Na manhã do dia 12 de Julho de 2022, notada a ausência na oração da manhã da Comunidade e no pequeno-almoço, foi encontrado no chão do quarto, inanimado, o nosso Confrade P. Agostinho Clemente Neto, a menos de um mês de completar 70 anos. Chamado o INEM e prestados todos os cuidados urgentes de saúde, foi comunicado, pelas 11h00, o seu falecimento.
A notícia da morte do P. Clemente surpreendeu toda a gente.


O P. Agostinho Clemente (Agostinho Clemente Gonçalves Neto), nascido a 7 de Agosto de 1952, era natural do Estreito de Câmara de Lobos, onde foi baptizado a 24 de Agosto do mesmo ano.

Ingressou no Colégio Missionário Sagrado Coração, no Funchal, em 1965, terminando o 7º ano do Liceu no Instituto Missionário Sagrado Coração, em Coimbra, em 1973, ano em que iniciou o Noviciado, na Casa do Sagrado Coração de Jesus, em Aveiro.

Fez a sua Profissão Religiosa a 6 de Outubro de 1974, em Aveiro, e a Profissão Perpétua a 29 de Setembro de 1979, no Seminário Nossa Senhora de Fátima, em Alfragide. Fez a sua formação em teologia, na transição do ISET para a Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa, entre os anos de 1974 e 1982, ano em que frequenta o Institut Catholique de Paris.

É ordenado Presbítero a 7 de Agosto de 1982, na Sé do Funchal, pelas mãos de D. Teodoro de Faria, Bispo do Funchal.

Partiu para Madagáscar em 1984, 2 anos depois do primeiro grupo de Dehonianos Portugueses, permanecendo naquela Região da Congregação até 2019, servindo por 35 anos a igreja em Madagáscar, quer ao nível da pastoral paroquial, quer na formação nos seminários Dehonianos, quer em funções de governo daquela Entidade da Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus.

Desde o seu regresso de Madagáscar, o P. Agostinho Clemente passou a integrar, a partir de Setembro de 2019, a Comunidade Dehoniana de Santo António, em Vila Real de Santo António, colaborando na pastoral paroquial das áreas pastorais confiadas aos Dehonianos.

Nos dias imediatamente anteriores ao seu falecimento, estando o Superior Provincial de visita à sua Comunidade, o P. Agostinho Clemente teve oportunidade de dialogar com mais detalhe sobre o próximo ano pastoral, transparecendo ânimo e vontade de assumir o cuidado pastoral de uma paróquia.
A morte natural súbita do P. Clemente não permite esconder a profunda tristeza que sentimos. Os seus Confrades unem-se à sua família e aos seus amigos, bem como a toda a Família Dehoniana, em oração e comunhão de sentimentos.
Seja o nosso querido P. Clemente, que agora sabe o que é ver Deus face-a-face, que agora sabe o que é Deus ser tudo em todos, a ajudar-nos a encontrar paz e consolação. Possa o P. Clemente descansar dos seus trabalhos e dos seus esforços nos braços amorosos do Coração de Jesus, a quem consagrou toda a sua vida.

P. António Pedro Monteiro,
Secretário Provincial