Print Friendly, PDF & Email

Na manhã do dia 3 de Abril, iniciaram-se os trabalhos da Semana da Província à volta do tema “Firmes na Fé”. No discurso de abertura, o Superior Provincial, Padre Zeferino Policarpo, sublinhou o interesse em aprofundarmos a nossa fraternidade, convivermos, partilharmos a vida, matarmos saudades uns dos outros, e em abordar o tema proposto, para enriquecimento do nosso espírito. Logo de seguida, o Padre Joaquim Garrido apresentou a sua conferência: “A Fé no Antigo Testamento”. Partindo do “credo” israelita, que encontramos em Dt 6, 4-9, e que se pode resumir nas palavras: “O Senhor é o nosso Deus; o Senhor é único”, percorreu o livro do Êxodo para mostrar como a fé de Israel nasceu da experiência de Deus Libertador. Essa fé passou por diversas crises, especialmente durante o exílio em Babilónia. E assim foi sendo purificada. Depois, o Padre Garrido apontou alguns modelos de fé do Antigo Testamento como Abraão e Job e aludiu ao livro dos Salmos que, mais do que outros, nos revelam a fé do Antigo Povo de Deus. Terminou referindo algumas imagens que expressam a fé do crente e o Salmo 21, suprema expressão da confiança em Deus.

No segundo momento de reflexão da manhã, o Padre Ricardo Freire abordou o tema: “A Fé no Novo Testamento”. Dividiu-o em dois pontos: “A Fé como atitude” ou ato de acreditar e “O conteúdo da Fé”. Este conteúdo, segundo o Novo Testamento,  é fundamentalmente o Mistério Pascal de Jesus Cristo, a sua Morte e Ressurreição. Sendo assim, podemos afirmar que também a nossa fé dehoniana é eminentemente cristológica, e está em linha com o Kerygma apostólico.

Ao fim da manhã, com a Eucaristia, celebrou-se a fé no seu mistério central – a Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor. Presidiu o Padre Fernando Fonseca que, na homilia, partindo do episódio dos discípulos de Emaús, falou da Fé como um caminho a percorrer em comunidade, onde se faz presente o Senhor, escutando a Palavra, que dá sentido a quanto vivemos e nos rodeia, e celebrando a Eucaristia que nos abre os olhos do espírito para vermos o Senhor e nos tornarmos apóstolos.

A terceira reflexão do dia, “A Fé da Igreja”, foi apresentada pelo Padre Manuel Barbosa que, como ponto de partida, utilizou o audiovisual “Credo, filme de arte e de nova evangelização” publicado pela Conferência Episcopal Italiana para o Ano da Fé. Depois discorreu sobre “Símbolos & Credos”, apresentou propostas de leituras e convidou a revisitar alguns dinamismos da Verbum Domini e da Porta da Fé de Bento XVI, bem como algumas proposições do Sínodo dos Bispos de 2012. Terminou afirmando que a experiência de fé do Padre Dehon desafia a nossa vida.

Como recomendava o Padre Dehon, terminámos o dia em adoração à Eucaristia, presença por excelência do Senhor Ressuscitado no meio de nós, meditando nas riquezas desse mistério da nossa fé, a fim de que a carne e o sangue de Cristo, alimento de vida eterna, transformem mais profundamente as nossas vidas (Constituições 83).

Fernando Fonseca, scj

Nota: este artigo foi redigido segundo o acordo ortográfico