Semana de Mai 28th

  • Tempo Comum - Anos Ímpares - VIII Semana - Segunda-feira

    Tempo Comum - Anos Ímpares - VIII Semana - Segunda-feira

    29 de Maio, 2023

    Lectio

    Primeira leitura: Ben Sirá 17, 20-28 (gr. 24-29)

    Meu filho: O Senhor permite que se arrependam, deixa recomeçar, e conforta os que perderam a perseverança. 25Converte-te ao Senhor, deixa os teus pecados, suplica diante dele e evita as ocasiões de pecado. 26Volta-te para o Altíssimo, afasta-te da injustiça, - pois Ele próprio te conduzirá, das trevas à claridade da salvação - e detesta profundamente o que é abominável. 27Quem louvará o Altíssimo no Hades, em lugar dos vivos, quem o poderá louvar? 28O morto, como quem não existe, já não pode louvar; o homem vivo e com saúde é que louvará o Senhor. 29Como é grande a misericórdia do Senhor, e o seu perdão para com todos os que a Ele se convertem!

    Ben Sirá, hoje, trata um tema de importância vital: o arrependimento e o perdão. Não é fácil arrepender-se nem é facil perdoar. Mas são atitudes indispensáveis na nossa relação com Deus e com os outros.
    O arrependimento nasce da consciência de que, no nosso modo de pensar e de agir, há sempre algo de incorrecto. Todos nos sentimentos sujeitos a pecar e mesmo pecadores. Que fazer? A palavra de Deus é clara: «Converte-te ao Senhor, deixa os teus pecados» (v. 25). A conversão consiste em deixar de pecar e em voltar-nos para Ele, em regressar ao seu amor. O pecador é incapaz de louvar o Senhor, porque a sua vida é semelhante à dos que «jazem nas trevas e sombras da morte». Um salmista pede a Deus que o livre da morte para que, continuando a viver, tenha oportunidade de O louvar (Sl 88, 11-13).
    Deus oferece o seu perdão ao pecador que se arrepende. Trata-se de um dom da misericórdia divina, pois o homem pecador a nada tem direito.

    Evangelho: Marcos 10, 17-27

    Naquele tempo, Jesus ia Jesus pôr-se a caminho, quando um homem correu para Ele e se ajoelhou, perguntando: «Bom Mestre, que devo fazer para alcançar a vida eterna?» 18Jesus disse: «Porque me chamas bom? Ninguém é bom senão um só: Deus. 19Sabes os mandamentos: Não mates, não cometas adultério, não roubes, não levantes falso testemunho, não defraudes, honra teu pai e tua mãe.» 20Ele respondeu: «Mestre, tenho cumprido tudo isso desde a minha juventude.» 21Jesus, fitando nele o olhar, sentiu afeição por ele e disse: «Falta-te apenas uma coisa: vai, vende tudo o que tens, dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro no Céu; depois, vem e segue-me.» 22Mas, ao ouvir tais palavras, ficou de semblante anuviado e retirou-se pesaroso, pois tinha muitos bens. 23Olhando em volta, Jesus disse aos discípulos: «Quão difícil é entrarem no Reino de Deus os que têm riquezas!» 24Os discípulos ficaram espantados com as suas palavras. Mas Jesus prosseguiu: «Filhos, como é difícil entrar no Reino de Deus! 25É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha, do que um rico entrar no Reino de Deus.» 26Eles admiraram-se ainda mais e diziam uns aos outros: «Quem pode, então, salvar-se?» 27Fitando neles o olhar, Jesus disse-lhes: «Aos homens é impossível, mas a Deus não; pois a Deus tudo é possível.»

    O diálogo entre Jesus e o homem rico é referido pelos três sinópticos. Mas a versão de Marcos apresenta alguns pormenores interessantes: o homem ajoelha-se diante de Jesus (v. 17); Jesus verifica que se trata de um homem religiosamente sincero e, por isso, sente afeição por ele e fala-lhe (v. 21); tendo ouvido as palavras de Jesus, o homem ficou de semblante anuviado e retirou-se pesaroso (v. 22).
    Jesus está a caminho de Jerusalém. A pergunta deste israelita praticante é séria. Mas Jesus apresenta-lhe uma proposta mais vasta: despojar-se dos seus bens e aderir à comunidade dos discípulos. Assim daria prova da sinceridade com que buscava a vida eterna. Mas o homem, que «tinha muitos bens» (v. 22), não é capaz de dar essa prova. Jesus aproveita a ocasião para sublinhar que as riquezas são um grave obstáculo para entrar no reino de Deus, porque impedem de centrar o coração e os afectos em Deus, de tender para Ele, que é o fim de todos e cada um dos mandamentos e prescrições. Os discípulos ficam espantados, pois sabem que Jesus não quer uma comunidade de esfarrapados Mas o Senhor repete a afirmação servindo-se da riqueza metafórica oriental: «É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha, do que um rico entrar no Reino de Deus» (v. 25). «Quem pode, então, salvar-se?» (v. 26), perguntam os discípulos. Então, Jesus acrescenta: «Aos homens é impossível, mas a Deus não; pois a Deus tudo é possível» (v. 27). É a «teologia da gratuidade», característica do segundo e evangelho, e em consonância com o pensamento paulino (cf. Rm 11, 6; Ef 2, 5; 1 Cor 15, 10; etc.). Jesus coloca-se numa posição oposta ao «automatismo farisaico», que supunha que o cumprimento de certas regras de pobreza assegurava a vida eterna. Mas nada deve ser absolutizado. Só Deus é absoluto.

    Meditatio

    A libertação do pecado e das riquezas é fundamental para acedermos a valores superiores. Sem essa libertação não alcançamos à «vida eterna».
    Mas não é fácil libertar-nos do pecado, dada a nossa grande fragilidade. Há que estar conscientes dela, para, cada dia, pedir perdão ao Senhor, implorar a sua misericórdia, e estar sempre dispostos a recomeçar. "Hoje começo!", dizia um santo, cada manhã.
    O homem moderno tem dificuldade em pedir perdão, porque, devido aos seus grandes progressos científicos e tecnológicos, se julga auto-suficiente. Fecha-se em si, faz-se medida de si mesmo, tem por bem o que lhe parece bem, se procurar qualquer referência fora de si mesmo. Desse modo, bloqueia o caminho espiritual, ficando impedido de regressar ao Pai.
    O evangelho propõe a libertação das riquezas. O homem de que nos fala Marcos quer encontrar o caminho para a «vida eterna». Mas está enredado nas suas riquezas. Jesus convida-o a desfazer-se delas, não destruindo-as, mas dando-as aos pobres, prometendo-lhe «um tesouro no céu». Mas o homem não consegue dar esse passo. Pensa no que deixa e não na riqueza que é seguir Jesus: deixa tudo o que tens; «depois, vem e segue-me» (v. 21). Mais importante do que o que deixamos, é Aquele que seguimos, com quem partilhamos a vida e a missão. A proposta de Jesus consiste em entrar, desde já, no Reino e de ter, desde já, um tesouro nos céus. Mais que tudo, é a proposta de uma vida de intimidade com o Senhor: «vem e segue-me».
    As riquezas deste mundo podem tornar-se um obstáculo para escutar Jesus e segui-lo. O Senhor reconhece que, deixar essas riquezas, não é fácil: «Quão difícil é entrarem no Reino de Deus os que têm riquezas!» (v. 23). Mas, Ele mesmo, nos aponta o remédio para as nossas dificuldades em desapegar-nos dos bens: «Aos homens é impossível, m
    as a Deus não; pois a Deus tudo é possível» (v. 27). Com a graça do Senhor, tantos cristãos sacrificaram tudo, incluindo a própria vida, para seguir Jesus e Lhe ser fiel nas perseguições. Tantos outros deixaram tudo para se consagrarem na vida religiosa e sacerdotal: «a Deus tudo é possível!».
    Com a graça de Deus, podemos libertar-nos do pecado e das riquezas, e seguir Jesus pelo caminho por onde nos quiser chamar.
    Cristo, lembram-nos as Constituições (n. 44), «convida-nos à bem-aventurança dos pobres no abandono filial ao Pai» (cf. Mt 5, 3). Viver esta bem-aventurança é permitir a Cristo viver a Sua pobreza em nós, com a sua mansidão, aflição, paz, misericórdia. É deixar «viver... Cristo» em nós (cf. Fl 1, 21), é garantir a posse do «tesouro escondido», e da «pérola de grande valor», que é o próprio Cristo das bem-aventuranças, vividas na nossa vida. Por isso, de acordo com as Constituições (n. 44), «recordaremos o seu insistente convite: "Vai, vende tudo o que tens, dá-o aos pobres; depois vem e segue-Me» (Mt 19,21)" (n. 44).

    Oratio

    Senhor, faz-me sentir que, com a tua graça, não há dificuldades nem obstáculos que não possa ultrapassar, que não há pesos que não possa suportar, nem pecado de que não possa libertar-me. Contigo, tudo é possível! A palavra que, pelo teu Anjo, dirigiste a Maria, confirma aquela que, hoje, me diriges a mim: «A Deus nada é impossível!». Maria, apesar da sua pobreza e da sua humildade, seria mesmo a Mãe do teu Filho. Abre, Senhor, a minha mente e o meu coração, para que compreenda que o essencial consiste em escutar a tua palavra e ser dócil na fé, seguindo confiadamente o caminho que nos propões. Amen.

    Contemplatio

    Satanás, vencido pela segunda vez, volta com uma outra das suas armas mais poderosas, a terceira grande concupiscência, a cupidez. Transporta Jesus sobre uma montanha, mostra-lhe todos os reinos deste mundo e a sua glória, e diz-lhe: Se me adorardes, dar-vos-ei tudo isto. - É como se dissesse: sou o príncipe deste mundo, quereis ser o meu glorioso vassalo? Vede estas vastas regiões, estas terras opulentas, estas cidades prósperas, e todo o resto do mundo, da sua glória e das suas riquezas, posso dar-vos tudo isto. Todas estas coisas me foram entregues, e dou-as a quem quiser... Jesus contenta-se a responder: «Retira-te, está escrito: Adorarás o Senhor Deus e só a ele servirás». Como é que esta tentação podia mesmo de leve tocar o Coração de Jesus, ele que escolheu por preferência os abaixamentos da incarnação, as humilhações de Belém, as privações do exílio, o trabalho mercenário de Nazaré? Mas para nós, todas estas tentações são sedutoras, o dinheiro, o bem-estar, as comodidades da vida, mesmo que devesse sofrer a justiça e a pureza da alma. Onde está o remédio? Está ainda na meditação da vida de Jesus, no amor daquele que quis ser pobre para nos resgatar, para expiar as nossas cobiças: Belém, Nazaré e o Calvário, leiamos, meditemos, rezemos. Amaremos o desapego, o sacrifício, cada um segundo a nossa vocação e a nossa graça. As pessoas do mundo podem tentar adquirir uma fortuna moderada respeitando as leis de Deus. As almas mais generosas irão até à pobreza voluntária. (Leão Dehon, OSP3, p. 226s.).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Como é grande a misericórdia do Senhor, e o seu perdão
    para com todos os que a Ele se convertem!» (Sir 17, 29).

    __________________

    Subsídio litúrgico a cargo de Fernando Fonseca, scj

  • Tempo Comum - Anos Ímpares - VIII Semana - Terça-feira

    Tempo Comum - Anos Ímpares - VIII Semana - Terça-feira

    30 de Maio, 2023

    Lectio

    Primeira leitura: Ben Sirá 35, 1-12

    Aquele que observa a Lei faz numerosas oferendas; oferece sacrifício salutar o que guarda os preceitos. 2Aquele que se mostra generoso oferece flor de farinha, e o que usa de misericórdia oferece um sacrifício de louvor. 3Fugir do mal é o que agrada ao Senhor, e quem fugir da injustiça obtém o perdão dos pecados. 4Não te apresentes diante do Senhor com as mãos vazias, porque todos estes ritos obedecem a um preceito. 5A oblação do justo enriquece o altar, e o seu perfume sobe ao Altíssimo. 6O sacrifício do justo é aceitável, a sua memória não será esquecida. 7Dá glória a Deus com generosidade e não regateies as primícias das tuas mãos. 8Faz todas as tuas oferendas com semblante alegre, consagra os dízimos com alegria. 9Dá ao Altíssimo, segundo o que Ele te tem dado; dá com ânimo generoso, segundo as tuas posses, 10porque o Senhor retribuirá a dádiva, recompensar-te-á de tudo, sete vezes mais. 11Não procures corrompê-lo com presentes, porque não os aceitará; não te apoies num sacrifício injusto. 12Pois o Senhor é um juiz, e não faz distinção de pessoas.

    Ben Sirá é simultaneamente um ritualista e um moralista, isto é, um homem apegado ao culto e apegado à Lei. Uma vez que vê o cumprimento da Lei como culto a Deus, podemos dizer que predomina nele o espírito do culto: «Aquele que observa a Lei faz numerosas oferendas;oferece sacrifício salutar o que guarda os preceitos» (v. 1). Nos versículos seguintes, o autor sagrado documenta um profundo conhecimento dos diferentes actos de culto com que se honrava a Deus.
    Com a afirmação «a oblação do justo enriquece o altar, e o seu perfume sobe ao Altíssimo. O sacrifício do justo é aceitável» (vv. 5-6ª), Ben Sirá relaciona o compromisso ou santidade de vida com o rito de oferta no templo, antecipando e satisfazendo aquela exigência de unidade/comunhão da pessoa que Mateus afirmará de maneira categórica: «Se fores, portanto, apresentar uma oferta sobre o altar e ali te recordares de que o teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa lá a tua oferta diante do altar, e vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão; depois, volta para apresentar a tua oferta» (Mt 5, 23s.). Ao mesmo tempo, o autor sagrado, apela para a generosidade nas ofertas ao Senhor, lembrando Ex. 23, 15: «ninguém se apresente diante de mim de mãos vazias», porque «o Senhor retribuirá a dádiva, recompensar-te-á de tudo, sete vezes mais» (v. 7). O homem sábio experimentou repetidamente que, com Deus, nunca ficamos a perder.

    Evangelho: Marcos 10, 28-31

    Naquele tempo, Pedro começou a dizer-lhe: «Aqui estamos nós que deixámos tudo e te seguimos.» 29Jesus respondeu: «Em verdade vos digo: quem deixar casa, irmãos, irmãs, mãe, pai, filhos ou campos por minha causa e por causa do Evangelho, 30receberá cem vezes mais agora, no tempo presente, em casas, e irmãos, e irmãs, e mães, e filhos, e campos, juntamente com perseguições, e, no tempo futuro, a vida eterna. 31Muitos dos que são primeiros serão últimos, e muitos dos que são últimos serão primeiros.»

    O discurso de Jesus, depois do colóquio com o homem rico, deixou os discípulos apavorados. Pedro toma a palavra para tentar clarificar a confusão que se abatera sobre todos: que será de nós que «deixámos tudo e te seguimos»? (v. 28). Jesus garante-lhes que Deus não se deixa vencer em generosidade. Acolherá na vida eterna aqueles que, deixando tudo, O seguem; mas também lhes permite usufruir, desde já, da riqueza dos seus dons, e está com eles para os apoiar nas perseguições. Marcos faz uma lista detalhada dos bens de que os discípulos podem, desde já, usufruir, e conclui com a máxima sobre os primeiros e os últimos no Reino (cf. Mt 19, 30; 20, 26; Lc 13, 30). Há que estar atento contra as falsas seguranças, e empenhar-se num permanente esforço de conversão.

    Meditatio

    Uma leitura superficial dos textos bíblicos, que a liturgia de hoje nos oferece, pode induzir-nos em erro e levar-nos a concluir que a nossa relação com Deus é semelhante à que podemos ter com um banco: depositamos determinada soma e, no devido tempo, vamos levantar os juros. Na primeira leitura o rendimento seria sete vezes maior do que o depósito. No evangelho, os ganhos seriam a cem por cento. Mas, obviamente, não estamos a fazer uma boa leitura dos textos.
    O Sábio oferece-nos uma catequese completa sobre os sacrifícios. O piedoso israelita não deve descuidar as oblações prescritas na Lei. Os sacrifícios de animais, no Templo, devem ser feitos com generosidade e alegria: «não regateies as primícias das tuas mãos. Faz todas as tuas oferendas com semblante alegre, consagra os dízimos com alegria» (vv. 7b-8). Mas demora-se a explicar que a vida é mais importante do que as vítimas. O mais importante é construir uma relação interior com o Senhor. É esse o objectivo principal da Lei. Mas há que estar atentos ao próximo, porque o bem que se faz aos outros também é sacrifício agradável a Deus. Dar esmolas equivale a um sacrifício de louvor a Deus.
    O evangelho mostra-nos os Apóstolos que aderiam a Jesus e O seguem. Também aqui, como no texto de Ben Sirá, se trata de entrar em comunhão com Alguém. O que mais vale é a oferta da nossa vida, na fidelidade à vontade de Deus, na generosidade em seguir os seus ensinamentos. A oferta de um qualquer dom é apenas epifania da oferta de nós mesmos. É o que se passa, por exemplo, na profissão religiosa: não damos a Deus a nossa castidade, a nossa pobreza, a nossa obediência. Damo-nos a nós mesmos, em castidade, em pobreza, em obediência. Também a recompensa do dom, por parte de Deus, que Lhe fazemos, acontece a nível pessoal: é-nos dada «a vida eterna», isto é, a visão de Deus, a comunhão plena e definitiva com a Trindade. Seguir a Cristo, significa entrar com Ele, por Ele e n´Ele, no mistério da Trindade. É este o verdadeiro «cem vezes mais».
    Na celebração eucarística, vivemos este mistério. Oferecemos o pão e o vinho, que recebemos da bondade e da generosidade do Criador, para que se tornem, para nós, «Pão da vida» e «Vinho da salvação». Esta é a dinâmica da nossa vida cristã, que nos deve encher de alegria, porque somos, na verdade, envolvidos pela generosidade divina que tudo nos dá, para que o possamos oferecer e receber ainda mais. Trata-se de uma verdadeira exigência do amor, da caridade que anima a Igreja: quanto recebemos do amor de Deus, deve ser partilhado largamente com os outros... Jesus ordena-o aos discípulos, quando os envia em missão: «Recebestes gratuitamente, dai gratuitamente» (Mt 10, 8). Para nós, mais especificamente, é o desejo de fazer nosso o zelo apaixonado de Jesus pelo Reino, pela prega&ccedi
    l;ão da Boa Nova. Para compreender o amor de Cristo, para lhe corresponder, é preciso partilhar as suas opções, as Suas preocupações... «Como poderíamos, efectivamente, compreender o amor que Cristo nos tem, senão amando como Ele em obras e em verdade?» Este texto das nossas Constituições (n. 18) sublinha a nossa disponibilidade para a missão, para a sua urgência, compreendida como dom, como sacrifício, como Cristo a viveu.

    Oratio

    Nós Te bendizemos, Deus Pai, que nos preparaste o mundo e chamaste à vida para revelar o teu amor paterno e materno por todos nós. Nós Te bendizemos, Deus Filho, que entraste na nossa história e nos salvaste, participando no desígnio de amor do Pai para toda a humanidade. Nós Te bendizemos, Deus Espírito Santo, porque és a força que nos abre os olhos para vermos a verdadeira história escondida sob as aparências do dia a dia, e os milagres que acontecem em nós e no nosso mundo. Deus, Pai, Filho e Espírito Santo, aceita o dom que, com particular fervor, Te fazemos, hoje, de nós mesmos e de tudo o que temos e fazemos, como oblação à tua glória. Glória a Ti para sempre! Amen.

    Contemplatio

    Jesus oferece-se a si mesmo pelas mãos de Maria. Na aparência, está inconsciente, mas no seu Coração não o está. Oferece a sua vida, a sua paixão, a sua morte, para expiar a ingratidão dos homens e a minha. Perdão, ó meu Jesus! Maria oferece o seu filho. Aguardando que este grande holocausto se consuma sobre o calvário, ela sacrifica, sob o golpe das tristes profecias de Simeão, o repouso e as seguranças do seu coração maternal, ao mesmo tempo que a sua honra virginal, comprometida por este facto que ela consente, ela, a Mãe puríssima e castíssima, a passar por impura, como o são perante a lei de Moisés as outras mães. José, intimamente unido a Jesus e a Maria, oferece-se para levar as mágoas e as dores inseparáveis da alta missão de que é honrado. Simeão, quando viu Jesus, renuncia a tudo, mesmo à vida. Ana levou uma longa vida de jejuns e de orações na espera e na esperança do Messias. Está pronta, como Simeão, a morrer depois de o ter visto. Todos permaneceram fiéis. E eu, eu fiz muitas vezes oferendas, tomei resoluções, formulei votos. Em que situação me encontro? Tenho sido fiel? Não me retomei muitas vezes? Posso esperar a coroa prometida à fidelidade, se continuo assim? Que fazer? Oferecer-me ainda, mas desta vez com firmeza, não me apoiando sobre a minha vontade vacilante, mas mantendo-me unido aos sagrados Corações de Jesus e de Maria, que me sustentarão se eu me aplico firmemente a compreender e a imitar as suas disposições. (Leão Dehon, OSP3, p. 117s.).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Faz todas as tuas oferendas com semblante alegre,
    consagra os dízimos com alegria» (Sir 35, 8).

    __________________

    Subsídio litúrgico a cargo de Fernando Fonseca, scj

  • Tempo Comum – Anos Ímpares – VIII Semana – Quarta-feira

    Tempo Comum – Anos Ímpares – VIII Semana – Quarta-feira

    31 de Maio, 2023

    Tempo Comum – Anos Ímpares – VIII Semana – Quarta-feira

    Lectio

    Primeira leitura: Ben Sirá 36, 1.4-5.10-17

    Tem piedade de nós, ó Senhor, Deus de todas as coisas; olha para nós e espalha o teu temor sobre todas as nações. 4Que reconheçam, como também nós reconhecemos, que fora de ti, Senhor, não há outro Deus. 5Renova os teus prodígios, faz novos milagres. 10Reúne todas as tribos de Jacob, toma-as como tua herança, como no princípio. 11Tem piedade, Senhor, do teu povo, que foi chamado pelo teu nome, e de Israel, que trataste como filho primogénito. 12Tem piedade da cidade do teu santuário, de Jerusalém, lugar do teu repouso. 13Enche Sião do louvor das tuas maravilhas, e o teu povo com a tua glória. 14Dá testemunho a favor daqueles que, desde o princípio, são tuas criaturas, leva a efeito as profecias, em teu nome proferidas. 15Recompensa os que pacientemente esperam em ti, a fim de que os teus profetas sejam acreditados. 16Ouve, Senhor, a súplica dos teus servos, segundo a bênção de Aarão sobre o teu povo, 17e todos sobre a terra reconhecerão que Tu és Senhor, o Deus dos séculos.
    O autor sagrado eleva uma bela oração a Deus em favor do seu povo, Israel. O povo escolhido tem necessidade de ser libertado e de reencontrar a sua missão de ser amostra das promessas de Deus, farol da fidelidade e do amor de Deus por todos os povos. Israel foi, muitas vezes, fiel à sua missão. Mas, tantas outras, foi infiel, quebrando a Aliança. Assim perdia o canal de ligação à fonte da sua própria vida. A dramática experiência do exílio, que deitou por terra as suas esperanças, comprometendo a sua missão histórico-teológica entre os povos. A partir daqui, encontramos dois importantes pontos da leitura. O primeiro é o que nos fala da consciência de culpa, que leva a pedir o perdão de Deus, baseados apenas na Sua misericórdia: «Tem piedade…» é o refrão dirigido a Deus em favor do «povo», de «Israel», de «Sião», de «Jerusalém». A insistência no pronome possessivo «teu» recorda a Deus o compromisso que assumiu para com o povo; mas também recorda ao povo que continua a ser pertença de Deus, apesar dos seus pecados.
    Outro ponto importante é a referência à globalidade, inserindo Israel no contexto dos povos. Israel não é apenas o povo escolhido para ser o povo de Deus; é também o povo por meio do qual Deus há-de ser conhecido e amado por todos os povos. É a consciência missionária e universalista de Israel que começa a desenvolver-se.

    Evangelho: Marcos 10, 32-45

    Naquele tempo, Jesus e os discípulos iam a caminho, subindo para Jerusalém, e Jesus seguia à frente deles. Estavam espantados, e os que seguiam estavam cheios de medo. Tomando de novo os Doze consigo, começou a dizer-lhes o que lhe ia acontecer: 33«Eis que subimos a Jerusalém e o Filho do Homem vai ser entregue aos sumos sacerdotes e aos doutores da Lei, e eles vão condená-lo à morte e entregá-lo aos gentios. 34E hão-de escarnecê-lo, cuspir sobre Ele, açoitá-lo e matá-lo. Mas, três dias depois, ressuscitará.» 35Tiago e João, filhos de Zebedeu, aproximaram-se dele e disseram: «Mestre, queremos que nos faças o que te pedimos.» 36Disse-lhes: «Que quereis que vos faça?» 37Eles disseram: «Concede-nos que, na tua glória, nos sentemos um à tua direita e outro à tua esquerda.» 38Jesus respondeu: «Não sabeis o que pedis. Podeis beber o cálice que Eu bebo e receber o baptismo com que Eu sou baptizado?» 39Eles disseram: «Podemos, sim.» Jesus disse-lhes: «Bebereis o cálice que Eu bebo e sereis baptizados com o baptismo com que Eu sou baptizado; 40mas o sentar-se à minha direita ou à minha esquerda não pertence a mim concedê-lo: é daqueles para quem está reservado.» 41Os outros dez, tendo ouvido isto, começaram a indignar-se contra Tiago e João. 42Jesus chamou-os e disse-lhes: «Sabeis como aqueles que são considerados governantes das nações fazem sentir a sua autoridade sobre elas, e como os grandes exercem o seu poder. 43Não deve ser assim entre vós. Quem quiser ser grande entre vós, faça-se vosso servo 44e quem quiser ser o primeiro entre vós, faça-se o servo de todos. 45Pois também o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por todos.»

    O texto evangélico que escutámos refere diversos episódios ocorridos durante a caminhada de Jesus para Jerusalém. Jesus avança rodeado de discípulos apavorados e de pessoas cheias de medo. Pela terceira vez, fala da paixão, que se aproxima. Fá-lo com muitos pormenores (vv. 33ss.). Mas os discípulos parecem nada compreender. Os filhos de Zebedeu continuam interessados em alcançar uma boa posição no Reino: um quer ficar à direita de Jesus e outro à esquerda (v. 37). Em Mateus, é a mãe que pede esses lugares para os filhos (cf. Mt 20, 20). Os outros discípulos estão preocupados com assuntos que nada têm a ver com os do Senhor. Mas Jesus revela aspectos centrais relativos ao discipulado: o essencial é a docilidade a Deus e ao seu projecto. Ele próprio decidirá a posição de cada um no Reino. Em Mateus será o Pai a tomar tal decisão (cf. Mt 20, 23).
    Ser discípulo de Jesus é ser, como Ele, dócil ao Pai, partilhar a missão que o Pai Lhe confiou: beber o mesmo cálice, mergulhar no mesmo baptismo. É seguir o caminho do servo sofredor (Is 52, 13-53, 12), servir a todos até ao dom da própria vida em resgate de muitos… O resgate (lýtron) é o preço a pagar por um prisioneiro de guerra, por um escravo. Este resgate é pago, não a Deus, mas ao príncipe deste mundo (Jo 12,31; 1 Jo 5, 19), ao deus deste mundo (2 Cor 4, 4), que mantém escrava a humanidade. E Jesus resgata a humanidade, não para se tornar Ele mesmo um «rei» opressor, mas paradoxalmente um «rei» servo. Também os cristãos não podem contrapor ao «poder demoníaco» um «poder cristão», mas colocar-se de modo amoroso e humilde ao serviço da humanidade.

    Meditatio

    O povo de Israel, escolhido para ser luz das nações, atraiçoou a Aliança, envolvendo-se em aventuras pecaminosas que o levaram ao exílio. Desse modo, não realizou a sua vocação nem ajudou os outros povos. Na primeira leitura, pela boca de Ben Sirá, o povo reconhece as suas culpas, mostra o seu arrependimento e pede perdão, sem alegar desculpas, pois está consciente das responsabilidades que tem na sua própria falência. Reconhece que a misericórdia de Deus é a sua única tábua de salvação. Por isso, clama repetidamente: «Tem piedade de nós,Senhor» (v. 3ª). A salvação de Israel irá acontecer com a dos outros povos que o Sábio cita na sua oração. Brilha no horizonte um raio de esperança.
    O evangelho mostra-se a triste figura dos Apóstolos.
    Havia tempo que andavam com o Senhor. Mas pareciam não ter aprendido nada, pois andavam empenhados na divisão do poder. Tudo começa com a atitude arrogante dos filhos de Zebedeu, Tiago e João. Mas, se estes erram, também os outros se mostram pecadores, porque se deixam levar por sentimentos de hostilidade contra os dois irmãos: «Os outros dez, tendo ouvido isto, começaram a indignar-se contra Tiago e João» (v. 41). E Jesus tem que intervir. Recomenda aos dois irmãos que se ponham nas mãos de Deus, que tudo dispõem como acha melhor. Ensina a todas que a autoridade não é um posto de afirmação pessoal, de busca dos próprios interesses, mas um serviço a exercer com humildade e generosidade. Se for necessário, aquele que preside deve estar disposto a dar a própria vida no exercício da missão que lhe foi confiada. Assim faz o próprio Jesus. No princípio do evangelho, lemos: «o Filho do Homem vai ser entregue» (v. 33). Os verbos seguintes explicam em que consiste essa entrega: ser condenado, escarnecido, flagelado, morto. Depois de todos esses verbos, vêm outros na voz activa: «o Filho do Homem veio para servir e dar a sua vida em resgate por todos» (v. 45). O Filho do homem veio para ser entregue; o Filho do homem veio para servir e dar a vida. Não basta ser passivos, sofrer os acontecimentos, as situações. Há que ser activo: servir, dar a vida. É realmente admirável quando um cristão aceita um evento negativo, como a cruz, e o torna positivo, fazendo dele um dom de amor. É o caso de Jesus que dá a vida em resgate de todos.
    As nossas antigas Constituições (1956) afirmavam que «o fim especial» dos religiosos do Instituto era «professar» uma particular devoção ao sacratíssimo Coração de Jesus (I, 2, parágrafo 2). Ora, «professar» é testemunhar e, na qualidade de testemunhas, “servir” evangelicamente, tal como fez Cristo, testemunha do Pai, «que não veio para ser servido mas para servir e dar a vida por muitos» (Mt 20, 28), caso contrário, a nossa “especial devoção” ao Coração de Jesus torna-se intimismo, devocionismo.

    Oratio

    Pai santo, só Tu podes transformar o sofrimento em dom generoso de vida. Foi o que fez o teu Filho, quando decidiu dar-nos o seu Corpo e o seu Sangue, na Eucaristia. Transformaste o evento doloroso em dom, para, depois, no-lo dares em sacramento. O sacramento, por sua vez, torna-nos capazes de transformar os nossos próprios eventos, isto é, de acolher todos os acontecimentos da vida, mesmo quando são difíceis, e transformá-los em sacrifício generoso de união a Cristo, morto e ressuscitado. Graças à Eucaristia, essa força está em nós e o espírito de Cristo move-nos a usá-la permanentemente na generosidade e na fidelidade. Que a nossa vida se torna eucaristia, bom generoso e gratuito, para tua glória e bem dos irmãos, particularmente dos mais carenciados. Amen.

    Contemplatio

    Ecce venio. Eis-me aqui, Senhor, ofereço-me, dou-me convosco, em união com os sentimentos do vosso divino Coração. Recebei a minha alma e o meu corpo; a minha memória, a minha inteligência, a minha vontade; os meus olhos, as minhas orelhas, a minha língua e todos os meus sentidos. Dou-me a vós. Acolhei-me e não permitais que me retome. (Leão Dehon, OSP3, p. 120).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «O Filho do Homem veio para servir e dar a sua vida em resgate por todos» (Mc 10, 45).

    __________________

    Subsídio litúrgico a cargo de Fernando Fonseca, scj

    Visitação da Virgem Santa Maria

    Visitação da Virgem Santa Maria


    31 de Maio, 2023

    A Festa de Visitação começou a ser celebrada no século XIII, pelos Franciscanos. Bonifácio IX (1389-1384) introduziu-a no calendário universal da Igreja. Tradicionalmente celebrada a 2 de Julho, a festa foi antecipada pelo novo calendário para o dia 31 de Maio, ficando assim entre a Solenidade da Anunciação (25 de Março) e o Nascimento de João Batista (24 de Junho). Depois da Anunciação, Maria foi visitar a prima Isabel, partilhando com ela a alegria que experimentava perante as "maravilhas" n´Ela operadas pelo Senhor. Impele-a também a essa visita a sua caridade feita disponibilidade e discrição. Para Lucas, Maria é a verdadeira Arca da Aliança, a morada de Deus entre os homens. Isabel reconhece esse fato e reverencia-o. Toda a visitação de Maria é um acontecimento de Jesus.

    Lectio

    Primeira leitura: Sofonias 3, 14-18ª

    Rejubila, filha de Sião,solta gritos de alegria, povo de Israel! Alegra-te e exulta com todo o coração, filha de Jerusalém!15O Senhor revogou as sentenças contra ti, e afastou o teu inimigo. O Senhor, rei de Israel, está no meio de ti. Não temerás mais a desgraça. 16Naquele dia, dir-se-á a Jerusalém: «Não temas, Sião! Não se enfraqueçam as tuas mãos! 17O Senhor, teu Deus, está no meio de ti como poderoso salvador! Ele exulta de alegria por tua causa, pelo seu amor te renovará. Ele dança e grita de alegria por tua causa, 18como nos dias de festa.»

    O reinado de Josias (séc. VI a. C.) foi marcado por permanentes infidelidades de Israel a Deus. O povo, esquecendo a Aliança com Deus, fazia alianças humanas e deixava-se levar pelas modas, cedendo ao culto de deuses estrangeiros. Perante esta situação, Sofonias ergue a voz para proclamar "o dia terrível de Javé" em que o pecado dos povos, também de Judá, seria manifestado e julgado. Mas o profeta sabe que o juízo de Deus é sempre um convite à conversão. Assim, abre uma perspetiva de luz e de esperança. A "filha de Sião" deve alegrar-se com a perspetiva desse dia (cf. 16b), o dia messiânico, dia de misericórdia e de um amor novo entre Deus e o seu povo. A presença de Deus entre o seu povo será motivo de renovada esperança, porque Deus é "poderoso salvador" (v. 17).

    Evangelho: Lucas 1, 39-56

    Por aqueles dias, Maria pôs-se a caminho e dirigiu-se à pressa para a montanha, a uma cidade da Judeia. 40Entrou em casa de Zacarias e saudou Isabel. 41Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, o menino saltou-lhe de alegria no seio e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. 42Então, erguendo a voz, exclamou: «Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre.43E donde me é dado que venha ter comigo a mãe do meu Senhor? 44Pois, logo que chegou aos meus ouvidos a tua saudação, o menino saltou de alegria no meu seio. 45Feliz de ti que acreditaste, porque se vai cumprir tudo o que te foi dito da parte do Senhor.» 46Maria disse, então: «A minha alma glorifica o Senhor47e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador. Porque pôs os olhos na humildade da sua serva. De hoje em diante, me chamarão bem-aventurada todas as gerações. 49O Todo-poderoso fez em mim maravilhas. Santo é o seu nome.50A sua misericórdia se estende de geração em geração sobre aqueles que o temem.51Manifestou o poder do seu braço e dispersou os soberbos.52Derrubou os poderosos de seus tronos e exaltou os humildes. 53Aos famintos encheu de bens e aos ricos despediu de mãos vazias.54Acolheu a Israel, seu servo, lembrado da sua misericórdia,55como tinha prometido a nossos pais, a Abraão e à sua descendência, para sempre.» 56Maria ficou com Isabel cerca de três meses. Depois regressou a sua casa.

    Maria e Isabel acolhem em si a ação de Deus. Maria acolhe-a de modo ativo, dando o seu consenso. Isabel acolhe-a de modo passivo. Ambas experimentam a ação poderosa do Espírito Santo. Isabel tem no ventre o Precursor. Graças a essa presença, pode já indicar, na Mãe, o Filho e proclamar bendita Aquela que "acreditou" (v. 45). Maria responde ao cântico de Isabel com o Magnificat, que revela a ação poderosa de Deus nela, aquela ação que realiza as promessas feitas a Abraão e à sua descendência. O Magnificat é a primeira manifestação pública de Jesus, ainda escondido, mas atuante naqueles que, como Maria, o acolhem na fé e com amor.

    Meditatio

    Maria ensina-nos a acolher o Senhor. Acolhe-o com louvor: "A minha alma glorifica o Senhor!" Assim fizera David que acolheu a Arca de Deus com exultação e a colocou na sua cidade, Jerusalém, no meio do júbilo do seu povo.
    Como David e, sobretudo, como Maria, precisamos de acolher a Deus e dar-lhe o lugar a que tem direito na nossa vida. Somos pequenos e fracos, é certo. Mas Deus chama-nos a acolhê-lo, a recebê-lo em nossa casa com alegria e disponibilidade. Não podemos deixá-lo à porta. Não podemos recebê-lo continuando fechados nas nossas preocupações, nos nossos interesses mais ou menos egoístas. Não podemos receber a Deus como se recebe alguém que vem negociar connosco, ou como se recebe um fornecedor, um cobrador, ou um qualquer serviçal. Há que recebê-lo com a honra a que tem direito, com alegria, com cânticos de júbilo, com exultação. Maria acolheu o Senhor, não para ser servida, mas para servir. Acolheu-o cantando: "A minha alma glorifica o Senhor!". Maria e Isabel ensinam-nos também a acolher os outros. Para acolher alguém, precisamos de sair de nós mesmos. Maria saiu fisicamente de sua casa e deslocou-se à montanha da Judeia para visitar Isabel. Isabel, para acolher a Maria, saiu de si mesma e reconheceu, na jovem mulher que a visitava, a Mãe do seu Senhor. Maria acolhera a palavra do Anjo acerca da prima e foi visitá-la como a alguém abençoado pelo Senhor. Acolher uma pessoa é sempre acolher aquilo que Deus realiza nessa pessoa, acolher a sua vocação profunda.
    Peçamos a Maria que, como o Pe. Dehon, e no seu "seguimento", saibamos contribuir para instaurar o reino da justiça e da caridade cristã no mundo (cf. Souvenirs XI). Um sinal dos tempos muito apreciado, pelos crentes e pelos não crentes, é a solidariedade com os carenciados, sejam eles da nossa família ou vivam mais perto ou mais longe de nós. O mesmo se diga da ajuda aos povos em vias de desenvolvimento, muitas vezes atormentados pela fome, causada por guerras crónicas ou por catástrofes e calamidades naturais (Cf. A.A., n. 14).

    Oratio

    Senhor, hoje, quero rezar-te com o P. Dehon: "A minha alma glorifica o Senhor por todos os seus benefícios: pela sua vinda na Incarnação, pelos seus ensinamentos luminosos, pela efusão do seu sangue, pela instituição da Eucaristia, pelo dom do seu Coração, sobretudo, e pelas graças pessoais com que me cumula todos os dias." (OSP 3, p. 22s.)

    Contemplatio

    Maria entoa o cântico de ação de graças que ficará como expressão de ação de graças de todos os filhos de Deus. Como dizer o enlevo do seu Coração? Ela atribui tudo à glória de Deus, esquecendo-se de si mesma. É o sentido de todo o cântico. Foi Deus quem fez nela grandes coisas. É a obra da sua misericórdia. Veio no poder do seu braço para humilhar os soberbos e para levantar os pequenos. Veio despojar os que se agarravam aos bens da terra e enriquecer com os seus dons os que estavam em necessidade. - Veio cumprir as promessas feitas aos patriarcas. Em todo este mistério da Visitação transbordam a caridade do Coração de Jesus que derrama as suas graças sobre aqueles que visita, e o humilde reconhecimento do coração de Maria, que nos ensina a dizer a Deus toda a nossa gratidão atribuindo-lhe fielmente todo o bem que opera em nós, seus pobres servidores bem humildes e bem pequenos. O Magnificat servir-nos-á de cântico de ação de graças para agradecermos ao Sagrado Coração de Jesus as suas visitas e a sua permanência em nós pela Eucaristia e pela graça. (Leão Dehon, OSP 3, p. 22).

    Actio

    Repete muitas vezes e vive hoje a palavra:
    "A minha alma glorifica o Senhor" (Lc 1, 46).

    ----
    Visitação da Virgem Santa Maria (31 Maio)

  • Tempo Comum – Anos Ímpares – VIII Semana – Quinta-feira

    Tempo Comum – Anos Ímpares – VIII Semana – Quinta-feira

    1 de Junho, 2023

    Tempo Comum – Anos Ímpares – VIII Semana – Quinta-feira

    Lectio

    Primeira leitura: Ben Sirá 42, 15-26 (gr. 15-25)

    Relembrarei, agora, as obras do Senhor e anunciarei o que vi. Pelas palavras do Senhor foram realizadas as suas obras e segundo a sua vontade realizou-se o seu decreto. 16O Sol que brilha contempla todas as coisas; a obra do Senhor está cheia da sua glória. 17Os santos do Senhor não têm capacidade para contar todas as suas maravilhas, que o Senhor omnipotente solidamente estabeleceu, a fim de que subsistam na sua glória. 18Ele sonda o abismo e o coração humano, e penetra os seus pensamentos mais subtis. Realmente, o Senhor conhece toda a ciência e contempla os sinais dos tempos futuros. 19Anuncia o passado e o futuro e descobre os vestígios das coisas ocultas. 20Nenhum pensamento lhe escapa, não se esconde dele uma só palavra. 21Dispôs em ordem os grandes feitos da sua sabedoria. Ele que existe antes de todos os séculos e para sempre. Nada se lhe pode acrescentar nem diminuir, nem necessita do conselho de ninguém. 22Quão amáveis são todas as suas obras! E todavia não podemos ver delas mais que uma centelha. 23Estas obras vivem e subsistem para sempre e, em tudo o que é preciso, todas lhe obedecem. 24Todas as coisas vão aos pares, uma corresponde à outra, e Ele nada fez incompleto. 25Uma contribui para o bem da outra, e quem se saciará de contemplar a sua glória?

    O autor sagrado celebra a glória de Deus na natureza. O termo hebraico kabod, glória, remete-nos para algo de pesado, que se torna visível. A natureza manifesta a glória do Criador: «Os céus proclamam a glória de Deus», diz o Sl 19, 2.
    No Génesis, Deus cria o mundo pela sua palavra: Ele diz e tudo é feito. O nosso autor recolhe esta tradição bíblica e afirma: «Pelas palavras do Senhor foram realizadas as suas obras e segundo a sua vontade realizou-se o seu decreto» (v. 15). Depois de se referir ao sol, como o mais maravilhoso representante da criação, o autor sagrado contempla a sabedoria que tudo regula e celebra a omnisciência divina. Pressentimos o Sl 139: «Senhor, Tu examinaste-me e conheces-me, sabes quando me sento e quando me levanto; à distância conheces os meus pensamentos. Vês-me quando caminho e quando descanso; estás atento a todos os meus passos. Ainda a palavra me não chegou à boca, já Tu, Senhor, a conheces perfeitamente».
    Quanto ao homem, é bem pouco o que conhece da criação. Pensemos nos mistérios do microcosmos ou do macrocosmos, que tentamos perscrutar, mas de que ainda conhecemos tão pouco. Mas o que conhecemos já é mais do que suficiente para glorificar o Criador. O autor sublinha a estabilidade das coisas e louva a Deus por isso.

    Evangelho: Marcos 10, 46-52

    Naquele tempo, quando Jesus ia a sair de Jericó com os seus discípulos e uma grande multidão, um mendigo cego, Bartimeu, o filho de Timeu, estava sentado à beira do caminho. 47E ouvindo dizer que se tratava de Jesus de Nazaré, começou a gritar e a dizer: «Jesus, filho de David, tem misericórdia de mim!» 48Muitos repreendiam-no para o fazer calar, mas ele gritava cada vez mais: «Filho de David, tem misericórdia de mim!» 49Jesus parou e disse: «Chamai-o.» Chamaram o cego, dizendo-lhe: «Coragem, levanta-te que Ele chama-te.» 50E ele, atirando fora a capa, deu um salto e veio ter com Jesus. 51Jesus perguntou-lhe: «Que queres que te faça?» «Mestre, que eu veja!» – respondeu o cego. 52Jesus disse-lhe: «Vai, a tua fé te salvou!» E logo ele recuperou a vista e seguiu Jesus pelo caminho.

    Quando Jesus passa por Jericó, um mendigo cego, chamado Bartimeu, procura ir ao encontro dele, apesar da oposição de muitos que rodeiam o Senhor. Mas Jesus apercebe-se da situação, manda chamá-lo e dialoga com ele. O cego dirige-se ao Senhor com a mesma palavra que Maria usou na manhã da páscoa: «Rabbuni», «Meu mestre» (v. 51; cf. Jo 20, 16). Esta expressão traduz estima, afecto. Jesus restitui a vista ao cego e atribui a cura à sua fé. De facto, o cego, uma vez curado, põe-se a seguir Jesus.
    Ao contar este episódio, pouco depois do terceiro anúncio da paixão, o evangelista quer esclarecer o que se entende por fé e o que implica seguir Jesus. Tal como aquele pobre homem, o discípulo deve ser um alguém que reza com perseverança, que invoca Jesus nas dificuldades, recebe encorajamento, vai ao seu encontro, deixa-se interrogar por Ele, deixa que lhe abra os olhos e O segue pelo caminho. Temos aqui um bom documento sobre a pedagogia da fé.

    Meditatio

    A primeira leitura ensina-nos a ver mais além da beleza e da magnificência da Criação, para chegarmos ao mistério que ela esconde. Tudo o que existe é fruto da palavra de Deus e do seu amor providente que tudo mantém, regula e faz viver. A profissão da nossa fé começa pelo atributo de Deus Criador: «Creio em um só Deus, Pai todo-poderoso, criador do céu e da terra». O Criador é Pai; a Criação é, sobretudo, obra do seu amor.
    Como o cego Bartimeu, peçamos ao Senhor que nos abra os olhos para contemplarmos a beleza e a grandeza da criação e, por ela, chegarmos ao Criador, que é nosso Pai. A oração insistente do cego de Jericó fez-lhe recuperar a vista e, sobretudo, levou-o a descobrir a identidade profunda d´Aquele que o curou, levou-o à fé: «ele recuperou a vista e seguiu Jesus pelo caminho» (v. 52).
    Ver a luz é um enorme dom de Deus, que os homens sempre apreciaram. Nas antigas literaturas, ver era quase sinónimo de vida. O que mais assustava os antigos, quando pensavam na morte, era não poder ver a luz, era permanecer na região das trevas. Agradeçamos ao Senhor o dom da vista, que nos permite contemplar as suas obras. Mas peçamos também a luz da fé, para O louvarmos por elas: «Vai, a tua fé te salvou!» (v. 52).
    O melhor comentário a esta frase do evangelho é a palavra de Jesus: «Eu sou a luz do mundo. Quem me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida» (Jo 8, 12). O cego que segue Jesus encontrou a verdadeira luz, a luz da vida. É o que já dizia o Sábio, ao recordar que só o Altíssimo conhece a ciência. Nós vemos as coisas, mas, se não estivermos unidos ao Senhor, vemo-las de modo superficial: «o Senhor conhece toda a ciência e contempla os sinais dos tempos futuros. Anuncia o passado e o futuro e descobre os vestígios das coisas ocultas.Nenhum pensamento lhe escapa» (vv. 18-20).
    É na luz de Cristo que vemos a luz. Permaneçamos abertos à sua luz, para sermos pessoas iluminadas. Peçamos-Lhe que nos faça ver, cada vez mais, a sua luz, para louvarmos o Pai com todo o coração e atrairmos todos à sua luz.
    A Criação é reflexo do Criador, manifesta a sua glória. Isto acontece particularmente no homem criado «à imagem e semelhança» de Deus, e chamado a ser à imagem e semelhança de «Cristo, imagem do Deus invisível» (Cl 1, 15). Assim, a «glória de Deus que refulge no rosto de Cristo» (2 Cor 4, 6) refulge também no noss
    o rosto, irradia da nossa vida. Transformados à imagem de Cristo, devemos viver e comportar-nos como Ele, como filhos de Deus: «Resplandeça a vossa luz diante dos homens…, vejam as vossas boas obras e glorifiquem o vosso Pai que está nos céus» (Mt 5, 6).

    Oratio

    Senhor, faz-me ver a minha cegueira ou pelo menos, as cataratas que me impedem de ver com clareza as tuas obras e descobrir nelas o teu mistério. Faz-me admirar as obras do teu amor, para ser, cada vez mais, um poeta que canta a vida e admira o céu, espelho da tua beleza e do teu amor. As tuas obras são imensas. A todos dás alimento. Manda o teu Espírito para que renove a face da terra e transforme o meu coração à imagem do Coração do teu Filho, Jesus Cristo. E hei-de bendizer o teu nome, agora e para sempre. Amen.

    Contemplatio

    Deus é artista. O artista tem um ideal cuja recordação influencia todas as suas obras. A arte grega tinha alguns modelos escolhidos, obras-primas dos seus grandes mestres, que eram chamados tipos e cânones e que eram sempre imitados. Um músico tem um tema principal, sobre o qual executa variações. Deus tinha o seu ideal, o seu cânone, o seu tema principal, o Coração de Jesus, e para encontrar bela a sua criação, colocou por toda a parte o selo do Coração de Jesus. Mas na criação, depois do seu Cristo, objecto de todas as suas infinitas complacências, depois dos seus anjos, imagens espirituais do Verbo, Deus quis os corações humanos, fracas imitações do Coração de Jesus, que adquirem valor pela sua semelhança e a sua união a este divino Coração. Os corações humanos hão-de agradar a Deus se fizerem eco ao Coração de Jesus, se forem animados pela sua graça, pela sua vida sobrenatural, se forem como Ele inspirados, conduzidos, vivificados pelo Espírito Santo. Aqui está então o programa, o ideal da minha vida. Como é elevado, como é belo! «Deus viu que a sua obra era bela». (Leão Dehon, OSP 4, p. 514s.).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Creio em um só Deus, Pai todo-poderoso,
    criador do céu e da terra» (Símbolo Niceno-Constantinopolitano).

    __________________

    Subsídio litúrgico a cargo de Fernando Fonseca, scj

  • Tempo Comum – Anos Ímpares – VIII Semana – Sexta-feira

    Tempo Comum – Anos Ímpares – VIII Semana – Sexta-feira

    2 de Junho, 2023

    Tempo Comum – Anos Ímpares – VIII Semana – Sexta-feira

    Lectio

    Primeira leitura: Ben Sirá 44, 1.9-13

    Louvemos os homens ilustres, nossos antepassados, segundo as suas gerações 9Outros há, cuja memória já não existe; pereceram como se não tivessem existido, nasceram como se não tivessem nascido, e da mesma maneira, os seus filhos, depois deles. 10Porém, aqueles foram homens de misericórdia, cujas obras de piedade não foram esquecidas. 11Na sua descendência permanecem os seus bens, e a sua herança passa à sua posteridade. 12Os seus descendentes mantiveram-se fiéis à Aliança, os seus filhos também, graças a eles. 13A sua posteridade permanecerá para sempre, e a sua glória não terá fim.

    Depois de contemplar a glória de Deus na criação, Ben Sirá contempla-a na História. Essa contemplação acaba por fortalecer o sentido de pertença à própria família, ao próprio povo. As gerações são como as águas de um rio que, da nascente, avança para o mar. Mas é sempre a mesma família, é sempre o mesmo povo.
    O autor sagrado elogia os homens ilustres, aquelas pessoas que deram brilho ao seu povo, que contribuíram para apoiar a história de Israel, passando em revista as diversas gerações, desde as origens até ao século V a. C. Hoje escutamos a introdução a esse texto onde são apresentadas pessoas que marcaram a história pelas suas virtudes, ou pela sua piedade, como lemos no texto hebraico. Esta piedade consistia na fidelidade e no amor a Deus, mas também na misericórdia para com os pequenos e oprimidos, no precioso serviço da educação dos mais novos.
    O bem nunca se perde, mas deixa lançadas sementes que, mais cedo o mais tarde, acabam por germinar e dar fruto. Por isso, a memória dos antigos virtuosos é uma bênção.

    Evangelho: Marcos 10, 1-12

    Naquele tempo, Jesus, depois de ser aclamado pela multidão, chegou a Jerusalém e entrou no templo. Depois de ter examinado tudo em seu redor, como a hora já ia adiantada, saiu para Betânia com os Doze. 12Na manhã seguinte, ao deixarem Betânia, Jesus sentiu fome. 13Vendo ao longe uma figueira com folhas, foi ver se nela encontraria alguma coisa; mas, ao chegar junto dela, não encontrou senão folhas, pois não era tempo de figos. 14Disse então: «Nunca mais ninguém coma fruto de ti.» E os discípulos ouviram isto. Chegaram a Jerusalém; e, entrando no templo, Jesus começou a expulsar os que vendiam e compravam no templo; deitou por terra as mesas dos cambistas e os bancos dos vendedores de pombas, 16e não permitia que se transportasse qualquer objecto através do templo. 17E ensinava-os, dizendo: «Não está escrito: A minha casa será chamada casa de oração para todos os povos? Mas vós fizestes dela um covil de ladrões.» 18Os sacerdotes e os doutores da Lei ouviram isto e procuravam maneira de o matar, mas temiam-no, pois toda a multidão estava maravilhada com o seu ensinamento. 19Quando se fez tarde, saíram para fora da cidade. 20Ao passarem na manhã seguinte, viram a figueira seca até às raízes. 21Pedro, recordando-se, disse a Jesus: «Olha, Mestre, a figueira que amaldiçoaste secou!» 22Jesus disse-lhes: «Tende fé em Deus. 23Em verdade vos digo, se alguém disser a este monte: ‘Tira-te daí e lança-te ao mar’, e não vacilar em seu coração, mas acreditar que o que diz se vai realizar, assim acontecerá. 24Por isso, vos digo: tudo quanto pedirdes na oração crede que já o recebestes e haveis de obtê-lo. Quando vos levantais para orar, se tiverdes alguma coisa contra alguém, perdoai-lhe primeiro, 25para que o vosso Pai que está no céu vos perdoe também as vossas ofensas. 26Porque, se não perdoardes, também o vosso Pai que está no Céu não perdoará as vossas ofensas.»
    Depois de uma longa viagem, durante a qual anunciou o Reino e realizou prodígios, que manifestavam a sua presença, Jesus chega a Jerusalém. Entra no templo, examina a situação, e retira-se para Betânia, onde pernoita.
    No dia seguinte dá-se o episódio da maldição da figueira, um evento que tem dado aso a muitas discussões e hipóteses entre os exegetas. Não vamos entrar nelas. Mas, encorajados pela liturgia que nos faz ler hoje três episódios do ministério de Jesus em Jerusalém, – a madição da figueira (vv. 12-14), a expulsão dos profanadores do tempo (vv. 15-19), a exortação à fé (vv. 22-25), – vamos procurar descobrir a ligação que há entre eles. Jesus tem fome, procura figos na figueira e não os encontra. Marcos informa que «não era tempo de figos» (v. 14). Este evento inquadra-se no contexto da revelação que Jesus está a completar. O tempo da fé é salvífico, e não cronológico. Jesus revela que o Pai, n´Ele, tem fome e tem sede, não de alimento ou de bebida, mas de amor, de justiça, de rectidão; tem fome e sede de respeito pela sua morada, e não da profanação do templo santo, que somos cada um de nós. Para saciar esta fome e esta sede, todo o tempo e todo o lugar são bons. Israel perdera a sua fecundidade religiosa porque, explorando o povo simples no próprio templo de Deus, não amava a humanidade e não podia, por conseguinte, correr o risco da maravilhosa aventura da oração e da fé.

    Meditatio

    A primeira leitura oferece-nos a possibilidade de meditar sobre as virtudes e os exemplos dos antepassados. O Sábio canta as suas glórias e aponta-os como modelos. Hoje, mais do que nunca, num mundo onde tudo passa vertiginosamente, onde tudo é relativizado, precisamos urgentemente de referências. O importante é saber onde estão as referências correctas, aquelas que nos podem ajudar a crescer humana e espiritualmente. Homens valorosos são aqueles que são fiéis a Deus, como os Santos. Por isso, não só os invocamos nas nossas necessidades e aflições, mas também procuramos imitá-los no seu grande amor a Deus e ao próximo.
    Jesus, no evangelho de hoje, surpreende-nos. Estamos habituados a repetir as suas palavras: «aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração» (Mt 11, 29). Hoje, porém, o Senhor parece-nos violento. De facto, o amor de Jesus não é mole. É um amor forte, que em certas ocasiões se manifesta de modo verdadeiramente violento: «Jesus começou a expulsar os que vendiam e compravam no templo; deitou por terra as mesas dos cambistas e os bancos dos vendedores de pombas» (Mt 11, 12). O que o faz actuar é o seu amor pelo Pai e por nós. Quer purificar a casa do Pai que deve tornar-se «casa de oração para todos os povos», e não uma «covil de ladrões».
    O episódio da figueira que não tem frutos ilumina este amor. A propósito desta árvore que, amaldiçoada por Jesus, seca, – gesto simbólico que mostra a necessidade de produzir frutos abençoados por Deus – Jesus faz o seguint
    e comentário: «Tende fé em Deus. Em verdade vos digo, se alguém disser a este monte: ‘Tira-te daí e lança-te ao mar’, e não vacilar em seu coração, mas acreditar que o que diz se vai realizar, assim acontecerá» (v. 23). Jesus, que está sempre em íntima comunhão com o Pai, conhece a sua generosidade. Por isso, convida-nos a esta oração confiante. E não se esquece do amor fraterno. Por isso, acrescenta: «Quando vos levantais para orar, se tiverdes alguma coisa contra alguém, perdoai-lhe primeiro, para que o vosso Pai que está no céu vos perdoe também as vossas ofensas.» (vv. 24-25). O amor pelo Pai está intimamente unido ao amor pelos homens, os homens que Ele ama. Para estar unidos ao Pai, e crescer nessa união, é preciso abrir o coração aos outros, ainda que pecadores, ainda que nos tenham ofendido, como fez Jesus.
    Peçamos ao Senhor uma vida cheia de fé, uma vida assente no amor, mesmo por aqueles que são contra nós. É assim que imitamos o Pai que está no céu. É assim que seguimos os bons exemplos dos Santos, e deixamos atrás de nós um rasto luminoso de bem.
    O seguimento de Jesus, na fidelidade e no amor, garante uma vida cheia de frutos que permanecem.
    Oratio

    Senhor, são muitos os bons e os maus exemplos, que vejo à minha volta. Também eu dou alguns bons exemplos e, infelizmente, muitos maus exemplos. Ajuda-me a fixar-me nos bons exemplos dos teus Santos. Ajuda-me a eliminar os maus exemplos que eu próprio dou aos outros. Que eu saiba imitar tantos antepassados na fé, no amor por Ti e pelos outros. Que na minha vida, cheia de fé, o Espírito Santo produza os seus inúmeros frutos de santidade e de bem. E que esses frutos permaneçam para sempre. Amen.

    Contemplatio

    O exemplo de Maria e dos santos. – É o cântico de acção de graças de Maria que meditamos hoje. Este cântico marca as suas disposições habituais. É Maria mesma que a sua parente acaba de louvar e de cumprimentar. Isabel, sentindo a graça se espalhou nos lábios de Maria e advertida pelos estremecimentos de João Baptista, exclamou por um movimento do Espírito Santo: «sede bendita entre todas as mulheres, e de onde me vem esta felicidade que a Mãe do meu Deus me venha visitar?» Mas Maria não pensa senão no seu Deus. Canta o seu cântico de reconhecimento: «A minha alma glorifica o Senhor e o meu coração exulta de alegria em Deus meu Salvador». Toda abismada na sua humildade, ela remete para Deus todos os louvores que a ela lhe dão. Tratam-na por Mãe de Deus, ela não se considera nem quer ser considerada senão como sua serva. Protesta com acção de graças que foi Deus quem tudo fez nela; publica a santidade do nome de Deus, a extensão do seu poder e a grandeza das suas misericórdias. Assim o seu hino de acção de graças tornou-se a expressão ordinária do reconhecimento dos fiéis. Ela inspirava-se do espírito de Jesus. Ele mesmo quis que as efusões do seu reconhecimento para com o Pai fossem assinaladas no Evangelho, nomeadamente antes e depois da Ceia eucarística, a maravilha do amor do seu Pai para connosco. Os santos expandiam-se sem cessar em acções de graças. Temos disso a prova na Sagrada Escritura. Diz-se de Tobias que dava graças ao Senhor todos os dias da sua vida (Tobias 2, 14). David exclamava: «Que darei ao Senhor por todos os bens que dele recebi» (Sl 115). Ele mesmo se excitava ao reconhecimento: «Ó minha alma, bendiz o Senhor e não esqueças todos os seus benefícios» (Sl 102). E passava em revista os benefícios sem número de Deus: perdoa os nossos pecados, cura as nossas enfermidades, faz-nos uma coroa das suas misericórdias (Sl 102). Os salmos são muitas vezes hinos de acção de graças a Deus sem interrupção (2Tes 2, 14); e ainda: Dai graças a Deus em todas as coisas, esta é a vontade de Deus em Cristo (Tês 5). (Leão Dehon, OSP4, p. 543s.).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Escolhi-vos para que vades e deis muito fruto (Jo 15, 16).

    __________________

    Subsídio litúrgico a cargo de Fernando Fonseca, scj

  • SS. Carlos Lwanga e Companheiros, Mártires

    SS. Carlos Lwanga e Companheiros, Mártires


    3 de Junho, 2023

    Carlos Luanga e os seus vinte e um companheiros, ugandeses, foram martirizados entre 1885 e 1886, por ordem do rei Mwanga. Tendo abraçado a fé, graças à pregação dos Padres Brancos, opuseram-se ao rei, esclavagista e pederasta. Uns foram decapitados e outros queimados vivos. Foram canonizados por Paulo VI, em 1964.

    Lectio

    Primeira leitura: 2 Macabeus 7, 1-2.9-14

    Naqueles dias, foram presos sete irmãos com a mãe, aos quais o rei, por meio de golpes de azorrague e de nervos de boi, quis obrigar a comer carnes de porco, proibidas pela lei. 2Um deles, tomou a palavra e falou assim: «Que pretendes perguntar e saber de nós? Estamos prontos a antes morrer do que violar as leis dos nossos pais.» 3O rei, irritado, ordenou que aquecessem ao fogo sertãs e caldeirões. 4Logo que ficaram em brasa, ordenou que cortassem a língua ao que primeiro falara, lhe arrancassem a pele da cabeça e lhe cortassem também as extremidades das mãos e dos pés, na presença dos irmãos e da mãe. 5Mutilado de todos os seus membros, o rei mandou aproximá-lo do fogo e, vivo ainda, assá-lo na sertã. Enquanto o cheiro da panela se espalhava ao longe, os outros, com a mãe, animavam-se a morrer corajosamente, dizendo: 6«Deus, o Senhor, nos vê e, na verdade, Ele terá compaixão de nós, como diz claramente Moisés no seu cântico de admoestação: Ele terá piedade dos seus servidores.» 7Morto, deste modo, o primeiro, conduziram o segundo ao suplício. Arrancaram-lhe a pele da cabeça com os cabelos e perguntaram-lhe: «Comes carne de porco, ou preferes que o teu corpo seja torturado, membro por membro?» 9Prestes a dar o último suspiro, disse: «Ó malvado, tu arrebatas-nos a vida presente, mas o rei do universo há-de ressuscitar-nos para a vida eterna, se morrermos fiéis às suas leis.» 10Depois deste, torturaram o terceiro, o qual, mal lhe pediram a língua, deitou-a logo de fora e estendeu as mãos corajosamente. 11E disse, cheio de confiança: «Do Céu recebi estes membros, mas agora menosprezo-os por amor das leis de Deus, mas espero recebê-los dele, de novo, um dia.» 12O próprio rei e os que o rodeavam ficaram admirados com o heroísmo deste jovem, que nenhum caso fazia dos sofrimentos.13Morto também este, aplicaram os mesmos suplícios ao quarto, 14o qual, prestes a expirar, disse: «É uma felicidade perecer à mão dos homens, com a esperança de que Deus nos ressuscitará; mas a tua ressurreição não será para a vida.»

    Perante a perseguição de Antíoco IV, que pretendia impor a cultura e a religião gregas em todo o reino, também em Jerusalém, o autor do 2 Macabeus apresenta o testemunho heroico dos seus irmãos perseguidos. Os Macabeus lutam para evitar a normalização política e religiosa, que vai contra a identidade e a liberdade do povo de Deus. Hoje escutamos a impressionante narrativa do martírio dos sete irmãos e da sua mãe. Os Mártires de Uganda, em nome da fé cristã, e dos seus princípios morais, resistiram ao tirano Mwanga, pagando o seu atrevimento com a própria vida.

    Evangelho: Mateus 5, 1-12ª

    Naquele tempo, ao ver a multidão, Jesus subiu a um monte. Depois de se ter sentado, os discípulos aproximaram-se dele. 2Então tomou a palavra e começou a ensiná-los, dizendo:3«Felizes os pobres em espírito, porque deles é o Reino do Céu. 4Felizes os que choram, porque serão consolados. 5Felizes os mansos, porque possuirão a terra.  6Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. 7Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. 8Felizes os puros de coração, porque verão a Deus. 9Felizes os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus.  10Felizes os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o Reino do Céu. 11Felizes sereis, quando vos insultarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o género de calúnias contra vós, por minha causa.12Exultai e alegrai-vos, porque grande será a vossa recompensa no Céu.

    Mateus apresenta a Jesus como o novo Moisés, que promulga a nova lei. O reino de Deus está presente e atuante no mundo. A situação do homem, tornado filho de Deus, é nova. Há que viver de acordo com ela, há que construir uma sociedade nova. Há que viver "segundo o espírito" e não "segundo a carne" (cf. Gl 5, 10ss.). O novo estilo de vida, pessoal e coletivo, - ser construtores de paz, misericordiosos, amigos da justiça, puros de coração, pobres em espírito, vai contra os princípios e hábitos do mundo. Por isso, há que contar com o sofrimento e a perseguição, tal como aconteceu com Cristo. Mas Cristo diz-lhes: "Exultai e alegrai-vos, porque grande será a vossa recompensa no Céu. (v. 12).

    Meditatio

    Ao canonizar os mártires, que hoje celebramos, Paulo VI pronunciou estas palavras: "Estes Mártires Africanos acrescentam ao álbum dos vencedores, chamado Martirológio, uma página ao mesmo trágica e grandiosa, verdadeiramente digna de figurar ao lado das célebres narrações da África antiga, as quais, neste tempo em que vivemos, julgávamos, por causa da nossa pouca fé, que nunca mais viriam a ter semelhante continuação... Estes Mártires Africanos dão, sem dúvida, início a uma nova era... Com efeito, a África, orvalhada com o sangue destes mártires, que são os primeiros desta nova era, (e queira Deus que sejam os últimos - tão grande e precioso é o seu holocausto), a África renasce livre e resgatada".
    Nos Mártires de Uganda realizou-se a palavra de Jesus: "Se o grão de trigo, lançado à terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, dá muito fruto." (Jo 12, 24). As novas comunidades cristã, no coração da África, nascem marcadas pelo seu martírio. O seu sangue é semente de novas comunidades, que floresceram e continuarão a florescer em África, comunidades jovens, dinâmicas e evangelizadoras.
    Os Mártires de Uganda são para nós um ícone vivo. São um desafio a construir, com clareza de identidade, a sociedade contemporânea e, como escreveu João Paulo II, a "não deixar faltar a este mundo o clarão da divina beleza que ilumine o caminho da existência humana".
    Como batizados, participamos no sacerdócio de Cristo, mas, com Ele e como Ele, somos também "vítimas" do seu e nosso sacerdócio: "Saiamos, então, ao seu encontro fora do acampamento, suportando a sua humilhação... ofereçamos continuamente a Deus um sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome." (Heb 13, 13.15). Os Mártires participam na oblação que Jesus Cristo faz de Si mesmo, para glória e alegria de Deus, e para redenção da humanidade. Com efeito, comenta Cipriani, "O sacrifício de Cristo não pode permanecer isolado, não partilhável; o Seu martírio é um apelo ao nosso martírio". S. Paulo, ao escrever aos Romanos, diz-lhes: "Exorto-vos, irmãos, pela misericórdia de Deus, a que ofereçais os vossos corpos (isto é, vós mesmos) como sacrifício, vivo, santo e agradável a Deus; é este o vosso culto espiritual" (Rom 12, 1).

    Oratio

    Senhor nosso Deus, que fazeis do sangue dos mártires semente de cristãos, concedei que a seara da vossa Igreja, regada com o sangue de São Carlos Lwanga e seus companheiros, produza sempre abundante colheita para o vosso reino. Ámen. (Coleta da Missa).

    Contemplatio

    As ladainhas cantam a glória do nome de Jesus, o seu valor, a sua fecundidade... É um nome glorioso pelas suas origens celestes: Jesus, filho do Deus vivo; Jesus, esplendor do Pai; Jesus pureza da luz eterna; Jesus, rei de glória; Jesus, sol de justiça, tende piedade de nós. É um nome glorioso sobre a terra, pela sua beleza sobrenatural e pela sua grande missão: Jesus, filho da Virgem Maria; Jesus amável; Jesus admirável; Jesus, Deus forte; Jesus, Pai do século que há-de vir; Jesus, anjo do grande conselho; Jesus muito poderoso tende piedade de nós. É um nome glorioso pelas suas virtudes: Jesus, muito paciente; Jesus muito obediente; Jesus manso e humilde de coração; Jesus que amais a castidade; Jesus, que nos amastes; Jesus, Deus de paz; Jesus, autor da vida; Jesus, modelo de toda a virtude; Jesus zelador das almas, tende piedade de nós. É um nome glorioso pelos seus títulos mais amáveis: Jesus, nosso Deus; Jesus, nosso refúgio; Jesus, pai dos pobres; Jesus, tesouro dos fiéis; Jesus, bom Pastor; Jesus, verdadeira luz; Jesus, sabedoria eterna; Jesus, bondade infinita; Jesus, nosso caminho e nossa vida; tende piedade de nós. É um nome glorioso pela sua preeminência sobre todas as glórias: Jesus, alegria dos anjos; Jesus, rei dos patriarcas; Jesus, senhor dos apóstolos; Jesus, doutor dos evangelistas; Jesus, mártir e força dos mártires; Jesus, confessor e luz dos confessores; Jesus, virgem e pureza das virgens; Jesus, santo e coroa de todos os santos, tende piedade de nós. Verdadeiramente este nome está acima de todos os nomes. (Leão Dehon, OSP 3, p.59s.).

    Actio

    Repete muitas vezes e vive hoje a palavra:
    "Felizes sereis quando vos perseguirem por minha causa." (cf. Mt 5, 12).
    ----

    SS. Carlos Lwanga e Companheiros, Mártires (03 Junho)

    Tempo Comum – Anos Ímpares – VIII Semana – Sábado

    Tempo Comum – Anos Ímpares – VIII Semana – Sábado

    3 de Junho, 2023

    Tempo Comum – Anos Ímpares – VIII Semana – Sábado

    Lectio

    Primeira leitura: Ben Sirá 51, 17-27 (gr. 12-20)

    Eu te glorificarei, cantarei os teus louvores, e bendirei o nome do Senhor. 13Quando eu era ainda jovem, antes de ter viajado, busquei abertamente a sabedoria na oração. 14Pedi-a a Deus, diante do santuário, e buscá-la-ei até ao fim. 15Na sua flor, como uva sazonada, o meu coração nela se alegrou; os meus pés andaram por caminho recto; desde a minha juventude tenho seguido os seus rastos. 16Apliquei um pouco o meu ouvido, e logo a percebi; encontrei em mim mesmo muita sabedoria. 17Nela fiz grandes progressos. Tributarei glória àquele que me deu a sabedoria, 18porque resolvi pô-la em prática; tive zelo do bem e não serei confundido. 19Lutou minha alma por ela e pus toda a atenção em observar a Lei. Levantei as minhas mãos ao alto e deplorei a minha ignorância acerca dela. 20Dirigi para ela a minha alma, e na pureza a encontrei. Graças a ela, adquiri inteligência desde o princípio; por isso nunca serei abandonado.

    Ben Sirá conclui o seu livro com uma oração, que ocupa o capítulo 50, a partir do versículo 29, e se prolonga pelo capítulo 51, até ao versículo 12. É uma digna conclusão para a sua obra sobre a Sabedoria. As últimas palavras da oração são um propósito em ordem ao futuro: «Eu te glorificarei, cantarei os teus louvores, e bendirei o nome do Senho» (v. 12). Logo depois, ao fazer memória da sua caminhada na busca da Sabedoria, o autor tira outra conclusão: «Graças a ela (à Sabedoria), adquiri inteligência desde o princípio; por isso nunca serei abandonado» (v. 20).
    Ben Sirá, na alusão às suas viagens, reconhece que houve tempo, provavelmente na juventude, em que andou desorientado. Mas teve tempo para encontrar a sabedoria, na oração: «Pedi-a a Deus, diante do santuário» (v. 14). Não basta a inteligência e o esforço humano para encontrar a sabedoria, porque ela é, sobretudo, um dom de Deus, uma participação na Sua própria Sabedoria. É por isso que a Sabedoria faz caminhar, faz crescer: «Nela fiz grandes progressos» (v. 17). Sendo a Sabedoria um dom divino, o homem sente necessidade de agradecê-la a Deus: «Tributarei glória àquele que me deu a sabedoria, 18porque resolvi pô-la em prática» (vv. 17b-18ª).
    Um dom tão precioso como a Sabedoria não se pode desperdiçar. Por isso, Ben Sirá procura transmiti-la às gerações futuras. Hoje, somos nós que recebemos esse dom, sendo chamados a desposar-nos com a Sabedoria, que nos prepara para a vinda de Cristo, «Sabedoria de Deus».

    Evangelho: Marcos 11, 27-33

    Naquele tempo, Jesus e os discípulos regressaram a Jerusalém e, andando Jesus pelo templo, os sumos sacerdotes, os doutores da Lei e os anciãos aproximaram-se dele 28e perguntaram-lhe: «Com que autoridade fazes estas coisas? Quem te deu autoridade para as fazeres?» 29Jesus respondeu: «Também Eu vos farei uma pergunta; respondei-me e dir-vos-ei, então, com que autoridade faço estas coisas: 30O baptismo de João era do Céu, ou dos homens? Respondei-me.» 31Começaram a discorrer entre si, dizendo: «Se dissermos ‘do Céu’, dirá: ‘Então porque não acreditastes nele?’ 32Se, porém, dissermos ‘dos homens’, tememos a multidão.» Porque todos consideravam João um verdadeiro profeta. 33Por fim, responderam a Jesus: «Não sabemos.»E Jesus disse-lhes: «Nem Eu vos digo com que autoridade faço estas coisas.»

    A atitude «subversiva» de Jesus no templo inquietou os chefes, que resolveram interrogá-lo. Dir-se-ia que se trata de um inquérito à margem do processo oficial. A resposta positiva de Jesus, à pergunta que lhe faziam, equivalia a declarar-se Messias, pois só Messias tem autoridade para tomar tais atitudes. E nada mais seria preciso para um processo oficial contra Ele. Com grande habilidade, Jesus responde com outra pergunta, que lança a confusão entre os seus adversários. Como não tiveram coragem para responder, e se escudaram num lacónico «não sabemos», Jesus despediu-os com uma expressão seca: «Nem Eu vos digo com que autoridade faço estas coisas» (v. 33).
    Talvez nos espante esta atitude de Jesus, tão atencioso e compassivo com Bartimeu. Mas o Senhor detesta a arrogância e a má vontade. É puro, mas não ingénuo. Além disso, a sua dureza podia levar os adversários a rever posições ou, pelo menos, a reconhecer que não procuravam a verdade, mas só desembaraçar-se dele.
    Jesus dá-nos exemplo de «ética profética». A sua autoridade está na linha da de João Baptista. Se os adversários de Jesus reconhecessem a autoridade de João, a sua resistência a Jesus seria menos grave. Mas não o fizeram. Acabaram por recusar Jesus, mas também por atraiçoar o Baptista, ignorando a confiança que o povo tinha nele, pois o considerava um verdadeiro profeta.

    Meditatio

    A história da Salvação avança enriquecendo-se progressivamente, até desembocar no Novo Testamento. O Antigo Testamento alude, esboça e anuncia o Novo Testamento, que completa, realiza e leva a pleno cumprimento quanto foi aludido, esboçado, anunciado. A Sabedoria, por exemplo, começa por ser um facto da experiência e do bom senso humano. Mas, progressivamente, assume tons do Divino. Nos fins do Antigo Testamento, é mesmo um atributo divino, propriedade que emana de Deus e investe proveitosamente o mundo. O Sábio percebeu esse progressivo movimento de enriquecimento, e começa a dar-se conta e a comunicar que não se pode viver sem a Sabedoria, que, ao fim e ao cabo, é um dom de Deus. Sem ela, não temos contacto com o divino, e a vida perde sabor. Mas, com ela, tudo tem sentido.
    O evangelho apresenta-nos os chefes do povo de Jerusalém que, indispostos, vão interrogar Jesus sobre os milagres que faz. O Senhor contra-ataca, fazendo perguntas que os deixam embaraçados, porque lhes fazem ver que não só não aceitaram o baptismo de João, não procuraram Jesus com pureza de coração, e nem sequer a verdade, mas unicamente os seus interesses mesquinhos. Por isso, acabam por responder: «Não sabemos». Não encontraram a Sabedoria. Pelo contrário, Maria, que sempre gostamos de recordar, particularmente em dia de sábado, é, para nós, modelo da busca da Sabedoria, porque procura a vontade de Deus com simplicidade e pureza de coração. Também ela fez uma pergunta ao anjo, na Anunciação: «Como será isso, se eu não conheço homem?» (Lc 1, 34). A pergunta de Maria não é má. A Virgem apenas pede um esclarecimento. Ouve respostas que não esclarecem tudo, mas lhe dizem que Deus tem um projecto onde Ela entra. E Maria aceita confiadamente participar nele. É o mesmo abandono e disponibilidade que Deus nos pede.
    Muitas vezes, os nossos pedidos a Deus, na oração, não obtêm logo resposta. Essa chega-nos na vida, nos acontecimentos
    . É por isso que Maria observava o que se passa à sua com Jesus, guardando e meditando tudo no seu coração. Com humildade, paciência e constância, Maria procurava a sabedoria sobre o projecto de Deus, que se revelava pouco a pouco, e ao qual aderia de todo o coração. Assim há-de ser também a nossa atitude.

    Oratio

    Senhor Jesus, pelas mãos de Maria, tua e minha Mãe, ofereço-Te a minha inteligência para os teus pensamentos; ofereço-Te a minha vontade, para os teus desejos; ofereço- Te os meus sentidos para as tuas obras; ofereço-Te o meu coração, para o teu amor. Faz que, vivendo de Ti, trabalhando por Ti, eu me transforme em Ti. Mãe de Jesus, faz de mim outro Jesus. Amen.

    Contemplatio

    As qualidades e as condições do reconhecimento. – O nosso reconhecimento (para com Deus) deve ser sobretudo afectuoso, cheio de ternura e de amor. Poderíamos nós amar demasiado aquele que nos ama com um amor tão paternal e que nos cumula com tantos benefícios? O nosso reconhecimento deve ser contínuo. Deve manifestar-se desde o nosso despertar, ao primeiro som dos sinos, que recordam a mensagem do anjo Gabriel a Maria; depois de um empreendimento coroado de sucesso, depois das /545 refeições, ao tomarmos conhecimento de uma notícia feliz e agradável, mesmo no meio da tribulação e das adversidades, a cruz é tão preciosa para nos purificar e nos merecer graças! Façamos de modo a que a nossa vida seja uma acção de graças contínua. Tenho praticado esta virtude até ao presente? O meu espírito tem pensado nisso tão frequentemente como devia? O meu coração está dela penetrado? A minha boca fala dela muitas vezes? Oferece ao meu Deus os sacrifícios de louvor que Ele espera de mim? Sinto retinir as lamentações tão tocantes expressas por Nosso Senhor à Bem-aventurada Margarida Maria: «Não recebo da maior parte senão ingratidões, pelos desprezos, pelas irreverências, pelos sacrilégios e pelas friezas que têm para comigo no sacramento do meu amor… A ingratidão dos homens é-me mais sensível que tudo o que sofri na minha Paixão». (Leão Dehon, OSP4, p. 544s.).

    Actio

    Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
    «Eu te glorificarei, cantarei os teus louvores, e bendirei o nome do Senhor» (Sir 51, 12).

    __________________

    Subsídio litúrgico a cargo de Fernando Fonseca, scj

plugins premium WordPress