Print Friendly, PDF & Email

Tempo Comum – Anos Pares
III Semana – Terça-feira
Lectio

Primeira leitura: 2 Samuel 6, 12b-15.17-19

12Disseram ao rei que o Senhor abençoara a casa de Obededom e todos os seus bens por causa da Arca de Deus. Foi, pois, David e transportou-a da casa de Obededom para a Cidade de David, com grande regozijo. 13E a cada seis passos que davam os que transportavam a Arca do Senhor, sacrificavam um boi e um carneiro. 14David, cingindo a insígnia votiva de linho, dançava com todas as suas forças diante do Senhor. 15O rei e todos os israelitas conduziram a Arca do Senhor, soltando gritos de alegria e tocando trombetas. 17Introduziram a Arca do Senhor e colocaram-na no seu lugar, no centro do tabernáculo que David construíra para ela; e David ofereceu holocaustos e sacrifícios de comunhão diante do Senhor. 18Quando David acabou de oferecer holocaustos e sacrifícios de comunhão, abençoou o povo em nome do Senhor do universo 19e distribuiu alimentos a toda a multidão dos israelitas, homens e mulheres, dando a cada pessoa, um bolo, um pedaço de carne assada e uma filhó. Depois, toda a multidão se retirou, indo cada um para a sua casa.

Os centros de culto tradicionais eram Siquém, Betel, Guilgal, Mambré, Bersabé, entre outros. Jerusalém fora pagã até ontem. Daí o interesse de David em rodeá-la com uma aura religiosa. Nada melhor que torná-la sede da Arca da Aliança.
A Arca da Aliança continha as tábuas da Lei dadas por Deus a Moisés, no Sinai. Era símbolo da presença de Javé no meio do seu povo. Por isso, o tinha acompanhado nas peregrinações pelo deserto, até à conquista da Terra, e durante a guerra com os filisteus. O transporte da Arca para Jerusalém é ocasião de festa para o povo e para o rei: David manifesta abertamente a sua alegria dançando, cingido com o efod, a veste sagrada dos sacerdotes. Como ainda não há o templo, a Arca é colocada numa tenda, sinal da mobilidade do povo e do próprio Deus, que recorda aos Israelitas que não podem apoderar-se da presença de Deus, fazendo-o como que prisioneiro. Os holocaustos, os sacrifícios de comunhão e a refeição sagrada – o pão, a carne, as uvas – distribuídos por David a todos selam a cerimónia. A Arca instrumento de batalha durante a guerra contra os filisteus, torna-se sinal de paz e de prosperidade.
A partir de David, Jerusalém torna-se uma referência fundamental para o judaísmo e, mais tarde também para o cristianismo e para o islamismo.

Evangelho: Mc 3, 31-35

31Nisto chegam sua mãe e seus irmãos que, ficando do lado de fora, o mandam chamar. 32A multidão estava sentada em volta dele, quando lhe disseram: «Estão lá fora a tua mãe e os teus irmãos que te procuram.» 33Ele respondeu: «Quem são minha mãe e meus irmãos?» 34E, percorrendo com o olhar os que estavam sentados à volta dele, disse: «Aí estão minha mãe e meus irmãos. 35Aquele que fizer a vontade de Deus, esse é que é meu irmão, minha irmã e minha mãe.»

Depois do julgamento do «tribunal» de Jerusalém, vem o julgamento dos «seus», conterrâneos e parentes, que dizem que Ele está louco. Alguns autores vêem neste texto ecos de uma desconfiança que existia em relação à comunidade judeo-cristã de Jerusalém, cujo bispo era Tiago, «irmão» do Senhor, pertencente ao grupo de Nazaré, cuja hostilidade para com o Senhor é sublinhada por Marcos (cf. 6, 3). Os parentes do Senhor lideravam a igreja de Jerusalém e também há quem veja no texto de Marcos resíduos de uma polémica contra o perigo do nepotismo na Igreja.
Como quer que seja, não podemos ver neste texto qualquer atitude de menosprezo pela Mãe, nem pelos afectos humanos. Marcos não trata desses temas, mas aproveita o ensejo para criar uma situação paradoxal que dá maior realce aos vv. 34s., que são o cume do episódio.
Todos quantos rodeiam Jesus, ainda que simples curiosos, discípulos hesitantes ou apóstolos tardos em compreender, ou mesmo traidores, são mãe e irmãos. Ser irmão de Jesus, não é questão de sangue, de mérito, mas de graça: «Aquele que fizer a vontade de Deus, esse é que é meu irmão, minha irmã e minha mãe», por que se torna «filho de Deus».

Meditatio

A Arca da Aliança, recebida em casa de Obedon, um estrangeiro, torna-se fonte de bênçãos para ele. Por isso, David decide levá-la para Jerusalém, recentemente conquistada aos jebuseus. Transporta-a com manifestações de grande alegria e oferecendo vários sacrifícios a Deus. Colocada na tenda, oferece holocaustos e sacrifícios de comunhão. E todo o povo participa na festa, comendo bolos, carne e filhós.
Somos inclinados a ver o sacrifício como privação, como algo que nos faz sofrer. Na primeira leitura, o sacrifício aparece-nos como alegria, festa, exultação. David, enquanto transporta a Arca, e já em Jerusalém, oferece sacrifícios com grande alegria para ele e para todo o povo. O verdadeiro sacrifício não é privação, mas um acto positivo, uma oferta a Deus. E quando oferecemos algo a uma pessoa a quem queremos bem, a eventual privação é secundária para nós. O mais importante é a satisfação de oferecer. O sacrifício é uma oferta a Deus. Como pode ser algo de triste?
Se pensarmos melhor, todo o sacrifício oferecido a Deus, é um dom do próprio Deus para nós. Ao fim e ao cabo, é Ele que nos torna capazes de oferecer sacrifícios. O autor da Carta aos Hebreus diz-nos que Jesus «por um Espírito eterno ofereceu a Si mesmo sem mancha, a Deus” (Heb 9, 14). Só o Espírito Santo é capaz de nos animar para o sacrifício e de tornar sagradas (sacrum facere) as nossas oferendas. Os sofrimentos são realidades negativas. Só quando Deus as transforma pela sua graça é que se tornam gestos de generosidade e de amor. Além disso, o sacrifício, oferta a Deus, não inclui necessariamente o sofrimento. Todas as nossas alegrias podem e devem tornar-se ofertas a Deus para serem alegrias santas e não apenas humanas. As nossas alegrias, as nossas satisfações, as coisas boas da vida, o bem que recebemos, podem e devem tornar-se oblação santa e agradável a Deus.
O acolhimento da Arca em casa de Obedon, um estrangeiro, trouxe-lhe as bênçãos de Deus. O acolhimento do Evangelho cria uma familiaridade com Jesus superior à dos simples laços de sangue. A simplicidade com que David sabe reconhecer sem ciúmes os sinais da graça do Senhor na casa de Obedon, e a clareza com que Jesus define quem são os seus familiares, devem tornar-nos atentos ao essencial, e disponíveis a entregar-nos sem preconceitos ao louvor de Deus e ao acolhimento e cumprimento da sua vontade. David dança pelo caminho como um homem qualquer; quem quer que escute a Palavra de Jesus e a ponha em prática, torna-se «irmã, ir
mão e mãe» d´Ele.
As nossas Constituições indicam-nos “como o único necessário, uma vida de união à oblação de Cristo” (n. 26). A matéria desta oblação somos nós mesmos. Por carisma, dom do Espírito Santo, oferecemo-nos a Deus em castidade, pobreza e obediência, vivendo em comunidade, ao serviço da missão da Igreja, solidários com os pequenos e pobres. A Eucaristia é modelo e forma da nossa oblação: “neste sacrifício da Nova Aliança, unimo-nos à oblação perfeita que Cristo oferece ao Pai, para fazê-la nossa, pelo sacrifício espiritual das nossas vidas» (Cst 81). Um sacrifício espiritual, isto é, animado pelo Espírito, só pode ser feito na alegria.

Oratio

Senhor, dá-me um coração capaz de acolher os sinais da tua presença, capaz de acolher e cumprir a tua vontade. Que a tua Palavra, acolhida na alegria, ocupe sempre um lugar de honra no meu coração. Então serei capaz de reconhecer como irmãs e irmãos todos quantos cumprem a vontade do Pai, sem me abandonar a preconceitos de qualquer espécie. Então serei capaz de me oferecer e oferecer com alegria tudo quanto vivo, realizo e sofro, fazendo da minha vida e da minha morte uma oblação santa e agradável a Deus. Amen.

Contemplatio

Deus enviou o seu filho à terra, para que seja o seu sacerdote, para que o glorifique no seu coração sacerdotal.
Nosso Senhor foi sacerdote desde a sua incarnação.
Recebeu com a união hipostática a unção sacerdotal. O seu coração foi desde então um coração de sacerdote. Ofereceu-se imediatamente em holocausto e pronunciou o seu Ecce venio. Mas foi no Templo que teve lugar o primeiro acto exterior da sua oblação. É feita pelos seus pais e pelo sacerdote, mas o seu Coração sacerdotal ratifica-a.
Oferece-se ao seu Pai, dá-se. Aniquilou-se pela incarnação, humilhar-se-á por uma vida toda de obediência, de trabalho e de pobreza; consumará o seu sacrifício pela sua paixão e pela sua morte.
O sacerdote apresenta-o a Deus e coloca-o sobre o altar. Jesus repete no seu coração o Ecce venio da sua incarnação: Eis-me aqui, diz de novo ao seu Pai, eis-me aqui para fazer a vossa vontade, eis-me aqui para suprir às hóstias e aos holocaustos que já não quereis. – Tem em vista todos os fins do sacrifício. A oblação do seu coração é um acto de religião infinito. É simultaneamente um acto de adoração, de acção de graças, de reparação e de oração.
Mas a nossa fraca inteligência não se dá conta da perfeição desta oblação senão supondo actos distintos e sucessivos.
Nós vemos primeiro no Coração sacerdotal de Jesus um acto de adoração e para exprimir esta adoração aniquilamentos infinitos.
Nosso Senhor confessa a absoluta dependência na qual se encontra diante da infinita Majestade do seu Pai. Proclama que lhe deve tudo e, /124 para lhe fazer um sacrifício de tudo o que é, abaixa-se até ao nada, como diz S. Paulo, porque é exactamente nada esta natureza humana tomada na sua pobreza, na sua infinita pequenez, com a carga de todos os pecados dos homens e a espera da morte.
Mas mais o Verbo de Deus se abaixa, mais nós devemos exaltá-lo com os nossos louvores (Leão Dehon, OSP 3, p. 123s.).

Actio

Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
«Aquele que fizer a vontade de Deus, esse é que é meu irmão, minha irmã e minha mãe» (Mc 3, 35).
 

| Fernando Fonseca, scj |