SOLIDARIEDADE – ERGUER MADAGÁSCAR

Acompanhei D. Alfredo, bispo da Diocese de Mananjary, no seu regresso a Madagáscar, depois de um tempo passado em Portugal para tratar da sua saúde. Chegámos a Mananjary dois meses após a passagem do ciclone Betsiray que deixou um rasto de destruição em toda a Diocese, mas com maior incidência na cidade de Mananjary. À medida que descemos do planalto para a costa Este fomo-nos dando conta das marcas deixadas pelo ciclone. Mas foi, sobretudo, ao chegar a Antsenavolo, distrito situado a 50 km de Mananjary, e que está ao cuidado dos Dehonianos, que pudemos constatar os efeitos devastadores do ciclone: parte do telhado da grande Igreja fora levado pelo vento e o grande refeitório da Missão totalmente destruído. O edifício com várias salas de catequese e dormitórios ficou também sem teto. Os fortes ventos deitaram por terra coqueiros, palmeiras, toda uma plantação de bananeiras que havia no terreno da Missão… O Pe. Martin, Dehoniano, com a ajuda de alguns trabalhadores, já refizera o telhado da Igreja com as folhas de zinco que fora possível recuperar e provisoriamente repôs outras, mesmo danificadas, para cobrir o telhado das salas.

Dali prosseguimos a nossa viagem até Mananjary onde chegámos ao final do dia. Fomos acolhidos pelo ecónomo e alguns padres da diocese que durante o jantar nos contaram como viveram a passagem do ciclone e os dias difíceis que se lhe seguiram. Estiveram 8 semanas sem eletricidade. No dia seguinte pudemos finalmente ver com os nossos olhos o que até então nos tinham contado. Impressionou-nos muito, não só a destruição provocada nos edifícios, mas a própria devastação na natureza: Mananjary era uma cidade com muita vegetação mas, depois do ciclone, não sobrou nenhuma folhagem verde. As árvores que resistiram ficaram como se tivessem sido queimadas. Passados dois meses já as víamos novamente revestidas de folhagem nova e reverdecidas. É impressionante a capacidade da natureza se refazer!

Desde a nossa chegada, já foi posta em andamento a reconstrução do teto da Catedral, do Seminário e da Capela da Residência… É possível realizar toda esta reconstrução graças à generosidade de muitos amigos e benfeitores que desde a primeira hora responderam ao apelo de solidariedade para com a Diocese de Mananjary. D. Alfredo Caires muito agradece a ajuda que tem chegado através da conta que a Província Portuguesa dos Sacerdotes do Coração de Jesus pôs à disposição no seu site. Que o Coração de Jesus recompense a todos por tanta generosidade. Bem hajam!

José Alcindo Sousa, scj

 

OS NÚMEROS DA NOSSA SOLIDARIEDADE

Graças à ajuda dos nossos amigos e benfeitores, foi possível constituir o Fundo de Solidariedade dos Dehonianos utilizado para socorrer situações de carência e de necessidade em Portugal e nas mais diversas partes do Mundo. Ultimamente saíram desse Fundo os seguintes valores:

  • 11.955 € de ajuda aos refugiados da Ucrânia que foram acolhidos pelos Dehonianos da Polónia e da Ucrânia.
  • 69.605,79 € para ajudar na reconstrução das estruturas da Diocese de Mananjary (Madagáscar) destruídas pelo ciclone Betsiray.

Se quiser, pode ajudar a reforçar o Fundo de Solidariedade da Província através desta conta:
IBAN: PT50 0269 0165 00200255031 53
BIC/SWIFT: BKBKPTPL