Print Friendly, PDF & Email

Visita Pastoral de D. António José Cavaco Carrilho,
bispo da diocese do Funchal

D. António, bispo da diocese do Funchal encontra-se em visita pastoral à paróquia de Nossa Senhora do Monte.
Ontem, dia 24 de Outubro, o senhor bispo visitou o Colégio Infante D. Henrique. Chegou pelas 12,40 horas, acompanhado pelo pároco da paróquia de Nossa Senhora do Monte, o senhor cónego Victor dos Reis Franco Gomes.
O senhor padre José Augusto Alves Cancela, superior da comunidade religiosa e director do colégio, recebeu o senhor bispo e deu as boas-vindas, agradecendo a sua visita pastoral.
O primeiro encontro formal do senhor bispo foi com os alunos do segundo e terceiro ciclos do ensino básico. O encontro realizou-se onde todas as manhãs são recebidos os alunos, antes de subirem para as suas salas de aulas.
Estava calor. Com o à vontade próprio das crianças, sentaram-se comodamente no chão. Alguns professores estavam presentes.
Depois do almoço com os membros da comunidade religiosa, D. António falou aos professores do colégio. Um encontro mais informal.
Aos alunos deixou dois pensamentos, a partir de duas fábulas. Um dos alunos recordou a história da borboleta e um outro a história do menino admirado por nem todos os balões subirem.
O balão sobe porque tem dentro de si uma coisa que o faz elevar-se. Não sobe nem pela cor nem pela forma. Assim, os meninos sobem na vida – “serão alguém importante” – não pelo que vestem nem pela cor dos olhos nem pela cor dos cabelos, compridos ou curtos, nem por serem fisicamente altos ou baixos. Os meninos e as meninas sobem na vida por aquilo que têm dentro: generosidade, honestidade, trabalho, amizade, o perdão…
Quanto à borboleta que não conseguiu voar, “é preciso dar tempo ao tempo e esperar que as coisas aconteçam”. O menino teve pressa; quis que a borboleta saísse do casulo; abriu o casulo e estragou tudo. A borboleta não voava porque não estava pronta. As asas não tinham força. Assim os meninos e as meninas que esperam que sejam os outros a fazer o seu trabalho, não poderão voar; não estarão preparados. Copiar os trabalhos, servir-se do esforço alheio não prepara ninguém para voar na vida. Cada qual tem de fazer o seu trabalho, criar asas para poder voar.
A escola é vida para a vida.
Depois de perguntas, tais como “o senhor padre por que é bispo?” e respostas de um lado e doutro, a convite do senhor bispo, cantaram as crianças.
Para recordar a sua visita pastoral, D. António deixou uma pagela de Nossa Senhora do Monte e o senhor padre superior distribuiu rebuçados.
E viva o senhor bispo!

| Ferdinando Freitas, scj |