O Dia do Pai, aqui no Colégio Infante D. Henrique, teve o seu ponto alto no encontro com os pais depois do almoço. Foi festa… para os filhos ou pais? Para todos!

No encontro da manhã, antes do início das aulas, a oração teve presente o pai e o lema apresentado, através de um vídeo, destacou a importância do pai.

Depois do almoço, as crianças do Pré-Escolar e do Primeiro Ciclo, fizeram a festa ao e com o pai.

No pavilhão e pelos jardins do Colégio e do Monte fizeram jogos e brincadeiras, em que os protagonistas eram os pais. Mais de oitenta e cinco por cento dos pais responderam ao convite e ao desafio lançado pelos professores. As mães ficaram em casa!

No pavilhão, os pais puderam ver e ler o que os seus filhos pensam sobre o pai. Houve silêncio e emoção. Ali se expressou tudo o que a criança sonhadora tem na alma: pedidos, preces, considerações, lamentos…

Das actividades propostas, a que mais agradou aos pais foi a prova de orientação. Levando o filho consigo, o pai devia percorrer diversos pontos assinalados. Era então ver o filho à frente do pai, a correr, o pai, atrás, arfando e a criança a chamar… Uma corrida contra o tempo e contra o peso das pernas e da barriga! No entanto, o sorriso de alegria estava estampado no rosto.

Esta prova/brincadeira foi ganha por um “carreiro” (pessoa que conduz os carros de cesto na descida do Caminho do Monte). Com a sua filha, acostumado a descer o caminho do Monte, fez em vinte minutos uma prova preparada para quarenta.

Uma merenda reforçada coroou a festa. As crianças estavam contentes porque tiveram o pai a seu lado e os pais estavam felizes porque mostraram, uma vez mais, que são pais dedicados. Os professores também estavam satisfeitos porque tudo o que tinham pensado e organizado correu bem.

A festa terminou com pai e filho, de mãos dadas, a regressaram a casa para mais um fim-de-semana feliz.

 

Ferdinando Freitas, scj