Print Friendly, PDF & Email
 Mensagem Final
 
Por estes dias, em que vivemos alegremente o Mistério Pascal, a nossa tradição e o laço fraterno convocaram-nos, mais uma vez, para a Semana da Província Portuguesa dos Sacerdotes do Coração de Jesus, fazendo chegar a Alfragide, no Seminário Nossa Senhora de Fátima, sessenta religiosos Dehonianos, vindos da quase totalidade das nossas comunidades. De 3 a 5 de Abril de
2013, reunimo-nos para conviver e aprofundar o tema “Firmes na Fé", com o contributo das interpelações dos vários convidados. A presença do Pe. Domingos Pestana, Superior do Distrito de Angola, ajudou-nos a aprofundar a comunhão com os nossos missionários de Angola e Madagáscar.
 
1. A abrir os trabalhos, o Superior Provincial sublinhou a partilha de vida e de formação e a promoção do apreço que temos uns pelos outros. No fim, foi também ele que encabeçou o momento de partilha sobre os variados assuntos da Província.
 
2. A primeira intervenção coube ao Pe. Joaquim Garrido com o tema "a Fé no Antigo Testamento". A partir da experiência e da confissão de fé do Povo de Israel, parte do quotidiano de uma comunidade humana, onde se experimenta Deus como Salvador e Libertador, recordámos a proposta da Aliança que Deus celebra com o seu Povo, que é o seu caminho de felicidade.
 
3. Ao Pe. Ricardo Freire colocava-se o desafio de aliar o tema da "Fé no Novo Testamento" a uma leitura orante e existencial da Palavra de Deus (Lectio Divina) para alimento do percurso de fé. Assim, compreendemos a importância de conciliar no quotidiano das nossas vidas a fé como atitude e o seu próprio conteúdo, como requer o testemunho de São Paulo sobre a configuração da vida com Cristo.
 
4. Percorremos algumas possibilidades de novas linguagens sobre a apresentação dos símbolos da fé, na prelecção feita pelo Pe. Manuel Barbosa, que tinha o tema "A Fé da Igreja". O símbolo cristão é uma narração dos conteúdos de fé, que precisa de ser reaprendida, uma vez que, no contexto europeu, é urgente a passagem de uma vivência da fé apoiada na tradição para uma fé mais pessoal e assumida.
 
5. Na quinta-feira, dia 4, a palavra dada ao Pe. Francisco Costa, subordinada ao tema "A peregrinação na fé na experiência do Padre Dehon", resumiu para nós os cinco pontos de contacto e abertura através dos quais o Fundador fomentou o crescimento da sua fé nas peregrinações que fez, sobretudo, na juventude. Esse encontro com Deus deu-se, então, na contemplação da Natureza, da arte e engenho humanos, da relação com as outras confissões, dos testemunhos artísticos católicos e de tudo o que foi aventura e adversidade.
 
6. No plenário dos trabalhos de grupo, partilhou-se com realce a importância de reavivar a fé na conversão permanente das atitudes e da mente, o que exige um testemunho incisivo e coerente, principalmente através da fraternidade e da experiência carismática Dehoniana.


7. O tempo de painel trouxe-nos três belos testemunhos sobre o modo de viver a fé. Começámos com a partilha do casal Ana e Vasco Varela, que da sua extrovertida alegria de viver manifestaram como tudo foi acompanhado pelo próprio caminho de fé, pessoal e em casal, e promovido pelos variados agentes da Igreja. Estes foram para eles modelos e colegas de caminho, influindo decisivamente na sua felicidade como casal, no crescimento dos seus filhos e na envolvência e empenho que têm dentro da comunidade eclesial. A Irmã Deolinda Rodrigues, Missionária Dominicana do Rosário, tomou da sua já considerável experiência pessoal de consagração religiosa para apontar alguns sinais, motivações, confrontos e meditações que ao longo da sua vida tornou oração e caminhada de fé concreta: na sua reflexão tomava como central a redescoberta e o renascimento para tornar fecunda a nossa consagração. Por fim, acolhemos o testemunho do Pe. Luís Alberto, Pároco de Nossa Senhora de Fátima, do Patriarcado de Lisboa. Da apresentação do seu percurso na fé e na vocação, dirigiu-nos para a sua própria descoberta de uma relação com Cristo e da unidade entre esse caminho de conformação com Ele e o de ministério presbiteral ao serviço de uma comunidade à qual se entrega concretamente e da qual recebe reciprocamente. As interpelações do debate que se seguiu aprofundaram a riqueza das suas partilhas.
 
8. A celebração em contexto pascal da nossa fé e da vida partilhada nestes dias juntou-se ao convívio favorecido pelo passeio de sexta-feira. Visitámos as terras do Alentejo, com destaque para o Santuário de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, onde encomendámos os nossos percursos pessoais de fé, bem como a nossa vida em comunidade provincial.
 
Encerrámos com forte desejo de partilhar e concretizar o muito que ouvimos, para viver com mais entusiasmo o Ano da Fé nas comunidades a que pertencemos. Nelas estão os confrades que ficaram a assumir as actividades essenciais da Província e a quem dirigimos um sentido agradecimento por nos terem permitido este tempo de formação permanente.
 
Alfragide, 5 de Abril de 2013
Oitava da Páscoa da Ressurreição
 
Os participantes na Semana da Província 2013