam surpreendê-lo a fazer uma cura ao sábado para O acusarem de violar o dia santificado. Mas Jesus indignado e entristecido com aquela cegueira moral, continua a cumprir o seu programa messiânico, obediente e fiel ao Pai, atento e solícito para com os homens.

    Oratio

    Obrigado, Senhor, porque vieste reabrir o caminho que conduz a Deus. Obrigado por Te compadeceres da paralisia da nossa mão e, sobretudo, da paralisia do nosso coração. Pões-nos sempre no centro das tuas atenções e curas-nos as mãos para as podermos abrir e acolher o dom que és Tu mesmo, tornado por amor pão e vinho para a nossa fome e a nossa sede. Com o teu exemplo, ensinas-nos a não fecharmos as mãos para guardarmos só para nós os teus dons. Pelo teu Espírito de amor, fazes-nos entrar no movimento de amor oblativo, que inauguraste no mundo com a tua Encarnação, ensinas-nos que a gratuitidade e a oferta nos tornam livres e felizes. Obrigado, Senhor, nos curares a paralisia das nossas mãos e do nosso coração. Que Contigo e por Ti, sejamos oblação santa ao Pai, em favor dos irmãos. Amen.

    Contemplatio

    O sacerdócio da antiga lei
    era muito imperfeito. Deus jurou estabelecer um sacerdócio novo, segundo a ordem de Melquisedec. Jesus é o único sacerdote, permanece eternamente, possui um sacerdócio eterno, e está sempre pronto para salvar os que se aproximam de Deus pelo seu intermédio, estando sempre vivo para interceder por nós. É o pontífice santo que nos faltava, o pontífice inocente, separado dos pecadores e mais elevado que os céus, que não é obrigado, como os outros, a oferecer todos os dias vítimas pelos seus próprios pecados (Heb 7). Ele é sacerdote e é vítima de propiciação. Ofereceu-se por nós (1Jo 2,2). Vem a uma alma sacerdotal. «Vós sois, diz-nos S. Pedro, uma ordem de santos sacerdotes, destinados a oferecer a Deus hóstias espirituais que lhe sejam agradáveis por Jesus Cristo. O Coração de Jesus é o altar dos vossos sacrifícios, vós sois a raça escolhida, a ordem dos sacerdotes reis, a nação santa, o povo conquistado, a fim de que publiqueis as grandezas daquele que vos chamou das trevas à sua grande luz» (1Pd 2). Irei, portanto, diante do tabernáculo, Jesus aí aceitará a consagração do meu coração, para dele fazer um coração verdadeiramente sacerdotal. Aí oferecerei hóstias de louvor, de amor, de impetração, de reparação. Apresentá-las-ei a Deus sobre o Coração de Jesus que é o altar por excelência. Só ele pode oferecer ao seu Pai hóstias que sejam agradáveis, porque ele é o único sacerdote eterno. (Leão Dehon, OSP 3, p. 646s.).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «De todos Te compadeces, ó Senhor, que amas a vida!» (Sb 23, 26).

  • Tempo Comum - Anos Ímpares - II Semana - Quinta-feira

    Categoria: Semanal Tempo Comum - Anos Ímpares - II Semana - Quinta-feira


    19 de Janeiro, 2023

    Tempo Comum - Anos Ímpares - II Semana - Quinta-feira

    Lectio

    Primeira leitura: Hebreus 7, 25-8, 6

    Irmãos, 25Jesus pode salvar de um modo definitivo, os que por meio dele se aproximam de Deus, pois Ele está vivo para sempre, a fim de interceder por eles. 26Tal é, com efeito, o Sumo Sacerdote que nos convinha: santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores e elevado acima dos céus, 27que não tem necessidade, como os outros sacerdotes, de oferecer vítimas todos os dias, primeiro pelos seus próprios pecados e depois pelos do povo, porque Ele o fez uma vez por todas, oferecendo-se a si mesmo. 28A Lei, com efeito, constitui sumos sacerdotes a homens sujeitos à debilidade; mas a palavra do juramento, posterior à Lei, constitui o Filho perfeito para sempre.
    1O ponto principal do que estamos a dizer é que temos um Sumo Sacerdote que se sentou nos céus à direita do trono da Majestade, 2como ministro do santuário e da verdadeira tenda, construída pelo Senhor e não pelo homem. 3Todo o Sumo Sacerdote é constituído para oferecer dons e sacrifícios; daí a necessidade de também ele ter algo para oferecer. 4Se Cristo estivesse na terra, nem sequer seria sacerdote, pois já existem aqueles que oferecem os dons segundo a Lei. 5Esses prestam um culto que é uma imagem e uma sombra das realidades celestes, como foi revelado a Moisés quando estava para construir a tenda. Foi-lhe dito: Presta atenção, faz tudo segundo o modelo que te foi mostrado no monte. 6Mas, de facto, ele obteve um ministério tanto mais elevado, quanto maior é a aliança de que é mediador, a qual foi estabelecida sobre melhores promessas.

    O autor da Carta aos Hebreus apresenta-nos Jesus como o Sumo sacerdote de que precisávamos, um Sumo sacerdote «santo, inocente, imaculado» (v. 26). Ao contrario dos sumos sacerdotes do Antigo Testamento, Ele não precisa de oferecer um sacrifício pelos seus pecados, antes de o oferecer pelos nossos, porque ofereceu a Si mesmo perfeitamente, completamente, de uma vez para sempre imolando-se na cruz. E chegámos ao ponto capital de tudo o que o autor vai dizendo: Jesus que assumiu plenamente a natureza humana, é e permanece eternamente o Filho sentado à direita do Pai, sempre vivo a interceder por nós. O que era apenas sombra e figura no Antigo Testamento foi perfeitamente realizado porque, em Jesus, Deus veio ao nosso encontro para nos aproximar d´Ele. Em Cristo, coincidem o oferente e a oferta, o sacerdote e a vítima, realizando uma mediação única e extraordinária entre Deus e o homem. Cristo ofereceu-Se a Si mesmo pelo sacrifício da entrega da sua vida, que teve lugar de uma vez para sempre.

    Evangelho: Marcos 3, 7-12

    Naquele tempo, 7Jesus retirou-se para o mar com os discípulos. Seguiu-o uma imensa multidão vinda da Galileia. E da Judeia, 8de Jerusalém, da Idumeia, de além-Jordão e das cercanias de Tiro e de Sídon, uma grande multidão veio ter com Ele, ao ouvir dizer o que Ele fazia. 9E disse aos discípulos que lhe aprontassem um barco, a fim de não ser molestado pela multidão, 10pois tinha curado muita gente e, por isso, os que sofriam de enfermidades caíam sobre Ele para lhe tocarem. 11Os espíritos malignos, ao vê-lo, prostravam-se diante dele e gritavam: «Tu és o Filho de Deus!» 12Ele, porém, proibia-lhes severamente que o dessem a conhecer.

    Nos textos escutados nos últimos dias, Jesus mostra que é inútil querer aproveitar as instituições judaicas para nelas infundir a novidade evangélica do reino de Deus. Então retira-se para o mar de Genesaré. A sua acção, que até aí se desenvolvera na sinagoga, ou perto dela, abria-se agora a horizontes mais vastos. Começa uma nova secção do evangelho de Marcos. A actividade de Jesus alarga-se e causa admiração nas multidões que O rodeiam com tal entusiasmo que põem em risco a sua integridade física. Jesus tem de pedir aos discípulos que Lhe aprontem um barco para se precaver. Mas o entusiasmo das multidões é ainda superficial, porque não leva à decisão da fé (6, 6). São pessoas que sofrem de várias doenças e que se lançam sobre Ele (cf. v. 9) como que para Lhe arrancar uma força benéfica que os cure. Os demónios aproveitam a situação para encenar uma grande propaganda sobre Jesus: «Tu és o Filho de Deus» (v. 11). Dizem a verdade, mas de um modo que a tornam vã. Querem antecipar a glória de Jesus para tentar evitar a cruz que a torna verdadeira. Mas Jesus proíbe-os de falarem d´Ele. Jesus não é um curandeiro, mas o enviado do Pai que narra o que Deus quer dar a conhecer de Si mesmo, e o que realmente pede aos homens, inclusivamente nos seus actos religiosos.

    Meditatio

    Marcos descreve a multidão que precipitadamente envolve Jesus, levando-O a entrar numa barca para não ser molestado. O Senhor atrai pela sua bondade, pelo seu poder, gente da Galileia, da Judeia, de Jerusalém, mas também de regiões mais afastadas, como a Idumeia, a Transjordânia, Tiro e Sidon, terras pagãs. Vinham para obter a cura dos seus doentes e para alcançar a paz de Deus para os seus ansiosos corações.
    A Carta aos Hebreus abre outra perspectiva a quem se sente aflito pelas doenças e outras provações da vida. Falando de Jesus, afirma: «Tal é o Sumo Sacerdote que nos convinha: santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores e elevado acima dos céus» (v. 26). O Filho de Deus fez-se homem para realizar um acto único, perfeito, agradável ao Pai, oferecendo-Se a Si mesmo na fraqueza, na morte. Toda a sua existência, que culminou no dom de Si mesmo na cruz, tem a ver connosco, com a nossa vida, com as nossas canseiras e sofrimentos. Não vale a pena vivê-los afogados em vãos lamentos, em mal reprimida insatisfação. É melhor lançá-los generosamente no tesouro do seu generoso sofrer por amor, naquele acto perene que o torna sempre vivo a interceder por nós. Não há efectivamente ocupação ou adversidade que possa impedir-nos de lançar o olhar do nosso coração para a sua cruz e encher-nos da força de um acto de renovada adesão à vontade do Pai. Só assim saborearemos a doçura de ser curados das chagas do nosso cansaço para reencontramos a alegria de sermos filhos no Filho.
    O texto de Marcos termina com os demónios a quererem revelar, antes do tempo, a identidade de Jesus e a sua grandeza. O Senhor opõe-se severamente porque sabe que a sua obra exige o sacrifício de Si mesmo, e que a sua dignidade de Filho de Deus só poderá ser verdadeiramente revelada na cruz. É o que também nos diz a primeira leitura: «Ele não tem necessidade, como os outros sacerdotes, de oferecer vítimas todos os dias, primeiro pelos seus próprios pecados e depois pelos do povo, porque Ele o fez uma vez por todas, oferecendo-se a si mesmo» (v. 27). Cristo realizou o culto perfeito, que não é apenas um símbolo como o antigo culto dos sacerdotes hebreus, que apenas era «uma imagem e uma sombra das realidades celestes» (v. 5). Ele recebeu um ministério mais elevado, que realiza de verdade o projecto de comunhão com o sacrifício de Si mesmo.
    Na oração sacerdotal
    , Jesus mostra-se consciente da obra que tem para realizar «santificando a Si mesmo», isto é, sacrificando a sua vida. O Filho de Deus não assumiu a natureza humana só para curar as nossas doenças. Assumiu-a, sobretudo, para transformar a nossa natureza e restabelecer a relação entre Deus e nós. Como escreve o autor da Carta aos Hebreus, Cristo recebeu «um ministério tanto mais elevado, quanto maior é a aliança de que é mediador, a qual foi estabelecida sobre melhores promessas» (Heb 8, 6).
    Em cada missa, havemos de aproximar-nos de Cristo com a pressa impaciente das multidões da Palestina e das regiões próximas, não só para que nos cure, mas para que nos ajude a descobrir um novo sentido para os nossos sofrimentos e, sobretudo, a uni-los aos seus para glória e alegria do Pai e salvação do mundo. O seu sacrifício, oferecido uma só vez, está à nossa disposição, para nos curar de todos os males, mas também para nos dar a graça necessária para transformar a nossa vida, com Ele, n´Ele e por Ele, oferta viva, santa e agradável.

    Oratio

    Senhor, Jesus Cristo, sacerdote da nova e eterna aliança, que consagraste o pão e o vinho como sinal da tua oblação, ensina-nos a oferecer contigo o sacrifício, associa-nos à tua oferenda agradável, e torna-nos participantes da tua Ressurreição. Fortalecidos com o teu pão, queremos caminhar para Ti, e trabalhar pela unidade do teu Corpo, na paz e na concórdia. Tu, que nos chamas a comungar o teu Corpo e Sangue, entra em nossa casa e fica connosco para sempre. Amen.

    Contemplatio

    Uma primeira aplicação desta conformidade à vontade divina, é fazermos as nossas acções comuns em união com o Sagrado Coração. Santa Gertrudes teve esta luz, que todas as obras feitas em espírito de fé são absorvidas pelos membros do corpo sagrado de Nosso Senhor para serem purificadas e enobrecidas, depois são apresentadas por Nosso Senhor à Santíssima Trindade. Mas as obras feitas por amor e unicamente pela glória de Deus, são absorvidas pelo divino Coração de Jesus, que as torna perfeitas para as apresentar ao seu Pai. Quanto é então vantajoso fazer todas as nossas obras em união com o divino Coração! A vida do Sagrado Coração é-lhes comunicada. As acções mais comuns são assim enobrecidas e divinizadas: «Quer comais, quer bebais, quer façais outra coisa qualquer, diz S. Paulo, fazei tudo no nome de Jesus Cristo». Nosso Senhor ensinou assim a Santa Gertrudes a santificar as suas refeições, o seu trabalho, o seu repouso e o seu sono unindo-as às intenções do divino Coração. Tomemos também este hábito tão salutar. (Leão Dehon, OSP 4, p. 446).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Cristo está vivo para sempre, a fim de interceder por eles». (Hebr 7, 25).

  • Tempo Comum - Anos Ímpares - II Semana - Sexta-feira

    Categoria: Semanal Tempo Comum - Anos Ímpares - II Semana - Sexta-feira


    20 de Janeiro, 2023

    Tempo Comum - Anos Ímpares - II Semana - Sexta-feira

    Lectio

    Primeira leitura: Hebreus 8, 6-13

    Irmãos: 6Jesus obteve um ministério tanto mais elevado, quanto maior é a aliança de que é mediador, a qual foi estabelecida sobre melhores promessas. 7Se, na verdade, a primeira fosse perfeita, não haveria lugar para a segunda. 8De facto, censurando-os, diz: Eis que vêm dias, diz o Senhor, em que farei com a casa de Israel e com a casa de Judá uma aliança nova, 9não como a aliança que fiz com os seus pais no dia em que os tomei pela mão, para os fazer sair do Egipto; porque eles não permaneceram na minha aliança, também Eu me desinteressei deles - diz o Senhor. 10Esta é a aliança que estabelecerei com a casa de Israel, depois daqueles dias. Diz o Senhor: Porei as minhas leis na sua mente e as imprimirei nos seus corações; serei o seu Deus e eles serão o meu povo. 11Ninguém ensinará o seu próximo nem o seu irmão, dizendo: 'Conhece o Senhor'; porque todos me conhecerão, do mais pequeno ao maior, 12pois perdoarei as suas iniquidades e não mais me lembrarei dos seus pecados. 13Ao falar de uma aliança nova, Deus declara antiquada a primeira; ora, o que se torna antiquado e envelhece está prestes a desaparecer.

    Depois de centrar a atenção no sacerdócio de Cristo, o autor da Carta aos Hebreus passa para o tema da Nova Aliança. Um sacerdócio novo implica uma lei nova. Por sua vez, uma lei nova implica uma aliança nova, uma aliança que substitua a antiga. Jesus é o mediador dessa nova aliança: «este cálice é a nova Aliança no meu sangue, que vai ser derramado por vós» (Lc 22, 20), disse o Senhor na última Ceia. Em cada eucaristia, no momento da consagração, revivemos admirados e comovidos o mistério da «Aliança nova» (v. 13): «Este é o cálice do meu Sangue, do Sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos, para remissão dos pecados». O autor detém-se a descrever a «aliança nova» servindo-se de Jr 31. Com a «aliança nova», Deus ultrapassa a Aliança antiga, que fora selada por ritos exteriores. O povo quebrou essa aliança. Mas Deus náo se rendeu e estipulou outra aliança destinada a penetrar no íntimo do homem, na sua mente e no seu coração. Deus nunca desiste de Se dar a conhecer ao homem nem de ser por ele amado. Na Aliança nova, finalmente, cada um «conhecerá», isto é amará Aquele que é misericórdia e perdão (Ex 34, 6s.) A cruz do seu Filho muito amado, Jesus, será o lugar da suprema manifestação de Deus.

    Evangelho: Marcos 3, 13-19

    Naquele tempo, 13Jesus subiu a um monte, chamou os que Ele queria e foram ter com Ele. 14Estabeleceu doze para estarem com Ele e para os enviar a pregar, 15com o poder de expulsar demónios. 16Estabeleceu estes doze: Simão, ao qual pôs o nome de Pedro; 17Tiago, filho de Zebedeu, e João, irmão de Tiago, aos quais deu o nome de Boanerges, isto é, filhos do trovão; 18André, Filipe, Bartolomeu, Mateus, Tomé, Tiago, filho de Alfeu, Tadeu, Simão, o Cananeu, 19e Judas Iscariotes, que o entregou.

    Deus não desiste de ligar mais intimamente a Si a humanidade, como já vimos na primeira leitura. Por meio de Jesus, escolhe alguns que experimentem mais profundamente o seu amor e se tornem testemunhas, arautos na nova Aliança junto dos irmãos. É para isso que Jesus forma a sua nova família, um grupo de pessoas dispostas a acolhê-lo, que também devem converter-se. Falar de família, é acentuar a relação pessoal e afectiva que deve existir entre Jesus e os seus discípulos, que são o germe do novo Israel, os fundamentos da futura Igreja.
    Tudo acontece sobre um «monte». Os montes são lugares propícios para as revelações de Deus (cf. 6, 43; 9, 2). As grandes decisões de Deus sobre o seu povo foram tomadas sobre os montes (cf. Ex 1, 20; 24, 12; Num 27, 12; Dt 1, 6-8, etc). Aqui é Cristo que chama, escolhe e constitui a comunidade. Marcos não diria isto, se não acreditasse que Jesus era Deus. O grupo é convocado para «ir ter com Ele» (v. 13 e, em primeiro lugar, para «estar com Ele» (v. 14). O novo povo de Deus constitui-se à volta de Jesus, que se apresenta como referência absoluta, assumindo uma função que pertencia à Lei. Isto causava escândalo aos Judeus. Os discípulos recebem os próprios poderes de Jesus, actuando com a força do Evangelho. A vocação implica a missão de testemunhar o amor de Deus pelos homens.

    Meditatio

    Na primeira leitura, escutamos o belo texto de Jeremias sobre a «aliança nova» (v. 8), que trará uma viragem na relação dos homens com Deus. A «aliança nova» não será «como a aliança que fiz com os seus pais no dia em que os tomei pela mão, para os fazer sair do Egipto» (v. 9), diz o Senhor. A primeira aliança ficava pelo exterior, pela observância da Lei dada por Deus. Mas, sendo exterior, a Lei tornava-se, sobretudo, um obstáculo para muitos, porque, quando uma lei é imposta, a primeira reacção do homem é opor-se a ela. Os hebreus veneravam a Lei, mas poucos a observavam de verdade. Aliás, o profeta anuncia a aliança nova num tempo em que, por causa das graves violações da Lei, Deus castigara severamente o seu povo com a destruição do Templo e com o exílio em Babilónia. Mas é exactamente nesse momento dramático que Deus surpreende com a promessa de uma aliança nova e de uma Lei, não já escrita em tábuas de pedra, mas nas mentes e nos corações: «Porei as minhas leis na sua mente e as imprimirei nos seus corações» (v. 10). Isto quer dizer que os homens estarão intimamente de acordo com Deus, amarão a sua vontade, terão desejo de cumpri-la, terão a mesma vontade e os mesmos desejos de Deus. É a aliança instituída por Jesus com o seu sacrifício. Ele mesmo se torna a nossa lei na caridade universal. Afirmamo-lo na eucaristia: «Este é o cálice do meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança». Esta aliança definitiva e perfeita, une-nos definitivamente com Deus e une-nos entre nós. É bom lembrarmos isto, numa época do ano em que as igrejas cristãs rezam pela unidade.
    O evangelho apresenta-nos outra condição para a unidade: a eleição dos Doze, a instituição que exprime a pluralidade na unidade, a que se deve aderir para estar unidos a Deus. As divisões na igreja têm origem na falta de fé e de adesão à autoridade. Os pastores da Igreja são certamente homens fracos e imperfeitos. Mas Jesus constituiu-os para conservarem a unidade. Por há que rodeá-los de afecto e compreensão. Cristo Jesus está com eles!
    «Que todos sejam um só. Como Tu, ó Pai, estás em Mim, e Eu em Ti, que também eles estejam em Nós, para que o mundo creia que Tu me enviaste», rezava Jesus (Jo 17, 21). Notemos a insistência do Senhor, não só sobre a unidade no amor, mas também so
    bre a dimensão missionária da comunidade cristã unida no amor. O mesmo se pode dizer da comunidade religiosa. «Ut sint unum» é um dos motes caros ao Pe. Dehon.

    Oratio

    Pai santo, nós Te bendizemos, por nos teres dado o teu Filho Jesus. Ele levou até ao extremo o seu amor por nós e entregou a sua vida para nos reunir na tua família. Escuta mais uma vez a sua oração que, pela nossa boca, se ergue para Ti: «Pai, guarda-os no teu amor de modo que sejam um só, como Tu estás em Mim e Eu em Ti». Aceita a oblação da nossa vida fraterna, as alegrias e os sofrimentos que partilhamos, o compromisso de vivermos reconciliados. Anima com o teu Espírito as nossas comunidades, para que permaneçam no teu amor e experimentem a plenitude da tua alegria. Amen.

    Contemplatio

    O cenáculo e o calvário eram o ponto final dos sacrifícios da antiga lei. Jesus era o verdadeiro cordeiro, sacrificado de uma maneira mística no cenáculo e de uma maneira sangrenta no calvário. Dos dois lados Jesus oferece o seu corpo e o seu sangue: «Eis o meu corpo que é entregue por vós, diz no cenáculo; eis o meu sangue que será derramado por vós». É o sacrifício novo, é a oblação pura que será oferecida por toda a parte segundo a profecia de Malaquias. Todos os caracteres dos antigos sacrifícios encontram-se aí reunidos. É o mais perfeito dos holocaustos, o único capaz de dar a Deus uma glória infinita, porque um Deus nele se humilha até tomar as aparências mais humildes. É um sacrifício eucarístico, onde Jesus Cristo mesmo se encarrega de pagar a dívida do nosso reconhecimento. É um sacrifício propiciatório: o Salvador tomou ele mesmo os nossos pecados no seu corpo, para que morrêssemos para o pecado e vivêssemos na justiça (1Pd 2, 24). É um sacrifício impetratório: Jesus é o nosso advogado junto de seu Pai (Jo 2, 1). É uma fonte infinita de graças. Os sacrifícios da antiga lei não lhe podem ser comparados. Deus dizia no Sl 49: Não tenho necessidade dos vossos gemidos nem dos vossos carneiros, é um sacrifício de louvor, um sacrifício espiritual que desejo: e no Sl 39: não quero mais os vossos holocaustos e as vossas oferendas. E o Verbo de Deus respondeu ao seu Pai: Eis-me aqui, venho oferecer o meu corpo e o meu sangue como um sacrifício voluntário que substituirá todos os da antiga lei. (Leão Dehon, OSP 4, p. 241s.).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Que todos sejam um só» (Jo 17, 21)

  • Tempo Comum - Anos Ímpares - III Semana - Segunda-feira

    Categoria: Semanal Tempo Comum - Anos Ímpares - III Semana - Segunda-feira


    23 de Janeiro, 2023

    Tempo Comum - Anos Ímpares - III Semana - Segunda-feira

    Lectio

    Primeira leitura: Hebreus 9, 15.24-28

    Cristo é o mediador de uma nova aliança, um novo testamento; para que, intervindo a morte para a remissão das transgressões cometidas sob a primeira aliança, os chamados recebam a herança eterna prometida. 24Na realidade, Cristo não entrou num santuário feito por mão humana, figura do verdadeiro santuário, mas entrou no próprio céu, para se apresentar agora diante de Deus em nosso favor. 25E nem entrou para se oferecer a si mesmo muitas vezes, tal como o Sumo Sacerdote, que entra cada ano no santuário com sangue alheio; 26nesse caso, deveria ter sofrido muitas vezes desde a fundação do mundo. Agora, porém, na plenitude dos tempos, apareceu uma só vez para destruir o pecado pelo sacrifício de si mesmo. 27E, assim como está determinado que os homens morram uma só vez e depois tenha lugar o julgamento, 28assim também Cristo, que se ofereceu uma só vez para tirar os pecados de muitos, aparecerá uma segunda vez, não já por causa do pecado, mas para dar a salvação àqueles que o esperam.

    Cristo é o mediador da nova aliança. O sumo sacerdote da antiga aliança, em nome de todo o povo, entrava em relação directa com Deus por meio de sacrifícios e vitimas animais, levava-Lhe as ofertas e trazia à assembleia a bênção divina em sinal de reconciliação. Cristo, sumo sacerdote da nova lei, é, agora, o mediador entre Deus e a humanidade. Há, pois, continuidade entre a antiga e a nova aliança. Mas também há descontinuidade: Jesus não é apenas sacerdote da nova aliança; é também vítima. Na paixão, entregou-se a Deus pelos pecadores. Não ofereceu sangue de outros, mas o seu próprio sangue. A perfeição do sacrifício de Cristo está na origem da sua unicidade e da unicidade da nova aliança estabelecida por meio dele. A sua actividade sacerdotal completa-se na cruz. Na Ascensão, entra no «Santo dos santos», que não é um templo construído por mãos humanas, mas o próprio Céu, e lá permanece Cordeiro imolado, mas de pé, diante de Deus para interceder por nós (cf. Ap 5, 6). O pecado perdeu toda a sua força. Para todos foi aberto o «caminho novo» (Heb 10, 20) para regressar ao Pai.

    Evangelho: Mc 3, 22-30

    Naquele tempo, 22os doutores da Lei, que tinham descido de Jerusalém, afirmavam: «Ele tem Belzebu!» E ainda: «É pelo chefe dos demónios que expulsa os demónios.» 23Então, Jesus chamou-os e disse-lhes em parábolas: «Como pode Satanás expulsar Satanás? 24Se um reino se dividir contra si mesmo, tal reino não pode perdurar; 25e se uma família se dividir contra si mesma, essa família não pode subsistir. 26Se, portanto, Satanás se levanta contra si próprio, está dividido e não poderá subsistir; é o seu fim. 27Ninguém consegue entrar em casa de um homem forte e roubar-lhe os bens sem primeiro o amarrar; só depois poderá saquear-lhe a casa. 28Em verdade vos digo: todos os pecados e todas as blasfémias que proferirem os filhos dos homens, tudo lhes será perdoado; 29mas, quem blasfemar contra o Espírito Santo, nunca mais terá perdão: é réu de pecado eterno.» 30Disse-lhes isto porque eles afirmavam: «Tem um espírito maligno.»

    O «tribunal» vindo de Jerusalém, não podendo negar a evidência prodígios que Jesus operava, insinua que é por Belzebu que Ele expulsa os demónios. Jesus enfrenta decidida e corajosamente os seus caluniadores, ainda que «em parábolas», para os refutar. Evidencia as suas contradições: se fosse Satanás a expulsar Satanás, não era preciso estar preocupados com ele, porque o seu poder tinha chegado ao fim.
    As palavras de Jesus, cheias da ironia, que Marcos várias vezes anota, são uma profecia: efectivamente o reino de Satanás estava prestes a findar, porque se aproximava o reino dos céus, ou melhor, já estava presente.
    Libertar os pecadores do poder de Satanás e da escravidão do pecado era um sinal claro de que Jesus actuava em nome de Deus. Dizer que actuava pelo poder do «espírito maligno» era blasfemar contra o Espírito Santo.

    Meditatio

    A Carta aos Hebreus apresenta-nos o fundamento da unidade pela qual a Igreja reza: o único sacrifício de Cristo. O autor insiste em dizer que Cristo sofreu uma só vez: «apareceu uma só vez para destruir o pecado pelo sacrifício de si mesmo» (v. 26). Sendo assim, a Missa, que é o sacramento do único sacrifício de Cristo, é o fundamento da unidade. Quando participamos na Eucaristia, havemos de oferecer o sacrifício de Cristo pela unidade de todos os que acreditam n´Ele.
    É bom rezarmos pela unidade da Igreja, particularmente neste tempo em que as diversas tradições cristãs o fazem. Mas o tema que unifica as duas leituras é o destino do homem, a sua salvação eterna ou condenação eterna. Ainda que frágil como a erva do campo, o homem não foi criado apenas para um breve respiro na terra. O seu destino é viver para sempre. Para sempre. A desproporção entre a nossa pequenez e a grandeza do nosso destino pode assustar-nos. Por isso, facilmente somos tentados a redimensionar a nossa vida, reduzindo-a ao tempo presente, satisfazendo-nos com um bom trabalho, honestas relações com os outros e pouco mais. Mas isso não chega! Ainda que tantas vezes sufocado, persiste em nós o desejo de infinito: o Espírito que habita em nós clama que fomos feitos para um amor sem medida. O homem está realmente condenado à santidade ou ao desespero. Mas, que é a santidade? O evangelho diz-nos, de modo muito simples, que ela é comunhão com Jesus. Então tudo muda de figura: quando rezo, estou com Jesus diante do Pai para adorar, interceder, dar graças; quando trabalho, estou com Jesus ao serviço do meu próximo; quando sofro, participo na paixão de Jesus para salvação do mundo; quando chega para mim a hora da morte, estou unido à morte redentora de Cristo, entro na sua páscoa e antegozo a alegria de ver descoberto o rosto d´Aquele que me amou e Se entregou por mim.
    Afirmam as nossas Constituições: «Discípulos do Padre Dehon, queremos fazer da nossa união com Cristo, no seu amor pelo Pai e pelos homens, o princípio e o centro da nossa vida» (n. 17). Talvez fosse preferível escrever: «Discípulos de Cristo, por meio do P. Dehon...». De facto, Cristo é o único Mestre: «Um só é o vosso mestre e todos vós sois irmãos» (Mt 23, 8). De qualquer modo, o P. Dehon é sempre nosso modelo, também na vida de união a Cristo. Sabemos como essa união marcou a sua experiência de fé, que tem para nós um valor constitutivo, influencia a nossa própria experiência de fé, e marca a forma de seguirmos a Cristo, único Mestre. A união com Cristo tem o seu mais eficaz comentário na alegoria da videira (cf. Jo 15, 1-8). A união a Cristo &eacu
    te; fundamento e condição para a união entre os seus discípulos.

    Oratio

    Pai santo, nós Te bendizemos, em união com Jesus, teu Filho, levantado da terra para nossa salvação. Do seu Lado aberto acolhemos o dom do Espírito, que nos purifica do pecado e renova na caridade. Torna-nos disponíveis para seguirmos a Jesus na sua oblação para salvação do mundo. Nós Te oferecemos este dia, dom do teu amor e tempo de salvação. Acolhe os trabalhos e as esperanças da Igreja, que procura a unidade, as alegrias e os sofrimentos de toda a humanidade. Que a nossa vida, crucificada com Cristo, se torne um serviço sacerdotal para o advento do teu reino. Amen.

    Contemplatio

    O Espírito de doçura é o verdadeiro espírito dos discípulos de Jesus Cristo. Não é Deus todo amor? Deus Pai é o pai das misericórdias; Deus filho nomeia-se a si mesmo um cordeiro; Deus Espírito Santo mostrou-se sob a forma de uma pomba que é a própria mansidão. Se houvesse alguma coisa melhor, Nosso Senhor no-la teria dito, mas dá-nos apenas duas lições para nós aprendermos dele: a mansidão e a humildade de coração. A mansidão é como o perfume da vida de Nosso Senhor. Foi submetido a muitas contradições, críticas, murmurações. Foi olhado como um impostor, como um sedicioso, um samaritano, um possesso do demónio. Tomaram pedras para o apedrejarem. Tudo suportou com mansidão, e de alma em paz. A doçura oferece um grande império sobre o coração dos homens. Felizes os homens mansos: possuirão a terra, isto é, serão os senhores dos corações e todas as vontades estarão nas suas mãos. O patriarca José, ao enviar os seus irmãos do Egipto a casa de seu pai, deu-lhes apenas este aviso: «Não vos enfureçais pelo caminho». Sigamos o mesmo aviso. Esta vida não é senão um encaminhamento para a vida bem-aventurada; não nos enfureçamos, portanto, no caminho uns com os outros. Caminhemos com o grupo dos nossos irmãos e companheiros, suavemente, pacificamente e amavelmente. É quando a alma está em estado de tranquilidade e sem motivo de cólera, que é preciso fazer provisão de doçura e adquirir o hábito. Mas para a vida de união com Nosso Senhor e de fidelidade às graças do Espírito Santo, a doçura torna-se-nos natural, ela é um fruto da caridade que reina então nos nossos corações. A caridade ardente faz-nos mansos e pacientes. Vivamos, portanto, sob a doce influência do Espírito Santo, que é o Espírito do Sagrado Coração. (Leão Dehon, OSP 3, p.592s.).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Cristo ofereceu-se uma só vez para tirar os pecados» (Hebr 9, 27).

  • S. Francisco de Sales, Bispo e doutor da Igreja

    Categoria: Santoral S. Francisco de Sales, Bispo e doutor da Igreja


    24 de Janeiro, 2023

    Nasceu em Thorans, pequena aldeia da Saboia francesa, em 1567. Tendo recebido uma boa educação na família, estudou num colégio de Jesuítas, em Paris e, depois, frequentou a universidade de Pádua, onde se formou em Direito. Contrariando as expetativas do pai, abraçou a vida eclesiástica e dedicou-se com sucesso à evangelização. Nomeado bispo de Genebra, desenvolveu grande atividade na reforma da diocese e exerceu profícuo apostolado entre os protestantes. Para além da sua iluminada atividade pastoral, dedicou-se à direção espiritual de muitas pessoas, escrevendo as preciosas obras de espiritualidade para todos, particularmente para os leigos, intituladas Filoteia, ou Introdução à vida devota, e Teotimo, ou tratado do amor de Deus. Com Santa Joana de Chantal, fundou a Visitação. Faleceu em 1622. É padroeiro da Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus, Dehonianos, e dos jornalistas católicos.
    Lectio
    Primeira leitura: Efésios 3, 8-12

    Irmãos, a mim, o menor de todos os santos, foi dada a graça de anunciar aos gentios a insondável riqueza de Cristo 9e a todos iluminar sobre a realização do mistério escondido desde séculos em Deus, o criador de todas as coisas 10para que agora, por meio da Igreja, seja dada a conhecer, aos Principados e às Autoridades no alto do Céu, a multiforme sabedoria de Deus, 11de acordo com o desígnio eterno que Ele realizou em Cristo Jesus Senhor nosso. 12Em Cristo, mediante a fé nele, temos a liberdade e coragem de nos aproximarmos de Deus com confiança.

    Paulo apresenta-se como ministro do mistério de Cristo, não por iniciativa própria, mas por vocação e graça. O seu trabalho de evangelizador dos pagãos é um dom recebido e uma missão a realizar. Deus tinha um desígnio arcano (mysterium), preparado longamente e agora revelado, na sua realização, a Paulo, de modo particular. Por meio dele, Deus quer revelá-lo a todos, especialmente aos pagãos. O conteúdo do mistério é o seguinte: todos são chamados a conhecer a extraordinária sabedoria de Deus, que também representa a extraordinária riqueza de Cristo.
    Evangelho: João 10, 11-18

    Naquele tempo, Jesus disse: "Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas. 12O mercenário, e o que não é pastor, a quem não pertencem as ovelhas, vê vir o lobo e abandona as ovelhas e foge e o lobo arrebata-as e espanta-as, 13porque é mercenário e não lhe importam as ovelhas. 14Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas e as minhas ovelhas conhecem-me, 15assim como o Pai me conhece e Eu conheço o Pai; e ofereço a minha vida pelas ovelhas. 16Tenho ainda outras ovelhas que não são deste redil. Também estas Eu preciso de as trazer e hão-de ouvir a minha voz; e haverá um só rebanho e um só pastor. 17É por isto que meu Pai me tem amor: por Eu oferecer a minha vida, para a retomar depois. 18Ninguém ma tira, mas sou Eu que a ofereço livremente. Tenho poder de a oferecer e poder de a retomar. Tal é o encargo que recebi de meu Pai.»

    A figura do pastor é comum na tradição hebraica para indicar o rei de Israel e a relação do crente com Deus, o pastor por excelência. Jesus identifica-se com essa imagem, aprofundando-a e levando-a à sua plena realização. Ele é o pastor belo (kalós) e bom não só na aparência, mas também na qualidade. É o autêntico pastor. O termo "belo" ou "bom" significa suave e afável, mas, sobretudo, autêntico. Jesus é o novo David, chefe e guia conforme o coração de Deus. É pastor, não só de Israel, mas também de "outras ovelhas" como os samaritanos e os pagãos, que são filhos de Deus dispersos e devem ser reconduzidos ao redil e à salvação, conforme o desígnio do Pai.
    Meditatio

    S. Francisco de Sales foi o pastor belo e bom que tornou amável o rosto da Igreja num tempo de grandes contrastes e lutas. Como Cristo, entregou-se e consumiu a sua vida, não só pelas ovelhas do redil, mas também pelas que andavam perdidas. Foi esse dar a vida por todos que abriu os olhos a muitas ovelhas "perdidas". S. Francisco de Sales foi, nos séculos XVI e XVII, o pastor autêntico, preocupado exclusivamente em dar a própria vida, arriscando-a em situações por vezes muito difíceis para evangelizar, servir a sua diocese e restaurar a vida da Igreja nas dioceses de Genebra e Annecy. Em tudo se deixa conduzir pelo princípio do amor puro, como disponibilidade incondicional ao projeto de Deus. É isso que também ensina às pessoas sedentas de perfeição cristã.
    É um verdadeiro repouso para a alma contemplar este santo, ler os seus escritos, tal é a sua caridade, a paciência e o otimismo que exala. A fonte de tudo isto está na esperança em Deus, ao qual se entrega para servir sem reservas o seu povo.
    Francisco de Sales exultava de alegria ao pensar que toda a lei se resume no mandamento do amor e que não devemos ter medo de amar excessivamente.
    O P. Dehon aponta-o como um "santo do Coração de Jesus". E justifica: "A grande obra da sua piedade foi a fundação da Visitação donde saiu a devoção ao Sagrado Coração", uma evidente alusão a Santa Margarida Maria, visitandina, favorecida com extraordinárias revelações de Jesus e apóstola do seu Coração.
    Oratio

    Amável santo, vós sois um dos mestres da devoção ao Sagrado Coração. Haveis formado tão bem a Ordem da Visitação, que Nosso Senhor aí encontrou um campo bem preparado para lá semear esta bela devoção. Preparai também os nossos corações. Por vossa intercessão, purificai-nos e formai-nos ao apostolado do Coração de Jesus. (Leão Dehon, OSP 3, p. 103).
    Contemplatio

    S. Francisco de Sales é modelo de mansidão. É a característica da sua vida. Foi suave como o bom Mestre. Não o era por natureza, mas tornou-se pelos seus esforços e pela graça de Deus. Imagem perfeita do Bom Pastor, vai através de todas as fadigas procurar as ovelhas perdidas. Fala às pessoas pobres, aos pastores das montanhas com uma bondade que os enternece. Entra nas suas necessidades e nas suas mágoas e assiste-os com a sua bolsa e os seus bens. A sua reputação de mansidão é conhecida longe... A sua caridade sem limites punha em desespero o seu ecónomo, mas o caro santo mostrava-lhe o crucifixo e dizia-lhe: "Como é que hesitaremos em despojar-nos, quando vemos o que um Deus fez por nós". A doçura era a sua virtude dominante. Dizia um dia que tinha estado três anos a estudar na escola de Jesus Cristo e que não podia contentar-se lá em cima. Algumas pessoas tendo-o um dia censurado por causa da sua indulgência para com os pecadores, respondeu-lhes: "Se houvesse alguma coisa melhor que a mansidão, Deus no-la teria ensinado. Mas ele não nos recomenda senão duas coisas, ser mansos e humildes de coração. Quereis impedir-me de observar o mandamento de Deus e de imitar o mais que puder a virtude da qual nos deu o exemplo?" (Leão Dehon, OSP 3, p. 102).
    Actio

    Repete muitas vezes e vive hoje a palavra:
    "O bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas" (Jo 10, 11b).
    ----

    S. Francisco de Sales, Bispo e doutor da Igreja (24 Janeiro)

    Tempo Comum - Anos Ímpares - III Semana - Terça-feira

    Categoria: Semanal Tempo Comum - Anos Ímpares - III Semana - Terça-feira


    24 de Janeiro, 2023

    Tempo Comum - Anos Ímpares - III Semana - Terça-feira

    Lectio

    Primeira leitura: Hebreus 10, 1-10

    1Irmãos: A lei de Moisés, possuindo apenas a sombra dos bens futuros e não a expressão própria das coisas, a Lei nunca pode conduzir à perfeição aqueles que participam nos sacrifícios que se oferecem constantemente cada ano. 2Não se teria porventura deixado de os oferecer, se os que prestam culto, purificados de uma vez por todas, já não tivessem consciência de algum pecado? 3Pelo contrário, com esses sacrifícios, recordam-se anualmente os pecados, 4uma vez que é impossível que o sangue dos touros e dos bodes apague os pecados. 5Por isso, ao entrar no mundo, Cristo diz:Tu não quiseste sacrifício nem oferenda, mas preparaste-me um corpo. 6Não te agradaram holocaustos nem sacrifícios pelos pecados. 7Então, Eu disse: Eis que venho - como está escrito no livro a meu respeito - para fazer, ó Deus, a tua vontade. 8Disse primeiro: Não quiseste nem te agradaram sacrifícios, oferendas e holocaustos pelos pecados - e, no entanto, eram oferecidos segundo a Lei. 9Disse em seguida: Eis que venho para fazer a tua vontade. Suprime, assim, o primeiro culto, para instaurar o segundo. 10E foi por essa vontade que nós fomos santificados, pela oferta do corpo de Jesus Cristo, feita uma vez para sempre.

    A antiga Lei prescrevia complexos ritos de purificação e exigia a repetida oferta de vítimas em sacrifício: sangue de touros e de bodes. Esses sacrifícios mantinham viva a consciência de pecado no povo, mas eram insuficientes para extirpar esse pecado e reconduzir o povo à liberdade. Um rito exterior não pode curar automaticamente uma ferida interior que tem origem na desobediência a Deus, na soberba rebelião contra a sua vontade. Depois da queda dos nossos primeiros pais, a natureza humana é inclinada para o mal e, de facto, a inclinação torna-se pecado realizado que, por sua vez, torna cada vez mais fáceis novas quedas. Daí decorre um estado de escravidão permanente.
    Jesus veio ao mundo para percorrer, por primeiro, o caminho de regresso ao Pai, abrindo também aos homens esse caminho, que é o único que leva à salvação. Sendo Filho de Deus, abaixou-Se à condição humana e fez-se obediente até à morte de cruz. Fomos santificados graças à sua entrega sacrificial obediente, e não a determinados sacrifícios ou práticas rituais.
    Fala-se da oblação do corpo e não do sangue de Cristo. A palavra corpo é utilizada devido à expressão do Salmo: «preparaste-me um corpo» (v. 5). Esta oblação inclui, na só a oferta no momento da Encarnação - ao entrar no mundo - mas a entrega de toda a sua vida ao serviço da vontade de Deus. Essa entrega culminou na cruz. Quer quando se fala do corpo, como quando se menciona o sangue, o que está em causa é a total auto-entrega de Cristo.

    Evangelho: Mc 3, 31-35

    Naquele tempo, 31chegam à casa onde estava Jesus, sua Mãe e seus irmãos que, ficando do lado de fora, o mandam chamar. 32A multidão estava sentada em volta dele, quando lhe disseram: «Estão lá fora a tua mãe e os teus irmãos que te procuram.» 33Ele respondeu: «Quem são minha mãe e meus irmãos?» 34E, percorrendo com o olhar os que estavam sentados à volta dele, disse: «Aí estão minha mãe e meus irmãos. 35Aquele que fizer a vontade de Deus, esse é que é meu irmão, minha irmã e minha mãe.»

    Depois do julgamento do «tribunal» de Jerusalém, vem o julgamento dos «seus», conterrâneos e parentes, que dizem que Ele está louco. Alguns autores vêem neste texto ecos de uma desconfiança que existia em relação à comunidade judeo-cristã de Jerusalém, cujo bispo era Tiago, «irmão» do Senhor, pertencente ao grupo de Nazaré, cuja hostilidade para com o Senhor é sublinhada por Marcos (cf. 6, 3). Os parentes do Senhor lideravam a igreja de Jerusalém e também há quem veja no texto de Marcos resíduos de uma polémica contra o perigo do nepotismo na Igreja.
    Como quer que seja, não podemos ver neste texto qualquer atitude de menosprezo pela Mãe, nem pelos afectos humanos. Marcos não trata desses temas, mas aproveita o ensejo para criar uma situação paradoxal que dá maior realce aos vv. 34s., que são o cume do episódio.
    Todos quantos rodeiam Jesus, ainda que simples curiosos, discípulos hesitantes ou apóstolos tardos em compreender, ou mesmo traidores, são mãe e irmãos. Ser irmão de Jesus, não é questão de sangue, de mérito, mas de graça: «Aquele que fizer a vontade de Deus, esse é que é meu irmão, minha irmã e minha mãe», por que se torna «filho de Deus».

    Meditatio

    As duas leituras de hoje iluminam-se reciprocamente. «Aquele que fizer a vontade de Deus, esse é que é meu irmão, minha irmã e minha mãe», diz-nos Jesus no evangelho. Lemos na Carta aos Hebreus: «Tu não quiseste sacrifício nem oferenda, mas preparaste-me um corpo... Então, Eu disse: Eis que venho para fazer, ó Deus, a tua vontade». E continua: «E foi por essa vontade que nós fomos santificados, pela oferta do corpo de Jesus Cristo, feita uma vez para sempre» (v. 10).
    A vontade de Deus é, pois, um tesouro inestimável para nós. Mas não o aceitamos espontaneamente. Porquê? Porque provavelmente temos uma estreita visão da obediência e de estranhos preconceitos contra a vontade de Deus... Muitas vezes falamos de vontade de Deus nas provações, nos sofrimentos: «É vontade de Deus!», dizemos resignados. Isto pode ser um primeiro passo, mas não é toda a verdade. Para Jesus, a vontade de Deus era a ressurreição, não a morte! A morte era apenas uma passagem muito dolorosa, mas uma passagem rumo à transformação da natureza humana. Por isso, não podemos deter-nos na morte. A vontade de Deus é a transformação, a alegria. Por isso, havemos de viver as circunstâncias dolorosas, não só com resignação, mas também com confiança e adesão, com esperança. Deus quer realizar algo de positivo, que será a nossa alegria. A sua vontade é triunfar sobre tudo quanto é negativo. Lemos no salmo 18: «Atacaram-me no dia da minha desgraça, porém, o Senhor foi o meu amparo. Levou-me a um espaço aberto, libertou-me porque me quer bem» (Sl 18, 19-20). «Porque me quer bem»: a vontade de Deus é o seu querer-me bem!
    Na plenitude da revelação, Jesus irá declarar: «A vontade daquele que me enviou é esta: que Eu não perca nenhum daqueles que Ele me deu, mas o ressuscite no último dia» (Jo 6, 39). Se a vontade de Deus é o nosso bem, que é então a obediência? Desde o «eis-me aqui!» de Abraão ao «eis-me aqui!» de Maria, do «eis-me aqui!» de Jesus ao «eis-me aqui!» de todos quantos Lhe seguem os passos, ela revela-
    se como um cântico nupcial que brota do coração desejoso de cooperar no desígnio divino da salvação. A obediência não é fria execução de severas ordens, mas o apaixonado envolvimento de toda a pessoa num confiante abandono Àquele que é omnipotente, mas também Pai; Altíssimo, mas também Emanuel, Deus-connosco. A obediência tem momentos difíceis, mas pressentirá sempre ao seu lado os passos d´Aquele que nos precede levando, por nosso amor, a sua e nossa cruz.
    Segundo a expressão do Directório Espiritual, Cristo é «Aquele que nos precedeu neste caminho, que o tornou praticável e que deixou atrás de Si, como sinais dos Seus passos, pegadas sangrentas. Tal é a nossa vocação». O caminho de Cristo é o nosso caminho (cf. Cst 12). Neste caminho, caracterizado pelo abandono à vontade do Pai, pela oblação de amor, somos guiados e apoiados pelo Espírito (cf. Cst 16), que nos faz reviver, na fidelidade dinâmica, a «experiência de fé do P. Dehon», o qual escolheu como motes da sua vida: «Ecce venio... eis-me aqui!» (Heb 10,7): «Senhor, que queres que eu faça?» (Act 9, 6); "Fiat...faça-se!".
    Contemplar a Cristo na Sua obediência-oblação filial ao Pai, e vivê-la, é uma contemplação, uma forma de vida tipicamente dehoniana. É ser «Oblatos, Sacerdotes do Sagrado Coração de Jesus» (Cst 6).

    Oratio

    Ó Jesus, sacerdote misericordioso, que ao entrar no mundo Te ofereceste ao Pai: «Eis-me aqui para fazer a tua vontade!»; reforça em nós a mesma disposição que animou o teu coração de Filho. À tua obediência de amor queremos unir a oferta da nossa obediência, mesmo quando exigir de nós um maior desapego. Aceita a nossa vida que desejamos oferecer-Te até ao sacrifício total de nós mesmos. Que o teu Espírito nos torne atentos à tua vontade em todas as circunstâncias da vida, e a tua graça nos mova a uma fraterna dedicação para que venha o teu reino de amor. Amen.

    Contemplatio

    Aqui está o que Jesus e Maria nos pedem. Não procuremos na devoção as consolações sensíveis. Se elas vêm, seja! Agradeçamos. Mas vamos sempre ao amor viril e forte como os Magos e os santos. É pela vontade que nós nos santificamos e não pelas impressões. Qual é a regra de conduta de Jesus? Ele disse-nos no salmo trinta e nove e S. Paulo no-lo repete na epístola aos Hebreus: «Cristo, ao entrar no mundo disse: Meu Pai, já não quereis vítimas da Antiga Lei, eis-me aqui, Ecce venio, para cumprir a vossa vontade». E muitas vezes Nosso Senhor repetirá na sua vida que faz a vontade do seu Pai. É a sua vida, é o seu programa, é a lei do seu coração, é a sua resolução de todos os dias. - Cumpramos a vontade divina marcada pelas nossas regras, pelos preceitos divinos, pelas prescrições dos nossos superiores. Aceitemos as provas da vida e toda a conduta da Providência. É isso o que se chama o amor viril e forte. (Leão Dehon, OSP 3, p. 96s.).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Eis-me aqui, ó Deus, para fazer a tua vontade» (Heb 19, 7):

  • Conversão de S. Paulo

    Categoria: Santoral Conversão de S. Paulo


    25 de Janeiro, 2023

    Saulo, cidadão romano por privilégio da sua cidade natal, Tarso, era um judeu convicto, formado na escola de Gamaliel, em Jerusalém. Opôs-se decididamente à nova fé que começava a propagar-se na Palestina e arredores. Clamou pela morte de Estêvão, e tomou parte nela, guardando as capas dos que apedrejavam o protomártir. Perseguiu violentamente os crentes em Jesus Cristo. O seu nome causava terror nas comunidades cristãs. Ao dirigir-se para Damasco para prender os cristãos que lá encontrasse e conduzi-los a Jerusalém, encontrou Jesus ressuscitado. Esse encontro mudou-lhe para sempre a vida, com a sua forma de crer e de pensar. Jesus ressuscitado, que ele perseguia, tornou-se o centro da sua espiritualidade e da sua teologia. Em Antioquia, Saulo faz a sua primeira experiência de vida cristã. Tornado apóstolo do Evangelho, com o nome de Paulo, Antioquia será também o ponto de partida para as suas viagens missionárias. Funda diversas comunidades na Ásia e na Europa. Escreve-lhes cartas que testemunham o seu amor a Jesus Cristo e à Igreja, e nos dão elementos importantes da sua teologia. Como apóstolo verdadeiro e autêntico, Paulo tem sempre o cuidado de voltar a Jerusalém para se confrontar com os outros apóstolos e não correr em vão.

    Há muitos séculos que a festa da conversão de S. Paulo foi fixada no dia 25 de Janeiro, talvez por causa da data da transladação do seu corpo, que atualmente repousa na Basílica de S. Paulo Fora dos Muros, em Roma.
    Lectio

    Primeira Leitura: Act 22, 3-16

    Naqueles dias, Paulo disse ao povo: "Sou judeu, nascido em Tarso da Cilícia, mas fui educado nesta cidade, instruído aos pés de Gamaliel, em todo o rigor da Lei dos nossos pais e cheio de zelo pelas coisas de Deus, como todos vós sois agora. 4Persegui de morte esta «Via», algemando e entregando à prisão homens e mulheres, 5como o podem testemunhar o Sumo Sacerdote e todos os anciãos. Recebi até, da parte deles, cartas para os irmãos de Damasco, onde ia para prender os que lá se encontrassem e trazê-los agrilhoados a Jerusalém, a fim de serem castigados. 6Ia a caminho, e já próximo de Damasco, quando, por volta do meio dia, uma intensa luz, vinda do Céu, me rodeou com a sua claridade. 7Caí por terra e ouvi uma voz que me dizia: 'Saulo, Saulo, porque me persegues?' 8Respondi: 'Quem és Tu, Senhor?' Ele disse-me, então: 'Eu sou Jesus de Nazaré, a quem tu persegues.' 9Os meus companheiros viram a luz, mas não ouviram a voz de quem me falava. 10E prossegui: 'Que hei-de fazer, Senhor?' O Senhor respondeu-me: 'Ergue-te, vai a Damasco, e lá te dirão o que se determinou que fizesses.' 11Mas, como eu não via, devido ao brilho daquela luz, fui levado pela mão dos meus companheiros e cheguei a Damasco. 12Ora um certo Ananias, homem piedoso e cumpridor da Lei, muito respeitado por todos os judeus da cidade, 13foi procurar-me e disse: 'Saulo, meu irmão, recupera a vista.' E, no mesmo instante, comecei a vê-lo. 14Ele prosseguiu: 'O Deus dos nossos pais predestinou-te para conheceres a sua vontade, para veres o Justo e para ouvires as palavras da sua boca, 15porque serás testemunha diante de todos os homens, acerca do que viste e ouviste. 16E agora, porque esperas? Levanta-te, recebe o batismo e purifica-te dos teus pecados, invocando o seu nome.

    Este é um dos três relatos com que Lucas enriquece a história da primitiva comunidade cristã. Sem se preocupar com o rigor histórico, - alguns pormenores são mesmo improváveis -, o autor do livros dos Atos pretende personificar em Paulo a justificação do cristianismo e a falta de razão do judaísmo.
    O evento de Damasco articula-se em três momentos: um diálogo de reconhecimento mútuo entre Jesus Ressuscitado e Saulo de Tarso; a conversão de Saulo revelada na pergunta: "Que hei de fazer, Senhor?"; a missão: quem conheceu a vontade de Deus e viu o Justo recebendo a palavra da sua boca, torna-se testemunha do que viu e ouviu. Doravante, para Paulo, a única forma de vida é ser missionário.
    Evangelho: Marcos 16, 15-18

    Naquele tempo, Jesus apareceu aos Onze e disse-lhes: «Ide pelo mundo inteiro, proclamai o Evangelho a toda a criatura. 16Quem acreditar e for batizado será salvo; mas, quem não acreditar será condenado. 17Estes sinais acompanharão aqueles que acreditarem: em meu nome expulsarão demónios, falarão línguas novas, 18apanharão serpentes com as mãos e, se beberem algum veneno mortal, não sofrerão nenhum mal; hão de impor as mãos aos doentes e eles ficarão curados.»

    Paulo não pertenceu ao grupo dos Doze. Mas a Liturgia aplica-lhe também as palavras de Jesus aos Doze, no momento em que subia ao céu: "Ide pelo mundo inteiro, proclamai o Evangelho a toda a criatura" (v. 15). Paulo, depois da sua experiência de fé e de comunidade, torna-se verdadeiro apóstolo de Jesus. Desde sempre a Igreja entendeu que o mandato missionário do Ressuscitado se dirigia também a ele. Paulo submete-se e obedece.
    Deus quer salvar a humanidade com a colaboração da própria humanidade. Jesus precisa de missionários-testemunhas. A salvação é fruto da pregação e realiza-se pelo ato de fé de quem a escuta: "Quem acreditar e for batizado será salvo" (v. 16). Deus, que nos criou sem nós, não nos salva sem a nossa colaboração.
    Os sinais e prodígios que acompanham a pregação dos apóstolos manifestam a presença consoladora de Deus no meio de nós.
    Meditatio

    Em S. Paulo revela-se verdadeiramente o poder de Deus. Inimigo acérrimo do nome de Cristo, Saulo encontra-se com o Senhor no caminho de Damasco, acolhe-o na fé e torna-se seu Apóstolo entusiasta, com uma fecundidade extraordinária, que ainda não terminou. O seu itinerário de fé é símbolo do nosso.
    Acreditar implica, antes de mais, encontrar pessoalmente Jesus de Nazaré, Deus feito homem. O cristão não se acredita numa doutrina, num sistema, mas numa pessoa, a pessoa humano-divina de Jesus. Ter fé é aderir vitalmente a Jesus, de tal modo que já não se pode viver sem Ele.
    Realizado o encontro, passa-se ao diálogo, uma vez que a fé é encontro e adesão entre pessoas inteligentes e livres. A quem se dispõe ao diálogo, Deus revela a Si mesmo, revela a sua vontade e os seus projetos. Este diálogo vital leva aqueles que o realizam a uma forma de vida cada vez mais elevada.
    Mas a fé cristã também é obediência, submissão, abandono total da criatura ao Criador. Obedecer não significa abdicar da própria liberdade ou dos próprios direitos. Significa, sim, perceber a imensa distância que existe entre si o interlocutor e, ao mesmo tempo, intuir que a adesão à vontade divina leva à total satisfação e realização de si mesmo.
    Finalmente, a fé cristã é também missão. Não se pode privatizar um bem que, por sua natureza, é comunitário. Quem recebeu de Cristo o dom da salvação em Cristo, sente-se intimamente obrigado a fazer dele um dom para os outros.
    O Apóstolo Paulo é nosso guia em tempos de aprofundamento espiritual e de renovação apostólica. Como ele, o apóstolo dos tempos novos deve procurar, em primeiro lugar, a inteligência do Mistério de Cristo num apego inquebrantável ao seu Amor (cf. Ef 3, 4; Rm 8, 35; Fl 3, 8-10). É apóstolo, em primeiro lugar, pelo testemunho da visão de Cristo (At 26, 1) e tornando-se no Espírito imagem viva do Salvador morto e ressuscitado. É a caridade do Senhor que vive nele e que o impele em direção aos homens para lhes anunciar o Evangelho de Deus, o Evangelho que todos podem ler na sua vida e nos seus escritos. Ensina-nos o serviço ardente e inteligente em favor do Reino. Vivendo de Cristo, a ponto de ser identificado com Ele pela graça (Gl 2, 20), lembra-nos que o serviço apostólico enraíza numa verdadeira consagração a Deus e dá à nossa oblação capacidade para se manifestar e aprofundar no trabalho generoso para que a humanidade se torne «uma oblação agradável santificada pelo Espírito Santo (XV Capítulo Geral, DOC VII, n. 167).
    Oratio

    Apóstolo S. Paulo, na tua juventude, deixaste-te levar por um zelo ardente mas errado em favor da unidade do povo de Deus. Por isso, perseguiste duramente os cristãos. Deus converteu-te e introduziu-te na Igreja, Corpo de Cristo, onde deve integrar-se quem quiser viver na verdadeira fé. Mas a tua adesão a Cristo e a tua integração na Igreja não te fizerem esquecer o teu povo, pelo qual sentias uma dor profunda e permanente. Que a minha alegria de estar em Cristo não me faça esquecer a situação do antigo Povo de Deus, nem a dos cristãos divididos, que tardam em chegar à unidade que Deus quer. Ámen.
    Contemplatio

    S. Paulo recolhe-se alguns dias, depois começa a pregar a divindade de Jesus Cristo. Será um dos mais poderosos apóstolos pela palavra e pelo sofrimento. «Escolhi-o, dizia Nosso Senhor, para levar o meu nome diante das nações e dos reis e dos filhos de Israel, e hei de mostrar-lhe quanto terá de sofrer pelo meu nome». A sua conversão e a sua vocação são devidas à misericórdia do Coração de Jesus. O Coração de Jesus ama as almas ardentes, zelosas, dedicadas. Mas a oração de Santo Estêvão contribuiu para estas grandes graças. Santo Estêvão rezava pelos seus perseguidores, entre os quais S. Paulo era o mais ardente. Se soubermos rezar e sofrer pelas almas, obteremos grandes graças, ilustres conversões, vocações poderosas. Ofereçamos as nossas orações, as nossas cruzes, os nossos sofrimentos ao Coração de Jesus para que envie à sua Igreja, nestes tempos difíceis, apóstolos poderosos em palavras e em obras (L. Dehon, OSP 3, p. 90s.).
    Actio

    Repete muitas vezes e vive hoje a palavra:
    "Que hei de fazer, Senhor?" (At 22, 10).

     

    ----

    Conversão de S. Paulo (25 Janeiro)

    Tempo Comum - Anos Ímpares - III Semana - Quarta-feira

    Categoria: Semanal Tempo Comum - Anos Ímpares - III Semana - Quarta-feira


    25 de Janeiro, 2023

    Tempo Comum - Anos Ímpares - III Semana - Quarta-feira

    Lectio

    Primeira leitura: Hebreus 10, 11-18

    11Todo o sacerdote da antiga aliança se apresenta diariamente para oferecer o culto, oferecendo muitas vezes os mesmos sacrifícios, que nunca podem apagar os pecados. 12Cristo, porém, depois de oferecer pelos pecados um único sacrifício, sentou-se para sempre à direita de Deus, 13esperando, por último, que os seus inimigos sejam postos como estrado dos seus pés. 14De facto, com uma só oferta, Ele tornou perfeitos para sempre os que são santificados. 15É o que o Espírito Santo também nos atesta. De facto, depois disse: 16Esta é a aliança que estabelecerei com eles, depois daqueles dias, diz o Senhor: 'Porei as minhas leis nos seus corações e gravá-las-ei nas suas mentes; 17e não mais me recordarei dos seus pecados nem das suas iniquidades.' 18Ora, onde há perdão dos pecados, já não há necessidade de oferenda pelos pecados.

    As reflexões do autor continuam centradas na superioridade do sacerdócio e do sacrifício de Cristo relativamente a todos os sacrifícios oferecidos pelo sacerdócio de Aarão. Dirigindo-se a judeo-cristãos que passam por um momento de crise e de saudade do antigo culto, o autor estabelece uma relação directa entre os sacerdotes do templo e Cristo. Os primeiros apresentam-se submetidos a uma permanente e vã repetição de ritos que não chegam a purificar as consciências e a libertar do pecado. São sacrifícios externos, apenas sombra do verdadeiro sacrifício. Ergue-se diante deles a figura majestosa de Cristo que, tendo oferecido «uma só vez» a sua vida em obediência ao Pai, está «agora» na sua presença e «sentado» à sua direita, à espera que amadureçam todos os frutos da obra de salvação realizada. Agora está aberto, e assim permanece para sempre, o acesso ao verdadeiro «Santos dos santos». Assim, segundo o autor da Carta, realiza-se a profecia de Jeremias (31, 33ss.) sobre a «nova aliança»: Deus escreveu a sua lei no coração do homem e perdoou os seus pecados. Agora, cada homem é potencialmente filho de Deus, no Filho muito amado. A Igreja, ao oferecer todos os dias o sacrifício eucarístico, não repete o evento da paixão-morte de Jesus, mas renova para todo os homens, cada dia, aquele único sacrifício. Assim, oferece a cada um a possibilidade de entrar livremente em comunhão vital com Cristo e tornar-se membro vivo do seu corpo místico.

    Evangelho: Mc 4, 1-20

    Naquele tempo, 1Jesus, começou a ensinar De novo à beira-mar. Uma enorme multidão vem agrupar-se junto dele e, por isso, sobe para um barco e senta-se nele, no mar, ficando a multidão em terra, junto ao mar. 2Ensinava-lhes muitas coisas em parábolas e dizia nos seus ensinamentos: 3«Escutai: o semeador saiu a semear. 4Enquanto semeava, uma parte da semente caiu à beira do caminho e vieram as aves e comeram-na. 5Outra caiu em terreno pedregoso, onde não havia muita terra e logo brotou, por não ter profundidade de terra; 6mas, quando o sol se ergueu, foi queimada e, por não ter raiz, secou. 7Outra caiu entre espinhos, e os espinhos cresceram, sufocaram-na, e não deu fruto. 8Outra caiu em terra boa e, crescendo e vicejando, deu fruto e produziu a trinta, a sessenta e a cem por um.» 9E dizia: «Quem tem ouvidos para ouvir, oiça.» 10Ao ficar só, os que o rodeavam, juntamente com os Doze, perguntaram-lhe o sentido da parábola. 11Respondeu: «A vós é dado conhecer o mistério do Reino de Deus; mas, aos que estão de fora, tudo se lhes propõe em parábolas, 12para que ao olhar, olhem e não vejam, ao ouvir, oiçam e não compreendam, não vão eles converter-se e ser perdoados.» 13E acrescentou: «Não compreendeis esta parábola? Como compreendereis então todas as outras parábolas? 14O semeador semeia a palavra. 15Os que estão ao longo do caminho são aqueles em quem a palavra é semeada; e, mal a ouvem, chega Satanás e tira a palavra semeada neles. 16Do mesmo modo, os que recebem a semente em terreno pedregoso, são aqueles que, ao ouvirem a palavra, logo a recebem com alegria, 17mas não têm raiz em si próprios, são inconstantes e, quando surge a tribulação ou a perseguição por causa da palavra, logo desfalecem. 18Outros há que recebem a semente entre espinhos; esses ouvem a palavra, 19mas os cuidados do mundo, a sedução das riquezas e as restantes ambições entram neles e sufocam a palavra, que fica infrutífera. 20Aqueles que recebem a semente em boa terra são os que ouvem a palavra, a recebem, dão fruto e produzem a trinta, a sessenta e a cem por um.»

    O reino de Deus é proclamado pela palavra. Marcos, na secção que hoje abre, oferece-nos uma teologia da palavra do reino. Jesus começa a falar «em parábolas». Era o método usado pelos rabinos. As parábolas são «histórias» aparentemente simples, mas com um elemento-surpresa e uma conclusão inesperada que convidam a procurar um segundo significado, para além do imediato.
    A parábola começa e termina com dois imperativos: «Escutai» (v. ). Em sentido bíblico, «escutai» significa «obedecei», isto é, dai a vossa adesão (ob-audire). Jesus quer entrar em relação viva com as pessoas a quem se dirige. Começa por centrar a atenção dos ouvintes na generosa sementeira. Mas logo a centra na semente. Vem, depois, a tipologia dos terrenos que recebem a semente. Há um evidente exagero ao falar da «boa terra». A imagem da colheita sugere o fim dos tempos. A parábola, ao fim e ao cabo, diz-nos que o Messias está próximo e descreve a abundância de graça do Reino messiânico.
    No diálogo com «os que o rodeavam», a semente é claramente identificada com a Palavra, e os terrenos correspondem às diferentes reacções suscitadas pela pregação dos apóstolos. Jesus veio realizar a missão de semear a Palavra. Semeou com generosidade, movido pelo excessivo amor que tudo crê, também que o deserto há-de florescer. Assim nos faz compreender também que a Palavra deve ser pregada a todos, sem desânimo, sem medo de fracassar. A seu tempo dará fruto.

    Meditatio

    O mistério de Cristo é o mistério de uma natureza humana «tornada perfeita» por meio do sofrimento: «Convinha que aquele por quem e para quem existem todas as coisas, querendo levar muitos filhos à glória, levasse à perfeição, por meio dos sofrimentos, o autor da sua salvação» (Heb 2, 10). Depois desta afirmação, o autor descreve os sofrimentos de Cristo e conclui: Jesus «tornado perfeito, tornou-se para todos os que lhe obedecem fonte de salvação eterna, tendo sido proclamado por Deus Sumo Sacerdote segundo a ordem de Melquisedec» (Heb 5, 9-10). Pode parecer-nos estranho aplicar a Cristo a expressão «tornar perfeito» que, no Antigo Testamento, só é usado em referência à consagração dos sacerdotes, cujas mã
    os, e toda a sua pessoa, hão-de ser tornadas perfeitas para oferecer a Deus o sacrifico. Cristo foi transformado pelo seu sacrifício para se tornar o sacerdote absolutamente perfeito.
    Mas a consagração sacerdotal de Cristo, obtida no seu sacrifício, vale para Ele, mas também para nós: «com uma só oferta, Ele tornou perfeitos para sempre os que são santificados» (v. 14). Aqui está a grande novidade: o autor aplica aos cristãos o mesmo verbo que aplicou acerca de Cristo «tornar perfeito». Cristo recebe a consagração sacerdotal e, ao mesmo tempo, confere-a a nós. Com o seu sacrifício, Cristo tornou-nos, também a nós, capazes de nos apresentar a Deus em atitude sacerdotal, apresentando ofertas. Por isso, graças ao sacrifico de Cristo, podemos aproximar-nos com toda a confiança diante de Deus, entrar no santuário mais secreto.
    Na afirmação: «com uma só oferta, Ele tornou perfeitos para sempre os que são santificados» (v. 14), podemos distinguir dois aspectos: somos verdadeiramente consagrados a Deus e podemos oferecer o sacrifício; a nossa santificação é apenas um começo que exige desenvolvimento, crescimento: «tornou perfeitos para sempre os que são santificados» (v. 14). A santificação recebida no baptismo há-de desenvolver-se cada dia, aplicando à nossa pessoa o sacrifício de Cristo, mas também revivendo-o, de modo especial, nos nossos próprios sofrimentos e tribulações.
    A presença misteriosa do cristão em Cristo morto e ressuscitado é expressa por Paulo com a simples expressão «en Christo» (in Christo) usado 164 vezes nas suas cartas, com diferentes matizes. Na Primeira Carta a Timóteo fala do mistério de Cristo como o grande mistério da piedade (3, 16). Deste mistério da piedade todo o baptizado participa: «Com uma só oferta (sacrifício, oblação), (Cristo) tornou perfeitos para sempre os que foram santificados» (Heb 10, 14; cf. 5, 9). A espiritualidade oblativa dehoniana é uma espiritualidade tipicamente baptismal (cf. Cst n. 13). A nossa missão dehoniana impele-nos a ser testemunhas desta espiritualidade baptismal com a nossa vida e com a nossa palavra junto dos irmãos cristãos.
    O sacerdócio de Cristo não é um sacerdócio clerical, mas laical (cf. Heb 5, 6.10). Se todo o cristão participa do sacerdócio de Cristo é preciso desclericalizar o sacerdócio. Com isto não queremos confundir o sacerdócio universal com o sacerdócio ministerial; mas sem o primeiro, não existe o segundo. A função essencial do sacerdote é «oferecer». Não há sacerdócio sem uma vítima para oferecer. Jesus é a vítima do Seu sacerdócio (cf. Heb 5, 7-10). E é mesmo a sua atitude oblativa que constitui a essência do Seu sacerdócio (cf. Heb 10, 5-18). É o «Ecce venio», o «eis-me aqui!» (Heb 10, 7). As nossas Constituições afirmam: «Para o Padre Dehon, o Ecce Venio (Heb 10,7) define a atitude fundamental da nossa vida» (Cst 58; cf. n. 6). O Oblato-Sacerdote do Coração de Jesus, tal como Cristo, deve oferecer a si mesmo, no seu dia a dia (cf. Lc 9, 23). E, pela acção transformadora do Espírito Santo, todas as suas acções, mesmo as mais humildes, são qualificadas como sacerdotais e sacrificiais.

    Oratio

    Ó Pai, que estás nos céus, nós Te adoramos e damos graças, porque em Cristo nos revelaste o mistério do teu amor e nos chamaste a ser santos e imaculados pela caridade. Do seu Coração trespassado obtivemos a vida e o perdão dos pecados. Nessa fonte de água viva fomos consagrados sacerdotes do teu amor. Unidos a Jesus, renovamos a oferta da nossa vida pelo advento do teu Reino. Nós Te apresentamos a nossa castidade, a nossa pobreza e a nossa obediência, com a nossa vida fraterna e o nosso apostolado, para que, unidas à dos irmãos, nos obtenham a plenitude da tua misericórdia. Pai Santo, faz de nós um sacrifício perene para louvor da tua glória. Ámen.

    Contemplatio

    Nosso Senhor, depois do ouro e do incenso, pede a mirra... São os sofrimentos, seja qual for o seu nome e venham donde vierem, que devem ser suportados em espírito de puro amor, por amor e com amor, em espírito de reparação e de expiação, em união com os sofrimentos de Nosso Senhor. Têm então um grande valor e uma grande eficácia, por pequenos que sejam em si mesmos e mesmo que não dêem nas vistas. Assim, portanto, os três dons, são um coração para amar, um corpo para sofrer, uma vontade para ser sacrificada e em tudo submetida à vontade divina. Nosso Senhor não deu ele próprio o exemplo mais perfeito deste tríplice dom para com o seu Pai? Onde é que é possível encontrar-se um coração que tenha amado mais puramente e mais generosamente que o do nosso Salvador, o Coração da vítima do amor? Quem há que mais dolorosamente tenha sofrido? E por quem? E porquê? E a sua vontade não era a do seu Pai celeste! Ele recordou-o muitas vezes no Evangelho. Recordemo-nos somente do seu Ecce Venio, que deve ser a máxima favorita dos amigos do seu Coração, esta palavra que deve estar em cada instante sobre os seus lábios, mas ainda mais nos seus corações. Nesta palavra estão contidos os três sacrifícios que resumem toda a sua vocação, a sua missão. «Meu Deus, destes-me um corpo para ser sacrificado, para sofrer, um coração para amar e para sofrer também, uma vontade para ser imolada como a mais preciosa vítima e a mais agradável a Deus». Aí está o que deve ser o sacrifício oferecido cada dia ao Cordeiro santo e imaculado e com ele ao seu Pai. Esta era também a disposição que Maria exprimia com o seu Ecce ancilla. Ela abandonava-se ao amor divino e estava pronta a tudo sacrificar à divina vontade. (Leão Dehon, OSP 3, p. 33s.).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Um coração para amar, um corpo para sofrer, uma vontade para ser oferecida»
    (Leão Dehon, OSP 3, p. 33)».

  • S. Timóteo e S. Tito, Bispos

    Categoria: Santoral S. Timóteo e S. Tito, Bispos


    26 de Janeiro, 2023

    S. Timóteo nasceu em Listra. A sua mãe era hebreia e o seu pai era grego. Colaborou intimamente com S. Paulo na evangelização, mantendo por ele um afeto filial. O Apóstolo colocou-o à frente da Igreja de Éfeso.

    S. Tito, que parece vir do paganismo, tornou-se um cristão de fé sólida e um evangelizador ativo e fervoroso. Na carta que lhe é dirigida, aparece-nos como responsável pela Igreja de Creta.
    Lectio
    Primeira leitura: 2 Timóteo 1, 1-8

    Paulo, apóstolo de Jesus Cristo, por desígnio de Deus, segundo a promessa de vida que há em Cristo Jesus, 2a Timóteo, meu filho querido: graça, misericórdia e paz de Deus Pai e de Cristo Jesus, Nosso Senhor. 3Dou graças a Deus, a quem sirvo em consciência pura, como já o fizeram os meus antepassados, ao recordar-te constantemente nas minhas orações, noite e dia. 4Ao lembrar-me das tuas lágrimas, anseio ver-te, para completar a minha alegria, 5pois trago à memória a tua fé sem fingimento, que se encontrava já na tua avó Loide e na tua mãe Eunice e que, estou seguro, se encontra também em ti. 6Por isso recomendo-te que reacendas o dom de Deus que se encontra em ti, pela imposição das minhas mãos, 7pois Deus não nos concedeu um espírito de timidez, mas de fortaleza, de amor e de bom senso. 8Portanto, não te envergonhes de dar testemunho de Nosso Senhor, nem de mim, seu prisioneiro, mas compartilha o meu sofrimento pelo Evangelho, apoiado na força de Deus.

    A Segunda Carta a Timóteo é uma espécie de testamento espiritual do Apóstolo, na véspera do seu martírio. Trata-se de um escrito da escola paulina, de finais do século I. Entre expressões de afeto e de estima por Timóteo, Paulo afirma a sua condição de Apóstolo, vocação e missão a que foi chamado e às quais correspondeu generosamente. Paulo sublinha também a continuidade entre o seguimento de Jesus e a fidelidade à lei hebraica, que viveu e pregou. O mesmo sucede com Timóteo, filho de pai grego, mas iniciado ao cristianismo pela sua avó e pela sua mãe, ambas hebreias. O autor da carta acentua também o carisma de pastor de almas personificado em Timóteo, e transmitido pelo Apóstolo, através da imposição das mãos. Em todo o texto domina o testemunho dado a Cristo por Paulo nas diversas e difíceis provações por que passou, e que Timóteo deve continuar, com a graça de Deus.
    Evangelho: Lucas 10, 1-9

    Naquele tempo, designou o Senhor outros setenta e dois discípulos e enviou-os dois a dois, à sua frente, a todas as cidades e lugares aonde Ele havia de ir. 2Disse-lhes:«A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. Rogai, portanto, ao dono da messe que mande trabalhadores para a sua messe. 3Ide! Envio-vos como cordeiros para o meio de lobos. 4Não leveis bolsa, nem alforge, nem sandálias; e não vos detenhais a saudar ninguém pelo caminho. 5Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: 'A paz esteja nesta casa!' 6E, se lá houver um homem de paz, sobre ele repousará a vossa paz; se não, voltará para vós. 7Ficai nessa casa, comendo e bebendo do que lá houver, pois o trabalhador merece o seu salário. Não andeis de casa em casa. 8Em qualquer cidade em que entrardes e vos receberem, comei do que vos for servido, 9curai os doentes que nela houver e dizei-lhes: 'O Reino de Deus já está próximo de vós.'

    A obra de Jesus está internamente aberta e realiza-se através dos discípulos. Os Doze continuam a ser o fundamento de toda a missão da Igreja. Mas, juntamente com eles, e depois deles, Jesus escolheu muitos outros. A messe é grande e os trabalhadores acabam sempre por ser poucos. O nosso texto alude a setenta e dois, número de plenitude e sinal de todos os missionários posteriores que anunciam a mensagem do reino na nossa Igreja. Através desses discípulos, a missão de Jesus alcança todas as fronteiras da história, chegando à sua plenitude na grande meta da ceifa escatológica.
    Meditatio

    "Recomendo-te que reacendas o dom de Deus que se encontra em ti" (v. 6). Para nós, esse dom é a vocação cristã, primeiro anel de uma corrente de dons que Deus tem para nos dar. Podemos meditar nesse dom na perspetiva da fraternidade, sublinhando dois aspectos: a simplicidade fraterna e a fidelidade fraterna. Quanto à simplicidade fraterna, não havemos de nos julgar mais do que os outros, alimentar ambições, ser presumidos. Pelo contrário, há que fazer-nos pequenos com os outros, irmãos entre os irmãos: "Quem quiser ser grande entre vós, faça-se vosso servo" (Mc 10, 43). A fraternidade cristã apoia-se numa igualdade fundamental: diante de Deus, todos somos iguais; diante dos outros, todos somos carenciados. Por isso, ninguém pode pretender ser mais do que os outros. O nosso modelo é Jesus, que se fez nosso irmão. Poderia fazer sentir o seu poder, a sua autoridade; mas preferiu estar no meio de nós como quem serve! "Pois, quem é maior: o que está sentado à mesa, ou o que serve? Não é o que está sentado à mesa? Ora, Eu estou no meio de vós como aquele que serve." (Lc 22, 27).
    A fraternidade, a simplicidade fraterna manifestam-se também como afeto fraterno. Os sentimentos recíprocos entre Paulo e Timóteo manifestam essa igualdade de afeto solidário, e não meramente jurídica: "Ao lembrar-me das tuas lágrimas, anseio ver-te, para completar a minha alegria" (v. 4). Timóteo tinha chorado quando Paulo partiu. Paulo deseja estar com os irmãos que se amam. Por vezes chama a Timóteo "irmão", mas aqui chama-o "filho querido", porque o gerou para a graça de Cristo pela pregação e pelo Batismo.
    A fraternidade inclui outro aspeto ainda mais realista e exigente: a fidelidade fraterna. Trata-se da solidariedade uns para com os outros, especialmente em momentos de crise e de sofrimento: "Vós sois os que permaneceram sempre junto de mim nas minhas provações," (Lc 22, 28), diz Jesus aos seus discípulos. É isto que faz perdurar e crescer a fraternidade. Irmão é aquele que ajuda o seu irmão. Jesus fez-se nosso irmão para nos ajudar e ajudou, mesmo à custa de muito sofrimento. Ao fazer-se nosso irmão, também quis precisar da nossa ajuda e ser ajudado por nós. Por isso, congratula-se com os apóstolos que permaneceram junto d´Ele nas suas tribulações.
    Paulo pede a Timóteo que ponha em prática, na solidariedade fraterna, essa fidelidade: "Não te envergonhes de dar testemunho de Nosso Senhor, nem de mim, seu prisioneiro, mas compartilha o meu sofrimento pelo Evangelho, apoiado na força de Deus." (v. 8).
    Havemos de sentir esta solidariedade, de modo particular, para com aqueles que têm maiores responsabilidades na Igreja. Se Jesus se fez nosso irmão, é porque quis ensinar-nos a viver esse espírito de fraternidade, sem o não é possível caminhar no amor.
    Oratio

    Senhor, bem sabes que a nossa solidariedade para com os irmãos, muitas vezes, dá lugar ao desejo de sermos os primeiros. Mesmo nas atividades pastorais, em vez de partilharmos com simplicidade e alegria as responsabilidades, muitas vezes queremos impor as nossas decisões e os nossos pontos de vista. Dá-nos um coração manso e humilde como o teu. Ajuda-nos a pôr no centro o teu Evangelho, e não as nossas convicções. Põe ordem e clareza nas motivações do nosso agir, para vencermos o nosso orgulho, mesmo quando mascarado de "boas intenções". Dá-nos a alegria de nos reconhecermos pequenos. Sê a nossa única força, e nada nos meterá medo. Ámen.
    Contemplatio

    Ó Jesus, que nos dissestes para aprendermos do vosso coração a sermos mansos e humildes, tornai o nosso coração semelhante ao vosso! Como é manso e humilde o Menino divino de Belém e de Nazaré! É o seu carácter próprio, é o estilo da sua vida. Na sua vida pública, é manso e bom para com todos. Isaías tinha-o descrito (42, 1), e Jesus deleitava-se a reler este quadro na sinagoga: «Eis o meu Filho bem amado, que não gosta das querelas, dos gritos, do barulho das praças, não quebra a cana rachada e não extingue a mexa que ainda fumega...». Jeremias tinha-o apresentado como um cordeiro cheio de mansidão... S. João chama-o o Cordeiro que é sacrificado desde a origem do mundo. Quando entra em Jerusalém sobre a sua modesta montada, é o Rei de mansidão predito por Isaías e Zacarias (Mt 21). Na sua paixão, a sua mansidão traduz-se pelo seu silêncio e pela sua paciência. A mansidão, diz S. Paulo, é fruto do Espírito Santo, com as virtudes que se lhe assemelham: a paz, a benignidade, a bondade (Gal 5, 22). A caridade é mansa, benevolente, amável, S. Paulo repete a todas as Igrejas: aos Efésios, aos Gálatas, aos Coríntios. Recomenda a Timóteo para ser manso para com todos, paciente e modesto, como convém a um bom servidor de Deus (2Tim 2, 24). O homem manso será bem-aventurado, porque Deus o abençoará, mas também porque ganhará facilmente os corações e não terá inimigos. (L. Dehon, OSP 4, p. 36s.).

    Actio

    Repete muitas vezes e vive hoje a palavra:
    "Reacende o dom de Deus que há em ti" (cf. 2 Tm 1, 6).

     

    ----

    S. Timóteo e S. Tito, Bispos (26 Janeiro)

    Tempo Comum - Anos Ímpares - III Semana - Quinta-feira

    Categoria: Semanal Tempo Comum - Anos Ímpares - III Semana - Quinta-feira


    26 de Janeiro, 2023

    Tempo Comum - Anos Ímpares - III Semana - Quinta-feira

    Lectio

    Primeira leitura: Hebreus 10, 19-25

    Irmãos, 19temos plena liberdade para a entrada no santuário por meio do sangue de Jesus. 20Ele abriu para nós um caminho novo e vivo através do véu, isto é, da sua humanidade 21e, tendo um Sumo Sacerdote à frente da casa de Deus, 22aproximemo-nos dele com um coração sincero, com a plena segurança da fé, com os corações purificados da má consciência e o corpo lavado com água pura. 23Conservemos firmemente a profissão da nossa esperança, pois aquele que fez a promessa é fiel. 24Estejamos atentos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras, 25sem abandonarmos a nossa assembleia - como é costume de alguns - mas animando-nos, tanto mais quanto mais próximo vedes o Dia.

    O autor da Carta aos Hebreus fez, até aqui, uma exposição exaustiva dogmático-teológica sobre o sacerdócio de Cristo. Nesta secção, expõe a reacção do homem diante da obra de Cristo, e tira consequências práticas dos princípios doutrinais afirmados. Começa por chamar «irmãos» aos seus interlocutores. Agora podem compreender melhor o significado cristão desse nome. Podem ser chamados «irmãos» porque todos foram redimidos pelo sangue de Cristo, podem entrar em comunhão vital com Ele e uns com os outros. O acesso a Deus foi viabilizado pelo sangue de Cristo, pela sua obra em nosso benefício. Temos um caminho novo e vivo para Deus, aberto através do véu da carne de Alguém que é sacerdote, que é caminho. A própria pessoa de Jesus é o caminho que havemos de percorrer pela conversão, pela conformação com Ele. Por isso, devemos aproximar-nos d´Ele com as devidas disposições interiores, tais como a pureza do corpo e do espírito conferida pelo baptismo, mas também com «fé» e «esperança». Nas tribulações de vida, o cristão deve dar testemunho de que está apoiado, sem hesitações, num Deus cujo nome é «fiel e verdadeiro» (Ap 3, 14). Mas tudo isto não há-de ser vivido como busca de perfeição individual. Por isso, há-de ser vivida no exercício da caridade: é preciso ser uns pelos outros no exemplo, no estímulo, no apoio.

    Evangelho: Mc 4, 21-25

    Naquele tempo, disse Jesus à multdão: «21Põe-se, porventura, a candeia debaixo do alqueire ou debaixo da cama? Não é para ser colocada no candelabro? 22Porque não há nada escondido que não venha a descobrir-se, nem há nada oculto que não venha à luz. 23Se alguém tem ouvidos para ouvir, oiça.» 24E prosseguiu: «Tomai sentido no que ouvis. Com a medida que empregardes para medir é que sereis medidos, e ainda vos será acrescentado. 25Pois àquele que tem, será dado; e ao que não tem, mesmo aquilo que tem lhe será tirado.»

    Depois da parábola do semeador, Marcos apresenta-nos dois pares de breves sentenças. O Evangelho é para todos na comunidade. Por isso, deve ser colocado «no candelabro». Se alguém cair na tentação de o guardar ciosamente para si, então ser-lhe-á tirado. A Sagrada Escritura não é privilégio só para alguns, mas é para todos. Por isso, deve ser posta ao alcance de todos. A fé recebida por mim deve ser posta ao serviço da minha comunidade e de todos os homens.
    No primeiro par de sentenças, a imagem da lâmpada que deve ser exposta sobre o candelabro é desenvolvida por duas antíteses paralelas: o que está escondido há-de ser descoberto, o que está oculto há-de vir à luz. O Reino, ainda que, por enquanto, seja anunciado em parábolas, depressa virá à luz na sua glória, e o Evangelho será anunciado a todos os povos.
    No segundo par de sentenças, a antítese volta-se para a condição interna da comunidade: a imagem da medida insinua a proibição de julgar os outros; a segunda sentença está mais ligada à parábola do semeador: «aquele que tem» corresponde à «boa terra», que acolhe a palavra e lhe permite produzir fruto.

    Meditatio

    O autor da Carta aos Hebreus faz-nos entrever o mistério de Jesus Cristo, que transformou a situação do homem. Depois de se detido a apresentar esse mistério, e o sacrifício agradável Si mesmo, que Cristo ofereceu ao Pai, obtendo-nos a salvação, o autor manifesta o seu espanto pela transformação que esse mesmo sacrifício operou em nós. Implicitamente, o autor da Carta compara a nossa situação com a do Antigo Testamento, quando as relações com Deus estavam sujeitas a limitações e a obstáculos de toda a espécie. Só o Sumo Sacerdote podia entrar no santuário uma vez por ano. O povo tinha que ficar fora dele, e não tinha caminhos para chegar a Deus. Na verdade, os próprios sacerdotes eram imperfeitos, e os Sumos Sacerdotes eram pecadores que deviam oferecer sacrifícios de expiação por si mesmos. Mas estes sacrifícios eram ineficazes e não os tornavam dignos de se aproximarem de Deus. Nós, os cristãos, pelo contrário temos plena liberdade para entrar no santuário «no santuário por meio do sangue de Jesus. Ele abriu para nós um caminho novo e vivo através do véu, isto é, da sua humanidade» (v. 20). Através da humanidade de Cristo, podemos chegar a Deus, tendo uma guia para nos acompanhar no caminho «um Sumo Sacerdote à frente da casa de Deus» (v. 21).
    Este texto aplica-se bem à Eucaristia. Para penetrarmos no santuário, havemos de caminhar por meio do sangue de Cristo neste caminho novo e vivo, que Ele mesmo inaugurou. E não podemos avançar sem Ele. Por Ele, com Ele e n´Ele, avançamos para Deus com toda a confiança, porque Cristo Lhe é agradável. As disposições com que havemos de caminhar são a fé, a esperança e a caridade: «aproximemo-nos dele com um coração sincero, com a plena segurança da fé, com os corações purificados da má consciência e o corpo lavado com água pura. Conservemos firmemente a profissão da nossa esperança, pois aquele que fez a promessa é fiel. Estejamos atentos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras» (vv. 22-24). O caminho que, desde já nos leva a Deus, no sacramento, há-de levar-nos definitivamente a Ele para além da morte. Percorremos este caminho em comunidade, em Igreja. Daí que, depois da fé e da esperança, seja recomendada a caridade e a celebração comunitária da Eucaristia: «sem abandonarmos a nossa assembleia - como é costume de alguns - mas animando-nos, tanto mais quanto mais próximo vedes o Dia» (v. 25).
    Louvemos o Senhor e agradeçamos-Lhe tudo quanto fez por nós em Jesus Cristo morto e ressuscitado. Segundo a Carta aos Romanos, o Pai destinou Cristo a servir de expiação, «como propiciatório» (ilasterion), com o Seu sangue, pelos nossos pecado
    s (cf. Rm 3, 26). Na Segunda Carta aos Coríntios, Paulo afirma: «Aquele que não havia conhecido pecado (Cristo), Deus O fez pecado por nós para que nos tornássemos n´Ele justiça de Deus» (5, 21), isto é, Cristo assumiu uma carne pecadora, para se tornar vítima pelo pecado na carne pecadora, para que nós fôssemos justificados diante de Deus. Assim Cristo é a «vítima de expiação», imolada em holocausto pelo fogo do Espírito (cf. Heb 9, 14) «pelos nossos pecados"» (1 Jo 2, 2). Pode-se perfeitamente afirmar do Seu sangue aquilo que o Levítico diz do antigo holocausto que «consumado pelo fogo» era «perfume suave para o Senhor» (1, 17); esta imagem é retomada por Paulo: «Cristo amou-nos e Se entregou por nós a Deus, como oferenda e sacrifício de agradável odor» (Ef 5,2).

    Oratio

    Senhor Jesus, contemplamos com fé o Teu lado aberto do qual nascem rios de água viva para a nossa aridez e sangue precioso para uma Redenção Eterna. Tu és o verdadeiro sumo sacerdote, que entrando uma só vez no santuário, com o teu próprio sangue, ofereceste tudo o que era necessário para a nossa redenção. Tu és o sacerdote, o sacrifício e o templo, mas quiseste associar-nos a ti pela graça do baptismo. Por isso, queremos unir-nos à tua oblação. Dá-nos um espírito generoso e agradecido para te consagrarmos a nossa vida com obras de misericórdia. Amen.

    Contemplatio

    Jesus começou a dar o seu sangue, desde a aurora da sua vida, na circuncisão. O seu sangue correu de todos os seus membros durante a sua agonia no jardim das Oliveiras. Era o lagar anunciado por Isaías (Is 63), onde o sangue do Salvador corria como o vinho, quando os bagos são esmagados aos pés. O sangue correu do corpo adorável do Salvador durante a flagelação cruel e prolongada que sofreu. Correu da sua cabeça adorável na coroação de espinhos. Jesus perdia o seu sangue precioso levando a sua cruz até ao Calvário. Derramou-o abundantemente das suas mãos e dos seus pés, quando foi pregado à cruz, e estas fontes não se fecharam mais até ao esgotamento das veias do Salvador. Jesus deu as últimas gotas do seu sangue quando o seu Coração foi aberto pela lança. Mas a dizer a verdade, foi sempre o seu Coração que deu o seu sangue. Derramava-o de boamente, dava-o com o seu sangue. Derramava-o de boamente, dava-o com amor. Oferecia-o ao seu Pai por todas as suas chagas como por tantas bocas suplicantes. No Antigo Testamento, o sumo sacerdote levava ao Santo dos santos num vaso precioso os sangue dos vitelos e dos cabritos para o holocausto e a reparação. Jesus ofereceu no vaso do seu divino Coração todo o seu sangue precioso ao seu Pai. Derramou-o no Calvário, como Aarão e os seus filhos o derramavam no Santo dos santos; e agora no céu Jesus apresenta sempre o seu sangue ao seu Pai como um sacrifício único que basta a tudo, ao holocausto, à acção de graças, à reparação e à impetração. (Leão Dehon, OSP 3, p. 19).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Cristo entregou-Se por nós a Deus, como oferenda e sacrifício de agradável odor» (Ef 5,2).

  • Tempo Comum - Anos Ímpares - III Semana - Sexta-feira

    Categoria: Semanal Tempo Comum - Anos Ímpares - III Semana - Sexta-feira


    27 de Janeiro, 2023

    Tempo Comum - Anos Ímpares - III Semana - Sexta-feira

    Lectio

    Primeira leitura: Hebreus 10, 32-39

    Irmãos, 32Recordai os primeiros dias nos quais, depois de terdes sido iluminados, 33suportastes a grande luta dos sofrimentos, tanto sendo expostos publicamente a insultos e tribulações, como sendo solidários com os que assim eram tratados. 34Tomastes parte nos sofrimentos dos encarcerados, aceitastes com alegria a confiscação dos vossos bens, sabendo que possuís bens melhores e mais duradouros. 35Não percais, pois, a vossa confiança, à qual está reservada uma grande recompensa. 36Na realidade, tendes necessidade de perseverança, para que, tendo cumprido a vontade de Deus, alcanceis a promessa. 37Pois ainda um pouco, de facto, um pouco apenas, e o que há-de vir, virá e não tardará. 38O meu justo viverá pela fé, mas, se ele voltar atrás, a minha alma não encontrará nele satisfação. 39Nós, porém, não somos daqueles que voltam atrás para a perdição, mas homens de fé para a salvação da nossa alma.

    Consciente do delicado momento por que passa a comunidade judeo-cristã a que se dirige, o autor da Carta aos Hebreus, revelando profundo conhecimento do coração humano e grande capacidade de discernimento na orientação espiritual das almas, oferece-nos uma página cheia de sabedoria pastoral. Serpeia na comunidade a ameaça da tibieza que muitas vezes degenera em apostasia aberta ou em vida pecaminosa contrária à fé. Embora denuncie o perigo, o nosso autor não condena abertamente nem repreende com dureza. Prefere usar a exortação. Lembra que o passado de uma fé inquebrantável deve servir de estímulo para o presente. «Recordai os primeiros dias nos quais, depois de terdes sido iluminados, suportastes a grande luta dos sofrimentos» (v. 32-33). Entrevemos uma comunidade que deu provas de grande fortaleza e caridade, uma comunidade capaz de enfrentar as perseguições e as mais graves humilhações sem recuar. Até foi solidária com quem estava em provações! Era, pois, uma comunidade plenamente cristã, animada de verdadeiro amor fraterno, porque a sua fé estava apoiada pela certeza dos bens futuros. No actual momento de crise, há que reavivar essa fé, alimentando-a na palavra de Deus.

    Evangelho: Mc 4, 26-34

    Naquele tempo, disse Jesus à multidão: 26Dizia ainda: «O Reino de Deus é como um homem que lançou a semente à terra. 27Quer esteja a dormir, quer se levante, de noite e de dia, a semente germina e cresce, sem ele saber como. 28A terra produz por si, primeiro o caule, depois a espiga e, finalmente, o trigo perfeito na espiga. 29E, quando o fruto amadurece, logo ele lhe mete a foice, porque chegou o tempo da ceifa.» 30Dizia também: «Com que havemos de comparar o Reino de Deus? Ou com qual parábola o representaremos? 31É como um grão de mostarda que, ao ser deitado à terra, é a mais pequena de todas as sementes que existem; 32mas, uma vez semeado, cresce, transforma-se na maior de todas as plantas do horto e estende tanto os ramos, que as aves do céu se podem abrigar à sua sombra.» 33Com muitas parábolas como estas, pregava-lhes a Palavra, conforme eram capazes de compreender. 34Não lhes falava senão em parábolas; mas explicava tudo aos discípulos, em particular.

    As duas parábolas, que Marcos põe na boca de Jesus, ilustram dois aspectos da inevitável tensão dialéctica do reino de Deus na história.
    A parábola da semente, que cresce sem a intervenção do agricultor, diz-nos que o Reino é uma iniciativa de Deus, que deve permanecer sempre acima de toda a tentativa humana para guiar o curso do seu crescimento e maturação. É claro que Deus conta com a colaboração humana: «O Reino de Deus é como um homem que lançou a semente à terra» (v. 26). Para sublinhar a acção de Deus, a parábola esquece diversos trabalhos necessários, à sementeira, à limpeza, à rega, etc. Mas alude ao acto de semear. É essa a tarefa dos discípulos que, depois, devem aguardar, com paciência, que a Palavra actue pela força que tem em si mesma e dê fruto no tempo e no modo que Deus quiser.
    A segunda parábola apresenta o reino como um grão de mostarda, que dá origem a um grande arbusto. Também aqui encontramos uma importante mensagem de confiança para a comunidade primitiva e para nós. Não havemos de preocupar-nos por sermos poucos e pequenos: a Palavra de Deus dará frutos incomensuráveis, não por nosso mérito, mas pela graça.
    Os vv. 33 e 34 retomam o tema das parábolas para o grande público e das explicações privadas aos discípulos.

    Meditatio

    Podemos imaginar a alegria dos primeiros judeo-cristãos quando, iluminados pela graça, reconheceram em Jesus o Messias, o Esperado de todos os povos, o Salvador prometido. Essa descoberta surpreendente levou-os a entrar jubilosamente e a percorrer com entusiasmo e fervor o «caminho novo e vivo» que Deus lhes oferece em Jesus. Mas rapidamente se deram conta de que esse caminho é longo e duro e, à exaltação inicial, seguiu o cansaço e o desânimo. Era a hora da provação em que era preciso resistir com paciência. O autor da Carta aos Hebreus exorta os seus interlocutores à perseverança. Ainda que a paisagem se apresente desolada, cada passo aproxima-nos da meta. Na vida de cada um de nós há momentos em que precisamos de nos agarrar com todas as forças à esperança. Essa virtude é como que o bordão do peregrino a caminho do reino dos céus.
    No evangelho, o Senhor ensina-nos a fé e a humildade, mas também a esperança. O crescimento espiritual não depende de nós, mas da Palavra de Deus semeada em nós. Só ela pode salvar a nossa vida. É bom desejar crescer e caminhar espiritualmente. É bom fazer por isso. Mas não basta a nossa boa vontade, não chegam os nossos esforços. O agricultor que lança a semente à terra, e procura rodeá-la das condições adequadas, não pode pretender fazê-la germinar e crescer. Esse poder não está nas suas mãos, mas nas de Deus.
    O Senhor ensina-nos o abandono confiante a Deus na esperança. Como a terra acolhe a semente, assim devemos acolher a Palavra. E ela crescerá sem sabermos como. O abandono confiante a Deus e a esperança tornam suportável o tempo que vai da sementeira à colheita. Essa esperança baseia-se na experiência dos peregrinos de Emaús, na certeza de que Aquele que nos chama para a meta é também nosso silencioso companheiro de viagem. Quanto mais o caminho é difícil, mais Ele se faz presente.
    Há pois que evitar a pressa de ver resultados, também no nosso itinerário espiritual. S. Francisco de Sales era severo com aqueles que se deixavam tomar por ela. Trabalhava muito mas ensinava que é preciso fazer tudo pacientemente: agir pacientemente, rezar pacientemente, sofrer pacientemente, lutar pacientemente. Se nos apoiarmos no Senhor verificaremos que Ele faz crescer em tudo, muitas vezes mais lentamente do que desejamos, mas outras vezes de m
    odo mais belo e mais rápido do que esperamos. Não temos o metro para medir o crescimento, nem sequer o nosso. Por isso, precisamos de fé, de confiança, de paciência: o poder de fazer crescer pertence somente a Deus.
    A vida de oblação que corresponde ao voto de vítima tão caro ao Pe. Dehon e aos nossos primeiros religiosos, passa pela aceitação das cruzes e canseiras de cada dia, no nosso itinerário espiritual, e também pela irradiação dos frutos do Espírito: a caridade, com os sinais da alegria e da paz; a paciência, a bondade e a benevolência; com as condições para viver os frutos do Espírito: a mansidão e a humildade do coração, o apego a Cristo, o deixar-se guiar nos pensamentos, desejos, projectos, afectos, palavras e acções, não pelo nosso eu, muitas vezes egoísta e apressado, mas pelo Espírito de Deus, que tudo cria e faz crescer ao ritmo que bem Lhe apraz. Vivendo assim, manifestamos aquele estilo de vida, aqueles comportamentos que caracterizaram o Pe. Dehon, por todos conhecido como o «Très bon Père», confiadamente abandonado e paciente em todas as circunstâncias da sua vida e do seu apostolado.

    Oratio

    Senhor, Tu és a nossa única esperança. Escondido na nossa fragilidade humana, experimentaste a perseguição, a solidão e a pobreza. Por nosso amor, aceitaste voluntariamente a morte, fizeste-Te nosso pão da vida, sustento do nosso caminho. Conheces o nosso coração e o nosso cansaço no esforço por conservar a fé e a esperança. Perdoa-nos se deixámos arrefecer o ardor e o entusiasmo do nosso primeiro amor, dos nossos primeiros passos no caminho para Ti. Faz-nos recordar o amor e o encanto com que optámos por Ti e Te seguimos na nossa juventude. Está connosco na tribulação e dá-nos o teu Espírito Santo para Te sermos fiéis até à morte. Amen.

    Contemplatio

    Nosso Senhor dá-nos o exemplo. Aceita as perseguições, as zombarias, as calúnias, para nos consolar nas nossas provações, para nos encorajar e para nos ensinar também que a paciência tem diante de Deus um grande valor. «A paciência, diz S. Paulo, é a provação, mas a provação prepara a esperança» (Rm 5,4). Nosso Senhor quis ser julgado e condenado e sucumbir vítima da justiça humana, para nos ensinar o desprezo das acusações falsas, das zombarias, dos juízos falsos e temerários. São tantas provas que se tornam também esperanças e fontes de graças, se as suportarmos em espírito de fé. O «seja crucificado» de Jesus, é a minha salvação, obtida pela sua paciência, pelos seus sofrimentos, pelas suas expiações, pelo amor do seu Coração. O seja crucificado da minha má natureza, é ainda a salvação obtida pelo sacrifício, pela mortificação, pela paciência. Obrigado a Nosso Senhor, pela sua adorável paciência, que é para mim a salvação e o exemplo a seguir. (Leão Dehon, OSP 3, p. 347s.).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Não percais a vossa confiança» (Heb 10, 35).

  • Tempo Comum - Anos Ímpares - IV Semana - Segunda-feira

    Categoria: Semanal Tempo Comum - Anos Ímpares - IV Semana - Segunda-feira


    30 de Janeiro, 2023

    Tempo Comum - Anos Ímpares - IV Semana - Segunda-feira

    Lectio

    Primeira leitura: Hebreus 11, 32-40

    Irmãos: Que mais direi? Faltar-me-ia o tempo se quisesse falar acerca de Gedeão, Barac, Sansão, Jefté, David e Samuel e dos profetas, 33os quais, pela fé, conquistaram reinos, exerceram a justiça, alcançaram promessas, fecharam a boca de leões, 34extinguiram a violência do fogo, escaparam ao fio da espada, da fraqueza, recobraram a força, tornaram-se fortes na guerra, e puseram em fuga exércitos estrangeiros. 35Algumas mulheres recuperaram os seus mortos por meio da ressurreição. Alguns foram torturados, não querendo aceitar a libertação, para obterem uma ressurreição melhor; 36outros sofreram a prova dos escárnios e dos flagelos, das cadeias e da prisão. 37Foram apedrejados, serrados ao meio, mortos ao fio da espada; andaram errantes cobertos de peles de ovelhas e de cabras, necessitados, atribulados e maltratados; 38homens de quem o mundo não era digno, andaram vagueando pelos desertos, pelos montes, pelas grutas e pelas cavidades da terra. 39E todos estes, apesar de terem recebido um bom testemunho, graças à sua fé, não alcançaram a realização da promessa, 40porque Deus tinha previsto algo de melhor para nós, de modo que eles não alcançassem a perfeição sem nós.

    Para animar os cristãos que vacilam na fé, o autor da Carta aos Hebreus faz desfilar diante deles uma longa série de heróis nacionais, como Gedeão, Barac, Sansão, Jefté, Samuel e David e outros que não nomeia explicitamente, mas onde não é difícil vislumbrar Daniel, os três jovens lançados à fornalha ardente, Elias e Eliseu... Embora sem também lhes referir os nomes, apresenta uma série de homens e de mulheres que sofreram perseguições e martírios. Entre eles é fácil identificar Eleázar, a mãe dos Macabeus e seus filhos, os profetas Zacarias, Jeremias e Elias. Deus não deixou sem recompensa o testemunho, o esforço e a confiança de todos estes heróis, profetas, santos e mártires. O seu testemunho tem tanto mais valor quanto não chegaram a ver cumprida a promessa. O seu exemplo é estimulante para os cristãos que tiveram essa dita. Não há, pois, razão para vacilar na fidelidade a Cristo, apesar das perseguições e da saudade dos ritos do templo. A fortaleza dos antigos deve estimular os destinatários da carta, fazendo-lhes compreender que a estranheza e a rejeição do mundo em relação a eles é condição normal de quem quer efectivamente aderir a Deus. A graça recebida em Cristo deve bastar-lhes para também se tornarem gigantes na fé, uma vez que é maior que a dos Antigos. De facto, em Jesus já se cumpriram as promessas de Deus.

    Evangelho: Mc 5, 1-20

    Naquele tempo, 1Jesus e os seus discípulos chegaram à outra margem do mar, à região dos gerasenos. 2Logo que Jesus desceu do barco, veio ao seu encontro, saído dos túmulos, um homem possesso de um espírito maligno. 3Tinha nos túmulos a sua morada, e ninguém conseguia prendê-lo, nem mesmo com uma corrente, 4pois já fora preso muitas vezes com grilhões e correntes, e despedaçara os grilhões e quebrara as correntes; ninguém era capaz de o dominar. 5Andava sempre, dia e noite, entre os túmulos e pelos montes, a gritar e a ferir-se com pedras. 6Avistando Jesus ao longe, correu, prostrou-se diante dele 7e disse em alta voz: «Que tens a ver comigo, ó Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Conjuro-te, por Deus, que não me atormentes!» 8Efectivamente, Jesus dizia: «Sai desse homem, espírito maligno.» 9Em seguida, perguntou-lhe: «Qual é o teu nome?» Respondeu: «O meu nome é Legião, porque somos muitos.» 10E suplicava-lhe insistentemente que não o expulsasse daquela região. 11Ora, ali próximo do monte, andava a pastar uma grande vara de porcos. 12E os espíritos malignos suplicaram a Jesus: «Manda-nos para os porcos, para entrarmos neles.» 13Jesus consentiu. Então, os espíritos malignos saíram do homem e entraram nos porcos, e a vara, cerca de uns dois mil, precipitou-se do alto no mar e ali se afogou. 14Os guardas dos porcos fugiram e levaram a notícia à cidade e aos campos.As pessoas foram ver o que se passara. 15Ao chegarem junto de Jesus, viram o possesso sentado, vestido e em perfeito juízo, ele que estivera possuído de uma legião; e ficaram cheias de temor. 16As testemunhas do acontecimento narraram-lhes o que tinha sucedido ao possesso e o que se passara com os porcos. 17Então, pediram a Jesus que se retirasse do seu território. 18Jesus voltou para o barco e o homem que fora possesso suplicou-lhe que o deixasse andar com Ele. 19Não lho permitiu. Disse-lhe antes: «Vai para tua casa, para junto dos teus, e conta-lhes tudo o que o Senhor fez por ti e como teve misericórdia de ti.» 20Ele retirou-se, começou a apregoar na Decápole o que Jesus fizera por ele, e todos se maravilhavam.

    Escutamos, hoje, um relato popular, de estilo burlesco, com que as primeiras comunidades cristãs acentuavam o poder benéfico do «kerygma» de Jesus. O episódio passa-se a oriente do lago de Tiberíades, em terra pagã, como se vê pela existência da vara de porcos, animais considerados impuros em Israel. É o caso do epiléptico, que não podia ser controlado pelos seus conterrâneos e, por isso, vivia no campo ou, pior ainda «entre os túmulos». A situação é grave e mesmo dramática. Ouvem-se os urros dos demónios, que reconhecem Jesus, proclamam a sua divindade e suplicam que não os expulse. Jesus mantém-se imperturbável: pergunta-lhes o nome, e concede-lhes refugiar-se nos porcos. A precipitação da vara no lago, sugere o seu regresso a Satanás, rei dos abismos. Os presentes continuam dominados pelo temor e pedem a Jesus que se afaste.
    O anúncio do Evangelho deve ser preparado e exige a mediação da testemunha, do apóstolo. Ao contrário do silêncio que, em Marcos, Jesus geralmente impõe aos miraculados, aqui manda ao possesso libertado que vá levar a notícia aos seus. O homem não se contenta com isso e apregoa na Decápole a obra que Jesus nele realizou.

    Meditatio

    A Carta aos Hebreus continua a falar-nos da fé. Hoje apresenta-nos dois quadros opostos, que podemos intitular: vitórias e derrotas da fé. Pela fé, os Juízes, os Profetas e David fizeram grandes coisas, alcançaram grandes vitórias: «conquistaram reinos, exerceram a justiça, alcançaram promessas, fecharam a boca de leões, extinguiram a violência do fogo» (v. 33-34). Mas, pela mesma fé, outros sofreram «derrotas» não menos admiráveis, porque manifestaram uma fé mais forte, uma fé que não se deixou dominar pelas situações e acontecimentos adversos, nem aceitou a apostasia para alcançar «vitórias». Também em Jesus notamos dois quadros: Jesus que realiza milagres e suscita a admiração das multidões; Jesus na paixão, condenado, vilipendiado, crucificado, morto.
    O exemplo dos nos
    sos antepassados na fé, e especialmente o exemplo de Jesus, hão-de estimular a nossa fragilidade no caminho da fé, também ele tantas vezes marcado por vitórias e derrotas. Talvez tenhamos encontrado o Senhor numa experiência que, certo dia, mudou a nossa vida, ou talvez O tenhamos acolhido depois de eventos muito concretos, depois de um sério confronto com Ele. A fé pediu-nos certamente renúncias a que, num primeiro momento, correspondemos com generosidade e alegria. Mas não é fácil perseverar e testemunhar Cristo num contexto neo-pagão ou num contexto tradicionalista, ligado a costumes e tradições esvaziadas de alma. Pouco a pouco o nosso entusiasmo arrefece, as incompreensões ferem-nos, o isolamento desencoraja-nos. Corremos o risco de nos encontrarmos pouco convencidos e nada convincentes. Mas a fé deve ser continuamente reavivada, como uma pequena chama que frequentemente havemos de aproximar do Espírito para a manter ardente e luminosa. Precisamos de fazer memória de tantos irmãos e irmãs, que deram um esplêndido testemunho de perseverança e nos transmitiram a chama da fé, porque prosseguimos a sua mesma caminhada. Precisamos de voltar, de alma e coração, às circunstâncias do nosso encontro com Jesus e permanecer na sua presença. A memória da graça passada e a visão do futuro que nos espera reanimarão os nossos passos. O Senhor, conhecendo a nossa fraqueza, quer-nos missionários do mundo. Ele próprio nos apoia para que possamos alcançar a promessa juntamente com as grandes testemunhas que nos precederam e que virão depois de nós, às quais havemos de entregar a chama da fé.

    Oratio

    Senhor, a nossa vida é marcada por vitórias que nos consolam e por derrotas que nos deixam desolados. Dá-nos o teu Espírito santo para que saibamos aproveitar de umas e de outras. As coisas positivas fazem-nos ver a fecundidade da fé, mas sabemos que elas são terrestres e que havemos de ir além delas; as coisas negativas ajudam-nos a voltar-nos para as coisas do céu, e a procurar os verdadeiros valores espirituais. Assim estaremos unidos ao mistério da morte e da ressurreição de Jesus, teu Filho, e, com Ele, alcançaremos vitória sobre o mundo. Foi Ele que nos disse: «Tende confiança, Eu venci o mundo». Temos confiança, Senhor! Mas aumenta-a e aumenta a nossa fé! Amen.

    Contemplatio

    «Rejeitai toda a impureza, todo o fermento de malícia; e recebei com docilidade a Palavra enxertada em vós, e que pode salvar as vossas almas. Tende cuidado em observar esta palavra e não vos contenteis em escutá-la seduzindo-vos a vós mesmos; porque aquele que recebe a palavra e não a cumpre parece-se a um homem que observa o seu rosto num espelho, e depois de se ter observado, vai-se embora, e esquece-se naquele mesmo instante de como era. Mas aquele que medita a lei de perfeição, a lei que liberta as nossas almas do pecado e que a ela se agarra, fazendo o que escuta, esse será feliz e abençoado, nas suas obras» (Tg 1, 21). - «Meus irmãos, de que servirá a um homem dizer que tem fé, se não tem as obras! A fé poderá salvá-lo?» Se a um dos vossos irmãos faltar vestuário ou alimento e se algum de entre vós lhe disser: «Ide em paz, aquecei-vos, saciai-vos!» sem nada lhe dar, de que lhe servirão os vossos desejos? A fé que não tem obras está morta. Outro pode vir dizer-vos: «Onde estão os efeitos da vossa fé? Quanto a mim, mostro a minha fé pelas minhas obras. - Vós acreditais em Deus, fazeis bem; os demónios também acreditam e tremem. - Quereis provas de que a fé sem obras é morta? Considerai Abraão: não foi ele justificado pelas suas obras, quando ofereceu o seu filho Isaac sobre o altar? A sua fé cooperava com as suas obras, foi consumada pelas suas obras: é o que a Escritura exprime dizendo: Abraão acreditou no que Deus lhe tinha dito, a sua fé foi-lhe imputada à justiça, e foi chamado o amigo de Deus. O homem é justificado pelas obras unidas à fé e não pela fé só. Vedes ainda Rahab a cortesã, ela acreditou no Deus de Israel (Jos 2, 2), mas não foi às suas obras que ela deveu a sua salvação, porque ela recebeu os enviados de Josué e os fez escapar àqueles que os procuravam? A fé sem as obras é morta, é um corpo sem alma» (Tg 2, 14). (Leão Dehon, OSP 3, p. 99s.).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Tende confiança, Eu venci o mundo» (Jo 16, 33).

  • Tempo Comum - Anos Ímpares - IV Semana - Terça-feira

    Categoria: Semanal Tempo Comum - Anos Ímpares - IV Semana - Terça-feira


    31 de Janeiro, 2023

    Tempo Comum - Anos Ímpares - IV Semana - Terça-feira

    Lectio

    Primeira leitura: Hebreus 12, 1-4

    Irmãos: Estando também nós, circundados como estamos de tal nuvem de testemunhas, deixando de lado todo o impedimento e todo o pecado, corramos com perseverança a prova que nos é proposta, 2tendo os olhos postos em Jesus, autor e consumador da fé. Ele, renunciando à alegria que lhe fora proposta, sofreu a cruz, desprezando a ignomínia, e sentou-se à direita do trono de Deus. 3Considerai, pois, aquele que sofreu tal oposição por parte dos pecadores, para que não desfaleçais, perdendo o ânimo. 4Ainda não resististes até ao sangue na luta contra o pecado.

    O convite à perseverança na fé não é feito a partir de conceitos abstractos, mas de modelos. A «nuvem» de testemunhos apresentada pelo autor ajuda, conforta, sustenta. Encoraja, sobretudo, o exemplo de Jesus, modelo supremo, «autor e guia da fé» (v. 2) e seu «consumador». Ele precede-nos na «prova» para Deus que, como uma qualquer corrida desportiva, deve ser realizada nas devidas condições. Há que dispensar tudo quanto dificulte essa corrida, sobretudo o pecado, e ter bem fixos os olhos na meta. Uma vez que Jesus é a meta, o caminho e Aquele que nos precede, há que considerar atentamente o seu percurso e seguir-Lhe os passos. Ele atravessou a humilhação e o sofrimento, a submissão ao ódio e à maldade para lhes suportar o peso com amor redentor. Esse foi o itineráro que percorreu para chegar à alegria e à glória, à direita do Pai (v. 2b). Quem O segue, jamais deve afastar d´Ele os olhos para ter força e perseverar numa fidelidade radical.

    Evangelho: Mc 5, 21-43

    Naquele tempo, depois de Jesus ter atravessado, no barco, para a outra margem, reuniu-se uma grande multidão junto dele, que continuava à beira-mar. 22Chegou, então, um dos chefes da sinagoga, de nome Jairo, e, ao vê-lo, prostrou-se a seus pés 23e suplicou instantemente: «A minha filha está a morrer; vem impor-lhe as mãos para que se salve e viva.» 24Jesus partiu com ele, seguido por numerosa multidão, que o apertava. 25Certa mulher, vítima de um fluxo de sangue havia doze anos, 26que sofrera muito nas mãos de muitos médicos e gastara todos os seus bens sem encontrar nenhum alívio, antes piorava cada vez mais, 27tendo ouvido falar de Jesus, veio por entre a multidão e tocou-lhe, por detrás, nas vestes, 28pois dizia: «Se ao menos tocar nem que seja as suas vestes, ficarei curada.» 29De facto, no mesmo instante se estancou o fluxo de sangue, e sentiu no corpo que estava curada do seu mal. 30Imediatamente Jesus, sentindo que saíra dele uma força, voltou-se para a multidão e perguntou: «Quem tocou as minhas vestes?» 31Os discípulos responderam: «Vês que a multidão te comprime de todos os lados, e ainda perguntas: 'Quem me tocou?'» 32Mas Ele continuava a olhar em volta, para ver aquela que tinha feito isso. 33Então, a mulher, cheia de medo e a tremer, sabendo o que lhe tinha acontecido, foi prostrar-se diante dele e disse toda a verdade. 34Disse-lhe Ele: «Filha, a tua fé salvou-te; vai em paz e sê curada do teu mal.» 35Ainda Ele estava a falar, quando, da casa do chefe da sinagoga, vieram dizer: «A tua filha morreu; de que serve agora incomodares o Mestre?» 36Mas Jesus, que surpreendera as palavras proferidas, disse ao chefe da sinagoga: «Não tenhas receio; crê somente.» 37E não deixou que ninguém o acompanhasse, a não ser Pedro, Tiago e João, irmão de Tiago. 38Ao chegar a casa do chefe da sinagoga, encontrou grande alvoroço e gente a chorar e a gritar. 39Entrando, disse-lhes: «Porquê todo este alarido e tantas lamentações? A menina não morreu, está a dormir.» 40Mas faziam troça dele. Jesus pôs fora aquela gente e, levando consigo apenas o pai, a mãe da menina e os que vinham com Ele, entrou onde ela jazia. 41Tomando-lhe a mão, disse: «Talitha qûm!», isto é, «Menina, sou Eu que te digo: levanta-te!» 42E logo a menina se ergueu e começou a andar, pois tinha doze anos. Todos ficaram assombrados. 43Recomendou-lhes vivamente que ninguém soubesse do sucedido e mandou dar de comer à menina.

    Marcos apresenta-nos, hoje, dois gestos decisivos de Jesus contra a morte: a cura da mulher que sofria de um fluxo de sangue e a cura da filha de Jairo. A perda de sangue era, para a mulher hebreia, uma frustração vital, porque, não poder ter descendência, equivalia à morte prematura (cf. Gn 30, 1). A filha de Jairo estava mesmo morta e teve que ser «ressuscitada». Jesus livra ambas da morte mostrando que é o verdadeiro Messias, porque a sua palavra suscita vida.
    Os dois episódios estão entrelaçados um no outro, revelando pontos de contacto e diferenças. No caso da filha de Jairo, a súplica do pai recebe uma resposta pronta de Jesus, que imediatamente se dirige para sua casa. Mas a caminhada é abruptamente interrompida com a intervenção da mulher que sofria do fluxo de sangue. Contrasta o comportamento de Jairo, homem influente, e o da mulher que sofria de um fluxo de sangue, que se aproxima furtivamente de Jesus. Mas ambos têm a mesma confiança em Jesus e obtêm uma resposta pronta. A mulher, primeiro é secretamente curada da sua doença física; depois é curada da sua timidez, dos seus complexos: ganha coragem, fala com Jesus, estabelece uma relação com Ele. Foi curada e foi salva.
    No caso da menina, Jesus tem uma reacção diferente: enquanto tinha incitado a mulher, que se apresentara em segredo, a mostrar-se diante de todos, aqui ordena a Jairo, que fizera publicamente o seu pedido, que não divulgasse o milagre.

    Meditatio

    O autor da Carta aos Hebreus recorre, hoje, a uma imagem desportiva para descrever a nossa situação. Estamos no estádio, disputamos uma grande corrida e somos observados por muitos espectadores, os santos, os que já atingiram a meta e nos olham do Paraíso. O autor exorta-nos a correr «tendo os olhos postos em Jesus, autor e consumador da fé» (v. 2). É a atitude fundamental de quem quer vencer: ter os olhos fixos em Jesus. Quando pensamos no exemplo dos santos, dos mártires, e sobretudo de Jesus na sua paixão, morte e ressurreição, todas as dificuldades nos parecem pouca coisa. «Considerai aquele que sofreu tal oposição por parte dos pecadores» (v. 3), recomenda o autor.
    A nossa fé é sempre frágil, fechada nos limites estreitos do nosso medo em enfrentar situações que nos ultrapassam. Precisamos de entrar em contacto com o «autor» e «consumador» da nossa fé. O primeiro modo de entrar em contacto com Jesus é ter os olhos fixos n´Ele. Mas á um segundo modo, que consiste em falar-Lhe, pedir-Lhe que intervenha nas nossas dificuldades, que manifeste o seu poder nas nossas enfermidades, como fez Jairo. Diz-nos o evangelho que «se prostrou a seus pés e suplicou instantemente: «A minha filha está a morrer; vem impor-lhe as mãos para que se salve e viva» (vv. 22b-23). Outro modo é o usado pela mulher doente. Tem vergonha de falar da sua doença, mas quer ser curada por Jesus. Por isso, vai por detrás d&
    acute;Ele, procurando um contacto discreto: «Se ao menos tocar nem que seja as suas vestes, ficarei curada» (v. 28). Jesus aproveita para sublinhar que não é o simples contacto que salva, mas a fé: «Quem tocou as minhas vestes?»(v. 31), perguntou. E, quando a mulher confessou o seu gesto, Jesus pronunciou a palavra iluminadora: «Filha, a tua fé salvou-te» (v. 34). Não basta tocar em Jesus; é preciso tocar-Lhe com fé. Não basta receber a Eucaristia; é preciso recebê-la com fé.
    É assm que as leituras de hoje nos revelam quanto é importante, e necessáro, o contacto com Jesus, na fé.

    Oratio

    Senhor Jesus, de olhos fixos em Ti, ousamos partir para a prova que está diante de nós. Ajuda-nos a perseverar! Livra-nos da mentalidade deste mundo, que nos levaria a pedir perspectivas seguras e recompensas sedutoras. Liberta-nos dos laços multiformes do pecado, que quer reter-nos. Conduz-nos para fora de nós, tomando-nos pela mão, porque hesitamos seguir os teus passos pelo caminho da humilhação e do sofrimento. Tu, que és o autor e o consumador da fé, dá-nos a força do Espírito para chegarmos à meta ultrapassando o obstáculo recorrente da nossa incredulidade. Tu, que estás agora sentado à direita do Pai, ajuda-nos a acolher cada situação como ocasião propícia para crescimento na fé. Esperando em Ti, jamais seremos confundidos, porque és o Salvador do homem, o Senhor da vida. Amen.

    Contemplatio

    A cruz pelos pecadores. - Cedo Margarida Maria tinha dito: «Ó meu caro Salvador, como seria feliz se imprimísseis em mim a vossa imagem sofredora!» Nosso Senhor aceitou a sua oferta, serviu-se dela sem cessar como de uma vítima para os interesses do seu Coração, e ela entregou-se sem reservas a esta imolação com um santo entusiasmo.Alguns anos depois da sua entrada no convento, durante a sua acção de graças depois da comunhão, Nosso Senhor perguntou-lhe interiormente se ela aceitaria sofrer todas as penas merecidas pelos pecadores, para que ele fosse glorificado por todas estas almas. «Ofereci-me imediatamente, diz; mesmo se as minhas penas devessem durar até ao dia do juízo, desde que ele fosse glorificado, estaria contente». Como as provações não vinham tão depressa de acordo com os seus desejos, logo exclamou: «O quê, meu Deus, deixar-me-eis viver sempre sem sofrer?» O divino Mestre mostrou-lhe uma grande cruz da qual ela não podia ver o fim e coberta de flores, e disse-lhe: «Lá te farei consumar as delícias do puro amor. Pouco a pouco, estas flores cairão, não te restarão senão os espinhos que estas flores escondem agora por causa da tua fraqueza; sentirás vivamente a sua picadela, mas a força do meu amor ajudar-te-á a suportá-la». Admirável providência do Sagrado Coração, que não deixa sentir os espinhos da reparação senão às almas preparadas pelo seu amor! (Leão Dehon, OSP 4, p. 372).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Filha, a tua fé salvou-te» (Mc 5, 34).

plugins premium WordPress