Print Friendly, PDF & Email

No passado dia 11 de Fevereiro, após o pequeno-almoço, saímos em direcção à Batalha. Aí, deleitámo-nos artisticamente com a imponência, o detalhe e a perfeição do Mosteiro; com a grandeza, a verticalidade e a sobriedade da sua igreja. Pudemos ver os túmulos de personagens importantes da nossa história, homens fortes e valorosos que enfrentaram os desafios do seu tempo com ânimo e coragem (a falta que eles fazem hoje…). Há lugares que nos fazem sentir pequenos e nos ensinam a respeitar aqueles que nos antecederam!!!

Da Batalha para o castelo de Porto de Mós. Esta pequena e pitoresca vila, construída sob um castelo, não menos sugestivo e cativante, merece uma visita. Aliás, foi aí que soubemos por uma funcionária da autarquia – daquelas que andam a apanhar o lixo nas ruas – que o Papa Bento XVI tinha resignado. A nossa segurança e convicção teológicas não nos deixaram confiar nas suas palavras!

A paragem seguinte foi o Sítio da Nazaré. Fomos logo visitar o farol (em bom rigor, um farolim), com a esperança de ver as grandes ondas que dão fama à terra. O vento era forte e a chuva dava ares da sua presença, mas o espectáculo natural recompensava o esforço. Como diz o Sábio, os olhos não se cansam de ver. Para além do mar, ainda fomos visitar o Santuário, outrora um importante centro mariano do nosso país.

Terminada esta visita à Nazaré, fizemo-nos à estrada, regressando ao nosso Seminário. Foi um dia bem vivido e com muito entusiasmo; um dia verdadeiramente histórico pela renúncia de um papa, sinal de grande lucidez e humildade para todos nós.

José Domingos, scj