Print Friendly, PDF & Email

Durante a tarde e noite de Segunda-feira, foram chegando os confrades das mais diversas comunidades de toda a Província. A noite do dia 21 de Abril foi, de facto, marcada pelos cumprimentos de quem já há muito tempo não se via, por conversas alongadas, demonstradoras da fraternidade que nos une.
O dia 22 de Abril, de antemão programado para passeio por terras alentejanas, levantou-se chuvoso. Mas nem a chuva impediu a grande maioria dos confrades de se manterem entusiastas. De facto, às 7.45h começou a Eucaristia, presidida pelo P. David.
No dia anterior, tinham sido distribuídas as tarefas, democraticamente impostas, no dizer do coordenador da organização. Assim, ficava encarregada da liturgia a comunidade do Seminário Nossa Senhora de Fátima – Alfragide, sob a direcção do P. Saturino; o P. Fernando Fonseca foi encarregado de dirigir o canto; os PP. Ricardo Fernandes e Nélio Gouveia e o Cl. Sérgio Pinto ficaram com a tarefa de secretariar o encontro; além destes ficavam também definidos os moderadores para cada uma das sessões.
Missa celebrada, pequeno almoço no papo, de guarda-chuva em punho, farnel preparado, "embarcámos" na camioneta, previamente alugada; o nosso destino era o Alentejo, mas nem por isso deixámos a velocidade…De uma tirada só, fomos de Alfragide a Vila Viçosa. Nesta histórica terra alentejana, visitámos, em grupos, o Palácio Ducal, orientados por guias do Palácio.
Uma vez que a última parte da visita foi à cozinha, deduz-se o que se seguiu no programa; é verdade: foi o almoço! Previsto para uma mata ao ar livre, impossível devido às condições climatéricas, o almoço foi no claustro do Seminário Menor de Vila Viçosa.
Não se diga que os frades não têm devoção a Nossa Senhora. Até se tentou visitar o Santuário de Nossa Senhora da Conceição, coroada Rainha de Portugal por D. João IV; mas, com a portas fechadas, ninguém visitou nada.
A paragem seguinte foi Évora. A monumental cidade, património mundial, não foi visitada em grupo, mas por iniciativa pessoal de cada um. Mais ou menos, todos visitaram a Sé, o Museu do Tesouro da Sé, a Capela dos Ossos e o Templo de Diana. Antes de iniciar a viagem de regresso, ainda houve tempo para lanchar.
Regressámos a Alfragide numa viagem muito animada, em que muita gente foi solicitada para saltar e foram feitas aclamações de gente para as mais diversas tarefas eclesiáticas, que não vale a pena aqui referir.
Depois do jantar, em Alfragide, houve um convívio de partilha de folares. Animado pelos músicos de Alfragide, o convívio foi rico em variedade. Desde música com um bispo até uma encenação de "A Mula da Cooperativa", sempre muito apreciada, passando pela música espanhola a pedir um baile de sapateado.
Em ambiente de festa, ainda se cantou os parabéns aos confrades P. Manuel Chícharo e ao Ir. Luís Silva, que tinham celebrado o seu aniversário nos dias 20 e 21 de Abril, respectivamente.
Por fim, foi pedida a ajuda de Nossa Senhora, com um cântico.

| Ricardo Freire |