Tempo Comum – Anos Pares
XXVII Semana – Quarta-feira
Lectio

Primeira leitura: Gálatas 2, 1-2.7-14

Irmãos: 1Passsados catorze anos, subi outra vez a Jerusalém, com Barnabé, levando comigo também Tito. 2Mas subi devido a uma revelação. E pus à apreciação deles – e, em privado, à dos mais considerados – o Evangelho que prego entre os gentios, não esteja eu a correr ou tenha corrido em vão. 7Antes pelo contrário: tendo visto que me tinha sido confiada a evangelização dos incircuncisos, como a Pedro a dos circuncisos – 8pois aquele que operou em Pedro, para o apostolado dos circuncisos, operou também em mim, em favor dos gentios – 9e tendo reconhecido a graça que me havia sido dada, Tiago, Cefas e João, que eram considerados as colunas, deram-nos a mão direita, a mim e a Barnabé, em sinal de comunhão, para irmos, nós aos gentios e eles aos circuncisos. 10Só nos disseram que nos devíamos lembrar dos pobres – o que procurei fazer com o maior empenho. 11Mas, quando Cefas veio para Antioquia, opus-me frontalmente a ele, porque estava a comportar-se de modo condenável. 12Com efeito, antes de terem chegado umas pessoas da parte de Tiago, ele comia juntamente com os gentios. Mas, quando elas chegaram, Pedro retirava-se e separava-se, com medo dos partidários da circuncisão. 13E com ele também os outros judeus agiram hipocritamente, de tal modo que até Barnabé foi arrastado pela hipocrisia deles. 14Mas, quando vi que não procediam correctamente, de acordo com a verdade do Evangelho, disse a Cefas diante de todos: «Se tu, sendo judeu, vives segundo os costumes gentios e não judaicos, como te atreves a forçar os gentios a viver como judeus?»

Paulo continua a escrever em jeito de autobiografia. Depois de catorze anos, vai a Jerusalém, acompanhado por um levita cipriota chamado José, a quem os Apóstolos tinham dado o sobrenome de Barnabé, isto é, “filho da consolação”, e que acompanhou Paulo durante o primeiro período de evangelização. Leva também Tito, um greco-cristão incircunciso, que mediou o conflito entre a Igreja de Corinto e Paulo (cf. 2 Cor 3, 13).
Tito era um exemplo vivo de liberdade perante tudo o que não correspondia ao essencial ensinamento de Cristo: ao contrário do que defendiam e praticavam alguns cristãos de Jerusalém, Tito não era circunciso. Com este exemplo concreto, Paulo expõe aos chefes da Igreja o seu evangelho, para não «correr em vão» (v. 6). Dá-se, então, em Jerusalém uma forte experiência de comunhão, expresso no aperto de mão de Paulo, a Pedro, Tiago e João, considerados «as colunas» (v. 9) da Igreja. Chega-se a um acordo: as «colunas» evangelizariam os circuncisos, Paulo e os seus companheiros evangelizariam os pagãos. A única recomendação é dar atenção aos pobres, coisa que Paulo terá em grande conta (v. 10).
Mas a comunhão não impede Paulo de se opor a Pedro que, em Antioquia, se deixou dominar pelos cristãos judaizantes, deixando de frequentar a mesa dos cristãos convertidos do paganismo, que justamente se julgavam livres de tomar qualquer tipo de alimento. E verificamos duas realidades: a primeira é que Paulo se sente livre para dizer claramente a verdade a Pedro, que “coxeia” na sua prática de crente; a segunda é que a mensagem de Cristo é uma mensagem de liberdade em relação a todo o formalismo, exterioridade, hipocrisia e constrição.

Evangelho: Lucas 11, 1-4

Naquele tempo, 1Sucedeu que Jesus estava algures a orar. Quando acabou, disse-lhe um dos seus discípulos: «Senhor, ensina-nos a orar, como João também ensinou os seus discípulos.» 2Disse-lhes Ele: «Quando orardes, dizei:Pai, santificado seja o teu nome; venha o teu Reino; 3dá-nos o nosso pão de cada dia; 4perdoa os nossos pecados, pois também nós perdoamos a todo aquele que nos ofende; e não nos deixes cair em tentação.»

«Jesus estava algures a orar» (v. 1). Em qualquer tempo e lugar se pode rezar, ainda que haja tempos e lugares expressamente destinados à oração. Ao ver Jesus rezar, um dos discípulos percebeu que não sabia rezar e suplicou: «Senhor, ensina nos a orar» (v. 1). Então, Jesus ensinou-lhes a sua oração, o «Pai nosso».
A oração de Jesus começa com a invocação do Pai, Abba, no texto lucano, palavra que exprime uma ternura e um à vontade idêntico à nossa palavra “papá”. Jesus introduz-nos, deste modo, a um novo tipo de relação com Deus, caracterizado pela confiança, semelhante à de um filho que se dirige ao pai, por quem se sente amado. Chamando Pai a Deus, assemelhamo-nos a Jesus, o Filho por excelência, e partilhamos a relação íntima que existe entre Ele e o Pai. É nisto que caracteriza, em primeiro lugar, a oração do cristão.
– «santificado seja o teu nome»: pedimos a Deus que seja glorificado por todos e em todos; que seja glorificado em cada um de nós, isto é, que vendo o nosso modo de ser e de agir, todos O reconheçam e louvem; este pedido sublinha a verdade de que é procurando a glória de Deus, e não na nossa, que encontramos a nossa própria felicidade, entrando em comunhão com Ele, com os outros, com o cosmos.
– «venha o teu Reino»: toda a história é aspiração, consciente ou não, por este Reino, que é «justiça, paz e alegria no Espírito Santo» (Rm 14, 7).
– «dá nos em cada dia o pão da nossa subsistência»: o «pão» é o elemento vital que simboliza tudo o que o homem precisa para viver dignamente, crescer e realizar-se (pão, vestuário, cultura, habitação, …). Pede-se o pão «nosso» … Se for só «meu», torna-se elemento de morte. Partilhado, faz crescer. «Pão» é também a Eucaristia, a Palavra de Deus… porque «não só de pão vive o homem».
– «perdoa nos os nossos pecados, pois também nós perdoamos»: o perdão de Deus liga-se à nossa atitude de perdoar, como raiz à árvore. O fundamento do nosso perdão e saber-nos perdoados por Deus… Perdoar não significa esquecer. Desejar perdoar, pedir a Deus que nos ajude a perdoar, já é atitude de perdão…
– «não nos exponhas à tentação». Esta expressão significa pedir a Deus a graça de não sucumbirmos à tentação, por causa da nossa fraqueza. Sabemos que Deus nos ouve porque «é fiel e não permitirá que sejais tentados acima das vossas forças» (1 Cor 10, 13).

Meditatio

Paulo recusa todo o formalismo, constrição, oportunismo, tradicionalismo. O essencial é aderir a Cristo e à sua verdade. Para defender essa posição, que julga correcta, está disposto a tudo, até a indispor-se com Pedro, não hesitando e aplicar-lhe a correcção fraterna. Tem de ha
ver coerência entre o Evangelho e a vida.
É urgente que nas nossas comunidades cristãs, e religiosas, se instaure esta parresia, este atrevimento, esta franqueza de relações, esta busca apaixonada da verdade de Cristo, dando ouvidos às exigências do Reino, e não dos nossos mesquinhos interesses.
Nada melhor do que ter bons espaços e tempos de oração para ultrapassar rotinas e confusões que inquinam a verdade pura do Evangelho e escravizam o nosso coração. Se rezo ao Abbá, ao Pai cheio de ternura, meu e dos meus irmãos, se Lhe peço que seja glorificado como convém, e que venha o reino da justiça, do amor e da paz, também através da minha pequena vida, então terei a força de me tornar, cada vez mais, na porção da Igreja de que faço parte, aquilo que, hoje, sou chamado a ser. Não me tornarei, certamente, um elemento polémico, soberbo e capaz de rebentar com tudo, mas uma pessoa tão intensamente unida a Jesus, tão compenetrada pelo seu humilde amor, que nada temerei, nem sequer a reacção daqueles que vier a corrigir, por amor. Pedir frequentemente, ao longo do dia, «venha o teu reino», é o segredo para alcançar a força espiritual de realmente o querer e procurá-lo, numa atitude pessoal e de relação.
O verdadeiro diálogo, na Igreja e nas nossas comunidades cristãs e religiosas, precisa de um clima de liberdade. Cada um deve experimentar que lhe é possível manifestar as suas opiniões, o seu modo de ver. Este respeito pelas opiniões dos outros, leva à compreensão recíproca, à aceitação do conselho e também à correcção fraterna. Mesmo num debate aceso, jamais se devem atacar as pessoas, mas confrontar com simpatia as ideias, as propostas, os pontos de vista.
É preciso participar no diálogo desarmados. Não devemos pensar em vencer ou perder. A vitória deve pertencer à verdade e ao bem. Ninguém de nós tem a verdade no bolso, ninguém de nós é infalível; procuramos a verdade e, mais do que procurá-la, deixamo-nos conquistar por ela.
O verdadeiro diálogo exclui a intransigência. De que me serve vencer se a minha opinião está errada? Nenhuma vantagem vem do erro. Vim para dominar ou para servir? Se estamos com Jesus devemos estar dispostos para servir: «Não vim para ser servido, mas para servir» (Mt 20, 28). Servir a verdade é servir Jesus: «Quem é da verdade, escuta a minha voz» (Jo 18, 27); «Eu sou o caminho, a verdade e a vida» (Jo 14, 6).
O verdadeiro diálogo comunitário deveria excluir também as “acomodações” e os “compromissos”. Eles indicam que ainda não cerramos fileiras pela verdade. É preciso estar apaixonados, enamorados pela verdade, porque estamos enamorados de Cristo-Verdade (cf. Jo 14, 17), porque, como “Deus é caridade” (1 Jo 4, 16), Deus é verdade. Não importa de quem vem a verdade, não importa o meio: pode ser um jovem, um noviço. O Espírito «sopra onde quer» (Jo 3, 8) e como quer; mas, de certeza, é Ele a fonte última da verdade, como a é da caridade: «O Espírito é a verdade» (1 Jo 5, 6).
Invoquemos o Espírito e demos lugar ao Espírito nos nossos diálogos comunitários e experimentemos os seus saborosos frutos, sinais do Reino já presente no meio de nós: a caridade, a paz, a alegria, a bondade, a benevolência, a mansidão, etc. Não só pessoalmente, mas também comunitariamente.
Estamos convencidos de que a realidade escatológica dos «novos céus» e da «nova terra», onde «habita a justiça» (2 Pe 3, 13), pode ser uma realidade actual, antecipada, não só pessoalmente, mas também comunitariamente.

Oratio

Senhor, disseste que, se escutarmos e vivermos a tua palavra, conheceremos a verdade, e que «a verdade nos libertará» (cfr. Jo 8). Dá-nos a graça de rezar e de viver a ardente súplica: «Venha o teu Reino», que é verdade e liberdade de Deus e do homem. Dá-nos a graça de a rezar com tal perseverança que ela se torne, não só um desejo do nosso coração, mas também coragem e compromisso libertador de toda a nossa acção e da nossa relação com quantos, como nós, são Igreja peregrina rumo aos esplendores do Reino. Amen.

Contemplatio

Recordai os principais títulos do vosso Pai celeste ao vosso amor. E, em primeiro lugar, Ele é vosso Pai. Será que se encontra na natureza um título que dê mais direito a ser amado do que este? E é-o de um modo eminente. É o criador do vosso corpo e da vossa alma e o autor da sua união. É só d’Ele que recebeis as vossas faculdades e as vossas qualidades naturais. Somente por Ele é que continuais a existir em cada instante. É Ele que provê em cada instante às vossas necessidades, às vossas comodidades e mesmo aos vossos prazeres; porque vós não gozais de nenhum, mesmo contra a sua vontade sem que seja Ele que vos forneça os seus elementos. Poderia retirar-vos tudo aquilo que vos deu, quando disso abusais para o ofender.
É o vosso Pai a um título mais excelente ainda na ordem sobrenatural, porque vos adoptou como seus filhos. É o vosso Pai por graça, como é o Pai de Nosso Senhor por natureza. Tornai-vos em Jesus o objecto da sua complacência. Estende até vós a ternura infinita que tem por Ele. Este benefício é tão grande que os anjos dele seriam invejosos se o pudessem ser.
Todas as consequências desta paternidade são outros tantos motivos de ainda mais amardes a Deus. Entrais por adopção na família de Deus. Sois incorporados nesta família da qual Jesus é o primogénito. Pertenceis à casa do vosso Pai não na qualidade de servos, mas na qualidade de filhos. Jesus não faz distinção a este respeito entre vós e Ele, como o observais no Evangelho: «Meu Deus e vosso Deus; meu Pai e vosso Pai» (Jo 20, 17). (Leão Dehon, OSP 2, p. 24).

Actio

Repete muitas vezes e vive hoje a palavra:
«Pai, venha o teu Reino» (cf. Lc 11, 1-2)

| Fernando Fonseca, scj |