Print Friendly, PDF & Email

Este segundo dia de trabalhos da VIII Conferência Geral foi dedicado à reflexão. Dois conferencistas ajudaram-nos neste processo reflexivo sobre a temática que nos trouxe até Neustadt. A parte da manhã esteve a cargo do Pe. John Van Der Hengel, agora Vigário Geral da Congregação, assumindo ocargo deixado vago por D. Claudio Dalla Zuanna. O Pe. John abordou o tema dos “Valores Dehonianos”. Começou por dizer que para identificarmos o que são e quais são os valores dehonianos temos que ir às fontes e compreender a experiência de fé de Leão Dehon. O ponto central dessa experiência de fé reside na consciência que o Fundador tem de Deus que o ama. É esse amor de Deus que é a fonte e a força da Congregação. É daí que, segundo o Pe. John, nascem os valores Dehonianos: Adveniat Regum Tuum, Ecce Venio e Sint Unum. São estes valores que temos de transmitir aos jovens ao longo do processo educativo.

Para o conferencista falar aos jovens de Adveniat Regum Tuum, é falar-lhes do amor de Deus, da abundância de vida, da generosidade, da cordialidade.

Falar aos jovens de Ecce Venio é educar para a capacidade para escutar Deus, para a resposta, para o seguimento, para a oblação, a oferta da vida, a disponibilidade o dom de si mesmo.

Por fim, propor ao jovens o Sint Unum, é convidá-los àcomunhão, à solidariedade, à atenção aos mais pobres, à reparação como compromisso pela justiça social, pela liberdade, pela criação de laços fundados na caridade.

Ser dehoniano é viver estes valores, ser testemunha destes valores e ser mestre deste valores junto dos jovens.

A tarde deste dia foi ocupada com duas conferências do Dr. Fausto Colombo, professor de Comunicação na Universidade Católica de Milão (Itália). O Professor Fausto assentou a sua exposição sobre duas questões pertinentes: “Quem são os jovens de hoje?” e “Como é que os jovens usam os media?”. Ao longo da sua exposição procurou responder à estas duas perguntas.

No que se refere aos jovens de hoje, assinalou que estamos perante uma mudança de paradigma: a juventude é tida como uma categoria social, como um estado de vida permanente e não como uma etapa de transição para a fase adulta. Hoje a sociedade induz toda a gente a ser jovem, a manter-se jovem e a viver como jovem. Perguntava o Professor Fausto: “Quando é que se deixa de ser jovem?”. Segundo o conferencista a sociedade criou a ideia da “eternidade da juventude” e prometeu aos jovens ideais impossíveis de realizar. Por isso os jovens que temos são jovens sem esperança, desempregados, revoltados com a sociedade que os enganou, dependentes dos pais e com medo de arriscar a vida num projecto… Como remédio para esta situação o Professor aponta o caminho da reflexão sobre a temática juvenil, pois segundo ele esse processo deixou de se realizar e esteve na origem da situação presente.

Sobre a segunda questão o Professor Fausto Colombo apresentou quatro características da sociedade dos media, onde a internet assume total primazia:
– Horizontalidade. A rede é uma espaço de liberdade horizontal. Todos têm igual direito de expressão. Neste modelo de comunicação, a autoridade deixa de ter aquela função a que estávamos habituados. Agora tudo é colocado em questão e cada qual acaba por ser a autoridade de si mesmo.

– Gratuidade. Na comunicação via internet, cada qual dá-se, expõe-se… Cada qual tem direito a tudo. Mas não se trata da gratuidade do dom mas a ilusão de quem e abre a um mundo de pessoas incógnitas.

– O “si”. As tecnologias obrigam o jovem a falar de si. A vida passa a ser um contínuo falar de si mesmo, contar a sua vida, expor assuas fotos, expor-se para o mundo… É uma vantagem porque coloca o jovem em contacto com as pessoas, mas é também uma desvantagem porque deixa de haverprivacidade.

– Rapidez. A rapidez da tecnologia vai à mesma velocidade da sociedade, o que leva a que se percam todos os aspectos salientes da vida. Por outro lado facilita a comunicação. No entanto, falta espaço para parar, reflectir, acertar o passo e corrigir opções.
“E agora? Que fazer com estes aspectos bons e maus da rede?” Perguntava o conferencista.

A resposta foi dada através do episódio de Zaqueu que subiu a um sicómoro para ver Jesus (cf. Lc 19, 1-10). Zaqueu guia-se pela lógica mediática, pela curiosidade da multidão. Mas Jesus corrige essa perspectiva e aposta na relação interpessoal: “preciso de ficar em tua casa”. Aquele que queria ver, torna-se o sujeito visto e amado por Jesus.

Segundo o Professor Fausto na rede criamos condições para o encontro que tem de ser pessoal, relacional, feito de amor e de verdade. Osmeios de comunicação são um dos intermediários, hoje muito privilegiado, para possibilitar este encontro.
Para o Professor Fausto Colombo temos de acolher os media com as palavras do Papa João Paulo II: “Não tenhais medo!”.

Concluo a crónica deste dia com duas outras notas:
– Os momentos de oração de hoje foram orientados pelosconfrades que trabalham no continente asiático. A eucaristia foi presidida pelo Pe. Francis, Superior da recém-criada Região das Filipinas.

– O serão foi animado por um belo concerto musical apresentado por um grupo de professores do Colégio Dehoniano de Handrup (Alemanha). Este Colégio é frequentado por 1.400 jovens.

Zeferino Policarpo, scj