Tempo Comum – Anos Pares
XXVIII Semana – Quarta-feira
Lectio

Primeira leitura: Gálatas 5, 18-25

Irmãos: 18Se sois conduzidos pelo Espírito, não estais sob o domínio da Lei. 19Mas as obras da carne estão à vista. São estas: fornicação, impureza, devassidão, 20idolatria, feitiçaria, inimizades, contenda, ciúme, fúrias, ambições, discórdias, partidarismos, 21invejas, bebedeiras, orgias e coisas semelhantes a estas. Sobre elas vos previno, como já preveni: os que praticarem tais coisas não herdarão o Reino de Deus. 22Por seu lado, é este o fruto do Espírito: amor, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fidelidade, 23mansidão, auto-domínio. Contra tais coisas não há lei. 24Mas os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne com as suas paixões e desejos. 25Se vivemos no Espírito, sigamos também o Espírito.

Paulo continua a insistir com os Gálatas para que fundamentem a sua existência na liberdade a que foram chamados: uma vez que são filhos de Deus, deixem-se conduzir pelo Espírito, caminhando de acordo com os seus desejos e seguindo o seu caminho de liberdade e de amor. Só o Espírito é guia seguro para se tornarem novas criaturas, homens novos regenerados por Cristo, libertos da Lei que não é capaz de impedir «as obras da carne» (vv. 19-21). Também nós fomos chamados a essa liberdade: «Que o pecado não reine mais no vosso corpo mortal, de tal modo que obedeçais às suas paixões… Pois o pecado não terá mais domínio sobre vós, uma vez que não estais sob a lei, mas sob a graça» (Rm 8, 12.14). A liberdade do Espírito é contrária ao desregramento da «carne». Paulo apresenta «o fruto do Espírito» e põe-lo em contraste com «as obras da carne». «Amor, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fidelidade, 23mansidão, continência» (v. 22) são obras do Espírito e são resultado da livre adesão de quem escolheu a lei da caridade (cf. 2 Pe 1, 10).
Quase a terminar a carta aos Gálatas, Paulo dá alguns avisos para que «a lei de Cristo» se torne serviço, caridade «sobretudo para com os irmãos na fé».

Evangelho: Lucas 11, 42-46

Naquele tempo, disse o Senhor: 42Ai de vós, fariseus, que pagais o dízimo da hortelã, da arruda e de todas as plantas e descurais a justiça e o amor de Deus! Estas eram as coisas que devíeis praticar, sem omitir aquelas. 43Ai de vós, fariseus, porque gostais do primeiro lugar nas sinagogas e de ser cumprimentados nas praças! 44Ai de vós, porque sois como os túmulos, que não se vêem e sobre os quais as pessoas passam sem se aperceberem!» 45Um doutor da Lei tomou a palavra e disse-lhe: «Mestre, falando assim, também nos insultas a nós.» 46Mas Ele respondeu:«Ai de vós, também, doutores da Lei, porque carregais os homens com fardos insuportáveis e nem sequer com um dedo tocais nesses fardos!

Jesus pronuncia dois «ai de vós» contra os fariseus, os mais observantes e comprometidos, e contra os doutores, encarregados de ensinar e guiar os outros pelos caminhos de Deus. Estigmatizou os que querem sinais para acreditar, desmascarou os corações hipócritas e, agora, dirige palavras duras contra aqueles que aproveitam as suas prerrogativas de cultura e de autoridade para se envaidecerem e oprimirem os outros. São como túmulos disfarçados, cheios de podridão (cf. Mt 23, 27), capazes de contaminar – de acordo com a Lei – aqueles que sobre eles passam.
Ironicamente, Lucas põe na boca de um doutor a observação: «Mestre, falando assim, também nos insultas a nós» (v. 45). A resposta de Jesus revela a sua tristeza pela atitude defensiva de quem, querendo salvaguardar a própria imagem, não consegue dar-se conta da mesquinhez da sua realidade, nem enxergar o que é verdadeiramente essencial: «a justiça e o amor de Deus».

Meditatio

Jesus acusa os educadores do seu povo, dizendo que, em vez de favorecerem a liberdade, a dificultam. A educação deve conduzir para a liberdade, formando o coração. Por vezes, os educadores insistem demasiadamente sobre aspectos exteriores, descuidando a formação da consciência e do coração. Assim, formam escravos e não homens livres: «car¬regais os homens com fardos insuportáveis e nem sequer com um dedo tocais nesses fardos» (Lc 11, 46), «pagais o dízimo da hortelã, da arruda e de todas as plantas e descu¬rais a justiça e o amor de Deus» (v. 42). A perfeição nas coisas exteriores alimenta a soberba do educador. Mas o esforço por libertar o coração torna-o humilde, porque sabe que ele mesmo ainda não está completamente livre.
Na carta aos Gálatas, S. Paulo vai no mesmo sentido quando contrapõe a carne e o Espírito. A carne é o homem natural, corrompido pelo pecado original, que realiza actos que impedem a liberdade e levam à escravidão. Contra estes actos, a Lei apenas dispõe de proibições: «Não farás… Não dirás…», indicando o indispensável para não desagradar a Deus. O Espírito, pelo contrário, faz-nos actuar no amor, que não se contenta com uma observância mínima, mas tende à plenitude, a liberdade de nos darmos, de nos entregarmos totalmente. E o mesmo Espírito faz-nos descobrir uma imensa riqueza nesta doação total: «o fruto do Espírito: amor, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, continência» (vv. 22-23). «Contra tais coisas não há lei» (v. 23), acrescenta S. Paulo. De facto, no Espírito vive-se livres, alegremente livres e cheios de paz.
O dom do Espírito vêm-nos, como sabemos, do sacrifício de Jesus, sacrifício total, fruto do seu amor oblativo, donde brota a liberdade total do Ressuscitado.
Como cristãos e dehonianos, somos convidados a converter-nos a uma fé cada vez mais concreta: a fé das “obras” e da “verdade” (1 Jo 3, 18), a converter-nos às obras do Espírito, como exorta S. Paulo, depois de ter excluído as obras da carne (cf. Gl 5, 19-21); irradiar os frutos do Espírito: «O fruto do Espírito é…, caridade, alegria, paz, paciência, benevolência, bondade, fidelidade, mansidão, temperança… Os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e apetites (é a morte progressiva ao “homem velho”: Ef 4, 22). Se vivemos pelo Espírito, caminhemos também segundo o Espírito» (Gl 5, 22.24-25).
Pode afirmar-se que o único “fruto do Espírito” é o amor oblativo. Todavia o campo do amor oblativo, ou caridade, é imenso. Por isso, o Apóstolo define os sinais que o manifestam: a alegria e a paz: ser criaturas de alegria e de paz. É o apostolado mais urgente no nosso mundo tão triste e tão carecido de paz; mas é um apostolado necessário tamb&eac
ute;m para as nossas comunidades, onde é precisa tanta paciência (para saber compreender os irmãos, sabê-los aceitar, ser misericordiosos, perdoar), tanta bondade (ter bom coração e manifestá-lo), tanta benevolência (ou disponibilidade para o serviço). Mas também são precisas condições para irradiar estes frutos do Espírito: a fidelidade a Cristo, a mansidão que está sempre unida à humildade (“aprendei de Mim que sou manso e humilde de coração: Mt 11, 29), a temperança (ou auto-domínio), isto é, deixar-se guiar nos pensamentos, desejos, afectos, palavras, acções, não pelo próprio “eu”, muitas vezes egoísta, mas pelo Espírito de Deus. É evidente que tudo isto não se realiza num dia; supõe um «encontro frequente com o Senhor na oração» (Cst. 144) e «a conversão permanente ao Evangelho» (Cst. 144).

Oratio

Senhor, ajuda-me a libertar-me da escravidão da carne que tenta levar-me a atitudes exteriores de justiça e de observância legalista, com frutos que não servem à tua glória nem ao meu bem ou ao dos meus irmãos. Faz-me dócil ao teu Espírito para que produza em mim o amor oblativo, para que nada ache demasiado custoso; o Espírito de alegria para que não busque satisfações no egoísmo e na soberba; o Espírito de paz, próprio de quem sabe que é amado; o Espírito de paciência, para enfrentar as dificuldades; o Espírito de bondade e de benevolência, que desfaz a minha dureza de coração na relação com os outros; o Espírito de fidelidade para perseverar corajosamente; o Espírito de mansidão que me conforma a Ti; o Espírito de temperança para crucificar a minha carne com as suas paixões e desejos, para ficar completamente livre para a justiça e para o amor. Amen.

Contemplatio

Jesus atrai a si aqueles que o amam e o seu contacto santifica-os, leva-os à perfeição, porque Ele é a santidade e a perfeição mesma. No entanto, é preciso compreendê-lo bem, Ele deseja que o amemos por Ele mesmo e não por causa de nós. Se lhe testemunhamos um amor interessado, ditado pelo cálculo, isso toca-o pouco.
Muitos amam Nosso Senhor em vista das suas graças, dos seus benefícios. Amam-no porque a piedade tem muitas vezes, sobretudo para os principiantes, doçuras e consolações; e quando chega a aridez, perdem a coragem.
Outros amam Nosso Senhor e servem-no em vista das bênçãos temporais que daí lhe advirão. Também, desde que uma provação chega, um revês da fortuna, uma doença, a perda de um familiar, arrefecem e às vezes recusam Nosso Senhor.
Outros finalmente têm demasiado constantemente em vista no seu amor as penas e as recompensas da outra vida.
Estas almas rezam, mas sobretudo para obter benefícios. Mal sabem louvar, amar, agradecer. A segunda parte do Pater toca-as, mas a primeira deixa-as frias. Atêm-se mais ao pão quotidiano do que ao reino de Deus mesmo.
Já não há aí verdadeiramente amor, é um procedimento diplomático. Jesus descobre todos os cálculos porque perscruta os rins e os corações. Os que amam por cálculo são mais servos do que seus amigos. (Leão Dehon, OSP 2, p. 70).

Actio

Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
«Se vivemos pelo Espírito, caminhemos segundo o Espírito” (cf. Gl 5, 22.24-25).

| Fernando Fonseca, scj |