Print Friendly, PDF & Email
Às 12.00 horas de hoje, na Sala do Consistório do Palácio Apostólico, o Santo Padre, Papa Francisco, recebeu em Audiência os participantes no Capítulo Geral dos Sacerdotes do Coração de Jesus (Dehonianos), a quem entregou o discurso que aqui se publica:
 
 
 
Discurso do Santo Padre ao membros do XXIII Capítulo Geral SCJ
 
Caros Sacerdotes do Coração de Jesus,
 
é com prazer que vos recebo por ocasião do Capítulo Geral, que constitui um momento privilegiado de aprofundamento e crescimento da vossa Família religiosa, e de bom grado aproveito o ensejo para felicitar o novo Superior Geral, Pe. Heiner Wilmer, pela missão que lhe foi confiada pela confiança dos confrades.
 
Em vós saúdo todos os Dehonianos, que trabalham, muitas vezes em condições difíceis, nas diversas partes do mundo, encorajando-os a prosseguir com generosa fidelidade no desempenho do seu compromisso apostólico.
 
Durante os trabalhos capitulares, centrastes a vossa reflexão sobre a comunidade, chamada a viver reconciliada, para poder partilhar a vida e o Evangelho com todos, especialmente com os marginalizados. Daí o tema do vosso Capítulo: “Misericordiosos, em comunidade, com os pobres”. Gostaria, então, de dar-vos algumas sugestões para realizar a vossa ação pastoral:
 
“Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia” (Mt 5,7). A vida religiosa é apresentada como vida plenamente evangélica, uma vez que realiza de forma concreta as bem-aventuranças. Portanto, como religiosos, sois chamados a ser misericordiosos. Trata-se, antes de mais, de viver em profunda comunhão com Deus na oração, na celebração da Eucaristia, para que toda a nossa vida seja um caminho de crescimento na misericórdia de Deus. Na medida em que tomamos consciência do amor gratuito do Senhor e o acolhemos em nós mesmos, crescem também a nossa ternura, a nossa compreensão e a nossa bondade para com as pessoas que vivem ao nosso lado. O esforço de renovação do vosso Instituto e da vossa missão no mundo abraça necessariamente a solicitude amorosa com a situação de cada religioso, para que a sua consagração possa tornar-se cada vez mais fonte de encontro vivificante e santificador com Jesus, cujo Coração trespassado é fonte de consolação, paz e salvação para todos os homens.
 
A vida religiosa é uma convivência de crentes que se sentem amados por Deus e procuram amá-l’O. Precisamente nesse comum empenho podeis encontrar a razão mais profunda da vossa sintonia espiritual. Na experiência da misericórdia de Deus e do seu amor encontrareis também o ponto de harmonização das vossas comunidades. Isso implica o empenho de saborear cada vez mais a misericórdia que os confrades têm para convosco e oferecer-lhes a riqueza da vossa misericórdia. Em tudo isso, vos serve de exemplo e ajuda o testemunho do vosso Fundador, grande apóstolo do Coração de Jesus.
 
A misericórdia é a palavra-síntese do Evangelho; podemos dizer que é o “rosto” de Cristo, o rosto que Ele manifestou quando ia ao encontro de todos, quando curava os doentes, quando se sentava à mesa com os pecadores e, sobretudo, quando, pregado na cruz, perdoou: temos aí o rosto da divina misericórdia. E o Senhor chama-nos a ser “canais” desse amor, em primeiro lugar com os últimos, os mais pobres, que, a seus olhos, são os privilegiados. Deixai-vos constantemente interrogar pelas situações de fragilidade e pobreza com que contactais, e procurai oferecer, nas formas adequadas, o testemunho da caridade que o Espírito infunde nos vossos corações (cf. Rm 5,5). O estilo da misericórdia faça com que prontamente vos abrais às necessidades atuais e sejais ativamente presentes nos novos areópagos da evangelização, privilegiando, mesmo que isso comporte sacrifícios, a abertura às realidades de extrema necessidade, que são sintomáticas das doenças da sociedade hodierna.
 
A história da vossa Congregação está marcada e tornou-se fecunda por tantos vossos confrades que dedicaram generosamente a sua vida ao serviço do Evangelho, vivendo em dócil comunhão com os Pastores, com coração indiviso para Cristo e em espírito de pobreza. A sua opção evangélica ilumine o vosso empenho missionário e vos encoraje a prosseguir com renovado fervor apostólico na vossa peculiar missão na Igreja. No sulco desses testemunhos, podereis dar novo impulso à animação missionária nos diversos contextos em que estais inseridos.
 
Faço votos para que as orientações elaboradas pelo Capítulo Geral guiem o Instituto a prosseguir com generosidade no seu caminho, seguindo o rumo traçado pelo Fundador. Com estes sentimentos e invocando a celeste proteção da Virgem Maria, a todos vós e à inteira família dehoniana concedo uma especial Bênção Apostólica.
 
Papa Francisco