Print Friendly, PDF & Email

Tempo Comum – Anos Pares
I Semana – Quinta-feira
Lectio

Primeira leitura: 1 Samuel 4, 1-11

1A palavra de Samuel foi dirigida a todo o Israel. Israel saiu ao encontro dos filisteus para lhes dar combate. Acamparam junto de Ében-Ézer e os filisteus acamparam em Afec. 2Os filisteus puseram-se em linha de combate frente a Israel, e começou a batalha. Israel foi vencido pelos filisteus, que mataram em combate cerca de quatro mil homens. 3O povo voltou ao acampamento e os anciãos de Israel disseram: «Porque é que o Senhor nos derrotou hoje diante dos filisteus? Vamos a Silo e tomemos a Arca da aliança do Senhor, para que Ele esteja no meio de nós e nos livre da mão dos nossos inimigos.» 4O povo mandou, pois, buscar a Silo a Arca da aliança do Senhor do universo, que se senta sobre querubins. Os dois filhos de Eli, Ofni e Fineias, acompanhavam a arca. 5Quando a Arca da aliança do Senhor chegou ao acampamento, todo o Israel lançou um grande clamor, que fez a terra tremer. 6Os filisteus, ouvindo-o, disseram: «Que significa este grande clamor no acampamento dos hebreus?» Souberam que a Arca do Senhor havia chegado ao acampamento. 7Tiveram medo e disseram: «O Deus deles chegou ao acampamento. Ai de nós! Até agora nunca se ouviu coisa semelhante. 8Ai de nós! Quem nos salvará da mão desse Deus excelso? É aquele Deus que feriu os egípcios com toda a espécie de pragas no deserto. 9Coragem, ó filisteus! Portai-vos varonilmente, não suceda que sejais escravos dos hebreus como eles o são de vós. Esforçai-vos e combatei.» 10Começaram a luta; Israel foi derrotado e todos fugiram para as suas casas. O massacre foi tão grande que ficaram mortos trinta mil homens de Israel. 11A Arca de Deus foi tomada, e os dois filhos de Eli, Hofni e Fineias, pereceram.

Os filisteus chegaram a Canaã quase ao mesmo tempo que os filhos de Israel. Dispunham de uma técnica superior à deles: conheciam a forja para trabalhar metais e eram os únicos que tinham armas desse tipo. Por isso, apesar de serem menores em número, os filisteus foram um problema sério para Israel.
Mas o centro de interesse do nosso texto não é de ordem militar, mas teológico. O centro das atenções é a Arca e, em última análise, Deus, de quem a Arca é expressão sensível.
No primeiro recontro os filisteus bateram Israel. Os anciãos deram a culpa ao Deus da Aliança: «Porque é que o Senhor nos derrotou hoje diante dos filisteus?» (v. 39). O povo não se resigna e põe Deus à prova: «Vamos a Silo e tomemos a Arca da aliança do Senhor, para que Ele esteja no meio de nós e nos livre da mão dos nossos inimigos» (v. 39). Mas, ao desencadear-se uma nova batalha, Israel sofre uma nova e terrível derrota. A própria Arca é roubada pelos filisteus. Os filhos de Eli são mortos em combate e o próprio sacerdote cai morto ao receber a notícia da completa derrota. Parece o fim. Mas Deus, fiel às suas promessas, estava atento e tinha uma reserva de esperança: Samuel. Dali para a frente, o filho de Elcaná e de Ana torna-se o representante do povo santo e leva consigo o destino da nação.
Este episódio encerra várias lições. Sublinhemos apenas duas: a Aliança inclui privilégios, mas também exigências; a Arca, o Templo, os «sacramentos», não são meios mágicos para pôr Deus a nosso serviço.

Evangelho: Mc 1, 40-45

Naquele tempo, 40um leproso veio ter com Ele, caiu de joelhos e suplicou: «Se quiseres, podes purificar-me.» 41Compadecido, Jesus estendeu a mão, tocou-o e disse: «Quero, fica purificado.» 42Imediatamente a lepra deixou-o, e ficou purificado. 43E logo o despediu, dizendo-lhe em tom severo: 44«Livra-te de falar disto a alguém; vai, antes, mostrar-te ao sacerdote e oferece pela tua purificação o que foi estabelecido por Moisés, a fim de lhes servir de testemunho.» 45Ele, porém, assim que se retirou, começou a proclamar e a divulgar o sucedido, a ponto de Jesus não poder entrar abertamente numa cidade; ficava fora, em lugares despovoados. E de todas as partes iam ter com Ele.

A lepra era uma doença aterradora, porque excluía da comunhão com o povo de Deus: «Impuro! Impuro!» gritava o leproso, à distância, para que ninguém dele se aproximasse (Lev 13, 45). Os rabinos consideravam o leproso como um morto. A sua cura era tão improvável como a ressurreição.
No texto que escutámos, o leproso atreve-se a aproximar-se de Jesus. E Jesus acolhe-o e toca-o, contra as normas vigentes. As leis só obrigam na medida em que concorrem para o bem do homem. É um tema que irá repetir-se ao longo do segundo evangelho e em Paulo. Pode haver momentos em que o cristão, levado pela sua consciência humanizadora, tenha de recorrer à «objecção de consciência».
Operada a cura, Jesus manda ao leproso que não faça publicidade dela, mas se apresente aos sacerdotes para que o reintegrem na comunidade. O objectivo da cura não era fazer publicidade apologética, mas reintegrar o marginalizado. A salvação já não se encontra na separação e na marginalização, mas na reintegração porque, com Jesus, entrou no mundo o próprio poder salvífico de Deus, que se põe do lado dos pobres e dos últimos da sociedade dos homens. A nova sociedade inaugurada por Jesus não marginaliza ninguém, não separa, não exclui, porque Jesus aboliu o sistema que separava o puro do impuro tal como o entendia o mundo judaico. O cristão é um homem livre para Deus e para os outros. A Igreja deve estar na linha da frente para que a liberdade se torne real para todos os homens.

Meditatio

A primeira leitura mostra-nos que é possível iludir-nos com uma falsa confiança em Deus. Isso pode acontecer se mantivermos com Ele uma relação religiosa simplesmente aparente, expressa por um aparato cultual mais ou menos sofisticado, ou pela simples declaração de boas intenções. A verdadeira relação com Deus exige honestidade, ausência de fingimento.
Os hebreus, vencidos pelos filisteus, vão buscar a Arca da Aliança, esperando que a sua presença lhes alcance a vitória. Mas acontece o pior: além de perderam a batalha, perdem também a Arca, que é roubada pelos filisteus. A sua confiança foi completamente frustrada.
Toda estas desgraças já tinham sido anunciadas a Samuel: Deus tinha dito ao jovem que não estava contente com o culto que Lhe era prestado. Os próprios filhos do sacerdote Eli desonravam o Senhor, com o seu mau comportamento. Teria de haver um castigo. E houve. Diante da infidelidade do povo de Deus, de nada serviu a própria Arca da Aliança.
Não se pode viver na infidelidade e esperar uma intervenção milagrosa de Deus, quando surge um problema. É preciso viver em comunhão permanente com Ele, buscando e realizando a sua vontade, servindo-o generosamente. Dizendo isto, será bom lembrar que, apesar de tudo, a nossa confiança em Deus nunca é frustrada, mesmo quando sofremos as consequências dos nossos pecados. Mas
não havemos de esperar intervenções miraculosas de Deus quando merecemos a provação. Deus não deixará de escutar as nossas preces, e de actuar, mas não necessariamente para nos livrar das tribulações justamente merecidas. No caso de que nos fala a leitura, os filisteus levam a Arca da Aliança, coisa ainda mais dramática para os hebreus do que a própria derrota militar. Perdendo a Arca, que mantinha unido o povo, parecia ter chegado o fim do mesmo povo. Mas não é o que acontece. Os filisteus são atingidos por várias desgraças e vêem-se obrigados a devolver a Arca. E assim começa a história do Templo de Jerusalém. A Arca é primeiramente colocada em Silo. Mas quando David conquista Jerusalém é levada para lá. Assim, com uma derrota, começa a história do triunfo do Templo de Jerusalém, de David, da prosperidade de Israel, das maiores promessas de Deus ao seu povo. É bom manter sempre a confiança em Deus, mesmo quando nos abandona às consequências do nosso pecado. Quando menos esperamos, pode abrir-nos horizontes que jamais teríamos sonhado.
Para o P. Dehon, o culto a prestar a Deus há-de ser um “culto de amor e de reparação”, um culto que envolve “toda a vida” (Cst. 7), transformando-a numa “missa permanente” (Cst. 5). É esse culto que nos cura da lepra do pecado e cura a humanidade, reunindo-a no Corpo de Cristo e consagrando-a para Glória e Alegria de Deus (cf. Cst 25).

Oratio

Pai santo, animados pelo teu Espírito, oferecemo-nos a Ti, em união com o Sagrado Coração de Jesus, para vivermos a sua oblação como resposta ao teu amor. Consagramos-Te a nossa vida, orações e acções, alegrias e sofrimentos, como sacrifício de amor e reparação. Eis-nos aqui, ó Pai, para fazermos a tua vontade. Amen.

Contemplatio

Nosso Senhor, ao apresentar-se aos doentes ou ao atraí-los a si pela sua incomparável bondade, exigia apenas uma condição para os curar: uma confiança absoluta n’Ele. S. João Baptista, não operando milagres, contentava-se em pregar a penitência com o zelo de Elias. Mas aquele que tinha vindo para salvar o que estava perdido exigia antes de tudo a confiança. Ao leproso que se prostra cheio de confiança diante d’Ele, dizendo: «Senhor, se quiseres, podes curar-me», apressa-se a responder: «Quero, fica curado». A outros, que lhe pedem socorro para si ou para os seus filhos, diz: «Credes? Tendes confiança? Tudo é possível a quem crê». E o pobre pai da criança endemoninhada exclama então: «Eu creio, Senhor, ajuda a minha incredulidade».
Se estes judeus carnais tinham confiança bastante para obter a sua cura, que diremos nós dos cristãos dos nossos dias, dos cristãos piedosos que não têm nenhuma ou que a têm tão fraca que não persevera? Mas nós, apóstolos do Sagrado Coração, que opera tantas maravilhas no meio de nós, se nos faltasse a confiança, isso seria um ultraje considerável para com este divino Coração, seria dizer-lhe: «Não, vós não sois assim tão bom, nem poderoso bastante, e eu não confio em vós. Por conseguinte não vos amo». Esta blasfémia implícita não deixaria afastar de nós a sua divina misericórdia. A confiança e o amor mantêm-se bem perto. Aquele que ama é amado e não duvida da bondade do seu amigo (Leão Dehon, OSP 2, p. 282).

Actio

Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
«Senhor, se quiseres, podes purificar-me» (Mc 1, 40).
 

| Fernando Fonseca, scj |