Print Friendly, PDF & Email

No dia 19 de Fevereiro, aproveitando um dia de sol, tão raro nesta fria e chuvosa época do ano, os seminaristas do Seminário Missionário Padre Dehon fizeram-se à estrada rumo à capela de Santa Justa que se situa no cimo de um elevado monte sobranceiro à cidade de Valongo.

Depois de uma oração de introdução e envio realizada na capela do Seminário, os seminaristas divididos em três grupos foram seguindo caminho fora, guiados por um texto que lhes fazia algumas questões cujas respostas deveriam ser encontradas no caminho: em placas, em anúncios, em estátuas, no chão ou simplesmente nas pessoas que encontravam pelo caminho.

A primeira paragem deu-se na Igreja de S. Pedro da Cova onde puderam revigorar as suas forças físicas, com um breve descanso; e espirituais, encontrando no exemplo do Apóstolo Pedro,coragem para o resto da caminhada.

Depois de retomarem a caminhada pelo monte fora, as forças foram enfraquecendo sobretudo por parte dos mais“fortes” que em cada subida suspiravam pela chegada ao objectivo final.

Chegados ao objectivo, depois de algum tempo de descanso, alguns dehonianos do Seminário juntaram-se a nós para o almoço. Seguiu-se um tempo de exploração da região, visto que se trata de uma zona geológica muito rica (os Romanos exploraram minas de ouro…) que há milhões de anos era o fundo do mar.

Para terminarmos o dia em grande celebramos a Eucaristia na capela, Juntamente com algumas pessoas que se encontravam no local e que se juntaram a nós.

Após a eucaristia regressámos ao Seminário, agora de carrinha, alegres por termos conseguido fazer todo o caminho e com vontade de fazermos outras caminhadas para fortalecer a amizade entre todos e nos sentirmos mais animados na verdadeira caminhada que é a vida.

No domingo, dia 20 de Fevereiro, os 5 seminaristas do 10º ano dirigiram-se com o seu educador ao Hospital de S. João, para aí colaborarem com os voluntários na sua actividade junto dos doentes. Participaram na missa do Hospital e acompanharam os ministros que levaram acomunhão aos doentes. O contacto com estas pessoas foi uma experiência marcante que os ajudou a descobrir que o mundo nem sempre é tão agradável como parece.

 

João Pereira, scj