Semana de Jun 16th

  • XI Semana - Segunda-feira - Tempo Comum - Anos Pares

    XI Semana - Segunda-feira - Tempo Comum - Anos Pares


    17 de Junho, 2024

    Tempo Comum - Anos Pares
    XI Semana - Segunda-feira

    Lectio

    Primeira leitura: 1 Reis 21, 1-6

    Naquele tempo, 1Nabot de Jezrael tinha uma vinha junto ao palácio de Acab, rei da Samaria. 2Disse então Acab a Nabot: «Cede-me a tua vinha para que eu a transforme em horta, pois fica junto da minha casa. Dar-te-ei em troca uma vinha melhor; ou, se te convier, pagar-te-ei o seu valor em dinheiro.» 3Nabot disse a Acab: «Pelo Senhor! Seria um sacrilégio ceder-te a herança de meus pais!» 4Acab voltou para casa triste e irritado, pelo facto de Nabot lhe ter dito: «Não te darei a herança de meus pais.» Deitou-se na cama, voltou o rosto para a parede e não quis mais comer. 5Sua esposa veio ter com ele e perguntou-lhe: «Por que razão estás assim irritado e não queres comer?» 6Ele respondeu-lhe: «Porque falei a Nabot de Jezrael, dizendo-lhe: 'Cede-me a tua vinha por dinheiro ou, se mais te convier, dar-te-ei por ela outra vinha', e ele respondeu-me: 'Não te darei a minha vinha.' 7Então Jezabel, sua esposa, disse-lhe: «Não és tu o rei de Israel? Levanta-te, come, não te aflijas! Eu mesma te darei a vinha de Nabot de Jezrael.» 8Escreveu cartas em nome de Acab, selando-as com o selo real, e enviou-as aos anciãos e aos magistrados da cidade, concidadãos de Nabot. 9Nelas lhes dizia: «Proclamai um jejum e fazei sentar Nabot na primeira fila da assembleia. 10Fazei vir à sua presença dois homens malvados que o acusem dizendo: 'Tu blasfemaste contra Deus e contra o rei!' Levai-o, depois, para fora da cidade e apedrejai-o até ele morrer.» 11Os homens da cidade, os anciãos e os magistrados, concidadãos de Nabot, fizeram o que lhes mandara Jezabel, conforme o conteúdo da carta que ela lhes enviara. 12Proclamaram um jejum e fizeram Nabot sentar-se em lugar de honra. 13Vieram então os dois malvados, puseram-se na presença de Nabot e depuseram contra ele perante o povo, dizendo: «Nabot blasfemou contra Deus e contra o rei!» Fizeram-no sair da cidade, apedrejaram-no e ele morreu. 14Mandaram então dizer a Jezabel: «Nabot foi apedrejado e morreu.» 15Quando Jezabel teve conhecimento que Nabot fora apedrejado e já estava morto, disse a Acab: «Levanta-te e toma posse da vinha que Nabot de Jezrael recusara ceder-te por dinheiro; Nabot já não é vivo! Morreu!» 16Mal Acab ouviu dizer que Nabot tinha morrido, levantou-se logo para descer até à vinha de Nabot de Jezrael, a fim de tomar posse dela.

    O rei Acab confia mais em manobras políticas do que na protecção de Deus. Instigado pela mulher, mancha-se com um duplo crime: a morte de Nabot, um honesto israelita, que se recusava a ceder por venda ou por troca uma vinha, que possuía junto da residência real de verão; o roubo da vinha, que o proprietário, agora morto, se negara a vender por ser património da família. Este homicídio, e este furto, revelam a degradação moral da monarquia, apesar da encenação com que se pretendia conferir legalidade à acção de Acab: proclamação de um jejum, convocação da assembleia, como era costume fazer em tempos de calamidade pública. O próprio Nabot foi designado para presidir à assembleia. Tudo estava preparado por Jezabel para fazer recair sobre Nabot a responsabilidade da calamidade, possivelmente mais uma seca prolongada. E assim foi, com a colaboração de dois malvados, que acusaram Nabot de blasfémia, fazendo cair sobre ele a maldição. A maldição do rei, tal como a de Deus, comportava a lapidação (Ex 22, 27; Lv 24, 16), sempre que fosse sufragada por duas testemunhas (Nm 35, 30; Dt 17, 6), que, neste caso, são falsas.
    Neste relato, ressaltam uma série de paixões e de atropelos, tais como a ambição e o cinismo da rainha, e o abuso do poder, que se notam no tom provocador das suas palavras a Acab: «Não és tu o rei de Israel?» (v. 7).

    Evangelho: Mateus 5, 38-42

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 38«Ouvistes o que foi dito: Olho por olho e dente por dente. 39Eu, porém, digo-vos: Não oponhais resistência ao mau. Mas, se alguém te bater na face direita, oferece-lhe também a outra. 40Se alguém quiser litigar contigo para te tirar a túnica, dá-lhe também a capa. 41E se alguém te obrigar a acompanhá-lo durante uma milha, caminha com ele duas. 42Dá a quem te pede e não voltes as costas a quem te pedir emprestado.»

    A quinta antítese consiste na chamada «lei de Talião» (Ex 21, 24; Lv 14, 19s.; Dt 19, 21). Essa lei, que já encontramos no Código de Hamurabi (séc. XVIII a. C. ), foi necessária numa cultura em que a vingança não tinha limite. Baseava-se no princípio da retribuição e na exigência de reparação. Quando foi dada, era uma lei «progressista», pois punha freio à retorsão (cf. Gn 4, 23s.). Não deve ser julgada à luz do Evangelho. Os próprios judeus se sentiam embaraçados perante tão horrendo princípio. Por isso, em vez de a aplicarem à letra, substituíam-na por sanções pecuniárias.
    Jesus ensina a ser longânimes, a não responder com a vingança ou com a intolerância às ofensas. Assim se quebra a espiral da violência e da prepotência. Isto vale também quando é posta em causa a nossa integridade física e a integridade dos nossos bens, a começar pelo tempo: a capa (v. 40) servia para se defender das intempéries e para cobrir o corpo durante as horas de repouso; a milha (v. 41) era o caminho permitido em dia de sábado. Paulo retomará este ensinamento de Cristo e escreverá: «Não pagueis a ninguém o mal com o mal... Não te deixes vencer pelo mal, mas vence o mal com o bem» (Rm 12, 17.21).
    Estas exigências de Jesus não são contrárias à ordem que deve existir na sociedade. Ele próprio dá o exemplo: pede explicações a quem lhe bateu (Mc 14, 48; Jo 18, 23) e sofre a humilhação; Paulo, para se defender da injustiça, invoca a sua qualidade de cidadão romano, recorrendo mesmo ao supremo tribunal, a César. Uma coisa é a defesa dos próprios direitos, outra é a violência, a intolerância.

    Meditatio

    A história de Nabot ilustra a vitória da violência sobre o pobre. Não teria feito melhor em ceder a vinha a Acab, que até lhe oferecia dinheiro por ela, ou a troca por outra? Não, porque não se tratava simplesmente de uma propriedade, ou de uma propriedade qualquer. Vender ou trocar aquela vinha era por em risco a sua vocação de israelita, que tinha ao seu cuidado uma parte da terra, herança sagrada. É por isso que Nabot responde a Acab: «Pelo Senhor! Seria um sacrilégio ceder-te a herança de meus pais!» (v. 3). Opor-se à injustiça é normal quando se trata de outros. Quando se trata de nós mesmos, Jesus ensina-nos a ser mansos, indulgentes e generosos até ao extremo: «se alguém te bater na face direita, oferece-lhe também a outra» (Mt 5, 39). A violência não se combate com a viol&ec
    irc;ncia. Só o bem pode vencer o mal. Só o amor é sempre vitorioso.
    Mas a história de Nabot lembra-nos que há um limite para a condescendência perante as injustiças: a fidelidade à vontade de Deus. Jesus, que se opõe fortemente a toda a injustiça e abuso, para ser fiel à vontade do Pai, sujeita-se à máxima injustiça, que foi a sua morte na cruz. «Por isso mesmo é que Deus o elevou acima de tudoe lhe concedeu o nome que está acima de todo o nome» (Fl 2, 9). Quem quer participar na sua glória, há-de participar primeiro no mistério da sua caridade.
    Participar no mistério da caridade de Cristo não é uma piedosa abstracção. O amor activo não é fraco; é muito mais forte do que a violência, que caracteriza a cega brutalidade e é indigna do homem. A preferência pelos métodos não violentos pode levar-nos a reflectir sobre o enorme poder da opinião pública. Bem o conhecem e usam com exagero, até se tornarem sub-repticiamente violentos, os políticos, os industriais, o mundo do comércio, bombardeando o povo por meio dos mass media, a fim de alcançarem determinados objectivos políticos, económicos, financeiros, comerciais.
    Há também que mobilizar-se para promover uma opinião pública favorável à justiça e à paz, ao respeito pelo ambiente e pela vida. O caminho da não-violência, como já demonstrou Gandhi na independência da Índia e, mais recentemente, o demonstraram os Países do Leste europeu, na conquista das liberdades fundamentais do homem, é tudo menos passividade e ineficácia.
    Um dos objectivos da vida e acção do Pe. Dehon foi elevar "massas populares, por meio do reino da justiça e da caridade cristã». Segundo o Fundador, é «um trabalho a continuar» pelos membros da Congregação (CC nn. 386-388).

    Oratio

    Senhor, bem sabes como tenho dificuldade em perder, como estou agarrado ao meu tempo, às minhas coisas, às minhas ideias. Tenho dificuldade em ceder, em condescender, em entrar no jogo dos outros. Muitas vezes, me barrico nas minhas defesas e tutelo os meus direitos, reais ou presumidos, com a ilusão de ter sempre razão, de não reconhecer os meus erros, de conseguir sempre impor-me. Mas tu pedes que viva desarmado. Se com alguma coisa me devo medir, é com a tua cruz. Faz-me compreender que, só quem decide perder, acaba por encontrar o melhor de si mesmo. Amen.

    Contemplatio

    Nosso Senhor não veio destruir a lei; explicou, desenvolveu a lei moral com mais clareza, mais extensão; deu-lhe o sentido verdadeiro; purificou-a das falsas interpretações farisaicas; acrescentou-lhe o que faltava, e elevou-a a um ideal de perfeição que nunca tivera até então, e que deve conservar até ao fim dos séculos.
    Deus tinha-nos dado a lei sumariamente no Sinai: resumia-se em dois preceitos: amarás o teu Deus de todo o coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e amarás o teu próximo como a ti mesmo.
    Era necessária a delicadeza do Coração de Jesus para bem compreender toda a plenitude do mandamento divino e todo o seu alcance, e para o explicar sem mistura de vistas terrestres.
    Só Ele tinha poder para acrescentar ao preceito a força do exemplo no cumprimento perfeito de toda a lei, de maneira a poder dizer: dei-vos o exemplo, para que façais como me vistes fazer. Nosso Senhor restabeleceu-a em vários pontos.
    A lei prescrevia o amor do próximo. Os Judeus entendiam isto somente a respeito dos membros da sua raça, e ainda assim é hoje. Nosso Senhor diz-nos que isso se aplica a todos os homens, e que é preciso amar os nossos próprios inimigos e fazer o bem àqueles que nos odeiam, como o nosso Pai do céu que faz brilhar o sol sobre os bons e sobre os maus. (Leão Dehon, OSP4, p. 27s.).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra
    «Dá a quem te pede.» (Mt 5, 42).

    | Fernando Fonseca, scj |

  • XI Semana - Terça-feira - Tempo Comum - Anos Pares

    XI Semana - Terça-feira - Tempo Comum - Anos Pares


    18 de Junho, 2024

    Tempo Comum - Anos Pares
    XI Semana - Terça-feira

    Lectio

    Primeira leitura: 1 Reis 21, 17-29

    Depois de Nabot de Jezrael ter sido assassinado, por não querer vender a sua vinha ao rei Acab, 17a palavra do Senhor foi dirigida a Elias, o tisbita, dizendo: 18«Desce e vai ter com Acab, rei de Israel, que vive na Samaria; ele está agora a descer para se apossar da vinha de Nabot. 19Diz-lhe: Assim fala o Senhor: 'Cometeste um homicídio e agora vais ainda apoderar-te do alheio?' Acrescentarás ainda: 'Isto diz o Senhor: No mesmo lugar onde os cães lamberam o sangue de Nabot, hão-de lamber também o teu!'» 20Então Acab respondeu a Elias: «Tornaste a apanhar-me, meu inimigo!» Elias replicou: «Sim, tornei a apanhar-te porque te prestaste a uma perfídia, fazendo o que é mal aos olhos do Senhor. 21Farei cair uma desgraça sobre ti, varrer-te-ei e hei-de exterminar todos os homens da casa de Acab, sejam escravos ou homens livres em Israel. 22Tornarei a tua casa semelhante à casa de Jeroboão, filho de Nabat, e à de Basa, filho de Aías, porque provocaste a minha ira e fizeste pecar Israel.» 23O Senhor falou também para Jezabel: «Os cães hão-de devorar Jezabel na propriedade de Jezrael. 24Todos os membros da casa de Acab que morrerem na cidade, os cães os hão-de devorar; e todos os membros que morrerem no campo, comê-los-ão as aves do céu. 25Não houve nunca ninguém como Acab que se prestasse à perfídia para fazer o mal aos olhos do Senhor. E a sua esposa Jezabel incitava-o ainda mais. 26Ele cometeu graves abominações, seguindo os ídolos exactamente como os amorreus, a quem o Senhor despojara diante dos filhos de Israel.» 27Ao ouvir estas palavras, Acab rasgou as vestes, cobriu-se de saco e jejuou; dormia sobre um saco e caminhava pensativo. 28Então a palavra do Senhor foi dirigida a Elias, o tisbita, dizendo: 29«Viste como Acab se humilhou na minha presença? Já que ele procedeu assim, não o castigarei durante a sua vida, mas nos dias de seu filho mandarei o castigo sobre a sua casa.»

    Os profetas são homens de Deus, e a sua missão é essencialmente religiosa. Mas isso não os impede de denunciar as injustiças sociais e de emitir juizos sobre situações políticas. Quando o fazem, é também por razões religiosas, porque tudo vêem e tudo ajuizam na perspectiva da Lei e da Aliança. Não actuam por razões meramente políticas, por sentimentalismo ou simples reivindicações sociais.
    A intervenção de Elias junto de Acab faz lembrar a de Natan, junto de David. Deus, por meio dos seus profetas, vinga a injustiça e defende o oprimido. Jezabel será a primeira a pagar pelos seus crimes (2 Rs 9, 30ss.). O princípio da retribuição, ainda que férreo, inclui atenuantes em virtude do arrependimento do culpado e da misericórdia divina. Mas, na lógica do Antigo Testamento, impõe-se sempre a reparação (cf. 2 Rs 9ss.).
    Os dois últimos capítulos do 1 Rs ilustram as infelizes empresas bélicas em que o rei Acab se mete, contra a opinião do profeta Miqueias. Tudo termina com a morte miserável do soberano, cujo sangue é lambido pelos cães. A dinastia de Acab é destruída.

    Evangelho: Mateus 5, 43-48

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 43«Ouvistes o que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo. 44Eu, porém, digo-vos: Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem. 45Fazendo assim, tornar-vos-eis filhos do vosso Pai que está no Céu, pois Ele faz com que o Sol se levante sobre os bons e os maus e faz cair a chuva sobre os justos e os pecadores. 46Porque, se amais os que vos amam, que recompensa haveis de ter? Não fazem já isso os cobradores de impostos? 47E, se saudais somente os vossos irmãos, que fazeis de extraordinário? Não o fazem também os pagãos? 48Portanto, sede perfeitos como é perfeito o vosso Pai celeste.»

    A sexta antítese refere-se ao maior dos mandamentos: o amor para com o próximo, já formulado no Levítico (19, 18). Todavia, no Antigo Testamento, o amor ao próximo limitava-se ao povo de Israel e àqueles que, de algum modo, tivessem sido integrados nele.
    Jesus cita também o ódio aos inimigos: «odiarás o teu inimigo» (v. 43). É verdade que esse preceito não estava escrito em qualquer página da Bíblia. Mas estava presente nas franjas do judaísmo mais extremista. Em Qunran, prescrevia-se o ódio a todos os filhos das trevas.
    Jesus torna universal o preceito do amor ao próximo. Se assim não fosse, os seus discípulos ficavam ao nível dos publicanos que, por solidariedade estavam unidos e se amavam uns aos outros; ou ao nível dos pagãos. Jesus, apoiando-se num princípio aceite pelos judeus - «deve imitar-se o comportamento de Deis» -, instaura o princípio do amor universal. Deus não faz distinções, faz erguer o Sol, e cair a chuva, para todos. Com esta afirmação, Jesus também deita por terra a pretensa preferência, e quase exlcusividade, do amor de Deus para com eles.

    Meditatio

    «Amai os vossos inimigos ...tornar-vos-eis filhos do vosso Pai que está no Céu ... sede perfeitos como é perfeito o vosso Pai celeste». O Baptismo tornou-nos filhos de Deus. Mas há que crescer e desenvolver essa condição. O Espírito impele-nos para a plenitude da vida filial. Há que acolher docilmente os seus impulsos. O Espírito faz crescer em nós o amor para com todos, também para com os inimigos: «Amai os vossos inimigos». Não há palavra que revele mais profundamente o coração de Jesus e o coração do Pai. É mais do que «perdoar as vossos inimigos», que já é muito. Amar quer dizer responder ao ódio com o amor. Trata-se, diríamos, de um excesso de amor. Porque, «se amar os amigos é de todos, amar os inimigos é só dos cristãos», como escreveu Tertuliano. «Jesus viveu e morreu em vão, se não aprendemos d´Ele a regular as nossas vidas pela lei eterna do amor», escreveu Gandhi. Ele quere-nos perfeitos no amor para com Deus e para com o próximo, ainda que seja um perseguidor. Jesus perdoou àqueles que o crucificaram. É por isso que Paulo, ao inculcar o amor entre os tessalonicenses, escreve: «vós próprios aprendestes de Deus a amar-vos uns aos outros» (1 Ts 4, 9). Como filhos de Deus, somos chamados a difundir o amor generosamente. Onde não há amor, onde nos damos conta de que não somos amados, amemos um pouco mais, com o amor que Jesus nos deu. Por isso é que mandou amar sempre.
    Infelizmente nas comunidades cristãs, também nas comunidades religiosas, podem nascer inimizades, pequenas, mesquinhas, geralmente provenientes de corações tacanhos, feridos pelo ciúme e pela inveja. São inimizades que provocam muito sofrimento em quem deles é objecto, sem culpa. Valem, então, as palavras de Jesus: «Amai os vossos inimigos, fazei bem àqueles que vos odeiam (ou que, sem um verdadeiro ódio, são
    invejosos, ciumentos), bendizei aqueles que vos amaldiçoam (no sentido de que falam mal de vós), rezai por aqueles que vos maltratam» (não fisicamente, mas moralmente) (Lc 6, 27-28). Tudo isto, «para que sejais filhos do vosso Pai celeste, que faz nascer o sol para os bons e para os maus, e manda a chuva para os justos e os injustos... Sede, portanto, perfeitos como é perfeito o Pai celeste» (Mt 5, 45-46).

    Oratio

    Ó Jesus, mestre de mansidão, de humildade e de paciência, ensina-me a ser como Tu. Dá-me a graça de reagir à violência com mansidão, ao orgulho com humildade, às aflições com paciência. Que eu saiba amar com o coração, com os lábios e com as obras, não só os amigos, mas também os inimigos, aqueles que não me querem bem. Que a todas faça só o bem. Que por todos reze com fervor. Assim serei, por tua graça, acolhido entre os filhos do Pai, que está no céu, e contado entre os eleitos. Amen.

    Contemplatio

    S. João era o primogénito e o modelo das vítimas do Sagrado Coração. O tempo entre a tomada do hábito e a sua profissão não foi longo. No entanto, passou por um noviciado, por um tempo de prova, durante o qual aprendeu mais, avançou mais em virtude e em perfeição, sofreu mais no seu coração e no seu espírito do que a razão humana pode conceber. Lá aprendeu até onde vai o verdadeiro, santo e puro amor de Deus e que a medida deste amor é amar sem medida.
    Na noite da Ceia viu como Nosso Senhor se deu inteiramente no mistério da Eucaristia. No dia seguinte, foi testemunha da oferta dolorosa da vítima sangrenta sobre a cruz. Pela sua presença, pela sua fidelidade e constância, testemunhou abertamente que conhecia Nosso Senhor, que era e queria permanecer seu discípulo. Nesta hora solene, fez no seu coração cheio de amor, de reconhecimento, de compaixão e de zelo, as promessas mais santas para o futuro. Tomou a resolução de nunca abandonar Jesus nem a sua doutrina. Depois recebeu em partilha o Coração ferido de Jesus, o Coração sobre a cruz, envolvido com os espinhos da humilhação, do ultraje, da dor, da ingratidão, da infidelidade e da cobardia dos seus discípulos, daqueles de então e dos do futuro.
    Viu como Nosso Senhor era ao mesmo tempo sacrificador e vítima, como deve ser todo o verdadeiro sacerdote da nova lei. (Leão Dehon, OSP3, p. 521).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Sede perfeitos como é perfeito o vosso Pai celeste» (Mt 5, 48).

    | Fernando Fonseca, scj |

  • XI Semana - Quarta-feira - Tempo Comum - Anos Pares

    XI Semana - Quarta-feira - Tempo Comum - Anos Pares


    19 de Junho, 2024

    Tempo Comum - Anos Pares
    XI Semana - Quarta-feira

    Lectio

    Primeira leitura: 2 Reis 2, 1.6-14

    Naqueles dias, 1quando o Senhor quis levar o profeta Elias para o céu, Elias e Eliseu partiram de Guilgal. 6Elias disse a Eliseu: «Fica aqui porque o Senhor envia-me ao Jordão.» Mas Eliseu respondeu: «Pelo Deus vivo e pela tua vida, juro que não te deixarei.» E partiram juntos. 7Seguiram-nos cinquenta filhos dos profetas, que pararam ao longe, voltados para eles, enquanto Elias e Eliseu se detinham na margem do Jordão. 8Elias tomou o seu manto, dobrou-o e bateu com ele nas águas, que se separaram de um e de outro lado, de modo que passaram os dois a pé enxuto. 9Tendo passado, Elias disse a Eliseu: «Pede o que quiseres, antes que eu seja separado de ti. Que posso fazer por ti?» Eliseu respondeu: «Seja-me concedida uma porção dupla do teu espírito.» 10Elias replicou: «Pedes uma coisa difícil. No entanto, se me vires quando estiver a ser arrebatado de junto de ti, terás aquilo que pedes; mas, se não me vires, não o terás.» 11Continuando o seu caminho, entretidos a conversar, eis que, de repente, um carro de fogo e uns cavalos de fogo os separaram um do outro, e Elias subiu ao céu num redemoinho. 12Eliseu viu tudo isto e exclamou: «Meu pai, meu pai! Carro e condutor de Israel!» E não o voltou a ver mais. Tomando, então, as suas vestes, rasgou-as em duas partes. 13Eliseu apanhou o manto que Elias deixara cair e, voltando, parou na margem do Jordão. 14Pegou no manto que Elias deixara cair, bateu com ele nas águas e disse: «Onde está agora o Senhor, o Deus de Elias? Onde está Ele?» Ao bater nas águas, estas separaram-se para um e outro lado, e Eliseu passou.

    O Primeiro Livro dos Reis termina a falar dos imediatos sucessores de Acab, e das últimas vicissitudes de Elias. O Segundo Livro dos Reis começa com o Ciclo de Eliseu, cuja vocação fora antecipada em 1 Rs 19, 19-21, mas é renovada no texto que hoje escutamos (2 Rs 2, 1-18). Em ambos os relatos encontramos um elemento comum, de grande significado: o manto de Elias. Mas também encontramos diferenças devidas às diferentes fontes donde provêm: 1 Rs 19, 19-21 provém do Ciclo de Elias; 2 Rs 2, 1-18 provém do Ciclo de Eliseu.
    Tal como Elias, também Eliseu desempenhará um importante papel político (2 Rs 3, 11ss.; 6, 8ss.; 8, 7ss; 9, 1ss.; 13, 14ss.) e irá revelar-se o maior taumaturgo do Antigo Testamento. Em 2 Rs 2, 14-7, 20 e 13, 20s., encontramos uma dezena de acções milagrosas, também depois da morte do profeta. Tudo isso explica a importância da sua investidura profética, que pagará com uma fidelidade a toda a prova ao seu mestre Elias. Eliseu está na primeira linha dos «filhos dos profetas». Segundo a lei da progenitura (cf. Dt 21, 17), Eliseu reivindica dois terços do espírito de Elias, que lhe são concedidos como preço pela sua clarividência: «se me vires quando estiver a ser arrebatado de junto de ti, terás aquilo que pedes» (v. 10).
    Depois da subida ao céu de Elias, Eliseu rasgou as próprias vestes, e tomou as do profeta de Tisbé. Com este gesto, manifesta a investidura realizada e a aquisição das faculdades a ela ligadas. Então, Eliseu, deixando para trás os outros «filhos dos profetas» percute as águas do Jordão com o manto de Elias, tal como Moisés percutira as do Mar Vermelho com o seu bastão.
    O arrebatamento de Elias, semelhante ao de Henoc (Gn 5, 24), manifesta o beneplácito divino para com a sua pessoa, mas, sobretudo, refere-se a uma missão futura... Elias deveria voltar... Na interpretação feita pelo próprio Jesus (Mt 17, 12), ele já veio, na pessoa de João Baptista.

    Evangelho: Mateus 6, 1-6.16-18

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 1«Guardai-vos de fazer as vossas boas obras diante dos homens, para vos tornardes notados por eles; de outro modo, não tereis nenhuma recompensa do vosso Pai que está no Céu. 2Quando, pois, deres esmola, não permitas que toquem trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas, nas sinagogas e nas ruas, a fim de serem louvados pelos homens. Em verdade vos digo: Já receberam a sua recompensa. 3Quando deres esmola, que a tua mão esquerda não saiba o que faz a tua direita, 4a fim de que a tua esmola permaneça em segredo; e teu Pai, que vê o oculto, há-de premiar-te.» 5«Quando orardes, não sejais como os hipócritas, que gostam de rezar de pé nas sinagogas e nos cantos das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo: já receberam a sua recompensa. 6Tu, porém, quando orares, entra no quarto mais secreto e, fechada a porta, reza em segredo a teu Pai, pois Ele, que vê o oculto, há-de recompensar-te. 16«E, quando jejuardes, não mostreis um ar sombrio, como os hipócritas, que desfiguram o rosto para que os outros vejam que eles jejuam. Em verdade vos digo: já receberam a sua recompensa. 17Tu, porém, quando jejuares, perfuma a cabeça e lava o rosto, 18para que o teu jejum não seja conhecido dos homens, mas apenas do teu Pai que está presente no oculto; e o teu Pai, que vê no oculto, há-de recompensar-te.»

    Em Mt 4, 6.8, encontramos o princípio da interiorização («no segredo»). Agora, Jesus aponta outro importante princípio, o de «superar» a justiça dos doutores da Lei e dos fariseus (5, 20). E seguem-se as aplicações práticas no que se refere à esmola, à oração, ao jejum, que resumem as práticas religiosas tradicionais. Jesus não censura essas práticas, mas a forma e o objectivo com que eram realizadas, particularmente pelos fariseus. O discípulo de Cristo comporta-se de modo diferente dos fariseus, os «hipócritas» (vv. 2.5.16). Ainda que não mantenha as suas boas obras «no segredo» (Mt 5, 14), só o faz para que a soberania divina seja reconhecida. Segundo o princípio da retribuição, quem faz boas obras para ser estimado e louvado pelos outros, já recebe a sua recompensa; quem as faz por Deus, obtém d´Ele a retribuição.
    O valor da esmola (Sir 3, 29; 29, 12; Tb 4, 9-11) pode ser posto em causa pela ostentação com que é feita. O mesmo se diga da oração, muitas vezes exibida «nos cantos das ruas» (v. 5). Quanto ao jejum, Cristo partilha a posição dos profetas (cf. Is 58, 5-7). O verdadeiro jejum implica conversão a Deus, e deve ser feito com alegria, como indicam os sinais festivos indicados no evangelho: perfumar a cabeça, lavar o rosto (v. 17). E como a conversão é um assunto pessoal, entre Deus e o pecador, deve manter-se secreta entre ambos. E Deus não deixará de retribuir o que bem conhece.

    Meditatio

    O arrebatamento de Elias, elevado da terra ao céu, prefigura o mistério de Jesus. A narrativa de 2 Rs 2,1.6-14 sublinha a importância de ser testemunha do facto. Elias diz a Eliseu: «Fica aqui porque o Senhor envia-me ao Jordão» (v. 1). Mas Eliseu pressente que algo está para acontecer e responde: «Pelo Deus vivo e pela tua vida, juro que não te deixarei» (v. 2). Enquanto passam milagrosamente para a
    lém do Jordão, Elias pergunta: «Pede o que quiseres, antes que eu seja separado de ti. Que posso fazer por ti?» (v. 9). Então, Eliseu pede: «Seja-me concedida uma porção dupla do teu espírito» (v. 9). Elias observa-lhe que fora exigente no pedido. Mas acrescenta: «se me vires quando estiver a ser arrebatado de junto de ti, terás aquilo que pedes» (v. 10). Eliseu devia ter os olhos postos em Elias. E chegou o carro de fogo e os cavalos de fogo. Eliseu pôs-se a gritar: «Meu pai, meu pai!» (v. 12). «Olhava» e, assim, pôde recolher o manto de Elias e ser cheio do espírito do profeta.
    Pensemos na cena do Calvário. João, depois de narrar a transfixão do lado de Jesus, comenta: «isto aconteceu para se cumprir a Escritura, que diz: Não se lhe quebrará nenhum osso. E também outro passo da Escritura diz: Hão-de olhar para aquele que trespassaram» (Jo 19, 36s.). É importante contemplar Jesus, quando é arrebatado da cruz pelo Pai. Foi assim que o centurião reconheceu a identidade de Jesus: «O centurião que estava em frente dele, ao vê-lo expirar daquela maneira, disse: «Verdadeiramente este homem era Filho de Deus!»» (Mc 15, 39). Contemplar Jesus no momento mais puro e generoso do seu amor, é condição para entrar no seu mistério.
    A contemplação do Crucificado, de Lado aberto, é essencial na experiência de fé de S. João, mas também na do Pe Dehon e na nossa. «Ver», «contemplar» é penetrar com o olhar da fé, permanecer absortos em contemplação, para descobrir a verdadeira identidade de Jesus e «acreditar», isto é, aderir com toda a nossa pessoa ao Crucificado e ser testemunhas d´Ele, ser profetas, junto dos irmãos. Escrevem as nossas Constituições: «Com S. João, vemos no Lado aberto do Crucificado o sinal do amor que, na doação total de Si mesmo, recria o homem segundo Deus» (n. 21).

    Oratio

    S. João evangelista, ensinai-me a contemplar a Cristo no acto supremo do seu amor quando, ao morrer na cruz, o Pai o vem arrebatar para O introduzir na sua glória. Já largara tudo o que possuía. Mas, no momento derradeiro, ainda «entregou o espírito». Pouco depois, confirmou esse dom, deixando jorrar do Lado aberto sangue e água. Se o espírito de Elias transformou Eliseu num profeta corajoso e realizador de prodígios, quanto mais o Espírito de Jesus Cristo me pode transformar também a mim. Ajuda-me, discípulo amado do Senhor, a fixar o meu olhar no Crucificado, particularmente no seu Lado aberto e no seu Coração trespassado, para que me torne, cada vez mais, profeta do amor e servidor da reconciliação. Amen.

    Contemplatio

    Vamos ao Calvário, depois da morte de Jesus. A multidão afastou-se, os amigos ficam. Alguns soldados vêm verificar ou, se é o caso, apressar a morte dos pacientes, para que o espectáculo do seu suplício prolongado não entristeça o dia do sabbat.
    Um dos soldados adiantou-se, portanto, e abriu o lado de Jesus com uma lança. É um grande mistério da história sagrada, onde tudo é mistério e acção divina. A ferida exterior é aqui a revelação simbólica da ferida interior, a do amor. O amor, eis o algoz de Jesus! Cristo morreu porque quis, foi o amor quem o matou... É assim que a Igreja canta, para saudar o Coração trespassado do seu esposo: «Ó Coração vítima de amor, Coração ferido por amor. Coração morrendo de amor por nós! O Cor amoris victima, amore nostro saucium, amore nostri languidum! (Hino do Sagrado Coração).
    Nosso Senhor permitiu este golpe de lança para chamar a nossa atenção para o seu coração, para nos fazer pensar no seu amor que é a fonte de todos os mistérios da salvação: as promessas do Éden, as profecias e as figuras da antiga lei, a acção providencial sobre o povo de Deus, a incarnação, a vida, os ensinamentos e a morte do Salvador. A abertura do lado de Jesus, é como a fonte que regava o paraíso terrestre, é como a fenda do rochedo que deu a água para saciar o povo de Israel. (Leão Dehon, OSP3, p. 367).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Se me vires quando for arrebatado, terás o que pedes» (2 Rs 2, 10).

    | Fernando Fonseca, scj |

  • XI Semana - Quinta-feira - Tempo Comum - Anos Pares

    XI Semana - Quinta-feira - Tempo Comum - Anos Pares


    20 de Junho, 2024

    Tempo Comum - Anos Pares
    XI Semana - Quinta-feira

    Lectio

    Primeira leitura: Ben Sirá 48, 1-14

    1O profeta Elias levantou-se como o fogo impetuoso; as suas palavras eram ardentes como um facho. 2Fez vir sobre eles a fome e, no seu zelo, reduziu-os a poucos. 3Com a palavra do Senhor fechou o céu e assim fez cair fogo por três vezes. 4Quão glorioso te tornaste, Elias, pelos teus prodígios! Quem pode gloriar-se de ser como tu? 5Tu que arrancaste um homem à morte, da morada dos mortos, pela palavra do Altíssimo; 6tu precipitaste os reis na ruína, e fizeste cair do seu leito homens gloriosos; 7tu ouviste, no Sinai, o juízo do Senhor, e, no monte Horeb, os decretos da sua vingança; 8tu sagraste reis, para vingar crimes e estabeleceste profetas para te sucederem; 9tu foste arrebatado num redemoinho de fogo, num carro puxado por cavalos de fogo; 10tu foste escolhido, nos decretos dos tempos, para abrandar a ira antes de enfurecer, reconciliar os corações dos pais com os filhos e restabelecer as tribos de Jacob. 11Felizes os que te viram e os que morreram no amor; pois, nós também viveremos certamente. 2Quando Elias foi envolvido num redemoinho, Eliseu ficou repleto do seu espírito. Nunca, em seus dias, ele temeu príncipe algum e ninguém pôde subjugá-lo. 13Nada era muito difícil para ele, e, ainda depois de morto, o seu corpo profetizou. 14Durante a vida, fez prodígios e, depois da morte, operou maravilhas.

    Elias e Eliseu são as duas figuras religiosas que mais se destacam no século IX a. C. O texto do Ben Sirá, que hoje escutamos, é como que um elogio fúnebre dos dois profetas, que viveram e actuaram num momento crítico para o javismo. De Elias, o profeta de fogo impetuoso, recorda-se o papel desempenhado durante a carestia e a seca, a chama acesa três vezes sobre o monte Carmelo, a ajuda à viúva de Sarepta, a oposição a Acab, a Acasías e a Jorão, a frequência do monte santo, a unção e o repúdio do rei, a investidura profética e o arrebatamento ao céu. Faz-se também um aceno ao futuro papel messiânico do profeta, como também se recorda em Ml 3, 23s.
    De Eliseu, cujo nome quer dizer «Deus salva», recorda-se o papel político e a actividade taumatúrgica, com alusão ao prodígio póstumo referido em 2 Rs 13,20s. O poder taumatúrgico de Eliseu é diversas vezes retomado, também pela liturgia: a Sunamita e o duplo nascimento do filho (2 Rs 4, 8-37); a multiplicação dos pães (2 Rs 4, 42-44); a cura de Naamã (2 Rs 5).

    Evangelho: Mateus 6, 7-15

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 7«Nas vossas orações, não sejais como os gentios, que usam de vãs repetições, porque pensam que, por muito falarem, serão atendidos. 8Não façais como eles, porque o vosso Pai celeste sabe do que necessitais antes de vós lho pedirdes.» 9«Rezai, pois, assim: 'Pai nosso, que estás no Céu, santificado seja o teu nome, 10venha o teu Reino; faça-se a tua vontade, como no Céu, assim também na terra. 11Dá-nos hoje o nosso pão de cada dia; 12perdoa as nossas ofensas, como nós perdoámos a quem nos tem ofendido; 13e não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do Mal.' 14Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também o vosso Pai celeste vos perdoará a vós. 15Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também o vosso Pai vos não perdoará as vossas.»

    Depois de ter criticado o modo de orar dos fariseus e dos pagãos, Jesus ensina o Pai nosso. No tempo de Jesus, todos os grupos ou seitas religiosas tinham as suas orações específicas. No texto paralelo de Lucas (11, 1-4), os discípulos de Jesus pedem ao Mestre uma oração própria, a exemplo da que João Baptista tinha ensinado aos seus discípulos.
    O cristão deve evitar a ostentação farisaica e a «polilogia» dos pagãos, que soavam aos ouvidos de Deus como um enfadonho blá-blá...
    Pai nosso que estais nos céus. Nas religiões antigas não era muito habitual dirigir-se a Deus como Pai. Mas, no Antigo Testamento, Deus era invocado com esse título, dada a sua relação especial com Israel, salvo da escravidão e protegido com evidentes sinais de intervenções divinas. Jesus é o Filho de Deus. Aqueles que O seguem participam dessa filiação divina. Por isso, O podem chamar Pai (abbá = papá, paizinho, pai querido).
    Santificado seja o vosso nome. Na linguagem bíblica, o nome é a pessoa. Invocar o nome de Deus é invocar a Deus. Se Deus é o santo por excelência, que significa pedir que seja santificado? Significa pedir que Se manifeste, Se dê a conhecer e cumpra as suas promessas. Significa também pedir que a nossa vida cristã coerente leve outros à fé. Uma vida cristã incoerente pode levar à blasfémia do nome de Deus.
    Venha a nós o vosso reino. O reino ou reinado de Deus significa a nova ordem ou estado das coisas, na qual a sua soberania é reconhecida e aceite. Este reino é actualidade e presença, a partir da presença de Jesus. Mas pede-se o seu reconhecimento no presente, e a sua plena revelação no futuro.
    O pão nosso de cada dia nos dai hoje. Pede-se a Deus poder para satisfazer as necessidades de cada dia e, provavelmente, o pão que é o próprio Cristo assimilado pela fé, o pão da eucaristia.
    Perdoai-nos as nossas ofensas. Todos temos dívidas para com Deus, isto é culpas ou pecados, uma que vivemos sob a sua «graça» e não lhe somos sempre fiéis. Mas o perdão que pedimos é condicionado pelo perdão que concedemos, ou não, aos nossos «devedores».
    Não nos deixeis cair em tentação. Aqui, tentação significa provação. Seremos julgados tendo em conta as nossas reacções às provações da nossa vida.
    Livrai-nos do mal. Há duas formas de traduzir esta petição: livrai-nos do mal ou livrai-nos do maligno. Nos tempos de Jesus, considerava-se que o maligno, o demónio, estava por detrás de qualquer mal. Hoje não se pensa assim. Mas o confronto com o demónio é algo que faz parte da nossa experiência.

    Meditatio

    A página de Ben Sirá, que hoje escutamos, enche-nos de entusiasmo por um homem que se torna defensor de Deus em tempos difíceis. Elias enfrentou corajosamente o rei Acab, aceitou ficar completamente isolado no meio de um povo que se afastava de Deus, aceitou combater durante toda a vida, porque confiava no seu Deus, e queria realizar a sua vontade de restabelecer o seu reino em Israel.
    São também estas as preocupações que encontramos na oração que Jesus nos ensinou. Em primeiro lugar, pedimos que o nome de Deus seja santificado. Não é que Deus precise de ser tornado mais santo. Ele é a fonte da santidade. O que realmente pedimos é que os nossos pecados não sejam obstáculo à manifestação da sua santidade. Pedimos que os baptizados perseverem naquilo que começaram a ser, no dia do seu ba
    ptismo, isto é, santos. Pedimos que a santidade da Igreja proclame a santidade de Deus, a sua justiça, o seu amor misericordioso. Pedimos que Deus seja santificado «em nós»; não «por» nós.
    O Reino, objecto do segundo pedido, não é outra coisa que a universal vontade salvífica de Deus, manifestada em Cristo. É tudo o que de belo, de santo, de extraordinário, Deus inventou para o homem: é o fogo de amor que Jesus disse trazer à terra. É o segredo de Jesus, a sua ânsia, a obra que o Pai lhe mandou realizar. Venha o teu Reino! Faça-se a tua vontade! A vontade de Deus é que o seu Reino se estabeleça no coração de cada homem, para bem do mesmo homem.
    «Buscai primeiro o Reino de Deus e a sua justiça, e tudo o resto vos será dado por acréscimo», disse Jesus. Depois de nos ter feito rezar pelo Reino, o Mestre permite-nos rezar pelo «resto». Em primeiro lugar, pelo «pão nosso de cada dia». O pão, aqui, é tudo aquilo de que o homem precisa para a sua vida. Pedimos o pão da alma, a palavra de Deus, como ensinavam alguns Padres da Igreja; mas também pedimos o alimento corporal, o vestuário, a habitação, a saúde, o trabalho - que é o modo de ganhar dignamente o pão de cada dia. Podemos também pedir o pão da vida, o pão que desceu do céu, Jesus. Em síntese, pedimos: a Eucaristia, a palavra de Deus, o Espírito Santo.
    O penúltimo pedido, em Lucas, soa assim: «perdoa os nossos pecados,pois também nós perdoamos a todo aquele que nos ofende» (Lc 11, 4). É o único pedido em que também prometemos alguma coisa. É também o único pedido que Jesus comenta: «Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também o vosso Pai celeste vos perdoará a vós. Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também o vosso Pai vos não perdoará as vossas» (Mt 6, 14s.). Pedir perdão a Deus, com ressentimentos no coração, é auto-condenar-se. Nessa situação é preciso inverter os pedidos e rezar assim: ajuda-nos a perdoar a quem nos ofendeu, como Tu nos perdoas os nossos pecados!
    Não nos deixes cair em tentação. Mateus acrescenta: «mas livra-nos do Mal», isto é, do Maligno. É o tipo de tentação que Jesus sofreu no deserto, a tentação «objectiva», que não parte de nós, das nossas más inclinações, mas do Inimigo ou das coisas. É a tentação que pode lançar em nós a dúvida sobre a paternidade e a bondade divinas, afastando-nos de Deus, ou a tentação escatológica (peirasmós), que acompanha as grandes vindas do Reino de Deus à história. Jesus ensinou-nos a rezar para não cairmos nessa tentação: «Rezai para não entrardes em tentação» (Lc 22, 40).
    O Pai nosso é a oração de Jesus. Rezá-lo é comungar na oração do nosso Salvador. A oração do Filho, tornou-se a oração dos filhos. Há que reaprender a rezá-lo com a emoção com que o rezam os recém-baptizados nos primeiros tempos da Igreja. Há que rezá-lo, quanto isso é possível, com a emoção e o afecto com que o rezava o Filho de Deus feito homem.

    Oratio

    Ó Jesus, ensina-me a rezar, como Tu rezaste. «Pai!» é o primeiro grito que sai do teu coração e dos teus lábios em todas as circunstâncias. Nas dificuldades, pensavas na glória do Pai: «Pai, glorifica o teu nome». Quando as coisas Te corriam bem, não pensavas senão em glorificar o Pai: «Eu te bendigo, ó Pai, Senhor do céu e da terra!». A disposição fundamental do teu coração é o amor pelo Pai, um amor profundo, que vem antes de mais nada, que não Te leva a procurar senão a sua glória.
    Que a tua oração se torne a oração do meu coração e dos meus lábios. Assim, pouco a pouco, o meu pobre coração tornar-se-á semelhante ao teu, com os meus pensamentos, os meus desejos, os meus sentimentos. Senhor, ensina-me a rezar! Amen.

    Contemplatio

    Jesus não deixou de rezar durante a sua vida mortal. - Ele pôde dizer-nos que é preciso rezar sempre e nunca parar (Lc 18), porque Ele mesmo rezava sempre. Muitas vezes, era uma oração formal, intensa e prolongada. Durante as suas ocupações exteriores, era o espírito de oração que santificava as suas acções. Era a vida do seu coração do qual todas as palpitações eram actos de oração.
    Foi sobretudo em Nazaré que Ele rezou muito, nesta casa regrada como um convento, com exercícios regulares e um trabalho calmo e silencioso que não interrompia a oração interior e que podia mesmo fazer-se ao cântico dos salmos.
    A oração do Coração de Jesus não omitia nenhuma intenção. Oferecia ao seu Pai o louvor, o amor, a acção de graças, a reparação. Era muitas vezes oração de súplica. Jesus rezava por nós todos. É d'Ele que se pode muito bem dizer o que é dito de Jeremias, no segundo livro dos Macabeus: «Eis o verdadeiro amigo dos seus irmãos, que reza muito pelo seu povo!»
    Como é que rezava? Rezava com um grande respeito, interior e exterior; e foi por isso, diz S. Paulo, que Ele foi atendido (Heb 5,2). Rezava com constância; consagrava-lhe muitas vezes longas noites (Lc 6). Rezava com fervor e com lágrimas: «cum clamore valido et lacrymis» (Heb 5). Rezava com resignação: «Meu Pai, dizia, se é possível, afastai de mim este cálice; no entanto, que se faça a vossa vontade e não a minha». Rezava com confiança: «Meu Pai, eu sei que me escutais sempre» (Jo 11). E a sua oração de então permaneceu uma fonte de graças e de salvação. E nós, como rezamos? (Leão Dehon, OSP3, p. 11s.).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Senhor, ensina-nos a rezar» (Lc 11, 1).

    | Fernando Fonseca, scj |

  • XI Semana - Sexta-feira - Tempo Comum - Anos Pares

    XI Semana - Sexta-feira - Tempo Comum - Anos Pares


    21 de Junho, 2024

    Tempo Comum - Anos Pares
    XI Semana - Sexta-feira

    Lectio

    Primeira leitura: 2 Reis 11, 1.4.9-18.20ª

    Naqueles dias, 1Atália, mãe de Acazias, ao ver seu filho morto, decidiu exterminar toda a descendência real. 2Joseba, porém, filha do rei Jorão e irmã de Acazias, tomou Joás, filho de Acazias, e livrou-o do massacre dos filhos do rei, escondendo-o, com a sua ama de leite, no quarto de dormir. Ocultaram-no, assim, de Atália, de modo que pôde escapar à morte. 3Esteve seis anos escondido com Joseba no templo do Senhor, no tempo em que Atália reinava no país. 4No sétimo ano, Joiadá convocou os centuriões dos cários e os guardas e introduziu-os no templo do Senhor. Fez com eles um pacto, e, depois de os fazer jurar no templo do Senhor, mostrou-lhes o filho do rei. 9Os centuriões executaram fielmente as ordens do sacerdote Joiadá. Tomaram cada um os seus homens, tanto os que começavam o serviço ao sábado, como os que terminavam, e foram ter com o sacerdote Joiadá. 10Este deu-lhes a lança e os escudos do rei David, que se encontravam no templo do Senhor. 11Os guardas postaram-se à volta do rei, todos de armas na mão, ao longo do altar e do templo, desde o lado sul até ao lado norte do templo. 12Então, Joiadá trouxe para fora o filho do rei, pôs-lhe o diadema na cabeça e entregou-lhe o documento da aliança. Proclamaram-no rei, ungiram-no e todos o aplaudiram, gritando: «Viva o rei!» 13Atália, ao ouvir a gritaria que faziam os guardas e o povo, entrou no templo do Senhor pelo meio da multidão. 14E viu surpreendida que o rei estava de pé sobre o estrado, segundo o costume, tendo ao seu lado os cantores e as trombetas, enquanto o povo se alegrava, tocando trombetas. Então, ela rasgou as vestes, gritando: «Conspiração! Conspiração!» 15Mas o sacerdote Joiadá ordenou aos centuriões que comandavam as tropas: «Levai-a para fora do recinto do templo e, se alguém a seguir, matai-o com a espada.» Pois o pontífice proibira que a matassem no templo do Senhor. 16Agarraram-na, por conseguinte, e ao chegarem ao palácio real, pelo caminho da entrada dos cavalos, ali a mataram. 17Joiadá fez uma aliança com o Senhor, o rei e o povo, segundo a qual o povo devia ser o povo do Senhor. Fez também uma aliança entre o rei e o povo. 18Todo o povo da terra entrou então no templo de Baal e destruiu-o; derrubaram os altares, partiram em bocados as imagens e assassinaram Matan, sacerdote de Baal, diante do altar. O sacerdote Joiadá colocou guardas no templo do Senhor. 20Todo o povo da terra se alegrou e a cidade ficou em paz. Atália tinha sido morta à espada no palácio real.

    A liturgia, deixando para trás a secção de 2 Rs 3-10, onde se trata dos reinados de Jorão e de Jeú, que erradicou o culto de Baal de Israel (841-814), e cuja unção fora anunciada por Elias (1 Rs 19, 16), e onde se ilustra a actividade de Eliseu, propõe-nos alguns textos adequados a uma leitura teológica da história de Israel.
    Atália, filha de Acab e Jezabel, quis continuar a política anti-javista e a promoção do culto de Baal, agora no Sul. Tendo morrido Acazias (841), legítimo herdeiro do trono, apoderou-se do reino de Judá, e eliminou a restante família real. Mas Joseba, filha do rei Jorão e mulher do sumo-sacerdote Jóiada (2 Cr 22, 11), tomou Joás, filho de Acazias, e livrou-o do massacre dos filhos do rei, escondendo-o no templo. Passados sete anos, e após uma bem preparada conjura, Joás é proclamado rei (835-796) e entronizado.
    A linha baalista de Jezabel é destroçada pela reacção da casta sacerdotal, e o templo de Baal, erguido no centro de Jerusalém, é destruído. A própria rainha é morta e, finalmente, a aliança é renovada: «Joiadá fez uma aliança com o Senhor, o rei e o povo, segundo a qual o povo devia ser o povo do Senhor» (v. 17). A renovação da aliança repetia-se nos momentos cruciais da história de Israel (cf. 2 Rs 23).

    Evangelho: Mateus 6, 19-23

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 19«Não acumuleis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem os corroem e os ladrões arrombam os muros, a fim de os roubar. 20Acumulai tesouros no Céu, onde a traça e a ferrugem não corroem e onde os ladrões não arrombam nem furtam. 21Pois, onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração. 22A lâmpada do corpo são os olhos; se os teus olhos estiverem sãos, todo o teu corpo andará iluminado. 23Se, porém, os teus olhos estiverem doentes, todo o teu corpo andará em trevas. Portanto, se a luz que há em ti são trevas, quão grandes serão essas trevas!

    À primeira vista, Jesus condena a propriedade privada. Mas, observando o Evangelho, verificamos que Jesus permitia aos seus discípulos a propriedade de casa e campos (Mc 10, 29-30), as mulheres que Lhe prestavam assistência tinham os seus bens (Lc 8, 3; 10, 38) e os casos de Levi (Mc 2, 15) e de Zaqueu (Lc 19, 8) apontam na mesma direcção. O jovem rico é um caso à parte (Mc 10, 21).
    As palavras de Jesus compreendem-se a partir da oposição tesouro na terra e tesouro no céu. Quem agir segundo a justiça, praticar o bem, der esmola ... terá um tesouro no céu. Era a mentalidade comum no tempo de Jesus, e que devemos ter em conta. Mas a afirmação de Jesus tem uma profundidade maior: a propriedade terrena é passageira e incerta... Como é que se obtém o tesouro no céu? Orientando o coração, isto é, a afectividade, o homem todo, com os seus apetites e desejos mais íntimos e profundos, para Deus. Esse é o tesouro que permanece seguro.
    Os olhos são a lâmpada do corpo porque nos permitem ver. Se estiverem sãos, isto é, postos em Deus, que é a luz fonte de toda a luz, será iluminado o mistério da escuridão humana. Se estiverem doentes, isto é, não postos em Deus, viveremos nas trevas, no mistério da nossa própria escuridão.

    Meditatio

    Apesar da tentativa de Atália para destruir todos os possíveis descendentes de David, Deus intervém e salva um rebento dessa estirpe, que leva em si a esperança do Messias. No Antigo Testamento, a promessa de Deus ao povo escolhido liga intimamente a vida religiosa e a vida política. No Novo Testamento, é a Igreja, novo povo de Deus, que acolhe todos os povos. As suas relações, também em campo político, visam o bem de todos os homens. A Igreja não procura o poder político: é chamada, por causa da missão que Deus lhe confiou, a trabalhar para o advento do seu Reino e, portanto, para que cresçam entre todos os povos relações de fraternidade, de respeito e estima, e pelo progresso da vida religiosa. Trata-se de uma proposta difícil, que comporta riscos de compromissos, de instrumentalização por parte das autoridades políticas, e mesmo de perseguições, como acontece ainda hoje em muitos países. Mas é inegável a ajuda, que o trabalho cansativo, paciente e clarividente da Igreja tem trazido ao bem e à
    liberdade dos povos.
    Jesus, no Sermão da Montanha, insistente repetidamente em referir-se ao Reino. Há que procurar o reino de Deus (Mt 6, 10.33), as coisas boas (Mt 7, 11), o «tesouro nos céus» (Mt 6, 20), que consiste nos bens eternos e incorruptíveis. Para discernir sobre esses bens, há que ter aquele «olho interior dotado de recta intenção que dirige as acções humanas», como dizia Nicolau de Lira. É indispensável um olhar simples, unificado e puro («unus et purus»), segundo a Glosa medieval. «A luzerna», que ilumina as trevas, «é a fé» (Cromácio de Aquileia).
    O círio pascal, símbolo cristão da luz por excelência, ajuda-nos a aprofundar esta palavra.
    O consagrado vê tudo e vê todos à luz de Cristo. E Cristo mostra como nos havemos de relacionar com a natureza, com as coisas, com os homens e as mulheres: Ele respeitou tudo e todos, amou tudo e todos com serenidade. A sua pobreza e a sua obediência manifestam esse respeito e esse amor profundamente livre e libertador. A castidade consagrada, mas também a pobreza e a obediência, profundamente vividas e amadas, são fonte de uma grande liberdade interior.

    Oratio

    Senhor, dá-me um coração semelhante ao teu. Dá-me um coração simples que saiba discernir o verdadeiro bem, e não se deixe sugestionar pelos bens aparentes, ilusórios e passageiros.
    Dá-me, Senhor, um coração unificado, que não alimente aversões, não se dobre ao mal, não se torne escravo da sensualidade e do capricho. Faz-me compreender que só Tu és o tesouro do meu coração. Faz-me experimentar isso, quando te recebo na Eucaristia. Amen.

    Contemplatio

    «Não vos deixarei órfãos, diz Nosso Senhor, deixar-vos-ei outro director, o Espírito de verdade». - «Iluminados por ele, diz-nos Nosso Senhor, reconhecereis que estou no meu Pai, que somos um só na unidade da essência divina; e vós estareis em mim, estareis unidos a mim pela vida da graça, pela docilidade do espírito; e eu estarei em vós para vos iluminar, para vos dirigir, para vos santificar».
    É o Espírito Santo que vos une ao coração de Jesus.
    «Não vos podia dizer tudo por mim mesmo», diz-nos Nosso Senhor. A minha morte, a minha ressurreição, a minha ascensão deviam intervir para darem autoridade à minha palavra. Dou-vos o meu Espírito, para continuar o meu ensinamento. Tem de mim e de meu Pai toda a verdade. Ele há-de introduzir-vos depois de mim no santuário das verdades reveladas. Iluminará o vosso espírito, dar-vos-á a inteligência do que vos ensinei. Não vos há-de ensinar outra doutrina, porque recebe tudo de meu Pai e de mim. Nós somos um. Falo-vos pelo Espírito Santo, como meu Pai vos fala pela minha boca. Dará testemunho de mim. Ajudar-vos-á a compreender a minha divindade, os meus mistérios, a minha vida, o meu Coração, o meu amor por vós. (Leão Dehon, OSP3, p. 431.).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Se os teus olhos estiverem sãos, todo o teu corpo andará iluminado.» (Mt 6, 22).

    | Fernando Fonseca, scj |

  • XI Semana - Sábado - Tempo Comum - Anos Pares

    XI Semana - Sábado - Tempo Comum - Anos Pares


    22 de Junho, 2024

    Tempo Comum - Anos Pares
    XI Semana - Sábado

    Lectio

    Primeira leitura: 2 Crónicas 24, 17-25

    17Depois da morte de Joiadá, os chefes de Judá vieram e prostraram-se diante do rei, que os ouviu. 18Abandonaram o templo do Senhor, Deus de seus pais, e prestaram culto aos troncos sagrados e aos ídolos. E essas faltas atraíram a ira divina sobre Judá e Jerusalém. 19O Senhor enviou-lhes profetas para que eles se convertessem ao Senhor com as suas exortações. Mas eles não lhes deram ouvidos. 20Então, o espírito de Deus desceu sobre Zacarias, filho do sacerdote Joiadá, que se apresentou diante do povo e disse: «Assim fala Deus: 'Porque transgredis os mandamentos do Senhor? Nada conseguireis. Já que abandonastes o Senhor, o Senhor há-de abandonar-vos'.» 21Mas eles revoltaram-se contra ele e apedrejaram-no, por ordem do rei, no átrio do templo do Senhor. 22O rei Joás esquecera a lealdade de Joiadá, pai de Zacarias, e mandou matar o filho. Zacarias, ao morrer, disse: «Que o Senhor veja e faça justiça.» 23No fim do ano, o exército dos arameus marchou contra Joás; invadiu Judá e Jerusalém, massacrou os chefes do povo e enviou todos os seus despojos ao rei de Damasco. 24Embora os arameus fossem em pequeno número, o Senhor entregou-lhes um enorme exército, porque Judá abandonara o Senhor, Deus de seus pais. Assim, os arameus fizeram justiça a Joás. 25Mal os arameus se afastaram, deixando-o em grandes sofrimentos, os seus homens revoltaram-se contra ele, por causa da morte do filho do sacerdote Joiadá, e mataram-no na sua cama. Morreu e foi sepultado na cidade de David, mas não no sepulcro dos reis.

    O princípio da retribuição percorre toda a história deuteronomista: os bons recebem prémios e os maus, castigos. Esse mesmo princípio serve para explicar a destruição de Jerusalém, do templo e o exílio, que são consequências dos pecados colectivos e reiterados do povo.
    É à luz do princípio da retribuição que é lida a queda de Samaria, em 721, prelúdio da queda de Jerusalém. Morto o sumo-sacerdote Jóiada, o rei Joás, consagrado por ele, cedeu às tendências sincretistas dos «chefes de Judá», caindo na idolatria. Em vão o profeta Zacarias, filho de Jóiada, tentou evitar esse crime. Foi apedrejado até à morte. Mas a justiça divina, segundo o princípio da retribuição, não se fez esperar: veio a invasão dos arameus e a morte do rei, na própria cama, às mãos dos seus homens, que conservavam grande respeito por Jóiada, e não concordaram com a morte do seu filho, Zacarias.

    Evangelho: Mateus 6, 24-34

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 24«Ninguém pode servir a dois senhores: ou não gostará de um deles e estimará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro.» 25«Por isso vos digo: Não vos inquieteis quanto à vossa vida, com o que haveis de comer ou beber, nem quanto ao vosso corpo, com o que haveis de vestir. Porventura não é a vida mais do que o alimento, e o corpo mais do que o vestido? 26Olhai as aves do céu: não semeiam nem ceifam nem recolhem em celeiros; e o vosso Pai celeste alimenta-as. Não valeis vós mais do que elas? 27Qual de vós, por mais que se preocupe, pode acrescentar um só côvado à duração de sua vida? 28Porque vos preocupais com o vestuário? Olhai como crescem os lírios do campo: não trabalham nem fiam! 29Pois Eu vos digo: Nem Salomão, em toda a sua magnificência, se vestiu como qualquer deles. 30Ora, se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã será lançada ao fogo, como não fará muito mais por vós, homens de pouca fé? 31Não vos preocupeis, dizendo: 'Que comeremos, que beberemos, ou que vestiremos?' 32Os pagãos, esses sim, afadigam-se com tais coisas; porém, o vosso Pai celeste bem sabe que tendes necessidade de tudo isso. 33Procurai primeiro o Reino de Deus e a sua justiça, e tudo o mais se vos dará por acréscimo. 34Não vos preocupeis, portanto, com o dia de amanhã, pois o dia de amanhã já terá as suas preocupações. Basta a cada dia o seu problema.»

    A última secção do capítulo 6 de Mateus refere a alternativa de opção perante a qual se encontra o cristão: «Ninguém pode servir a dois senhores: ou não gostará de um deles e estimará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro.» Há pois que decidir-se pelo «senhor» a quem se quer servir: ou Deus, ou dinheiro, isto é, o lucro e, portanto, os bens do homem, mas também «a avidez» com que o homem os procura e os possui. A ânsia na busca de bens materiais revela «pouca fé», frequentemente denunciada por Mateus (8, 26¸14, 31; 16, 8; 17, 20), mas também pouca confiança na providência divina. Para inculcar essa confiança, Jesus aponta as aves do céu e os lírios dos campos. Se essas criaturas, que hoje vivem e amanhã estarão mortos, são alimentados pela providência de Deus, quanto os homens, a quem foi prometida a eternidade, serão alimentados por Deus! Há que hierarquizar as nossas necessidades e os bens: o primeiro lugar pertence aos bens espirituais, que dão o sentido e o justo valor aos bens materiais. A verdadeira preocupação do homem há-de ser «o Reino de Deus e a sua justiça» (v. 33), permanecer nele, permanecer no senhorio de Deus.

    Meditatio

    A primeira leitura refere com muita clareza o erro em que incorreu Judá, e que levou à queda de Jerusalém: «Abandonaram o templo do Senhor, Deus de seus pais, e prestaram culto aos troncos sagrados e aos ídolos» (v. 18). Trata-se, pois, da idolatria. Que terá isto a ver connosco? É verdade que não adoramos troncos sagrados nem ídolos. Mas, não tomamos, tantas vezes, como fins, realidades que são apenas meios para chegar ao nosso fim? Jesus, no evangelho, denuncia a idolatria do dinheiro: «Ninguém pode servir a dois senhores: ou não gostará de um deles e estimará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro» (v. 24).
    A idolatria do dinheiro é bastante espontânea. É verdade que não podemos viver sem dinheiro, e que devemos trabalhar para ganhá-lo para nós, para a família, para partilhar com os outros. Mas o fim do nosso trabalho não pode ser só ganhar dinheiro. Há outros valores, como a nossa própria realização pessoal, e o progresso do reino de Deus: «Procurai primeiro o Reino de Deus e a sua justiça, e tudo o mais se vos dará por acréscimo» (Mt 6, 33). O cristão há-de estar consciente de que, quando trabalha, está a servir. E há-de servir com amor. O dinheiro deve permanecer no seu lugar de servidor, e não tornar-se patrão, um ídolo.
    Para evitar essa id
    olatria, Jesus convida-nos à confiança na providência divina: «Não vos inquieteis quanto à vossa vida, com o que haveis de comer ou beber, nem quanto ao vosso corpo, com o que haveis de vestir... o vosso Pai celeste bem sabe que tendes necessidade de tudo isso.» (v. 25.33). As nossas preocupações materiais não podem sufocar as espirituais, principalmente o crescimento no amor. Na medida em que estes valores forem penetrando na sociedade, vai progredindo a justiça e a paz, a liberdade e a fraternidade.
    Os problemas fundamentais do homem: o sentido da vida, o modo como valorizá-la, o destino da nossa existência, a aspiração pelo infinito, infundida no coração do homem, não podem encontrar resposta nas coisas materiais ou nas pessoas, todas elas limitadas e caducas, frágeis canas agitadas pelo vento, que mal se governam a si mesmas. Aqui nasce a exigência de Deus... O valor do homem não está em "ter" muito, mas no "ser", e o "ser" do homem é tanto mais perfeito quanto mais experimenta a intimidade de Deus: «Procurai primeiro o Reino dos Céus e tudo o resto vos será dado por acréscimo» (Mt 6, 33).

    Oratio

    Senhor, ensina a buscar o verdadeiro tesouro, não na terra, mas no céu. Liberta-me do domínio e da servidão do mundo, da carne e do demónio, de modo que possa voltar o olhar para a contemplação das realidades celestes. Acrescenta à minha estatura natural um «côvado» de graça na vida presente e de glória na futura. Torna-me atento aos lírios do campo, aos filhos da Igreja revestidos de virtude. Concede-me procurar primeiro o Reino de Deus e a sua justiça para que, depois de caminhar sereno e confiante sobre a terra, Te encontre à minha espera no reino celeste. Amen.

    Contemplatio

    Livremo-nos das solicitudes da vida. - Como Nosso Senhor também nos recomendou que nos não embaracemos com os cuidados deste mundo e que guardemos o nosso espírito bem livre para irmos para Ele. «Não podeis, dizia, servir a dois senhores ao mesmo tempo, o vosso Deus e a avareza» (Mt 6, 25). «Dai, portanto, a Deus antes de tudo o que lhe deveis dar, Ele vos ajudará no resto» (Lc 12, 31).
    Para as necessidades da vida, depois de terdes feito o vosso dever, abandonai-vos à solicitude do vosso Pai celeste; Ele tomará cuidado de vós. Recordai-vos da parábola do semeador. A semente é a palavra de Deus. Aí onde os cuidados da vida absorvem as almas, a semente cai num campo obstruído pelos espinhos.
    Recordemo-nos ainda da censura de Nosso Senhor a Marta em Betânia: «Marta, Marta, agitai-vos demasiado e perturbai-vos demasiado». Os apóstolos foram de tal modo impregnados por este ensinamento, que o repetiram em cada página das suas epístolas. S. Pedro primeiro: «Conjuro-vos a que vos guardeis das cobiças carnais, que se opõem à vida da alma» (1Pd 2, 11). E S. João: «Não ameis o mundo nem as coisas do mundo. Só encontrareis lá a concupiscência e o orgulho» (Jo 2, 15). E S. Tiago: «O amor do mundo é oposto ao amor de Deus» (Tg 4, 4). Escutemos finalmente S. Paulo: «Procuremos as coisas do céu e não as da terra» (Col 3). «Os discípulos de Cristo crucificam a sua carne» (Gal 5). Levemos sempre no nosso corpo a mortificação de Cristo, para que a vida de Jesus se manifeste em nós (2Cor 4, 10). Seria necessário citar S. Paulo todo.
    Não é justo que reservemos a Nosso Senhor o melhor do nosso espírito e do nosso coração? Se formos ter com Ele com um espírito distraído, com um coração apaixonado pelas coisas da terra, pode estar satisfeito? Quem quiser ver na amizade de Jesus o seu melhor tesouro não terá as suas preferências? Digamos com Sto. Agostinho: «Toda a riqueza que não é o meu Deus é para mim a pobreza» (Med 18). (Leão Dehon, OSP4, p. 501s).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Procurai primeiro o Reino de Deus e a sua justiça,
    e tudo o mais se vos dará por acréscim » (Mt 6, 33).

    | Fernando Fonseca, scj |

plugins premium WordPress