‘O jogo é uma necessidade inata, faz evoluir as capacidades motoras, cria um ambiente desinibido e distendido, melhora a imagem corpórea, aumenta o sentido de segurança e a auto-estima… regula o comportamento em relação aos outros, permite uma comunicação pessoal, restabelece o equilíbrio afetivo, permite experimentar papéis diferentes, facilita a tarefa do educador, que descobre estilos e modelos de comportamento da criança.

Pode descobrir-se mais de uma pessoa numa hora de jogo do que num ano de conversa’, escrevia Platão. Já o Padre Dehon tinha partilhado esta intuição ao dizer que é na mesa do jogo e na mesa da alimentação que nos conhecemos de uma maneira mais profunda.

Foi a partir destas premissas, que a Pastoral Universitária Dehoniana, preparou mais uma noite 4×4: uma corrida contra o tempo – uma conversa entre fé e desporto, onde tivemos connosco alguns profissionais do desporto que partilharam connosco a sua experiência de vida e, consequentemente, a sua experiência de fé. Foram eles: Angélica André (atleta olímpica Tóquio 2021); Fernando Jorge, Bock (antigo jogador de futebol, atualmente é treinador); Tó Rocha (antigo jogador de hóquei – FCPorto) e Padre Gil (Diocese de Braga).

Este encontro, realizado no dia 16 fevereiro, fez-nos refletir na importância do desporto ao serviço da humanidade e da vida, onde se valorizaram alguns aspetos como a motivação, a disciplina, o respeito pelo outro, o equilíbrio e a proximidade humana que o desporto cria em nós.

Afinal de contas, há muito mais na prática desportiva do que apenas vencer.

Antonino de Sousa