Print Friendly, PDF & Email

Tempo Comum – Anos Pares
XXXIV Semana – Segunda-feira
Lectio

Primeira leitura: Apocalipse 14, 1-3. 4b-5

1Eu, João, vi o Cordeiro de pé no Monte Sião e, com Ele, estavam cento e quarenta e quatro mil pessoas que tinham o seu nome e o nome de seu Pai escrito nas frontes. 2Ouvi também uma voz que vinha do céu que era como o fragor do mar ou como estrondo de forte trovão. A voz que eu ouvira era ainda semelhante à música de harpas tocadas por harpistas. 3E cantavam um cântico novo diante do trono, diante dos quatro seres viventes e diante dos anciãos.Ninguém podia aprender aquele cântico a não ser os cento e quarenta e quatro mil que tinham sido resgatados da terra. Foram resgatados, como primícias da humanidade, para Deus e para o Cordeiro. 5Na sua boca não se achou mentira: são irrepreensíveis.

João apresenta-nos os redimidos, o povo eleito que, reunido em assembleia, aclama a Deus e ao Cordeiro imolado. A mensagem joânica é eclesial, e mesmo universal, como se vê pelo número simbólico dos eleitos: 144 mil assinalados. Este número resulta da multiplicação de 12 por 12 por 1.000. Cento e quarenta e quatro mil é o produto de três números, cada um dos quais significa perfeição. Trata-se, pois, de um número aberto que será perfeito quando todos os chamados também forem eleitos.
«O monte Sião» (v. 1) também é um símbolo. Sobre ele se hão-de encontrar todos os que tiverem na fronte o nome do Cordeiro e do seu Pai (v. 1). Ter o nome indica uma relação especial com a pessoa: neste caso, indica que o povo dos eleitos tem uma relação especial com Deus e com Jesus. É pela fé que se entra a fazer parte desse povo, que é a comunidade daqueles que invocam o Nome e reconhecem nele a fonte da salvação. É um povo que acredita e por isso canta: «um cântico novo diante do trono… Ninguém podia aprender aquele cântico a não ser os cento e quarenta e quatro mil que tinham sido resgatados da terra» (vv. 3-4). É o cântico do Aleluia pascal que se transforma em Aleluia eterno.

Evangelho: Lucas 21, 1-4

Naquele tempo, 1Levantando os olhos, Jesus viu os ricos deitarem no cofre do tesouro as suas ofertas. 2Viu também uma viúva pobre deitar lá duas moedinhas 3e disse:«Em verdade vos digo que esta viúva pobre deitou mais do que todos os outros; 4pois eles deitaram no tesouro do que lhes sobejava, enquanto ela, da sua indigência, deitou tudo o que tinha para viver.»

Lucas, para nos inserir numa situação de vida que, hoje como ontem, nos interpela pela sua dramaticidade, serve-se de elementos contrastantes: os «ricos» e a «viúva», a «miséria» e o «supérfluo». O Evangelho não é um livro de piedosas exortações. Ilumina a realidade em que vivemos para que a possamos ler em profundidade. Jesus vê e elogia a pobre viúva; vê e não pode deixar de estigmatizar o gesto daqueles ricos. O olhar de Jesus é como que um juízo sobre a atitude daqueles que têm uma relação diferente com os bens, com o dinheiro. Um juízo que é sempre difícil de aceitar, mas que ilumina o gesto e o coração das pessoas.
Jesus elogia a viúva pobre por causa das «duas moedas» que ofereceu ao templo. Também aqui há um forte contraste nas palavras de Jesus: duas moedas são duas moedas; mas Jesus considera-as mais preciosas do que as ofertas dos ricos. O gesto desta mulher lembra o da mulher anónima que, na véspera da paixão de Jesus, perfumou os seus pés e a sua cabeça com perfume precioso. É um gesto belo que agrada a Jesus mais do que qualquer outro. O pouco da pobre viúva é tudo aos olhos de Deus, enquanto o muito dos ricos é simplesmente supérfluo. Também aqui encontramos um juízo bastante claro: Deus aprecia mais o valor qualitativo do que o valor quantitativo dos nossos gestos. Só Ele vê o nosso coração e nos conhece profundamente.

Meditatio

Quem são os “virgens” de que fala o Apocalipse (14,1-5). Para alguns autores estes virgens seriam os que vivem no estado da virgindade integral e que seriam os perfeitos representantes do Povo de Deus peregrino, os cristãos modelo. Mas outros autores julgam que se trata apenas de virgindade alegórica, que denota fidelidade e adesão total a Deus, própria de qualquer cristão que tenha vivido plenamente a sua vocação. De facto, na linguagem profética, a infidelidade do povo a Deus é chamada prostituição. Não há pois convergência na interpretação do texto. Mas parece que podemos aceitar a opinião de um autor moderno: “o texto é um testemunho evidente da estima que a Igreja primitiva tinha pela virgindade”, uma vez que, para designar os cristãos perfeitos não encontrou melhor termo que o de “virgens”.
Ao comentar este texto, São Bernardo diz que o Cordeiro sobe muito alto e desce muito baixo. Desce muito baixo porque se humilhou a si mesmo fazendo-se obediente até à morte; sobe muito alto porque é o Cordeiro sem mancha. Os 144 mil que seguem o Cordeiro também não têm mancha, são “virgens”. E S. Bernardo continua a dizer: um pecador arrependido segue o Cordeiro; um que é virgem, segue o Cordeiro; mas pode acontecer que, nem um nem outro, o sigam para onde quer que vá: um porque não está sem mancha e outro porque se ensoberbeceu por causa da sua virgindade. O melhor, conclui o Santo, é segui-lo como pecador arrependido, porque o arrependimento purifica das culpas e torna possível seguir o Cordeiro, enquanto a soberba mancha a virgindade e impede segui-l´O. Por vezes, pode ser um bem tocar com a mão a própria miséria, porque nos pode impedir de cairmos na soberba.
O texto evangélico leva-nos a reflectir sobre o valor do dom, do dom de si mesmo. A viúva fez um gesto eloquente: deu com generosidade e confiança, revelando o seu bom coração e o valor d´Aquele a Quem doava. Manifesta-se aberta a Deus, cheia de confiança n´Ele e, ao mesmo tempo, mostra que, para ela, Deus é o supremo bem. O seu gesto é um acto de fé, de abandono à Divina Providência, um acto de adoração.
Os dons ligam as pessoas umas às outras, não tanto pelo valor que têm em si mesmos, mas por causa dos sentimentos que revelam no coração de quem dá, e pelo valor atribuído a quem se dá. É o coração que torna precioso o dom. Sob o ponto de vista religioso, a fé altera radicalmente o valor do que se dá. O pouco da viúva, dado com fé, é tudo; o muitos dos ricos, dado sem fé, é nada. O que torna precioso um dom é a intenção que o acompanha. Se o termo do gesto oblativo é Deus, o dom assume um valor extremamente grande. É Deus Quem o acolhe, o aprecia e o agradece.
A vocação ao celibato consagrado por causa do Reino, sendo um dom de Deus, não deixa de exigir muita generosidade. Mas a vocação cristã em geral, e particularmente a nossa vocação oblativa reparado
ra, também exigem grande generosidade. A participação no sacerdócio e no estado de vítima de Cristo, todavia, não é para seres excepcionais e extraordinários, mas para todos os que querem viver Cristo em profundidade, de maneira simples e humilde, mas com total confiança e abandono. Para nós, Oblatos-SCJ é “um dom particular” (Cst 13), “uma graça especial” (Cst 26) de testemunho, para recordar a todos os nossos irmãos cristãos (leigos, sacerdotes, religiosos) a sua vocação baptismal, participação no sacerdócio de Cristo. A «vida de união à oblação de Cristo como o único necessário» (Cst 26) ou, como se dizia no tempo do Pe. Dehon, a vida de vítima, pede generosidade e abandono a todos os baptizados.

Oratio

Senhor, dá-me a graça de Te seguir, para onde quer que vás. Que eu Te siga, ao menos, como pecador arrependido, recebendo da tua generosidade sem limites as graças de que preciso, especialmente a da humildade e a da fidelidade.
Faz-me também generoso e confiante como a viúva pobre que observaste no templo, para que me entregue sem reservas em completa oblação à tua glória e em total disponibilidade para os irmãos. Que a minha natureza ferida e corrupta, a pretexto de nobres ideais, jamais me leve a dons mascarados pelo egoísmo e pela vaidade. Que os meus dons sejam sempre motivados, única e exclusivamente, pelo amor puro. Amen.

Contemplatio

S. João aprende com os exemplos e as palavras de Jesus as virtudes que fazem as vítimas do Sagrado Coração: Obediência, paciência, caridade, abandono, reparação – S. João era o primogénito e o modelo das vítimas do Sagrado Coração. O tempo entre a tomada do hábito e a sua profissão não foi longo. No entanto, passou por um noviciado, por um tempo de prova, durante o qual aprendeu mais, avançou mais em virtude e em perfeição, sofreu mais no seu coração e no seu espírito do que a razão humana pode conceber. Lá aprendeu até onde vai o verdadeiro, santo e puro amor de Deus e que a medida deste amor é amar sem medida.
Na noite da Ceia viu como Nosso Senhor se deu inteiramente no mistério da Eucaristia. No dia seguinte, foi testemunha da oferta dolorosa da vítima sangrenta sobre a cruz. Pela sua presença, pela sua fidelidade e constância, testemunhou abertamente que conhecia Nosso Senhor, que era e queria permanecer seu discípulo. Nesta hora solene, fez no seu coração cheio de amor, de reconhecimento, de compaixão e de zelo, as promessas mais santas para o futuro. Tomou a resolução de nunca abandonar Jesus nem a sua doutrina. Depois recebeu em partilha o Coração ferido de Jesus, o Coração sobre a cruz, envolvido com os espinhos da humilhação, do ultraje, da dor, da ingratidão, da infidelidade e da cobardia dos seus discípulos, daqueles de então e dos do futuro. Viu como Nosso Senhor era ao mesmo tempo sacrificador e vítima, como deve ser todo o verdadeiro sacerdote da nova lei (Leão Dehon, OSP 3, p. 520s.).

Actio

Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
«Estes seguem o Cordeiro para onde quer que vá» (Ap 14, 4).

| Fernando Fonseca, scj |